• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 29 Novembro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 18° / 5°
Períodos nublados
Ter.
 19° / 9°
Céu limpo
Seg.
 17° / 9°
Períodos nublados com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  16° / 8°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

O pau da República - josé mota pereira

Opinião  »  2020-10-09  »  José Mota Pereira

Na manhã outonal do 5 de Outubro de 2020, erguia-se majestoso no topo da praça o vigoroso mastro aguardando a bandeira republicana que deveria ter vindo. Vão longe os tempos da praça, que ainda antes ser deste dia de Outubro tinha o nome do último Bragança e recebia a visita do jovem rei dom Manuel, entre os aplausos da multidão que acenando ao ilustre lhe atirava "viva o rei dom manelinho que é tão bom e bonitinho" – pelo menos assim contou aos seus descendentes, mais palavra, menos palavra, uma antepassada minha que não conheci.

Pelos anos fora, a praça foi campo onde todos os grandes momentos cívicos do país se viviam. Foi sempre na praça que os torrejanos se encontraram nos momentos de alegria, de convívio, de comemoração. Hoje, neste 5 de Outubro, foi dia de silêncio na sua praça.

Ali perto hoje, promovem-se os frutos secos, riqueza antiga desta terra que chamando-se a si própria capital dos frutos secos, os foi deixando abandonar, sem promoção que se conheça além de uma feira que anualmente marca o ponto. Este ano, por via da crise sanitária, a feira fez-se mais pequena e foi situar-se paredes meias com as velhas ruas desabitadas e esquecidas de São Pedro, na entrada da Rua 1.º Dezembro, onde ironicamente uma velha muralha clama pelo restauro que não chega.

São retratos de hoje desta cidade que somos, carregada de memória, com saudades em excesso, pouco cuidado com o presente, de futuro mal pressentido
Na Praça do 5 de Outubro, hoje, a implantação da República há 110 anos foi ignorada e esquecida pelo poder autárquico. Talvez porque creia que não seja muito importante.

Apenas um pau de bandeira esquecida ao topo da praça nos parece querer lembrar a data. Um pau majestoso, sem bandeira, símbolo deste poder descuidado.
Mas, como qual pau de sebo dos jogos tradicionais, parece dizer-nos que por muito que alguns o trepem e alcancem o seu topo... virá sempre o momento em que virão por ele abaixo, deslizando em grande velocidade, ao melhor estilo republicano. Cá os esperamos.

Viva a República!


 

 

 

 Outras notícias - Opinião


Onde pára o PS? - josé mota pereira »  2020-11-21  »  José Mota Pereira

Vivi algum tempo nos Açores, onde contactei com uma realidade social e política muito diversa daquela a que estava habituado por estas paragens. Nesse período, a transição do poder político passava de Carlos César para o seu sucessor, Vasco Cordeiro, de forma absolutamente tranquila, com o PS exercendo uma maioria eleitoral que a toda a gente parecia vir a ser eterna.
(ler mais...)


Gatos »  2020-11-21  »  Rui Anastácio

A “Rosa dos Gatos” foi uma das personagens que habitou a minha infância. Na verdade a minha infância foi habitada por uma miríade de personagens. Escolhi a Rosa não sei bem porquê.

A Rosa alimentava vinte gatos, tinha muito mau feitio para as crianças mas um imenso amor pelos gatos.
(ler mais...)


[Breve ensaio para uma carta ao futuro] - margarida trindade »  2020-11-21  »  Margarida Trindade

Aquele era o tempo do contágio. O tempo em que da ordem nasceu a desordem. O tempo da separação e da angústia. O tempo asséptico. O tempo final. O tempo do medo. O tempo da rebelião e de todos os perigos latentes.
(ler mais...)


Ser Torrejano - josé ricardo costa »  2020-11-21  »  José Ricardo Costa

Desço a rua dos Anjos quando o meu cérebro é de repente apoquentado por uma radical e inquietante questão. Não o pavor diante do silêncio e escuridão do espaço cósmico ou por não saber se quando esticar o pernil irei dar com a Audrey Hepburn a cantar o Moon River numa matiné de domingo no Virgínia ou com um cenário de Bosch.
(ler mais...)


Pandemia e a vantagem do meio termo - jorge carreira maia »  2020-11-21  »  Jorge Carreira Maia

Depois de uma pequena acalmia, a pandemia de COVID-19 escalou. Contágios, internamentos, utilização de cuidados intensivos e mortes, tudo isso apresenta números que são já assustadores. É fácil criticar os governos, difícil, porém, é ter, com os recursos existentes e com os conhecimentos disponíveis, respostas que agradem a todos ao mesmo tempo.
(ler mais...)


Generalizar, apontar, julgar - inês vidal »  2020-11-21  »  Inês Vidal

Digo isto com frequência. Quem melhor me conhece, já o ouviu dezenas de vezes. Ainda hoje, ao jantar, dizia à minha filha que não podemos viver no preconceito. A vida não é a preto e branco, tem antes milhares de nuances.
(ler mais...)


Mais rápido que a própria sombra - carlos paiva »  2020-11-21  »  Carlos Paiva

As árvores, além de produzirem oxigénio e servirem de lar para uma série de bicharada, têm num dos efeitos colaterais à sua existência, o arrefecimento do ar. Onde há árvores, fica mais fresquinho.
(ler mais...)


Água - antónio gomes »  2020-11-21  »  António Gomes

A água é um recurso escasso, não é infinito e não podemos viver sem ela. O acesso à água é um direito humano.
Muito se tem escrito e muito se vai continuar a escrever sobre a exploração e utilização da água, mas medidas concretas para rentabilizar a sua utilização são ainda são escassas e decisões políticas são a excepção.
(ler mais...)


Voltemos ao comércio local - antónio gomes »  2020-11-06  »  António Gomes

A situação de pandemia agrava-se aos olhos de toda a gente e as consequências desta situação são evidentes: no emprego/desemprego, na actividade económica, na transacção de mercadorias, em particular no comércio local.
(ler mais...)


FUI LÁ ATRÁS, VOLTO JÁ - josé mota pereira »  2020-11-06  »  José Mota Pereira

Passados três meses da sua aquisição, o smartphone decidiu entregar a alma ao criador, pelo que o cronista teve que o substituir temporariamente, aguardando a devida recuperação do paciente tecnológico. Sendo a doença temporária e recuperável no prazo razoável de três semanas, decidiu o cronista investir a modesta quantia de cerca de vinte moedas de euros na aquisição de um aparelho telefónico portátil, a que dantes chamávamos telemóvel, para permitir o seu contacto com os outros humanos do Mundo.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-11-21  »  José Mota Pereira Onde pára o PS? - josé mota pereira
»  2020-11-21  »  José Ricardo Costa Ser Torrejano - josé ricardo costa
»  2020-11-06  »  Jorge Carreira Maia Hiperpolitização - jorge carreira maia
»  2020-11-21  »  Carlos Paiva Mais rápido que a própria sombra - carlos paiva
»  2020-11-06  »  José Mota Pereira FUI LÁ ATRÁS, VOLTO JÁ - josé mota pereira