• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 21 Julho 2024    •      Directora: Inês Vidal; Director-adjunto: João Carlos Lopes    •      Estatuto Editorial    •      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 40° / 21°
Céu limpo
Ter.
 41° / 21°
Céu limpo
Seg.
 40° / 16°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  29° / 17°
Céu nublado
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Feiras sem estórias - carlos paiva

Opinião  »  2024-06-11  »  Carlos Paiva

Segundo pesquisa da TSF, em Portugal no ano de 2015, ocorreram 40 eventos no contexto de "feira medieval", ou similar relacionado com esta temática. Após uma pesquisa online breve, não sistematizada, para o ano de 2023, contei 86. Em menos de 10 anos, este género de eventos mais que duplicou no nosso país. O facto por si só, deveria despertar interesse para um estudo antropológico. A vertente económica explica parte: a do sucesso comercial. A vertente social, sugere uma necessidade de escapismo generalizada. Preocupante. Uma população sedenta de carnaval, de festa, de máscaras, de fantasia. Pretensiosamente disfarçada de cultura.

A ideia base desta moda, é rastreável a uma Inglaterra do século XX, onde alguns proprietários aristocratas e famílias outrora nobres, encararam a necessidade de angariar fundos para a manutenção de edifícios e espaços na sua posse, de alguma forma historicamente relevantes, capitalizando-os pela via do turismo. Tanto proprietários como serviçais vestiam-se à época para receber os visitantes, pagadores. A ideia rapidamente se espalhou pelo resto da europa e tomou vida própria, dando origem a "feiras medievais" a par de "recriações históricas".

É de grande importância distinguir estes dois subprodutos da atividade turística: a "recriação histórica" e a "feira medieval".

Uma "recriação histórica" é realizada sob apurado rigor e escrutínio científico, pois pretende-se útil em termos pedagógicos e, quando inserida em conferências ou colóquios temáticos, cumpre com funções ilustrativas fidedignas. A "feira medieval"... é uma feira. Sem qualquer vínculo ou obrigatoriedade a cumprir. Admite alegremente adereços anacrónicos e encenações ficcionais, muito afastados da realidade reportada em registos históricos. Os séculos fundem-se numa amálgama festiva de consumismo.

A primeira a ocorrer em Portugal aconteceu em Coimbra no ano de 1992. Desde então, foi fogo na palha, ou não existissem castelos a fazer figura de monos pelo país fora.

Sedentas de promoção turística e prenhes de oportunismo, as autarquias aderiram em massa à moda, para, finalmente, capitalizar o seu mono secular de pedra. Muitas delas faturando valores principescos pelo acesso a um espaço público, para um evento posto de pé muitas vezes assente em trabalho voluntário e, pelo menos até certa data, muitas delas fazendo uso de financiamento europeu. Win win situation. Num passado recente, a ganância da autarquia torrejana foi tal que, atingiu valores épicos para o aluguer de espaço comercial dentro do recinto. Resultado: não houve número suficiente de comerciantes dispostos a pagar tais valores. À última hora, tiveram de andar a catar associações do concelho para ocupar o que ficou vago. O episódio, além de ilustrar a ganância, diz muito, senão tudo, sobre o planeamento que se pratica na Câmara Municipal.

Como demonstra o número elevado de eventos similares no ano passado, a concorrência é feroz, daí, as autarquias pagarem por publicidade às respetivas feiras na comunicação social. As mais assertivas, ou aquelas onde a feira é o ponto mais alto da atividade autárquica, paralelamente efetuam conferências de imprensa, com o mesmo fim promocional. Contratam um historiador sorridente para presencialmente dar uma imagem de credibilidade científica e cultural ao arraial. Sugerem a umas quantas escolas do concelho a presença e/ou colaboração dos alunos e professores, para dar um ar pedagógico. Oficialmente voluntários, porque depois de Abril de 1974, uma sugestão não é uma ordem.

Assim se vende gato por lebre, a quem estiver disposto a pagar para esperar três horas na fila pelo jantar. Mas como se estão a enriquecer culturalmente, está tudo bem, a cultura nacional exige sacrifícios, um bom patriota dá o corpo às balas. As famílias carenciadas, sem hipótese de pagar para ficar a saber mais sobre a história de Portugal, têm a oportunidade de ficar em casa, a ler sobre história, a verdadeira, numa enciclopédia em segunda mão, regateada na feira de velharias. Felizmente feiras não faltam.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O Orelhas... »  2024-07-16  »  Hélder Dias

Lady Gago »  2024-07-09  »  Hélder Dias

Na aldeia de Zibreira passa o rio Almonda - isilda loureiro »  2024-06-23 

"O rio da minha aldeia", fazendo lembrar o poema de Fernando Pessoa...

Houve tempos em que o local conhecido por Azenha, no termo da aldeia de Zibreira, após descermos uma ladeira ladeada de terrenos agrícolas e hortas, teve um moinho com gente e muita vida.
(ler mais...)


Cogitações por causa do 25 de Novembro e dos avanços da extrema-direita - antónio mário santos »  2024-06-23  »  António Mário Santos

No momento em que do centro direita à direita radical, aproveitando a viragem das últimas eleições legislativas, se organizou uma associação de interesses para diminuir o 25 de Abril, realçando o golpe militar do 25 de Novembro, num crescendo de recuperação selectiva do revanchismo das elites económicas destronadas pela revolução, ultrapassando a concepção social-democrata do próprio PS (Manuel Alegre distingue-o nas suas Memórias Minhas, criticando a viragem para a 3ª via de Blair, continuando a preferir chamar ao seu partido, por inteiro, Partido Socialista), abriu-se um clamoroso protesto nos órgãos de informação nacionais.
(ler mais...)


O futebol e o radicalismo de direita - jorge carreira maia »  2024-06-23  »  Jorge Carreira Maia

 

Decorre o Europeu de futebol, hora em que o fervor nacionalista se exalta. O futebol, na sua dimensão industrial, foi colonizado por perspectivas ideológicas que fomentam, na consciência dos adeptos, uma visão do mundo muito específica.
(ler mais...)


Toma lá... »  2024-06-19  »  Hélder Dias

Lições da História - acácio gouveia »  2024-06-13  »  Acácio Gouveia

“A História não se repete, mas rima por vezes”, Mark Twain

 Vinte e sete meses após o início da guerra na Ucrânia, temos generais e comentadores nos meios de comunicação social portugueses: (I) a justificar a legitimidade da invasão; (II) a profetizar a total e inelutável vitória de Putin; (III) e tentar convencer-nos que este assunto tem pouco ou nada a ver com Portugal e com os demais países europeus.
(ler mais...)


Do rescaldo da festa à realidade da Europa - antómio mário santos »  2024-06-11  »  António Mário Santos

Vivemos, na Europa, tempos difíceis. As eleições europeias, que se desenrolarão no próximo domingo, podem apontar para o fim da União Europeia como hoje a conhecemos. O avanço da extrema direita, racista e xenófoba, na maioria dos países europeus, veio ressuscitar o velho problema das nacionalidades e das suas fronteiras, dos impérios coloniais arrumados nos armários da história, da milenária contenda entre a ciência e a fé, da economia neoliberal assente no conceito do Estado-Nação e nos direitos fundamentais da cidadania democrática.
(ler mais...)


Nascente do Almonda: há outro caminho - jorge salgado simões »  2024-06-11  »  Jorge Salgado Simões

Tem sido difícil assistir a tudo o que se tem passado em torno da nascente do Almonda nos últimos anos, um conflito exacerbado por dois lados com interesses legítimos, mas incapazes de construir qualquer benefício para um património que todos dizem querer valorizar.
(ler mais...)


Teixeira de Queiroz e o mundo português - jorge carreira maia »  2024-06-11  »  Jorge Carreira Maia

Hoje desconhecido do grande público, Francisco Teixeira de Queiroz foi um dos grandes escritores portugueses dos finais do século XIX e inícios do século XX. A Imprensa Nacional começou, em 2020, a republicar as obras do escritor nascido em Arcos-de-Valdevez, que chegou a ser deputado e Ministro dos Negócios Estrangeiros na Primeira República.
(ler mais...)


 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2024-07-09  »  Hélder Dias Lady Gago
»  2024-07-16  »  Hélder Dias O Orelhas...
»  2024-06-23  Na aldeia de Zibreira passa o rio Almonda - isilda loureiro
»  2024-06-23  »  António Mário Santos Cogitações por causa do 25 de Novembro e dos avanços da extrema-direita - antónio mário santos
»  2024-06-23  »  Jorge Carreira Maia O futebol e o radicalismo de direita - jorge carreira maia