• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quarta, 26 Junho 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sáb.
 29° / 15°
Períodos nublados
Sex.
 29° / 14°
Céu limpo
Qui.
 27° / 13°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  26° / 15°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

#Hashtag

Opinião  »  2019-03-22  »  Margarida Oliveira

"Só a proximidade do final de uma luta tão dura e violenta, longa e exigente, justifica a tremenda ofensiva posta em marcha"

Se no imediato, os 200 anos estimados pela ONU para o alcance da igualdade entre mulheres e homens parecem uma espécie de eternidade inatingível, na verdade, olhando a linha temporal da humanidade, eles representam apenas o último pedaço do último degrau, desta luta milenar.

Só a proximidade do final de uma luta tão dura e violenta, longa e exigente, justifica a tremenda ofensiva posta em marcha contra os seus intervenientes históricos, aquelas e aqueles que nada nem ninguém demoveu da sua luta e que são, na sua essência, movimentos de mulheres, defendendo a igualdade e a dignidade da vida humana e movimentos sindicais, defendendo os direitos e dignidade no trabalho.

Não podendo fazer-lhes frente de forma direta, porque a sua integridade está não só na causa em si, mas nas suas gentes e na sua história política, o neoliberalismo chama a si o movimento feminista e sindical, criando novos movimentos que, contrariamente aos já existentes, suportados pelos seus associados, são mantidos com financiamentos de valores inimagináveis, mas elevados, dado o número de frentes que abarcam, e nada transparentes, por se lhes desconhecer a origem, ou os ganhos.

Distorcendo objectivos como: os direitos e a igualdade no trabalho, comprometendo instrumentos de luta, como a greve; a emancipação da mulher, ridicularizando o seu grito de revolta e apelando a um silencio reivindicativo, como se o silêncio fosse solução e não problema; a igualdade de género, como um mero reconhecimento de igualdades fúteis, ficando por tratar todas as desigualdades fraturantes, apresentadas agora como antigas e demodé; a sexualidade livre, passa agora pela aceitação de condicionantes e grilhetas antigas, como se de escolhas livres se tratassem ou pela ilusão de que viver livre é rejeitar valores, rotulados agora de moral, numa sociedade que quer afirmar-se jovem e progressista.

São inventados partidos, sindicatos e associações em esquemas pirâmide, que vão assentando sobre os que trabalham no terreno desde que a luta é luta, detentores de um poderoso e valioso saber empírico, substituindo-o por especialistas de renome em coisa nenhuma, detentores de um saber conceptual falacioso, suportado única e exclusivamente pelo dinheiro que compra currículos, páginas web e meios de comunicação social.

Subindo na pirâmide, encontramos outras associações ou movimentos fátuos, ligados entre si, tal como um erro de fórmula circular numa qualquer folha de Excel, e no topo da pirâmide, encontramos a mãe de tudo, uma #hashtag. Jamais destruirão a base da pirâmide, mas pesam-lhe e dificultam o seu caminho, obrigando a uma diversão que apenas atrasa um percurso que sabem ser imparável e inevitável.

O movimento 8M, no topo da pirâmide, nada mais é que uma #hashtag e é uma falácia a sua greve feminista. Uma greve de mulheres que aceita pré-avisos de greve para homens e mulheres. Pois quando se luta pela igualdade não se pode perverter os instrumentos que a conferem. Chama-se integridade.

E se os aceitam e dissimulam, sem com eles concordarem, prova-se a grande farsa, nunca com o intuito de lutar seja por quem for, seja pelo que for, apenas com o intuito de minar tudo o que ameace retirar poder ao capital.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Autarquias, professores, padres casados e futebol »  2019-06-20  »  Jorge Carreira Maia

PODER AUTÁRQUICO. Depois da operação Teia, uma nova operação contra detentores – ou ex-detentores – do poder autárquico. Não faço ideia o que pensam presidentes de câmara e vereadores sobre a reputação das autarquias.
(ler mais...)


Democracia, por Inês Vidal »  2019-06-19  »  Inês Vidal

Somos todos pela democracia. Menos quando ganha quem não queremos. Esta coisa da democracia tem que se lhe diga. Que o diga eu que, nunca falhando a umas eleições, nunca vi ganhar nenhumas. Fica sempre um sabor amargo na boca, uma angústia de não ver ganhar quem se quer.
(ler mais...)


O Tempo dos Gelados »  2019-06-19  »  José Ricardo Costa

Uma coisa que a natureza tem de bastante simpático, facilitando-nos a vida, é a sua circularidade. Por exemplo, as estações do ano. Fosse a natureza destrambelhada e nada poderíamos prever, deixando-nos à nora sobre o que fazer no dia seguinte.
(ler mais...)


Problemas de memória »  2019-06-19  »  Hélder Dias

Glifosato Man »  2019-06-19  »  Hélder Dias

Agustina, a crise na direita, a doença da social-democracia e a teia »  2019-06-07  »  Jorge Carreira Maia

AGUSTINA BESSA-LUÍS. O século XX português teve uma mão cheia de excelentes romancistas. A atribuição do Nobel a Saramago reconheceu isso. Se tivesse sido a Agustina, não teria ficado mal entregue.
(ler mais...)


Parabéns, abstenção! »  2019-06-06  »  Anabela Santos

Muito se tem falado, já tudo foi dito e é do conhecimento de todos que as eleições europeias realizadas no dia vinte e seis de Maio trouxeram uma vitória para a esquerda, excepto para o PCP, e uma acentuada derrota para a direita.
(ler mais...)


Encruzilhada »  2019-06-06  »  António Gomes

Já assim era, mas depois das últimas eleições europeias a interrogação subiu de tom: vai ou não haver geringonça após as próximas eleições legislativas? – as pessoas perguntam.
(ler mais...)


GREVE? »  2019-06-06  »  Denis Hickel

gre·ve
(francês grève)
substantivo feminino
Interrupção temporária, voluntária e colectiva de atividades ou funções, por parte de trabalhadores ou estudantes, como forma de protesto ou de reivindicação (ex.
(ler mais...)


Quando a pedra é o sapato »  2019-06-06  »  Ana Sentieiro

Ontem trajei pela primeira vez. A Noite de Serenatas enlatou a comunidade académica da Universidade do Minho no Largo da Sé. A escuridão dos trajes iluminava os corações dos presentes, aquecia os abraços e motivava as lágrimas ao som da melodia das guitarras portuguesas.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-06-07  »  Jorge Carreira Maia Agustina, a crise na direita, a doença da social-democracia e a teia
»  2019-06-19  »  Hélder Dias Glifosato Man
»  2019-06-06  »  Ana Sentieiro Quando a pedra é o sapato
»  2019-06-06  »  António Gomes Encruzilhada
»  2019-06-06  »  Denis Hickel GREVE?