• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Terça, 28 Maio 2024    •      Directora: Inês Vidal; Director-adjunto: João Carlos Lopes    •      Estatuto Editorial    •      História do JT
   Pesquisar...
Sex.
 37° / 18°
Céu limpo
Qui.
 34° / 15°
Céu limpo
Qua.
 31° / 14°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  31° / 13°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Plantação intensiva: do corte à escovinha e tudo em fila aos horizontes metalificados - maria augusta torcato

Opinião  »  2024-03-08  »  Maria Augusta Torcato

Não sei se por causa das minhas origens ou simplesmente da minha natureza, há em mim algo, muito forte, que me liga a árvores, a plantas, a flores, a animais, a espaços verdes ou amarelos e amplos ou exíguos, a serras mais ou menos elevadas, de onde as neblinas se descolam e evolam pelos céus, a pedras, pequenas ou pedregulhos, espalhadas ou juntinhas e a regatos e fontes que jorram espontaneamente. E, ainda, a todos os bicharocos (expressão de afeição e não de desafeto) que povoam estes espaços e todos os outros, se os deixarem.

Amo a natureza e tudinho o que ela nos oferece. Pelo menos eu sinto como uma oferta, uma dádiva, tudo o que ela nos dá e temos, ali, à mão de semear. Amo a liberdade e as teias de complexidade entre todos os elementos e seres que a fazem, a natureza. É isso que ela é: simplicidade e complexidade, dádiva e entrega, convivialidade, respeito e empatia. Um exemplo para os homens e mulheres e para a sua convivência e sociabilidade. Além de referência para a aprendizagem do ser, a natureza é, também, acolhimento e aconchego, por múltiplas razões.

Daí que me sinta triste, às vezes até um pouco enraivecida (não consigo ficar indiferente como me exorta Ricardo Reis), por verificar que muitos dos “nossos” olivais, hoje, mais não são do que exércitos, um pouco hirtos, como os soldados de cabelo à máquina zero ou à escovinha, todos em fila, muito direitinhos, numa disciplina mecânica.

Quando percorro algumas estradas não posso deixar de gostar do verde, intensivo extensivo que se estende, pela esquerda e pela direita, até ao horizonte que toca o céu. Porém, invade-me uma espécie de angústia, sinto um aperto no coração, porque me parece que todas aquelas árvores, que ali estão dispostas, são prisioneiras, não da terra que lhes alimenta as raízes, mas de uma regra qualquer que determina a sua existência, não simples e natural, mas produtiva. Se produzir, viverá. Se não produzir, não viverá. Viverá apenas enquanto produzir. Coitadas das oliveiras. Já devem ter pensado que, afinal, só existem enquanto não tiverem existência. Que bom seria poderem ver os seus ramos a crescerem, a tocarem-se, a serem admiradas pelos seus troncos grossos e rugosos, efeito da sua vida natural, persistente e resistente e do tempo que neles se grava.

E agora, para seu, e meu, grande desgosto, ainda resolveram cortar todas as árvores vizinhas e os arbustos que a elas se encostavam, para substituírem essas seivas naturais, esses purificadores do ar, esses catalisadores ambientais, por plantações metaliformes, de pernas finas, rijas e frias, e igualmente hirtas, furando a terra, cobertas de placas de metal e vidro, ou lá o que é, que projetam um brilho metálico longo, até onde a vista alcança, mas que nada tem de colorido do arco-íris, nem das transparências brilhantes das gotas de orvalho que antes humedeciam e suavizavam as folhas.

Sim, estou a falar das extensas plantações intensivas de painéis solares que se atravessam nos campos e no nosso campo de visão, que nos ferem vista e alma. Como é possível matarem-se árvores que libertam oxigénio, que consomem dióxido de carbono, que podem aliviar o sofrimento a este nosso planeta moribundo, em nome, precisamente, da produção de uma energia limpa, pouco ou nada poluidora? Como é possível dar-se lugar a esta flora artificial, monocromática, cinzenta, destruindo-se a matizada e vivificada flora e sem a qual, definitivamente, não sobreviveremos? Talvez já estejamos todos mortos e ainda não o percebemos. Talvez nós já tenhamos sido transformados também em seres metalinos, arregimentados, mas cultivam-nos a ilusão de que somos gente, gente de carne e osso, pessoas, com opções e livres. É uma boa ilusão, já que cultiva a aceitação e a não questionação, antefaces da insatisfação humana.

Será que os propósitos que dizem servir estes mundos do metal não poderiam, pelo menos, respeitar a nossa mãe flora e ficar subordinados ao seu direito de usucapião?

Antevejo, daqui a meia dúzia de anos, amontoados de ferrugem, estilhaços estéreis de vidros e metal semeados pelas terras, ao lado de uma velhice prematura das oliveiras e ausência de passarinhos e lagartixas e de todos os restantes companheiros, vítimas desta alienação destravada do homem, que conduz à autodestruição em nome da sobrevivência.

Que é preciso fazer alguma coisa, é. Pela natureza. Pelo ambiente. Por nós. É preciso. Mas seguir caminhos ínvios não me parece ser o melhor para se chegar ao que é preciso.


 

 

 Outras notícias - Opinião


Gerações de traidores - acácio gouveia »  2024-05-25  »  Acácio Gouveia

“Antigamente, quando o vale do Kusun estava coberto de floresta, havia ali muitas martas-zibelinas. Agora é desértico.”

Vladimir Arseniev in ´Dersu Uzala

 As acções dos jovens activistas que protestam contra as alterações climatéricas estão na ordem do dia.
(ler mais...)


Renova, que queres tu? - antónio gomes »  2024-05-25  »  António Gomes

Mais um ‘Dia da Espiga’, mais um dia de convívio na nascente do rio Almonda, mais um dia de intimidação e prepotência perpetrados pela empresa Renova.

O Ministério Público acabou de arquivar os processos movidos contra 12 cidadãos que o ano passado tiveram a “desfaçatez” de ir assinalar o Dia da Espiga, exactamente no mesmo local onde gerações anteriores sempre o fizeram.
(ler mais...)


Reflexões sobre a posse da água - antónio mário santos »  2024-05-25  »  António Mário Santos

 

Passadas as comemorações do 50.º Aniversário do 25 de Abril, sobreveio a festa pagã da enunciação da Primavera, que a religião cristã transformou na 5ª feira da Ascensão de Cristo ao céu que é, nas cidades e vilas urbanas de significativo peso rural, feriado municipal.
(ler mais...)


O desafio à ordem liberal - jorge carreira maia »  2024-05-25  »  Jorge Carreira Maia

Assistimos, nos dias de hoje, ao maior desafio que, desde o fim da Segunda Guerra Mundial, foi colocado à cosmovisão liberal. Esta visão do mundo não diz respeito apenas à economia. Ela é, fundamentalmente, uma perspectiva assente nos direitos individuais e em regimes pluralistas.
(ler mais...)


Todos os Nomes - josé ricardo costa »  2024-05-25  »  José Ricardo Costa

O tamanho importa? Bom, se nalguns campos as opiniões se dividem, outros há que são consensuais, como o tamanho dos nomes de pessoas. Importa, sim, desde logo na Roma Antiga: enquanto um homem podia ter três nomes, a mulher só tinha direito a um, ainda por cima variante do nome do pai (Hortênsia seria filha de Hortensius).
(ler mais...)


Insana Casa… »  2024-05-06  »  Hélder Dias

25 de Abril e 25 de Novembro - jorge carreira maia »  2024-05-05  »  Jorge Carreira Maia

Por que razão a França só comemora o 14 de Julho, o início da Revolução Francesa, e não o 27 ou 28 de Julho? O que aconteceu a 27 ou 28 de Julho de tão importante? A 27 de Julho de 1794, Maximilien Robespierre foi preso e a 28, sem julgamento, foi executado.
(ler mais...)


O miúdo vai à frente »  2024-04-25  »  Hélder Dias

Família tradicional e luta do bem contra o mal - jorge carreira maia »  2024-04-24  »  Jorge Carreira Maia

A publicação do livro Identidade e Família – Entre a Consistência da Tradição e os Desafios da Modernidade, apresentado por Passos Coelho, gerou uma inusitada efervescência, o que foi uma vitória para os organizadores desta obra colectiva.
(ler mais...)


Caminho de Abril - maria augusta torcato »  2024-04-22  »  Maria Augusta Torcato

Olho para o meu caminho e fico contente. Acho mesmo que fiz o caminho de Abril. O caminho que Abril representa. No entanto, a realidade atual e os desafios diários levam-me a desejar muito que este caminho não seja esquecido, não por querer que ele se repita, mas para não nos darmos conta, quase sem tempo de manteiga nos dentes, que estamos, outra vez, lá muito atrás e há que fazer de novo o caminho com tudo o que isso implica e que hoje seria incompreensível e inaceitável.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2024-05-06  »  Hélder Dias Insana Casa…
»  2024-05-05  »  Jorge Carreira Maia 25 de Abril e 25 de Novembro - jorge carreira maia
»  2024-05-25  »  José Ricardo Costa Todos os Nomes - josé ricardo costa
»  2024-05-25  »  Acácio Gouveia Gerações de traidores - acácio gouveia
»  2024-05-25  »  Jorge Carreira Maia O desafio à ordem liberal - jorge carreira maia