• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 16 Junho 2024    •      Directora: Inês Vidal; Director-adjunto: João Carlos Lopes    •      Estatuto Editorial    •      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 22° / 15°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 23° / 16°
Períodos nublados com chuva moderada
Seg.
 27° / 15°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  26° / 13°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Caminho de Abril - maria augusta torcato

Opinião  »  2024-04-22  »  Maria Augusta Torcato

Olho para o meu caminho e fico contente. Acho mesmo que fiz o caminho de Abril. O caminho que Abril representa. No entanto, a realidade atual e os desafios diários levam-me a desejar muito que este caminho não seja esquecido, não por querer que ele se repita, mas para não nos darmos conta, quase sem tempo de manteiga nos dentes, que estamos, outra vez, lá muito atrás e há que fazer de novo o caminho com tudo o que isso implica e que hoje seria incompreensível e inaceitável.

Em 1968, duas crianças, uma a caminho dos sete anos e outra com dois ou três meses, viam-se em cima de uma manta, à sombra e sob a proteção de um magnífico sobreiro, que projetava, no campo de arroz adjacente que se espraiava, um domínio inquestionável.

Nas quadrículas verdes alagadas, um rancho de mulheres e homens fazia tarefas de monda ou outra coisa. Quase só se vislumbrava o seu dorso, dobrado para a frente, mas uma mãe, atenta e cuidadosa, dirigia amiúde os seus olhos para aquele lado do campo onde estava o sobreiro e sob a sua proteção as suas duas crianças. Eram as únicas crianças que acompanhavam aquele grupo de homens e mulheres do Alentejo e que tinha vindo trabalhar nos campos de arroz do Ribatejo. E aquela menina e aquele menino estavam ali, porque o menino tinha tão pouco tempo de nascido, que precisava mamar e, por isso, a irmã, mais velha, teve também de ir para cuidar dele enquanto os pais trabalhavam. Quando ele chorava, que era a forma de dizer que tinha fome, a menina agarrava nele com muito cuidado, e com muito medo de cair e o deixar cair, equilibrava-se nos cômoros, ou seja, nos paredões estreitos de terra que separavam as quadrículas de arroz e levava-o à mãe, atascada em água até por cima dos joelhos, que lhe dava o seu peito para o alimentar e tranquilizar. De seguida, lá voltavam os dois para a sombra da generosa árvore. Não havia brinquedos, para o pequenino, havia uma chucha de pano que conservava um miolo de pão, embebido em mel ou açúcar louro e o ia entretendo e enganando. O que é doce nunca amargou.

Ao fim do dia, quando o sol já se recolhia, o rancho voltava, atravessava uma ponte, a água corria no rio, indiferente às condições de vida daquela gente. O armazém erguia-se numa das margens, depois da estrada. Os colchões de palha estavam dispostas em correnteza, no chão. Aí o cansaço esquecia-se e permitia um alento para o dia seguinte. E tudo recomeçava. Creio que não se aspirava a grandes coisas. Não se conheciam grandes coisas. Conhecia-se o que se vivia e a vida era assim. Ninguém sente falta do que não conhece, mas percebe-se que há diferenças entre as pessoas. Há pessoas que estão nas suas terras, nas suas casas, as crianças brincam e parece que há uma ordem muito desordenada. Na cabeça e coração de alguns daquele rancho, haverá sonhos, desejos, e esperança de que estes se realizem. Isso justificará todo o esforço, todo o sacrifício, todas as dificuldades. Justificará aquela existência e construirá o futuro. Um futuro…

Foi a única vez que esta menina acompanhou os pais nestas pequenas migrações. Precisavam dela para cuidar do irmão. Da segunda vez, a última migração dos pais, foi o irmão, com seis meses, mas a menina tinha entrado na escola em outubro e, por isso, ficou com os avós.

Em janeiro de 1969, o desejo de se querer uma vida mais estável e talvez o tal futuro, pelo menos para as crianças, fez com que estes pais não regressassem à sua terra e trouxessem para junto de si a filha, que foi transferida de escola.

O que está entre o princípio do caminho e o aqui e agora é muito. Tanto, que não dá para contar. Mas pode imaginar-se. Em 1974, o Abril permitiu uma grande ajuda no caminho. Posso até afirmar que abriu uma enorme e longa estrada. E esta estrada tem sido percorrida por mim e por muitas crianças que, como eu, no início nem saberiam o que era uma estrada. E as crianças destas crianças já puderam e podem ser crianças.

Mas esse caminho de Abril precisa ser cuidado, parece que vai ficando esburacado e a estrada pode transformar-se em carreiro. Continuam a existir muitas pessoas que não vivem, apenas sobrevivem. Não se pode perder a consciência do que somos, do que queremos e como queremos. Não se podem perder os sonhos. Tem de haver liberdade para se ser, para se estar e para sonhar. Têm de se garantir oportunidades a todos. Sabemos que é difícil, mas é responsabilidade de todos nós ajudarmos a construir uma sociedade mais justa, equilibrada e onde, independentemente do berço, todos se podem afirmar e realizar, desde que o queiram e lhes deem azo à sua própria construção. Porque não basta existir. É preciso pensar-se e ter-se consciência dessa existência. Ser-se senhor dessa existência. O 25 de Abril deu-me isso! Construí-me no caminho de Abril.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Lições da História - acácio gouveia »  2024-06-13  »  Acácio Gouveia

“A História não se repete, mas rima por vezes”, Mark Twain

 Vinte e sete meses após o início da guerra na Ucrânia, temos generais e comentadores nos meios de comunicação social portugueses: (I) a justificar a legitimidade da invasão; (II) a profetizar a total e inelutável vitória de Putin; (III) e tentar convencer-nos que este assunto tem pouco ou nada a ver com Portugal e com os demais países europeus.
(ler mais...)


Do rescaldo da festa à realidade da Europa - antómio mário santos »  2024-06-11  »  António Mário Santos

Vivemos, na Europa, tempos difíceis. As eleições europeias, que se desenrolarão no próximo domingo, podem apontar para o fim da União Europeia como hoje a conhecemos. O avanço da extrema direita, racista e xenófoba, na maioria dos países europeus, veio ressuscitar o velho problema das nacionalidades e das suas fronteiras, dos impérios coloniais arrumados nos armários da história, da milenária contenda entre a ciência e a fé, da economia neoliberal assente no conceito do Estado-Nação e nos direitos fundamentais da cidadania democrática.
(ler mais...)


Nascente do Almonda: há outro caminho - jorge salgado simões »  2024-06-11  »  Jorge Salgado Simões

Tem sido difícil assistir a tudo o que se tem passado em torno da nascente do Almonda nos últimos anos, um conflito exacerbado por dois lados com interesses legítimos, mas incapazes de construir qualquer benefício para um património que todos dizem querer valorizar.
(ler mais...)


Teixeira de Queiroz e o mundo português - jorge carreira maia »  2024-06-11  »  Jorge Carreira Maia

Hoje desconhecido do grande público, Francisco Teixeira de Queiroz foi um dos grandes escritores portugueses dos finais do século XIX e inícios do século XX. A Imprensa Nacional começou, em 2020, a republicar as obras do escritor nascido em Arcos-de-Valdevez, que chegou a ser deputado e Ministro dos Negócios Estrangeiros na Primeira República.
(ler mais...)


Feiras sem estórias - carlos paiva »  2024-06-11  »  Carlos Paiva

Segundo pesquisa da TSF, em Portugal no ano de 2015, ocorreram 40 eventos no contexto de "feira medieval", ou similar relacionado com esta temática. Após uma pesquisa online breve, não sistematizada, para o ano de 2023, contei 86.
(ler mais...)


Agora, também às cegas - antónio gomes »  2024-06-11  »  António Gomes

A Assembleia Municipal de Torres Novas inaugurou um novo método de decisão. Até agora, acontecia de quando em vez, sem debate ou contraditório, apenas decidia porque as maiorias absolutas assim votavam, assumindo-se como travão ao debate e à transparência.
(ler mais...)


Gerações de traidores - acácio gouveia »  2024-05-25  »  Acácio Gouveia

“Antigamente, quando o vale do Kusun estava coberto de floresta, havia ali muitas martas-zibelinas. Agora é desértico.”

Vladimir Arseniev in ´Dersu Uzala

 As acções dos jovens activistas que protestam contra as alterações climatéricas estão na ordem do dia.
(ler mais...)


Renova, que queres tu? - antónio gomes »  2024-05-25  »  António Gomes

Mais um ‘Dia da Espiga’, mais um dia de convívio na nascente do rio Almonda, mais um dia de intimidação e prepotência perpetrados pela empresa Renova.

O Ministério Público acabou de arquivar os processos movidos contra 12 cidadãos que o ano passado tiveram a “desfaçatez” de ir assinalar o Dia da Espiga, exactamente no mesmo local onde gerações anteriores sempre o fizeram.
(ler mais...)


Reflexões sobre a posse da água - antónio mário santos »  2024-05-25  »  António Mário Santos

 

Passadas as comemorações do 50.º Aniversário do 25 de Abril, sobreveio a festa pagã da enunciação da Primavera, que a religião cristã transformou na 5ª feira da Ascensão de Cristo ao céu que é, nas cidades e vilas urbanas de significativo peso rural, feriado municipal.
(ler mais...)


O desafio à ordem liberal - jorge carreira maia »  2024-05-25  »  Jorge Carreira Maia

Assistimos, nos dias de hoje, ao maior desafio que, desde o fim da Segunda Guerra Mundial, foi colocado à cosmovisão liberal. Esta visão do mundo não diz respeito apenas à economia. Ela é, fundamentalmente, uma perspectiva assente nos direitos individuais e em regimes pluralistas.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2024-05-25  »  Acácio Gouveia Gerações de traidores - acácio gouveia
»  2024-05-25  »  José Ricardo Costa Todos os Nomes - josé ricardo costa
»  2024-05-25  »  Jorge Carreira Maia O desafio à ordem liberal - jorge carreira maia
»  2024-06-13  »  Acácio Gouveia Lições da História - acácio gouveia
»  2024-05-25  »  António Mário Santos Reflexões sobre a posse da água - antónio mário santos