• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quarta, 26 Junho 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sáb.
 29° / 15°
Períodos nublados
Sex.
 29° / 14°
Céu limpo
Qui.
 27° / 13°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  26° / 15°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

5. O Partido Republicano em Alcanena (1906)

Opinião  »  2015-01-09  »  Gabriel Feitor

Nacional

Em Maio de 1906, é exonerado o governo regenerador que dá lugar a um governo, desta vez, fora do rotativism renegador-liberal, presidido por João Franco. As eleições de 19 de Agosto de 1906 dão vitória aos governamentais, aliança formada por regeneradores-liberais e progressistas. O PRP, consegue eleger 4 deputados pelo círculo de Lisboa: Afonso Costa, António José de Almeida, Alexandre Braga e João Meneses. A oposição republicana voltara novamente à vida parlamentar e rapidamente dava sinais disso. Em 20 Novembro de 1906, quando Afonso Costa discursa na Câmara dos Deputados sobre a questão dos «adiantamentos» à família real, após afirmar «por muito menos crimes do que os cometidos por D. Carlos I, rolou no cadafalso, em França, a cabeça de Luís XVI»1, é alvo da censura regimental e expulso da Câmara dos Deputados por um mês, juntamente com Alexandre Braga. Daqui até à ditadura de João Franco e à lei da imprensa, o tempo é veloz.

 

Local

1906 é o desabrochar dos resultados adquiridos no ano anterior. Se a influência republicana na freguesia começava a dominar a elite local, isso se deve à vinda de algumas personalidades com ligações ao PRP. Alcanena aliciava-os, por ser um meio favorável à propaganda. Médicos, advogados, notários, proprietários «duais» e, até mesmo, operários, unidos, sob a promessa do PRP: um concelho para Alcanena. No termo de Torres Novas, o Partido Progressista era comandando pelo comendador José Baptista Ramos de Deus2, natural de Alcanena3, e posteriormente por João Vieira Bual. O Partido Regenerador, em forma quase dinástica, por João Rodrigues de Deus, 1.º Visconde de São Gião, natural de Alcanena, e depois, pelo seu filho, José Alexandre Silveira de Serpa Rodrigues, 2.º Visconde de São Gião. O Regenerador-Liberal, por Rafael Pinto Lopes, este sem grande notoriedade em Alcanena. Por volta de 1904-1905, transfere residência para Alcanena o Dr. José Ferreira Viegas, médico, amigo de Afonso Costa. No final de 1905, fixa residência em Alcanena o Dr. Joaquim Albino da Silveira, advogado e notário, natural de Fogueira, Anadia. Amigo de Brito Camacho e de José Ferreira Viegas, vem para Alcanena substituir António Maria da Costa, antigo notário, falecido nesse ano. Segundo o Jornal Torrejano, é recebido com grande entusiasm «Fixou residência em Alcanena, Dr. Joaquim Albino da Silveira, que dentro em breve espera ser para ali transferido para exercer o cargo de notário. Foi festivamente aguardado pela banda alcanenense, queimando-se foguetes. O Sr. Dr. Silveira, acompanhado pelo seu amigo Sr. Barros, foi apresentado ao Sr. Dr. José Ferreira Viegas, havendo em casa desse clinico, jantar intimo após a affectuosa recepção.»4 (por razões de espaço, o artigo de 1906 continua no próximo número...)

?

1 MARQUES, A. H. Oliveira – Obras de Afonso Costa, Discursos Parlamentares, I, 1900-1910. Lisboa: Europa-América, 1973. p. 158-183.

2 Comendador da Ordem Militar da Conceição, em 10 de Junho de 1905. Cf. ANTT, Registo Geral de Mercês de D. Carlos I, liv. 23, fls.19.

3 Cf. Jornal Torrejano, n.º 1:076, 25 de Maio de 1905.

4 Jornal Torrejano, n.º 1:106, 21 de Dezembro de 1905.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Autarquias, professores, padres casados e futebol »  2019-06-20  »  Jorge Carreira Maia

PODER AUTÁRQUICO. Depois da operação Teia, uma nova operação contra detentores – ou ex-detentores – do poder autárquico. Não faço ideia o que pensam presidentes de câmara e vereadores sobre a reputação das autarquias.
(ler mais...)


Democracia, por Inês Vidal »  2019-06-19  »  Inês Vidal

Somos todos pela democracia. Menos quando ganha quem não queremos. Esta coisa da democracia tem que se lhe diga. Que o diga eu que, nunca falhando a umas eleições, nunca vi ganhar nenhumas. Fica sempre um sabor amargo na boca, uma angústia de não ver ganhar quem se quer.
(ler mais...)


O Tempo dos Gelados »  2019-06-19  »  José Ricardo Costa

Uma coisa que a natureza tem de bastante simpático, facilitando-nos a vida, é a sua circularidade. Por exemplo, as estações do ano. Fosse a natureza destrambelhada e nada poderíamos prever, deixando-nos à nora sobre o que fazer no dia seguinte.
(ler mais...)


Problemas de memória »  2019-06-19  »  Hélder Dias

Glifosato Man »  2019-06-19  »  Hélder Dias

Agustina, a crise na direita, a doença da social-democracia e a teia »  2019-06-07  »  Jorge Carreira Maia

AGUSTINA BESSA-LUÍS. O século XX português teve uma mão cheia de excelentes romancistas. A atribuição do Nobel a Saramago reconheceu isso. Se tivesse sido a Agustina, não teria ficado mal entregue.
(ler mais...)


Parabéns, abstenção! »  2019-06-06  »  Anabela Santos

Muito se tem falado, já tudo foi dito e é do conhecimento de todos que as eleições europeias realizadas no dia vinte e seis de Maio trouxeram uma vitória para a esquerda, excepto para o PCP, e uma acentuada derrota para a direita.
(ler mais...)


Encruzilhada »  2019-06-06  »  António Gomes

Já assim era, mas depois das últimas eleições europeias a interrogação subiu de tom: vai ou não haver geringonça após as próximas eleições legislativas? – as pessoas perguntam.
(ler mais...)


GREVE? »  2019-06-06  »  Denis Hickel

gre·ve
(francês grève)
substantivo feminino
Interrupção temporária, voluntária e colectiva de atividades ou funções, por parte de trabalhadores ou estudantes, como forma de protesto ou de reivindicação (ex.
(ler mais...)


Quando a pedra é o sapato »  2019-06-06  »  Ana Sentieiro

Ontem trajei pela primeira vez. A Noite de Serenatas enlatou a comunidade académica da Universidade do Minho no Largo da Sé. A escuridão dos trajes iluminava os corações dos presentes, aquecia os abraços e motivava as lágrimas ao som da melodia das guitarras portuguesas.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-06-07  »  Jorge Carreira Maia Agustina, a crise na direita, a doença da social-democracia e a teia
»  2019-06-19  »  Hélder Dias Glifosato Man
»  2019-06-06  »  Ana Sentieiro Quando a pedra é o sapato
»  2019-06-06  »  António Gomes Encruzilhada
»  2019-06-06  »  Denis Hickel GREVE?