• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 22 Setembro 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 23° / 13°
Períodos nublados
Ter.
 25° / 14°
Céu nublado com chuva fraca
Seg.
 25° / 12°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  23° / 14°
Períodos nublados com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

#Hashtag

Opinião  »  2019-03-22  »  Margarida Oliveira

"Só a proximidade do final de uma luta tão dura e violenta, longa e exigente, justifica a tremenda ofensiva posta em marcha"

Se no imediato, os 200 anos estimados pela ONU para o alcance da igualdade entre mulheres e homens parecem uma espécie de eternidade inatingível, na verdade, olhando a linha temporal da humanidade, eles representam apenas o último pedaço do último degrau, desta luta milenar.

Só a proximidade do final de uma luta tão dura e violenta, longa e exigente, justifica a tremenda ofensiva posta em marcha contra os seus intervenientes históricos, aquelas e aqueles que nada nem ninguém demoveu da sua luta e que são, na sua essência, movimentos de mulheres, defendendo a igualdade e a dignidade da vida humana e movimentos sindicais, defendendo os direitos e dignidade no trabalho.

Não podendo fazer-lhes frente de forma direta, porque a sua integridade está não só na causa em si, mas nas suas gentes e na sua história política, o neoliberalismo chama a si o movimento feminista e sindical, criando novos movimentos que, contrariamente aos já existentes, suportados pelos seus associados, são mantidos com financiamentos de valores inimagináveis, mas elevados, dado o número de frentes que abarcam, e nada transparentes, por se lhes desconhecer a origem, ou os ganhos.

Distorcendo objectivos como: os direitos e a igualdade no trabalho, comprometendo instrumentos de luta, como a greve; a emancipação da mulher, ridicularizando o seu grito de revolta e apelando a um silencio reivindicativo, como se o silêncio fosse solução e não problema; a igualdade de género, como um mero reconhecimento de igualdades fúteis, ficando por tratar todas as desigualdades fraturantes, apresentadas agora como antigas e demodé; a sexualidade livre, passa agora pela aceitação de condicionantes e grilhetas antigas, como se de escolhas livres se tratassem ou pela ilusão de que viver livre é rejeitar valores, rotulados agora de moral, numa sociedade que quer afirmar-se jovem e progressista.

São inventados partidos, sindicatos e associações em esquemas pirâmide, que vão assentando sobre os que trabalham no terreno desde que a luta é luta, detentores de um poderoso e valioso saber empírico, substituindo-o por especialistas de renome em coisa nenhuma, detentores de um saber conceptual falacioso, suportado única e exclusivamente pelo dinheiro que compra currículos, páginas web e meios de comunicação social.

Subindo na pirâmide, encontramos outras associações ou movimentos fátuos, ligados entre si, tal como um erro de fórmula circular numa qualquer folha de Excel, e no topo da pirâmide, encontramos a mãe de tudo, uma #hashtag. Jamais destruirão a base da pirâmide, mas pesam-lhe e dificultam o seu caminho, obrigando a uma diversão que apenas atrasa um percurso que sabem ser imparável e inevitável.

O movimento 8M, no topo da pirâmide, nada mais é que uma #hashtag e é uma falácia a sua greve feminista. Uma greve de mulheres que aceita pré-avisos de greve para homens e mulheres. Pois quando se luta pela igualdade não se pode perverter os instrumentos que a conferem. Chama-se integridade.

E se os aceitam e dissimulam, sem com eles concordarem, prova-se a grande farsa, nunca com o intuito de lutar seja por quem for, seja pelo que for, apenas com o intuito de minar tudo o que ameace retirar poder ao capital.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Descalabros, duelos, metamorfoses e Inferno »  2019-09-07  »  Jorge Carreira Maia

O DESCALABRO DA DIREITA. As sondagens têm vindo a indicar que a direita democrática está à beira de um resultado desastroso, por volta dos 25%, somando velhos e novos partidos.
(ler mais...)


O nome da terra, por João Carlos Lopes »  2019-09-06  »  João Carlos Lopes

É sintomático que, em tempo de eleições, nenhum dos partidos tenha dito uma palavra sobre essa vaca sagrada que é o futebol e sobretudo acerca do estado de guerra em que as claques dos “três grandes” transformam as terras por onde passam.
(ler mais...)


Turismo ou nem por isso »  2019-09-05  »  António Gomes

A época que atravessamos é propicia à reflexão sobre esta actividade económica, o turismo.
O turismo, como toda a gente sabe, atravessa em Portugal um período particularmente estonteante. São as grandes metrópoles as mais beneficiadas com tal actividade, é lá que se encontram as maiores fontes de atracção e é lá que as infraestruturas estão mais adaptadas e melhor respondem às solicitações.
(ler mais...)


Antiga Fábrica de Fiação e Tecidos: sonho ou possível realidade? »  2019-08-25  »  Anabela Santos

Falar da valorização de um espaço que é tão importante para uma grande parte dos torrejanos é imperativo mas não é novidade.
Já muitos falaram e escreveram sobre o assunto, desejando que alguma mente iluminada e com vontade de fazer o melhor pela cidade tome alguma iniciativa no sentido de valorizar o património arquitectónico e histórico de uma fábrica que deu tanto à nossa cidade.
(ler mais...)


Repuxos, por Inês Vidal »  2019-08-25  »  Inês Vidal

Esta malta dos jornais é lixada. Parece que está do contra, sempre a dizer coisas. Ou então é de esquerda, só pode. Atrevem-se a noticiar as coisas que acontecem, esses filhos da mãe. Caso contrário, íamos fazendo as coisas à mesma, a nosso bel-prazer, mas ninguém dava por elas ou as questionava.
(ler mais...)


A greve dos motoristas »  2019-08-23  »  Jorge Carreira Maia

PÔR O REGIME À PROVA. Na greve dos motoristas de matérias perigosas coincidiram duas vertentes que, para os próprios interessados, não deveriam ter coincidido. A luta laboral por reivindicações que merecerão respeito e um desafio às instituições políticas e ao regime.
(ler mais...)


À mulher de César não basta ser séria… »  2019-08-09  »  António Gomes

Vem isto a propósito da aquisição de imóveis pela Câmara de Torres Novas, sitos em Riachos. Só o BE votou contra.

Os proprietários propuseram a aquisição e a Câmara comprou.
(ler mais...)


Bons Sons »  2019-08-09  »  Inês Vidal

Treze anos, dez edições, uma aldeia em manifesto. Arrancou ontem, dia 8, mais uma edição do festival Bons Sons, que anualmente traz a Cem Soldos, concelho de Tomar, milhares de pessoas e música, muita música portuguesa.
(ler mais...)


Carteiro »  2019-08-09  »  Ana Sentieiro

A genética é, de facto, uma coisa incrível! Contudo, no meu caso, a genética desempenha mais o papel de progenitor ausente, que se esquece do meu aniversário, não sabe o meu número de telemóvel e saca duas notas de vinte da carteira de pele quando está folgado e diz, “Para te divertires, mas não digas à tua mãe!”.
(ler mais...)


Livros para férias »  2019-08-09  »  Jorge Carreira Maia

COMO MORREM AS DEMOCRACIAS. Autores Steven Levitsky & Daniel Ziblatt, ambos professores em Harvard. Uma reflexão com incidência americana, mas apoiada no estudo das mortes da democracia nos anos trinta do século passado, na Europa, e nos anos 60 e 70, também do XX, na América Latina.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-08-25  »  Inês Vidal Repuxos, por Inês Vidal
»  2019-08-23  »  Jorge Carreira Maia A greve dos motoristas
»  2019-08-25  »  Anabela Santos Antiga Fábrica de Fiação e Tecidos: sonho ou possível realidade?
»  2019-09-06  »  João Carlos Lopes O nome da terra, por João Carlos Lopes
»  2019-09-07  »  Jorge Carreira Maia Descalabros, duelos, metamorfoses e Inferno