• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Terça, 28 Maio 2024    •      Directora: Inês Vidal; Director-adjunto: João Carlos Lopes    •      Estatuto Editorial    •      História do JT
   Pesquisar...
Sex.
 37° / 18°
Céu limpo
Qui.
 34° / 15°
Céu limpo
Qua.
 31° / 14°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  31° / 13°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

A carne e os ossos - pedro borges ferreira

Opinião  »  2024-03-08  »  Pedro Ferreira

Existe um paternalismo naqueles que desenvolvem uma compreensão do mundo extensiva que muitas vezes não lhes permite ver os outros, quiçá a si próprios, como realmente são. A opinião pública tem sido marcada por reflexões sobre a falta de memória histórica como justificação do novo mundo intolerante que está para vir, adivinho eu, devido à intenção de voto que se espera no CHEGA.

É curioso estas preocupações virem quase sempre de indivíduos que apresentam uma fé imensa num sistema político que, há data da sua implementação, tinha não só provas a priori mas também a posteriori que de democrático pouco ou nada tinha. Falo do problema da abstenção pela diluição do poder do indivíduo, do bipartidarismo resultante do voto útil, da falta de representatividade do cidadão porque os membros das listas não são sequer representativos dos militantes e da problemática coexistência com uma sociedade industrial que dá meios exponencialmente maiores a uns em detrimento dos outros, que somos quase todos. Também é sempre dada muito pouca atenção para a capacidade que as sociedades mais tolerantes têm de ser intolerantes com todo o território que não esteja munido de armas nucleares, o verdadeiro motivo da paz que ainda temos no mundo.

 Uma das maiores frustrações de quem tem comentado a nova tendência no sufrágio é a demagogia e o discurso de ódio usados por André Ventura. Talvez o que estes também esqueçam é que a estratégia de prometer tudo para não cumprir nada e dividir para conquistar é, como se diz na minha terra, “mais velha que o largar da ameixa”. Interromper o outro já era quase sempre a estratégia óptima daqueles que nada têm de relevante ou diferente para dizer. Todos mantêm os mesmos chavões: mais saúde, mais habitação, mais emprego… Menos só para a corrupção.

 Será então que as pessoas votam na “intolerância” porque não têm memória histórica, ou porque a memória que têm é dos tolerantes que não os representavam devidamente? Será que até há uma memória bem representativa da realidade e que por isso queira, de certa forma, a eutanásia da democracia?

 A verdade é que não há futuro em nenhum dos programas eleitorais dos partidos com assento parlamentar, desde os democráticos até aos que nem fingem ser, por isso não censuro aqueles que queiram uma viragem no guião para o que resta do espectáculo. Nenhum programa olha para as alterações climáticas com a seriedade que deveria ter, tal como a nova acção da Climaximo assim tentou denunciar. E enquanto os partidos de esquerda e direita lutam por ser os melhores da sua estirpe, debatendo percentagens, vírgulas e os colégios que os filhos frequentam, esquecem-se que nenhum é bom o suficiente para ser uma aposta num futuro digno nesta terra. Quase todos são a favor da permanência na NATO, em grande parte culpada por todos os conflitos militares deste século e na União Europeia que deixa morrer no mar e paga a outros para prender nas suas fronteiras os desalojados das guerras em que os seus membros participam. “Paz, pão, povo e liberdade”, em quase todas as variantes partidárias, podem ser traduzidas para “Morte longe da vista não chega ao coração, comerão a carne se não a tiverem de arrancar dos ossos”. E assim vai bailando o Ocidente pelo tempo, desviando-se da ocasional emulação de protesto.

Estas cantigas têm sido escritas sempre connosco na ideia e realizadas connosco na bancada. Mas quem somos nós? Os pensionistas? Os amargurados? Os capitalistas? Alguém há de ser. Por mais bolhas que possam haver com as novas redes sociais, estas são ainda recentes o suficiente para não serem um factor preponderante na formação da nossa agência colectiva. Todos nós vimos imagens da terra de ninguém, da morte na lama, das bombas sobre o Japão, das câmaras de Auschwitz, da corrida a mais bombas, da miséria do Estado Novo, da escravatura nas colónias, da aterragem na Lua, dos cravos de Abril, da entrada na CEE, da queda do Muro, da queda do bloco de Leste, da pilhagem dos membros, do buraco no ozono, da Guerra ao Terror, das calotas a derreter, dos rios a secar, do vírus que ainda tossimos, da pilhagem do Afeganistão, da guerra na Ucrânia, da morte na Palestina…

 Regressados ao presente e de memória viva, aqui estamos nós: capazes de tudo e incapazes de nada. E aqui está cada um de nós: incapaz de tudo e capaz de nada. De voto na mão, muitos desconectar-se-ão da sua conta Netflix, apagarão as luzes de sua casa, ligarão o alarme, entrarão no seu automóvel particular para se deslocar às urnas onde finalmente, com uma esferográfica plastificada, riscarão um quadrado. Qual quadrado, pergunta? Então não se lembra? Não viu o mesmo que eu? Traga mas é a carne que eu bem sei que a separaram dos ossos.

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


Gerações de traidores - acácio gouveia »  2024-05-25  »  Acácio Gouveia

“Antigamente, quando o vale do Kusun estava coberto de floresta, havia ali muitas martas-zibelinas. Agora é desértico.”

Vladimir Arseniev in ´Dersu Uzala

 As acções dos jovens activistas que protestam contra as alterações climatéricas estão na ordem do dia.
(ler mais...)


Renova, que queres tu? - antónio gomes »  2024-05-25  »  António Gomes

Mais um ‘Dia da Espiga’, mais um dia de convívio na nascente do rio Almonda, mais um dia de intimidação e prepotência perpetrados pela empresa Renova.

O Ministério Público acabou de arquivar os processos movidos contra 12 cidadãos que o ano passado tiveram a “desfaçatez” de ir assinalar o Dia da Espiga, exactamente no mesmo local onde gerações anteriores sempre o fizeram.
(ler mais...)


Reflexões sobre a posse da água - antónio mário santos »  2024-05-25  »  António Mário Santos

 

Passadas as comemorações do 50.º Aniversário do 25 de Abril, sobreveio a festa pagã da enunciação da Primavera, que a religião cristã transformou na 5ª feira da Ascensão de Cristo ao céu que é, nas cidades e vilas urbanas de significativo peso rural, feriado municipal.
(ler mais...)


O desafio à ordem liberal - jorge carreira maia »  2024-05-25  »  Jorge Carreira Maia

Assistimos, nos dias de hoje, ao maior desafio que, desde o fim da Segunda Guerra Mundial, foi colocado à cosmovisão liberal. Esta visão do mundo não diz respeito apenas à economia. Ela é, fundamentalmente, uma perspectiva assente nos direitos individuais e em regimes pluralistas.
(ler mais...)


Todos os Nomes - josé ricardo costa »  2024-05-25  »  José Ricardo Costa

O tamanho importa? Bom, se nalguns campos as opiniões se dividem, outros há que são consensuais, como o tamanho dos nomes de pessoas. Importa, sim, desde logo na Roma Antiga: enquanto um homem podia ter três nomes, a mulher só tinha direito a um, ainda por cima variante do nome do pai (Hortênsia seria filha de Hortensius).
(ler mais...)


Insana Casa… »  2024-05-06  »  Hélder Dias

25 de Abril e 25 de Novembro - jorge carreira maia »  2024-05-05  »  Jorge Carreira Maia

Por que razão a França só comemora o 14 de Julho, o início da Revolução Francesa, e não o 27 ou 28 de Julho? O que aconteceu a 27 ou 28 de Julho de tão importante? A 27 de Julho de 1794, Maximilien Robespierre foi preso e a 28, sem julgamento, foi executado.
(ler mais...)


O miúdo vai à frente »  2024-04-25  »  Hélder Dias

Família tradicional e luta do bem contra o mal - jorge carreira maia »  2024-04-24  »  Jorge Carreira Maia

A publicação do livro Identidade e Família – Entre a Consistência da Tradição e os Desafios da Modernidade, apresentado por Passos Coelho, gerou uma inusitada efervescência, o que foi uma vitória para os organizadores desta obra colectiva.
(ler mais...)


Caminho de Abril - maria augusta torcato »  2024-04-22  »  Maria Augusta Torcato

Olho para o meu caminho e fico contente. Acho mesmo que fiz o caminho de Abril. O caminho que Abril representa. No entanto, a realidade atual e os desafios diários levam-me a desejar muito que este caminho não seja esquecido, não por querer que ele se repita, mas para não nos darmos conta, quase sem tempo de manteiga nos dentes, que estamos, outra vez, lá muito atrás e há que fazer de novo o caminho com tudo o que isso implica e que hoje seria incompreensível e inaceitável.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2024-05-06  »  Hélder Dias Insana Casa…
»  2024-05-05  »  Jorge Carreira Maia 25 de Abril e 25 de Novembro - jorge carreira maia
»  2024-05-25  »  José Ricardo Costa Todos os Nomes - josé ricardo costa
»  2024-05-25  »  Acácio Gouveia Gerações de traidores - acácio gouveia
»  2024-05-25  »  Jorge Carreira Maia O desafio à ordem liberal - jorge carreira maia