• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Sábado, 20 de Janeiro de 2018
Pesquisar...
Ter.
 17° / 6°
Períodos nublados
Seg.
 17° / 9°
Períodos nublados
Dom.
 17° / 10°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  16° / 7°
Céu nublado
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

As eleições em Loures

Opinião  »  2017-09-07  »  Jorge Carreira Maia

"Num momento em que a esquerda centralizou em si a agenda social-democrata, será uma grande tentação para o PSD – (...) – deixar o seu discurso resvalar para o que há de pior."

De todas as eleições municipais, a mais importante é a de Loures. Isso deve-se à mobilização por André Ventura (PSD) de temas que têm estado afastados da vida política nacional. As suas declarações sobre os ciganos geraram um enorme burburinho, repúdio por parte da generalidade do mainstream político, mas também apoio em certas franjas da direita que habita nas redes sociais. Passos Coelho, contrariamente a Assunção Cristas, recusou-se a retirar o apoio ao candidato, o que tem um óbvio significado político sobre a procura de uma agenda, por parte do PSD, que permita afirmar-se contra a esquerda. As eleições de Loures, onde a direita, nas últimas autárquicas, teve uma votação marginal, podem dizer-nos muito sobre a evolução do debate político nacional.

André Ventura, de forma estridente, possivelmente racista, ao focar os ciganos, e populista, coloca uma questão fundamental. Como controla o Estado o conjunto de prestações sociais que atribui? O problema da suspeita da existência de subsídios injustamente atribuídos – seja o chamado rendimento mínimo, ou o subsídio de desemprego, ou o de doença, etc. – não se restringe aos ciganos, havendo um rancor social larvar alimentado por uma persistente suspeita de injustiça. A única maneira de conter esse rancor é assegurar que as prestações sociais são justa e adequadamente atribuídas, com um controlo eficaz. Do ponto de vista popular, o ressentimento com estas situações é sentido de forma muito mais aguda do que a corrupção de alto nível e a grande subsidiação às elites. Uma sondagem mostra que 68% dos portugueses – tanto da esquerda como da direita – está de acordo com André Ventura. Isto é um aviso sobre o que pode vir aí, se o Estado e os agentes políticos se demitirem de encarar o problema de frente.

Se André Ventura tiver uma votação modesta, ainda que um pouco superior à obtida pelo PSD, nas últimas autárquicas, a coisa, por enquanto, morre por aí. Se obtiver uma votação espectacular em Loures, temos um problema enorme entre mãos. Num momento em que a esquerda centralizou em si a agenda social-democrata, será uma grande tentação para o PSD – um partido até aqui exemplar neste tipo de questões – deixar o seu discurso resvalar para o que há de pior. A esquerda, nomeadamente o PCP, se não está muito preocupada, deveria estar. Em França foi este tipo de discurso vindo da Frente Nacional que liquidou o PCF. Pior do que isso, Portugal corre o risco de trocar a discussão sobre o seu futuro pela algazarra populista à volta de uma agenda fundada no ressentimento e na inveja.

http://kyrieeleison-jcm.blogspot.pt/

 

 

 Outras notícias - Opinião


Passos Coelho »  2018-01-18  »  Jorge Carreira Maia

Agora que Rui Rio tomou conta do PSD, falemos de quem sai. Passos Coelho recebeu o país das mãos de Sócrates numa situação terrível e com um programa de resgate de dureza desnecessária imposto pela troika.
(ler mais...)


Por este rio »  2018-01-18  »  João Carlos Lopes

O Rio Tejo (o vale do Tejo, a linha do Tejo, o território adjacente, o percurso português do Tejo) é porventura o recurso natural e o pedaço de território nacional potencialmente mais rico que temos, dada a diversidade dos seus elementos constitutivos: paisagísticos, pedológicos, agrários e agrícolas, hidrográficos, etnográficos, etc.
(ler mais...)


Geringonça festiva »  2018-01-17  »  Miguel Sentieiro

A indignação invadiu as hostes mais puritanas deste país ao saber-se o ministro das finanças, Mário Centeno, pediu uma borla de bilhetes para o cássico Benfica/Porto na época passada. Quando questões éticas se levantam nesta associação “bola à borla” estimulando acesas discussões repudiando esse pedido especial, sinto que tenho obrigação de prestar solidariedade para o nosso pobre, quase pobrezinho, Mário.
(ler mais...)


V de Vingança »  2018-01-17  »  José Ricardo Costa

Como não entra nas contas um livro de Pablo Neruda que me ofereceram no Natal ainda eu mal sabia ler, o meu verdadeiro baptismo poético foi com um livro de António Ramos Rosa que comprei numa feira do livro do Cine-Clube de Torres Novas.
(ler mais...)


Patos bravos »  2018-01-17  »  Denis Hickel

Os recentes processos movidos contra ambientalistas por denunciar a poluição no Rio Tejo, Ribeira da Boa Água, Almonda, entre outros, inauguram um teatro do absurdo. Temos diante de nós empresas que sabemos serem claramente poluidoras, porém protegidas por arcabouços jurídicos e contratuais e tão poderosas nas suas redes de relações que, ao invés de tomarem a iniciativa de limpar a sua imagem, não negam o estatuto e preferem manter os negócios sujos pela força da intimidação.
(ler mais...)


Como reforçar o nosso sistema imunitário »  2018-01-17  »  Juvenal Silva

O nosso sistema imunitário protege-nos a cada instante contra batalhões de vírus, bactérias, fungos e outros parasitas. Uma debilidade de saúde ou fraqueza do sistema imunitário, é uma doença que se estabelece e se instala no nosso organismo.
(ler mais...)


O menos pior?... »  2018-01-12  »  Hélder Dias

Era uma vez o alho, o remédio para quase tudo »  2018-01-05  »  Juvenal Silva

A utilização do alho remonta à própria existência da humanidade. Três mil anos a.C. já era utilizado pelos Sumérios para prevenir epidemias e tratar parasitoses e, em documentos históricos como o papiro de Ébers (1700a.
(ler mais...)


Against the weed... »  2018-01-05  »  Hélder Dias

Tabacaria Central »  2018-01-04  »  José Ricardo Costa

Ser criança será sempre ser criança e é perante um chocolate ou um brinquedo que se vê. Uma coisa como o 1.º andar da Tabacaria Central numa pequena vila dos anos 60 como era Torres Novas, só não era uma utopia porque as utopias não existem e aquele 1ºandar era tão real como o castelo mais acima.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-01-12  »  Hélder Dias O menos pior?...
»  2018-01-18  »  Jorge Carreira Maia Passos Coelho
»  2018-01-18  »  João Carlos Lopes Por este rio