• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
Directora: Inês Vidal   |     Segunda, 15 de Outubro de 2018
Pesquisar...
Qui.
 23° / 11°
Períodos nublados com chuva fraca
Qua.
 22° / 12°
Períodos nublados com chuva fraca
Ter.
 23° / 12°
Céu nublado
Torres Novas
Hoje  20° / 11°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

O meu Ti Boino

Opinião  »  2018-08-09  »  Maria Augusta Torcato

"O meu Ti Boino foi-se. Hoje, depois de ter recebido a notícia, percebi que nunca soube qual era o seu verdadeiro nome"

O meu Ti Boino foi-se. Faltavam-lhe dois aninhos para chegar aos cem.

A notícia chegou hoje, nesta terça feira de julho, logo pela manhazinha, e eu, que nunca tenho tempo para retornar a casa, porque a nossa terra é e será sempre a nossa casa, mesmo que nela não tenhamos passado mais do que um oitavo dos anos que temos, lá vou amanhã, quarta feira, também de manhazinha, para o acompanhar à sua última morada. Afinal, há coisas que nos obrigam a rever o nosso calendário e agenda, pondo à frente aquilo que é importante. Ou talvez não. Talvez fossem outras coisas que agora me surgem que fossem mesmo importantes. Seriam, porventura, as visitas que eu deveria ter feito e não fiz. Seriam talvez as minhas disponibilidades para levar e acompanhar a minha mãe junto da irmã e do cunhado. Seriam os momentos em que contávamos uns aos outros como estávamos, o que fazíamos, trocávamos notícias, risos, histórias e, no fim, eu lá trazia sempre o frasco de mel habitual, meia dúzia de queijos de cabra, que foram sempre os melhores que alguma vez comi, uma abóbora grande e outros mimos que por lá sempre havia para nos reconfortar. E como o reconforto era tão bom e doce em toda aquela simplicidade! Tal como o calor da lareira sempre acesa.

O meu Ti Boino foi-se. Hoje, depois de ter recebido a notícia, percebi que nunca soube qual era o seu verdadeiro nome. Sei o sobrenome, Boino. O da minha tia é fácil de reconstituir, porque sabendo o primeiro, os restantes elementos que o compõem são iguais aos da minha mãe. Mas do meu tio nunca soube e nunca isso me preocupou nem condicionou a nossa relação. Era meu tio, por parte da minha tia, que, por sua vez, é minha tia por parte da minha mãe.

Amanhã lá vou. Comigo levo a minha mãe. Sinto, apesar de ela não me dizer, que pensa que “estas visitas” estão a começar a acontecer mais vezes do que aquilo que ela gostaria. E eu também. Sinto também, apesar de não me dizer, que se sente empurrada pelo tempo e pela doença. E, mesmo que queira fazer finca pé, parece não estar a conseguir controlar o jogo. E ela sempre foi uma vencedora. Basta ser uma sobrevivente para ser uma vencedora. E, por isso, muitas vezes, escasseiam as palavras entre nós acerca destas coisas, porque nos bastam os olhares. Eles dizem tudo. E dizem tudo o que, às vezes, não queremos ouvir...ou ver.

Ultimanente, tenho andado com os nervos à flor da pele, como se diz. As lágrimas que antes tanto custavam a sair, não por falta de sensibilidade, mas por força e coragem, agora brotam com muita facilidade. A força e a coragem mantêm-se. Fazem parte do adn e o quotidiano da vida exigem-no. E eu aprendi a não abdicar. Mas há momentos em que parece que tudo se desbarata, nada se mantém e nós damos conta (não é que não saibamos, vamo-nos enganando a nós próprios) da quebra das raizes que nos prendem e dos ramos que nos suportam e da nossa própria efemeridade. Para mim, e no que a mim própria me diz respeito, parece que não tem qualquer importância, mas o que tenho mesmo é um medo terrível da perda daqueles que, não sendo nós, são a razão de nós sermos. É o que eu sinto. Por isso, porque a “coragem não se mede pela força, mas pelo medo que vem nela”, acho que somos todos muito corajosos.

O meu Ti Boino foi-se. Os anos quebraram a sua disciplina, quer na relação com os outros, quer na força e exigência do trabalho. Ele e a minha tia trabalharam sempre tanto! Pode ser que agora possam ambos descansar. De forma diferente, é claro! Mas só quem vive uma relação de e entre cuidado e cuidador pode entender.
Tio, não chegou aos cem anos, mas eu lembrar-me-ei da promessa que nos tinha feito: faria uma grande festa e todos nos juntaríamos aí na aldeia, vindos dos quatros cantos do mundo, independentemente do tamanho do mundo de cada um de nós. Fá-la-emos um dia. Há de ser um dia! Um dia...

 

 

 Outras notícias - Opinião


Casimiro Pereira… dedicação e simplicidade »  2018-10-12  »  Anabela Santos

Pego na caneta, no papel, sento-me na mesa do café e questiono-me: como me atrevo a escrever sobre este senhor? – Não sei, corro o risco, simplesmente.

Era uma miúda, criança mesmo, quando Casimiro Pereira começou a sua vida autárquica em Torres Novas.
(ler mais...)


Como prevenir e tratar infeções urinárias »  2018-10-12  »  Juvenal Silva

Como prevenir e tratar infeções urinárias

As infeções urinárias são muito incómodas e mais recorrentes nas mulheres, que as obrigam a consultas médicas algumas vezes ao ano. Normalmente, o tratamento consiste na toma de antibióticos, que matam a infeção presente, mas deixam a bexiga vulnerável a uma próxima invasão bacteriana.
(ler mais...)


Venha daí um refrigerante fresquinho! »  2018-10-12  »  Miguel Sentieiro

Sumol é um dos actuais alvos da implacável máquina fiscal. Essa refrescante bebida de laranja, com bolhinhas, que nos alivia o calor no pingo do verão, afinal é um vilão cheio de sacarose para nos envenenar.
(ler mais...)


Passa »  2018-10-12  »  Inês Vidal

A Golegã auto intitula-se capital do cavalo. Veiga Maltez gostava de cavalos, havia cavalos na vila, sacou daquela da cartola e um dia disse: “cavalos são na Golegã”. A ideia pegou, vendeu e hoje já não é só o presidente que lhe chama assim.
(ler mais...)


The Times They Are A-Changin` »  2018-10-12  »  Jorge Carreira Maia

Ouvida nos dias que correm, a canção de Bob Dylan não deixa de parecer uma singular ironia, uma ironia que atinge o cerne das crenças que estão no coração das gerações que fizeram da balada dylaniana um símbolo do caminho para o paraíso.
(ler mais...)


O papel dos cidadãos »  2018-09-27  »  Jorge Carreira Maia

No início do ano lectivo, costumo explicar aos meus alunos de Ciência Política que a política é o lugar do mal. No seguimento da lição de Thomas Hobbes, tento mostrar-lhes que a política existe porque nós não somos moralmente irrepreensíveis e, movidos por interesses egoístas, fazemos mal uns aos outros.
(ler mais...)


Suave cumplicidade »  2018-09-26  »  Carlos Tomé

Aqui há um ano, prometeram que o homem ia voltar e ele voltou mesmo. Nessa altura o homem era o José Afonso, e a sua música ecoou tão simples e tão pura no auditório do Hotel dos Cavaleiros que os LaFontinha conseguiram o milagre de ressuscitar o genial autor de geniais canções, que agora querem tratar como um vulgar herói nacional grato ao poder, e cuja gratidão o poder reconhece com o panteão, retirando-o da terra e do povo que ele sempre adorou.
(ler mais...)


Podemos ou não prevenir as doenças oncológicas »  2018-09-26  »  Juvenal Silva

Como ocorre em muitas outras doenças crónicas e mortais, e apesar de décadas de investigações e milhões de dólares investidos, a ciência ainda não consegue definir a causa do crescimento descontrolado das células tumorais.
(ler mais...)


Orçamento Participativo, alguém se lembra dele?.. »  2018-09-26  »  Nuno Curado

Vamos ter mais um ano sem um Orçamento Participativo (OP) aqui em Torres Novas. Lembrei-me disso ao ver a notícia dos recentes vencedores do OP em Abrantes. O ano passado, o OP não avançou no nosso concelho com o argumento de ser ano de eleições.
(ler mais...)


As caixas de correio e a liderança »  2018-09-26  »  António Gomes


A imagem que acompanha esta crónica pode ser o espelho da degradação do centro e da cidade de Torres Novas. Chegámos aqui por responsabilidade do PS: abandono, desleixo, insegurança.

A fotografia foi tirada há três anos, mas já tudo estava assim antes.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 10 dias)
»  2018-10-12  »  Jorge Carreira Maia The Times They Are A-Changin`
»  2018-10-12  »  Juvenal Silva Como prevenir e tratar infeções urinárias
»  2018-10-12  »  Miguel Sentieiro Venha daí um refrigerante fresquinho!