• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 17 Janeiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 15° / 10°
Céu nublado com chuva moderada
Ter.
 14° / 2°
Céu muito nublado com chuva fraca
Seg.
 14° / 1°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  15° / 1°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

O AGOSTO QUE VIER - josé mota pereira

Opinião  »  2020-08-19  »  José Mota Pereira

"Sabemos que em Agosto de 2020 a festa da vida tem que fazer uma pausa."

Foi numa manhã de Agosto, que a Humanidade perdeu toda a vergonha, se é que ainda lhe sobrava alguma. Na cidade de Hiroshima, o cogumelo da morte subiu pelos ares semeando a morte e a destruição num dos maiores crimes cometidos contra a Humanidade. Um crime cometido pelos Estados Unidos da América para resolução de uma guerra que já estava resolvida. A devastação da bomba atómica repetiu-se poucos dias depois na cidade japonesa de Nagasaki vincando uma tragédia que fez de todos os Homens menos Homens. A brutalidade dos neutrões culminou um dos períodos mais tenebrosos da desumanidade organizada vivida na Segunda Guerrra Mundial.

No mês de Agosto que vivemos hoje, quase um século passado, somos de novo assombrados pelas mesmas nuvens. A paz e a cooperação entre os povos são palavras ignoradas. Neste mundo global as ameaças são sérias e preocupantes, por maior confiança que tenhamos no progresso da humanidade.

 Tomando boleia de um vírus  que atinge o mundo de uma forma como nunca antes se viu, assistimos a fenómenos merecedores de séria preocupação. Por todo o mundo, assistimos ao esbulho de direitos e liberdades. Assistimos a uma vergonhosa competição entre os maiores países para deter a patente e posse de uma vacina, que sendo de interesse de todos os povos do mundo, se apresentará afinal como mais um lucrativo negócio global. E que dizer do poder, cada vez maior, de algumas companhias mundiais, nomeadamente nas áreas das novas tecnologias e de informação pelo domínio, controle e rastreamento da vida individual e social? Que dizer da sua influência e condiconamento nos governos das grandes potências mundiais?

 Há um tempo novo, a “nova normalidade”, que se anuncia com preocupantes ameaças à liberdade e à democracia. Um tempo novo assente na fome na miséria, no desemprego, numa economia de novos escravos onde se acumulam todas as desigualdades sociais. O tempo da vitória da barbárie sobre a civilização. Uma nuvem que se espalha pelo mundo, de Nova Iorque a Moscovo, de Pequim a São Paulo, de Joanesburgo a Toronto, de Praga a Melbourne. Uma nuvem que chega aqui, também, a Torres Novas.

 Resistir e combater é urgente!

 Não podemos esquecer que todas as ditaduras se alicerçaram no medo que silencia os homens e na fé noutros Homens que se proclamam providenciais. Desses que estão aí de novo, sem máscara, desenterrados das tumbas de Santa Comba, bem falantes, trajados na fatiota Hugo Boss, barba arranjada, promovidos e financiados pelos netos do fascismo. Não podemos ignorá-los!

Quantos é que nós somos?

- assim nos cantou de punho erguido, José Mário Branco, “entre o Abril que fizemos e o que está por fazer”.

 Há milhares de anos que no hemisfério norte, o mês de Agosto é o tempo de limpar as ervas da terra e dela colher os frutos. Este é o mês em que ceifamos o trigo e o milho para o pão que nos alimenta os dias. Agosto é o tempo da festa e de agradecer à terra, ao ar, à agua e aos bichos a nossa existência de sermos vivos. Agosto é esta alegria milenar de colher, reencontrar, celebrar e recuperar forças.

Sabemos que em Agosto de 2020 a festa da vida tem que fazer uma pausa. No Agosto que vier, colheremos de novo os frutos da terra, cumprindo o ciclo da vida. Se cuidarmos do chão comum, a terra não nos falhará. Não nos falte a memória de outros Agostos em que se sonhou a construção colectiva do futuro.

 

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes »  2021-01-12  »  João Carlos Lopes

Foi paradigmático o facto de, aquando da confirmação (pela enésima vez) da intenção do Governo em avançar com o TGV Lisboa/Porto, as únicas críticas, reparos ou protestos de autarcas da região terem tido por base a habitual choraminga do “também queremos o comboio ao pé da porta”.
(ler mais...)


Peixoto - rui anastácio »  2021-01-10  »  Rui Anastácio

Há uns meses, em circunstâncias que não vêm ao caso, tive o prazer de privar com José Luís Peixoto e a sua mulher, Patrícia Pinto. Foram dias muito agradáveis em que fiquei a conhecer um pouco da pessoa que está por trás do escritor.
(ler mais...)


A Pilhagem - josé ricardo costa »  2021-01-10  »  José Ricardo Costa

Podemos dizer que um jogo de futebol sem público ou vida sem música é como um jardim sem flores. Não que um jardim sem flores deixe de ser um jardim. Acontece que, como no jogo de futebol, fica melhor se as tiver. Já se for uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, a comparação com o jardim sem flores não funciona, pela singela razão de que uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, sendo ainda sopa, sopa de feijão com couves não é de certeza.
(ler mais...)


DAR VOZ AO TRABALHO - josé mota pereira »  2021-01-10  »  José Mota Pereira

Entrados na terceira década do século XXI, o Mundo dos humanos permanece o lugar povoado das injustiças, da desigualdade e do domínio de uns sobre os outros. Não é a mudança dos calendários que nos muda a vida.
(ler mais...)


Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia »  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia

A sondagem da Aximage, para o DN/JN/TSF, referente ao mês de Dezembro, dá ao CDS uns miseráveis 0,3%. Os partidos também morrem e o CDS está moribundo. Teve um importante papel na transição à democracia e, também, na vida democrática institucionalizada.
(ler mais...)


Coltur… Quoltur… Coultur… Hábito - carlos paiva »  2021-01-10  »  Carlos Paiva

A arte pode dividir-se em dois grandes grupos. A arte comercial e a arte não comercial. A não comercial, por se reger pela criatividade, originalidade, inovação, profundidade, talento e virtuosismo, acaba por ser a produtora de matéria-prima para a arte comercial, regida essa pelas leis de mercado.
(ler mais...)


Resíduos urbanos - antónio gomes »  2021-01-10  »  António Gomes

O sector dos resíduos sólidos urbanos esteve recentemente na agenda mediática devido à revolta das populações que vivem perto dos aterros onde são depositados, pois assistem à constante degradação da sua qualidade de vida.
(ler mais...)


Como serás tu, 2021? - anabela santos »  2021-01-10  »  AnabelaSantos

 

O nosso maior desejo era fechar a porta a 2020 e abrir, com toda a esperança, a janela a 2021. E assim foi. Com música, alegria, festarola e fogo de artifício, tudo com peso e medida, pois havia regras a cumprir.
(ler mais...)


2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal »  2021-01-10  »  Inês Vidal

Finalmente 2021. Depois de um ano em que mais do que vivermos, fomos meros espectadores, fantoches num autêntico teatro de sombras, com passos e passeatas manipulados por entre margens e manobras de cordelinhos, chegámos a 2021. E chegámos, como em qualquer ano novo, com vontade de mudar, de fazer planos, resoluções que acabaremos por abandonar antes do Carnaval.
(ler mais...)


2020, um ano para esquecer? - jorge carreira maia »  2020-12-20  »  Jorge Carreira Maia

O ano de 2020 não foi fácil. A pandemia desestruturou os nossos hábitos e começou a desfazer a relação tradicional que tínhamos com a vida. Introduziu a incerteza nas decisões, o medo nos comportamentos, o afastamento entre pessoas.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-12-19  »  Inês Vidal Paul do Boquilobo - Inês Vidal
»  2021-01-12  »  João Carlos Lopes O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes
»  2020-12-20  »  Jorge Carreira Maia 2020, um ano para esquecer? - jorge carreira maia
»  2021-01-10  »  Inês Vidal 2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal
»  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia