• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Terça, 28 Maio 2024    •      Directora: Inês Vidal; Director-adjunto: João Carlos Lopes    •      Estatuto Editorial    •      História do JT
   Pesquisar...
Sex.
 37° / 18°
Céu limpo
Qui.
 34° / 15°
Céu limpo
Qua.
 31° / 14°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  31° / 13°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Este é o meu único mundo! - antónio mário santos

Opinião  »  2024-03-08  »  António Mário Santos

Comentava João Carlos Lopes , no último Jornal Torrejano, de 16 de Fevereiro, sob o título Este Mundo e o Outro, partindo, quer do pessimismo nostálgico do Jorge Carreira Maia (Este não é o meu mundo), quer da importância da memória, em Maria Augusta Torcato, para resistir «à névoa que provoca o esquecimento e cegueira», quer «na militância política e cívica sempre empenhada», da minha autoria, num país do salve-se quem puder e do deixa andar, sempre à espera dum messias que resolva, por qualquer gesto milagreiro, a sua raiva abafada de nunca ser outra coisa que a imagem crónica de pobreza.

Quer nos citados, que no autor da crónica, há uma visão de desencanto do futuro, não apenas do país, mas da Europa. A sua evolução, no século XX, não foi brilhante: desde a primeira guerra mundial, colonizada pelos Estados Unidos da América, na economia, nas tecnologias, na cultura, na mentalização informativa dos media, assentes nos princípios neoliberais duma democracia que nunca conseguiu ultrapassar a consciência protestante da desigualdade, da xenofobia e do racismo, que lhe foi base de estrutura económica e social nas migrações dos colonizadores provenientes da Europa e, sobretudo, da Inglaterra.

Reconhece-se, por outro lado, que a desestabilização do ambiente planetário resulta da manutenção, há séculos, duma sociedade assente na acumulação do capital, na desigualdade do trabalho, no uso da mão de obra escrava ou sujeita ao limiar da miséria, que, nem o liberalismo do século XIX, nem as revoluções proletárias do século XX, conseguiram alterar de forma profunda.

Ainda hoje, EUA, Rússia e China, ditam as ordens dessas novas repúblicas de escassa democracia do designado Terceiro Mundo, onde às populações se coloca um dilema existencial: ou se submetem, ou emigram.

Percebo que a idade e a mudança vão gerando, sob a pressão crescente da inquietude e, mesmo, raiva, das juventudes sem nenhuma garantia duma vida decente, uma angústia existencial ante a visão dum mundo em que se acreditara poder viver em paz e com dignidade, se estar a desintegrar como um castelo da cartas.

Mas, tudo o que hoje acontece, era legível há mais de 30 anos. Os cientistas já então apontavam que a sociedade de consumo iria consumir tudo, degradar a possibilidade da vida planetária

O desencanto de hoje é o resultado duma opção mundial pela extracção, até ao impossível, dos recursos planetários, para satisfação dos prazeres comodistas das sociedades contemporâneas que, entregues aos seus lazeres, queriam melhores vencimentos, melhores casas, melhores automóveis, melhores instalações para férias, melhores produtos nas mesas das refeições, melhores instrumentos de comunicação e maior velocidade na transferência da informação.

Foi este desinteresse egoísta das classes médias que conduziu à sua própria sufocação. E viram os seus próprios filhos a sufocarem, devido às suas próprias opções. Criou-se uma juventude, como todas as outras, fruto das regras que, os que dominam, impõem à sociedade.

As de hoje, basicamente com o ensino secundário e, grande maioria, com o ensino superior, sente que o seu país lhe não dá as condições que desejam para viver com dignidade. E critica as gerações mais velhas por não conseguirem sair de casa dos pais, ou serem obrigados a emigrar por um vencimento melhor do que, para o mesmo trabalho, teriam na pátria. Optam por uma opção sem luta.

E os que usufruem das mordomias e dos empregos ambicionados, e criaram as regras para os mal pagos que lhes oferecem, saem a público em sua defesa, condenando o Estado, de que recebem a maioria dos rendimentos, que lhes permitem ser as elites num país à beira de colapso.

Se a educação dos jovens falhou no aspecto colectivo, não foi a escola a culpada, mas o que os pais intervenientes da sociedade portuguesa quiseram que a escola pública fosse: o local onde o seu filho tem de ser melhor que o filho do outro; onde se secundariza a solidariedade, o diálogo, o espírito crítico, o respeito pelo outro; onde o que vale é a classificação para a universidade, não o cidadão preparado para intervir activa e eficazmente na sociedade. O Admirável Mundo Novo, de Aldous Huxley, tão próximo, quando ouvimos Trump e os seus acólitos da extrema direita espalhados pelo mundo e suportados por Putin. As elites a definirem as regras duma escola onde os seus filhos não andam…

Cuidado com as trombetas!

Já viram algum governante do mundo morrer, ou ficar amputado, ou cego, ou louco, nas guerras que forjam, no ódio que fomentam?

A minha geração nasceu numa ditadura, teve uma guerra colonial em África, durante doze anos, na defesa dos interesses de muito poucos. Conheceu o sofrimento, a doença, a perda de membros, a morte, mas também as prisões, o exílio, o silêncio e a perseguição no emprego.

Resistiu e mudou este país.

O seu lugar continua a ser onde se ama e se sofre, onde se combate e se luta pela democracia, a liberdade, a justiça, o direito à igualdade. Umas vezes recua-se, outras avança-se. Mas não há retrocesso. A vida é militância.

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


Gerações de traidores - acácio gouveia »  2024-05-25  »  Acácio Gouveia

“Antigamente, quando o vale do Kusun estava coberto de floresta, havia ali muitas martas-zibelinas. Agora é desértico.”

Vladimir Arseniev in ´Dersu Uzala

 As acções dos jovens activistas que protestam contra as alterações climatéricas estão na ordem do dia.
(ler mais...)


Renova, que queres tu? - antónio gomes »  2024-05-25  »  António Gomes

Mais um ‘Dia da Espiga’, mais um dia de convívio na nascente do rio Almonda, mais um dia de intimidação e prepotência perpetrados pela empresa Renova.

O Ministério Público acabou de arquivar os processos movidos contra 12 cidadãos que o ano passado tiveram a “desfaçatez” de ir assinalar o Dia da Espiga, exactamente no mesmo local onde gerações anteriores sempre o fizeram.
(ler mais...)


Reflexões sobre a posse da água - antónio mário santos »  2024-05-25  »  António Mário Santos

 

Passadas as comemorações do 50.º Aniversário do 25 de Abril, sobreveio a festa pagã da enunciação da Primavera, que a religião cristã transformou na 5ª feira da Ascensão de Cristo ao céu que é, nas cidades e vilas urbanas de significativo peso rural, feriado municipal.
(ler mais...)


O desafio à ordem liberal - jorge carreira maia »  2024-05-25  »  Jorge Carreira Maia

Assistimos, nos dias de hoje, ao maior desafio que, desde o fim da Segunda Guerra Mundial, foi colocado à cosmovisão liberal. Esta visão do mundo não diz respeito apenas à economia. Ela é, fundamentalmente, uma perspectiva assente nos direitos individuais e em regimes pluralistas.
(ler mais...)


Todos os Nomes - josé ricardo costa »  2024-05-25  »  José Ricardo Costa

O tamanho importa? Bom, se nalguns campos as opiniões se dividem, outros há que são consensuais, como o tamanho dos nomes de pessoas. Importa, sim, desde logo na Roma Antiga: enquanto um homem podia ter três nomes, a mulher só tinha direito a um, ainda por cima variante do nome do pai (Hortênsia seria filha de Hortensius).
(ler mais...)


Insana Casa… »  2024-05-06  »  Hélder Dias

25 de Abril e 25 de Novembro - jorge carreira maia »  2024-05-05  »  Jorge Carreira Maia

Por que razão a França só comemora o 14 de Julho, o início da Revolução Francesa, e não o 27 ou 28 de Julho? O que aconteceu a 27 ou 28 de Julho de tão importante? A 27 de Julho de 1794, Maximilien Robespierre foi preso e a 28, sem julgamento, foi executado.
(ler mais...)


O miúdo vai à frente »  2024-04-25  »  Hélder Dias

Família tradicional e luta do bem contra o mal - jorge carreira maia »  2024-04-24  »  Jorge Carreira Maia

A publicação do livro Identidade e Família – Entre a Consistência da Tradição e os Desafios da Modernidade, apresentado por Passos Coelho, gerou uma inusitada efervescência, o que foi uma vitória para os organizadores desta obra colectiva.
(ler mais...)


Caminho de Abril - maria augusta torcato »  2024-04-22  »  Maria Augusta Torcato

Olho para o meu caminho e fico contente. Acho mesmo que fiz o caminho de Abril. O caminho que Abril representa. No entanto, a realidade atual e os desafios diários levam-me a desejar muito que este caminho não seja esquecido, não por querer que ele se repita, mas para não nos darmos conta, quase sem tempo de manteiga nos dentes, que estamos, outra vez, lá muito atrás e há que fazer de novo o caminho com tudo o que isso implica e que hoje seria incompreensível e inaceitável.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2024-05-06  »  Hélder Dias Insana Casa…
»  2024-05-05  »  Jorge Carreira Maia 25 de Abril e 25 de Novembro - jorge carreira maia
»  2024-05-25  »  José Ricardo Costa Todos os Nomes - josé ricardo costa
»  2024-05-25  »  Acácio Gouveia Gerações de traidores - acácio gouveia
»  2024-05-25  »  Jorge Carreira Maia O desafio à ordem liberal - jorge carreira maia