• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Quarta, 12 de Dezembro de 2018
Pesquisar...
Sáb.
 16° / 6°
Céu nublado
Sex.
 15° / 7°
Períodos nublados
Qui.
 15° / 8°
Períodos nublados com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  13° / 9°
Céu muito nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

O meu Ti Boino

Opinião  »  2018-08-09  »  Maria Augusta Torcato

"O meu Ti Boino foi-se. Hoje, depois de ter recebido a notícia, percebi que nunca soube qual era o seu verdadeiro nome"

O meu Ti Boino foi-se. Faltavam-lhe dois aninhos para chegar aos cem.

A notícia chegou hoje, nesta terça feira de julho, logo pela manhazinha, e eu, que nunca tenho tempo para retornar a casa, porque a nossa terra é e será sempre a nossa casa, mesmo que nela não tenhamos passado mais do que um oitavo dos anos que temos, lá vou amanhã, quarta feira, também de manhazinha, para o acompanhar à sua última morada. Afinal, há coisas que nos obrigam a rever o nosso calendário e agenda, pondo à frente aquilo que é importante. Ou talvez não. Talvez fossem outras coisas que agora me surgem que fossem mesmo importantes. Seriam, porventura, as visitas que eu deveria ter feito e não fiz. Seriam talvez as minhas disponibilidades para levar e acompanhar a minha mãe junto da irmã e do cunhado. Seriam os momentos em que contávamos uns aos outros como estávamos, o que fazíamos, trocávamos notícias, risos, histórias e, no fim, eu lá trazia sempre o frasco de mel habitual, meia dúzia de queijos de cabra, que foram sempre os melhores que alguma vez comi, uma abóbora grande e outros mimos que por lá sempre havia para nos reconfortar. E como o reconforto era tão bom e doce em toda aquela simplicidade! Tal como o calor da lareira sempre acesa.

O meu Ti Boino foi-se. Hoje, depois de ter recebido a notícia, percebi que nunca soube qual era o seu verdadeiro nome. Sei o sobrenome, Boino. O da minha tia é fácil de reconstituir, porque sabendo o primeiro, os restantes elementos que o compõem são iguais aos da minha mãe. Mas do meu tio nunca soube e nunca isso me preocupou nem condicionou a nossa relação. Era meu tio, por parte da minha tia, que, por sua vez, é minha tia por parte da minha mãe.

Amanhã lá vou. Comigo levo a minha mãe. Sinto, apesar de ela não me dizer, que pensa que “estas visitas” estão a começar a acontecer mais vezes do que aquilo que ela gostaria. E eu também. Sinto também, apesar de não me dizer, que se sente empurrada pelo tempo e pela doença. E, mesmo que queira fazer finca pé, parece não estar a conseguir controlar o jogo. E ela sempre foi uma vencedora. Basta ser uma sobrevivente para ser uma vencedora. E, por isso, muitas vezes, escasseiam as palavras entre nós acerca destas coisas, porque nos bastam os olhares. Eles dizem tudo. E dizem tudo o que, às vezes, não queremos ouvir...ou ver.

Ultimanente, tenho andado com os nervos à flor da pele, como se diz. As lágrimas que antes tanto custavam a sair, não por falta de sensibilidade, mas por força e coragem, agora brotam com muita facilidade. A força e a coragem mantêm-se. Fazem parte do adn e o quotidiano da vida exigem-no. E eu aprendi a não abdicar. Mas há momentos em que parece que tudo se desbarata, nada se mantém e nós damos conta (não é que não saibamos, vamo-nos enganando a nós próprios) da quebra das raizes que nos prendem e dos ramos que nos suportam e da nossa própria efemeridade. Para mim, e no que a mim própria me diz respeito, parece que não tem qualquer importância, mas o que tenho mesmo é um medo terrível da perda daqueles que, não sendo nós, são a razão de nós sermos. É o que eu sinto. Por isso, porque a “coragem não se mede pela força, mas pelo medo que vem nela”, acho que somos todos muito corajosos.

O meu Ti Boino foi-se. Os anos quebraram a sua disciplina, quer na relação com os outros, quer na força e exigência do trabalho. Ele e a minha tia trabalharam sempre tanto! Pode ser que agora possam ambos descansar. De forma diferente, é claro! Mas só quem vive uma relação de e entre cuidado e cuidador pode entender.
Tio, não chegou aos cem anos, mas eu lembrar-me-ei da promessa que nos tinha feito: faria uma grande festa e todos nos juntaríamos aí na aldeia, vindos dos quatros cantos do mundo, independentemente do tamanho do mundo de cada um de nós. Fá-la-emos um dia. Há de ser um dia! Um dia...

 

 

 Outras notícias - Opinião


O drama dos partidos de poder »  2018-12-07  »  Jorge Carreira Maia

A crise em que se arrasta o principal partido da oposição, o PSD, é sintomática da natureza dos partidos de poder em Portugal. São fortes e sólidos quando estão no poder; são frágeis e à beira da desagregação quando a governação lhes foge.
(ler mais...)


Mulheres »  2018-12-07  »  Inês Vidal

São mulheres. São presidentes, directoras, empresárias, polícias, bombeiras, autarcas, entre tantas outras profissões ou actividades. Acima de tudo, são mulheres. Ocupam cargos que um dia foram tradicionalmente de homens, ou foram as primeiras a fazê-lo por estas bandas.
(ler mais...)


Direito à indignação »  2018-12-07  »  Fernando Faria Pereira

O conceito deve-se, tanto quanto me lembro a Mário Soares, figura incontornável da democracia, que protagonizou a Presidência Aberta pelo Ambiente em resposta ao artigo 66º da constituição (ambiente e qualidade de vida) que estipula no seu nº 1: todos têm direito a um ambiente de vida humano, sadio e ecologicamente equilibrado e o dever de o defender.
(ler mais...)


Amasso Friday »  2018-12-07  »  Miguel Sentieiro

Vi as imagens daquela massa humana compactada à porta da loja de aspiradores na tal Black Friday. Numa primeira análise temo confessar que também embarquei na tese “ o que passa na cabeça destes mentecaptos para, numa 6ª feira de manhã, se sujeitarem a uma espera de horas neste degredo massivo?”.
(ler mais...)


As estradas do concelho de Torres Novas »  2018-12-07  »  António Gomes

Uma parte muito significativa das estradas, ruas, ruelas, largos, rotundas, somando mais de cem, que fazem parte da rede viária deste concelho, encontram-se em estado de deterioração mais ou menos avançado. Algumas situações estão mesmo num estado miserável, como sabemos.
(ler mais...)


Como funciona a nossa memória »  2018-12-07  »  Juvenal Silva

 

A memória é essencial para a nossa capacidade de gravar, armazenar e recuperar informações. A nossa memória é uma máquina fantástica, que contém as nossas perceções, os nossos sentimentos, as nossas memórias, imaginação e permite-nos pensar e, ser quem somos.
(ler mais...)


Filhos e netos »  2018-11-23  »  Jorge Carreira Maia

Para o meu neto Manuel.

Há uma diferença essencial, para um pai e avô, entre o nascimento de um filho e o de um neto. O nascimento do filho traz com ele, para além do prazer que a sua vinda significa, problemas práticos.
(ler mais...)


Palavra passe »  2018-11-21  »  Fernando Faria Pereira

Estaciono à primeira. Entro no café. Portas automáticas. 3 rapazes: o do lado de lá e outros 2. Boa noite! Bnoite. 1 Água com gás natural sem copo. A televisão está no CM: desgraças, previsíveis ameaças.
(ler mais...)


Biblioteca com vida »  2018-11-21  »  Anabela Santos

Há muitos anos, não quero lembrar quantos para não recordar que já estou na “meia idade”, subia, com alguma regularidade, a ladeira de Salvador e dirigia-me à biblioteca municipal, que ficava junto da igreja.
(ler mais...)


Quais os sintomas e tratamentos naturais dos resfriados »  2018-11-21  »  Juvenal Silva

Os resfriados podem ocorrer em qualquer época do ano. Todavia, são mais comuns entre as estações de outono e inverno.

Os sintomas mais comuns são: coriza, espirros, congestão nasal, tosse, dor garganta, cansaço, perda de apetite, febre baixa, embora nas crianças possa ser mais elevada ocasionalmente.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2018-11-23  »  Jorge Carreira Maia Filhos e netos
»  2018-11-21  »  Juvenal Silva Quais os sintomas e tratamentos naturais dos resfriados
»  2018-11-21  »  Anabela Santos Biblioteca com vida
»  2018-11-21  »  Fernando Faria Pereira Palavra passe
»  2018-12-07  »  Jorge Carreira Maia O drama dos partidos de poder