• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quarta, 17 Agosto 2022    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sáb.
 39° / 21°
Céu limpo
Sex.
 38° / 21°
Céu limpo
Qui.
 34° / 15°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  27° / 16°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Tomatina - carlos paiva

Opinião  »  2022-06-18  »  Carlos Paiva

"“A Câmara Municipal é anunciante na TNFM a 1.200€ por mês. Pelas contas públicas. Não estou a cometer uma inconfidência."

Até os mais distraídos na escola, fui um deles, se devem lembrar do princípio mais básico da física. Para qualquer acção, há uma reacção. Por incrível que pareça, por muito tosco que seja, é o princípio base que orienta e rege todo o método científico, até o de ponta. Sabendo previamente a quantificação e qualificação da acção, temos todo o interesse em observar atentamente a reacção. É desta observação detalhada que surge conhecimento. Agarra-se, por exemplo, no pedacinho mais pequeno de matéria que temos por aí à mão de semear, o átomo de hidrogénio, acelera-se o gajo ao máximo que se conseguir, por meio de indução electro-magnética chegando quase quase à velocidade da luz (chegar mesmo lá, é uma impossibilidade técnica) e quando a velocidade está no seu auge, espeta-se um obstáculo parado, sólido, no seu caminho. Observa-se detalhadamente o que acontece. Medindo muito bem todas as consequências deste desastre provocado, gera-se conhecimento.

Resumi o funcionamento de um ciclotrão no parágrafo anterior. Quem cedeu à moda de ler livros, “de letras”, com o Dan Brown, sabe na generalidade a mecânica da coisa (concedo-lhe o mérito de ter conseguido fazer sozinho aquilo que inúmeras campanhas e alguns milhares, milhões, de euros, nunca conseguiram fazer: pôr a malta a ler, nunca mais leram nada, mas, pelo uma vez na vida, leram um livro “de letras”).

O conceito resumido pode ser confirmado na transversal e popular alegoria: uma maçã cai na cabeça de Newton e o fulano tem automaticamente uma ideia. Mesmo quem não sabe que Newton é na realidade sir Newton, conhece esta alegoria. Os espanhóis captaram muito bem a essência da coisa e, uma vez por ano, arremessam tomates maduros à cabeça uns dos outros. Porquê? Não fazem ideia. Preservou-se a essência. Algures no percurso, perdeu-se o propósito. Faz-se porque sim. Resultou com um inglês, segundo dizem. O absurdo da tradição que teima em bloquear o conhecimento científico.

Embora possível, as ideias não surgem maioritariamente em acidentes leguminosos. (porque “frutíferos” contraria a linha de raciocínio. Descambava na exploração de detalhes semânticos e etimológicos para dar a volta. Engatava a crónica). A pergunta que se impõe: levando com uma abóbora a ideia era maior, melhor? Ninguém sabe. Só se sabe que, com tomates maduros, não resulta. Pelo menos para os espanhóis.

Publicar uma revista, cujo propósito declarado se autoilustra tanto na capa como no artigo principal do primeiro número, é considerado “boa ideia”. Claramente o alvo da tomatada tem um vencedor. A pertinência do formato físico é questionável. Século 21, era digital, autoestrada da informação, e a asfixiante contenção de custos. É preciso tirar um curso? Em papel? Dah! O propósito de “divulgação da marca TNovas” não é justificado por uma estratégia de distribuição da publicação. Uma análise que sustente decisão mediante um público alvo, ao invés das mesas dos cafés e salas de espera. Função de folheto publicitário, portanto. Quem paga isto são os anunciantes, dizem. Até pode ser. Acredito. A Câmara Municipal é anunciante na TNFM a 1.200€ por mês. Pelas contas públicas. Não estou a cometer uma inconfidência. Se uma simples maçã despoletou um pensamento que se reflete na física quântica 300 anos depois, imaginem o que não sairá com uma revista de propaganda? Tiveram sorte não acertar num inglês. Um sir, então… subia de nível. Comigo, preferi canalizar os recursos para ajudar os espanhóis na investigação deles. Envolve tomates e não se sabe se um dia sai dali também uma “boa ideia”. A tradição marcava finalmente um ponto. Seria surpreendente.

 


“A Câmara Municipal é anunciante na TNFM a 1.200€ por mês. Pelas contas públicas. Não estou a cometer uma inconfidência.

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


Não é coisa pouca! - antónio gomes »  2022-08-16  »  António Gomes

A cidadania fez-se ao caminho, recolheu mais de 900 assinaturas, entregou-as na Assembleia Municipal e colocou-a a reflectir sobre o assunto.

Os peticionários e a Assembleia Municipal de Torres Novas tomaram posição e decidiram sobre o futuro do território que envolve a nascente do rio Almonda e sobre a pertença da água que ali brota.
(ler mais...)


CRÓNICA PARA UM TEMPO ESTIVAL - -josé alves pereira »  2022-08-16  »  José Alves Pereira

Neste verão canicular de dias adormentados, cercados pelas chamas televisivas e pela (des)informação da guerra na Ucrânia e outras menos visíveis, que escrever para alguns distraídos momentos de leitura ?  Nesta indecisão, veio-me à memória um episódio insólito presenciado num outro escaldante Agosto, no final dos anos 80, numa praia de Marbelha, ao sul de Espanha.
(ler mais...)


Três notas sobre o mês de Agosto - josé mota pereira »  2022-08-16  »  José Mota Pereira

1.

“Primeiro dia de inverno”, assim ouvia ao avô de verão, mestre Zé Viola, velho  pescador de Peniche, onde na sua pequena casa  passávamos as férias de verão nos anos iniciais da existência.
(ler mais...)


Não (h)à crise - carlos paiva »  2022-08-16  »  Carlos Paiva

Conto com mais de meio século de existência e não conheço Portugal sem estar em crise. Este estado perpétuo instalou-se no subconsciente colectivo, sendo aceite como a normalidade. Curioso como regularmente o governo nos educa para novas normalidades.
(ler mais...)


Trve - carlos paiva »  2022-07-15  »  Carlos Paiva

Quem se interessa por música, em jovem e no caminho para a maturidade, é comum acontecer um sentido de propriedade, totalmente deslocado, acerca de algo que não nos pertence, nem por sombras está dentro da nossa esfera de influência.
(ler mais...)


Os rankings e escolas públicas e privadas - jorge carreira maia »  2022-07-15  »  Jorge Carreira Maia

Já com o calor de Julho saíram os rankings dos exames nacionais do ano anterior. Sempre que são publicados, geram uma árdua batalha entre os defensores da sua não publicação, argumentando que não se pode comparar o incomparável, como os que defendem que se deve tornar manifesto quais as escolas que tem mérito e aquelas que não o têm e, numa perspectiva liberal, argumentar sobre a superioridade do ensino privado sobre o ensino público.
(ler mais...)


A NASCENTE QUE NUNCA MORRE - ana domingos »  2022-07-15  »  Ana Domingos

 

No dia em que as fontes secarem, depois no norte e sul se fundirem, já estarei longe deste lugar. Depois, para lá de tudo, do tacto, da cor, um miudinho templo apreciará, insistentemente, a ousadia desafiante de nunca, mas nunca morrer.
(ler mais...)


É tempo de dignificar a Assembleia Municipal de Torres Novas - antónio gomes »  2022-07-05  »  António Gomes

 

A última sessão da Assembleia Municipal (AM) aprovou, por unanimidade, a gratuitidade dos TUT a partir de 2023, por proposta do BE. Logo no início deste século, a Agência Europeia do Ambiente tinha colocado como uma das condições principais em defesa do ambiente que os transportes públicos fossem gratuitos.
(ler mais...)


A ANEMIA - josé mota pereira »  2022-07-05  »  José Mota Pereira

Num canto de página d` O Almonda, na sequência de mais uma reorganização do jornal nestes últimos anos, vem o anúncio: O Almonda deixará de se publicar semanalmente, passando a quinzenário.

 Na sua longa história, esta é uma mudança significativa e que ultrapassa as fronteiras do jornal.
(ler mais...)


Um problema irresolúvel - jorge carreira maia »  2022-07-05  »  Jorge Carreira Maia

 


1. A solidão de Macron. A coligação de apoio a Macron ganhou as eleições legislativas francesas, mas o governo ficou sem maioria no parlamento. O pior é que este reflecte a polarização política existente em França, onde as forças radicais e populistas, à esquerda e à direita, têm uma enorme influência, e o centro-direita não parece inclinado a estender a mão à maioria.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2022-08-16  »  António Gomes Não é coisa pouca! - antónio gomes
»  2022-08-16  »  José Alves Pereira CRÓNICA PARA UM TEMPO ESTIVAL - -josé alves pereira
»  2022-08-16  »  Carlos Paiva Não (h)à crise - carlos paiva
»  2022-08-16  »  José Mota Pereira Três notas sobre o mês de Agosto - josé mota pereira