• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sábado, 19 Janeiro 2019    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Ter.
 13° / 5°
Céu nublado
Seg.
 13° / 5°
Períodos nublados
Dom.
 15° / 8°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  15° / 6°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

5. O Partido Republicano em Alcanena (1906)

Opinião  »  2015-01-09  »  Gabriel Feitor

Nacional

Em Maio de 1906, é exonerado o governo regenerador que dá lugar a um governo, desta vez, fora do rotativism renegador-liberal, presidido por João Franco. As eleições de 19 de Agosto de 1906 dão vitória aos governamentais, aliança formada por regeneradores-liberais e progressistas. O PRP, consegue eleger 4 deputados pelo círculo de Lisboa: Afonso Costa, António José de Almeida, Alexandre Braga e João Meneses. A oposição republicana voltara novamente à vida parlamentar e rapidamente dava sinais disso. Em 20 Novembro de 1906, quando Afonso Costa discursa na Câmara dos Deputados sobre a questão dos «adiantamentos» à família real, após afirmar «por muito menos crimes do que os cometidos por D. Carlos I, rolou no cadafalso, em França, a cabeça de Luís XVI»1, é alvo da censura regimental e expulso da Câmara dos Deputados por um mês, juntamente com Alexandre Braga. Daqui até à ditadura de João Franco e à lei da imprensa, o tempo é veloz.

 

Local

1906 é o desabrochar dos resultados adquiridos no ano anterior. Se a influência republicana na freguesia começava a dominar a elite local, isso se deve à vinda de algumas personalidades com ligações ao PRP. Alcanena aliciava-os, por ser um meio favorável à propaganda. Médicos, advogados, notários, proprietários «duais» e, até mesmo, operários, unidos, sob a promessa do PRP: um concelho para Alcanena. No termo de Torres Novas, o Partido Progressista era comandando pelo comendador José Baptista Ramos de Deus2, natural de Alcanena3, e posteriormente por João Vieira Bual. O Partido Regenerador, em forma quase dinástica, por João Rodrigues de Deus, 1.º Visconde de São Gião, natural de Alcanena, e depois, pelo seu filho, José Alexandre Silveira de Serpa Rodrigues, 2.º Visconde de São Gião. O Regenerador-Liberal, por Rafael Pinto Lopes, este sem grande notoriedade em Alcanena. Por volta de 1904-1905, transfere residência para Alcanena o Dr. José Ferreira Viegas, médico, amigo de Afonso Costa. No final de 1905, fixa residência em Alcanena o Dr. Joaquim Albino da Silveira, advogado e notário, natural de Fogueira, Anadia. Amigo de Brito Camacho e de José Ferreira Viegas, vem para Alcanena substituir António Maria da Costa, antigo notário, falecido nesse ano. Segundo o Jornal Torrejano, é recebido com grande entusiasm «Fixou residência em Alcanena, Dr. Joaquim Albino da Silveira, que dentro em breve espera ser para ali transferido para exercer o cargo de notário. Foi festivamente aguardado pela banda alcanenense, queimando-se foguetes. O Sr. Dr. Silveira, acompanhado pelo seu amigo Sr. Barros, foi apresentado ao Sr. Dr. José Ferreira Viegas, havendo em casa desse clinico, jantar intimo após a affectuosa recepção.»4 (por razões de espaço, o artigo de 1906 continua no próximo número...)

?

1 MARQUES, A. H. Oliveira – Obras de Afonso Costa, Discursos Parlamentares, I, 1900-1910. Lisboa: Europa-América, 1973. p. 158-183.

2 Comendador da Ordem Militar da Conceição, em 10 de Junho de 1905. Cf. ANTT, Registo Geral de Mercês de D. Carlos I, liv. 23, fls.19.

3 Cf. Jornal Torrejano, n.º 1:076, 25 de Maio de 1905.

4 Jornal Torrejano, n.º 1:106, 21 de Dezembro de 1905.

 

 

 Outras notícias - Opinião


As eleições europeias »  2019-01-11  »  Jorge Carreira Maia

Das três eleições que decorrerão este ano – Regionais da Madeira, Legislativas e Europeias – serão estas últimas as mais importantes para o nosso destino a médio prazo.
(ler mais...)


O desassossego »  2019-01-11  »  Anabela Santos

Ou eu estou num estado de loucura que me faz confundir o real com o irreal, ou vivo num país imaginário, num sonho (menos bom) permanente, ou totalmente enganada vinte e quatro horas por dia.

Não são poucas as vezes que ouço ou leio nos meios de comunicação que o país vive tempos tranquilos.
(ler mais...)


E o Zeca revisitou-nos »  2019-01-11  »  António Gomes

Não foi um qualquer concerto, foi mesmo a sério. O Zeca revisitou-nos, desta vez no Estúdio Alfa, pela mão dos “LaFontinha”. Tal como há 50 anos, José Afonso esteve entre nós, em Torres Novas.
(ler mais...)


Como a dor desfolha o peito »  2019-01-11  »  Carlos Tomé

1.Embora uma das imagens de marca do antigo regime fosse a opressão, felizmente existem histórias de resistência espalhadas por muitos locais. A resistência contra o fascismo não foi uma expressão meramente teórica, antes foi preenchida com muitos exemplos reais, episódios de coragem, gente de carne e osso que trocou as voltas ao destino, lutando contra ventos e marés.
(ler mais...)


O negócio dos extremos »  2018-12-20  »  Jorge Carreira Maia

Uma das questões que parece atormentar certos comentadores políticos é a da ausência de uma extrema-direita em Portugal. Apesar de isso não ser completamente verdade – não existe uma extrema-direita organizada politicamente, mas existe uma extrema-direita social, ainda inorgânica –, há uma outra questão que deveria merecer atenção.
(ler mais...)


A OBESIDADE É UM PROBLEMA DE SAÚDE »  2018-12-19  »  Juvenal Silva

A obesidade é um problema de saúde e também um fator de risco para diversas doenças. Pessoas com mais de 20% de peso acima do recomendado para a sua altura e sexo, são mais vulneráveis a doenças degenerativas, nomeadamente problemas cardíacos, determinados tipos de doenças cancerosas, diabetes, artrite, etc.
(ler mais...)


Os(as) caixas de supermercado »  2018-12-19  »  António Gomes

Todos os anos por esta altura, sou confrontado com os episódios que se repetem quase mecanicamente nas grandes superfícies comerciais - estou a falar daquele dueto entre cliente e o caixa – “bom dia”, “boa tarde” ou “boa noite”, “quer um saco?”, “tem cartão cliente e factura com número de contribuinte, deseja?”

Dias, semanas seguidas, ali estão elas ou eles sempre disponíveis e na esmagadora maioria bem-humorados.
(ler mais...)


Haja fé »  2018-12-19  »  Anabela Santos

Assim, em pouco mais de um abrir e fechar de olhos, estamos, de novo, em Dezembro. Mês de festa, de família, de celebrar o aniversário de Jesus Cristo, presépio, árvore de Natal, luzes, música, afetos, união e solidariedade.
(ler mais...)


O Cacetete »  2018-12-19  »  Miguel Sentieiro

Neste momento de convulsão social, com inúmeras classes profissionais em greve, existe uma em particular que não me consegue deixar indiferente. A greve dos guardas prisionais acontece por uma clara falta de diálogo e de desconhecimento por parte dos sindicatos do plano estratégico mais profundo que se trata da criação de um novo super herói tuga chamado “Guarda Prisional numa cadeia portuguesa” ou GPCP.
(ler mais...)


Alheados »  2018-12-19  »  Inês Vidal

Afastámo-nos da coisa pública. Por descrédito, por falta de tempo, por egoísmo. Seja por que motivo for, andamos tendencialmente longe de tudo o que diz respeito à gestão das nossos destinos e deixamos em mãos alheias as decisões da nossa vida.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2019-01-11  »  Jorge Carreira Maia As eleições europeias
»  2019-01-11  »  António Gomes E o Zeca revisitou-nos
»  2019-01-11  »  Anabela Santos O desassossego
»  2019-01-11  »  Carlos Tomé Como a dor desfolha o peito