• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quinta, 15 Abril 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sáb.
 22° / 10°
Céu limpo
Sex.
 23° / 12°
Períodos nublados com chuva fraca
Qui.
 22° / 14°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  21° / 12°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Fico em (que) casa

Opinião  »  2020-04-05  »  Ana Lúcia Cláudio

"Mas estes tempos são difíceis também para quem vive no seio de uma família (aparentemente) “normal”"

“Quando, no dia 31 de dezembro de 2019, ao comer aquela passa, desejei passar mais tempo com a minha família, não era bem nisto que estava a pensar” - É uma das muitas frases com alguma graça que circula por estes dias nas redes sociais, provando que o terror psicológico da gestão de um vírus e dos seus efeitos colaterais ainda consegue aguçar a criatividade e o sentido de humor.

Na verdade, estes dias que passamos confinados a isolamento, quarentena, encerro, prisão domiciliária ou qualquer outra expressão que pretenda significar que a vida que tínhamos até aqui, com todos os hábitos e rotinas que a caraterizavam, ficou em pausa, não são fáceis para ninguém.

“Fique em casa” é uma ordem e uma espécie de senha que, se noutra altura, podia soar a um conselho agradável, agora semeia o terror nas nossas cabeças. Porque o estar em casa de modo permanente e involuntário é difícil para todos, seja qual for a sua situação pessoal ou familiar.

A começar, desde logo, por aqueles que não têm casa o que levou municípios como Lisboa a adaptarem os seus planos de contingência à realidade dos sem-abrigo. Mas é difícil também para os que vivem sozinhos e que se vêm obrigados a um isolamento agora mais permanente, mas pouco diferente daquele a que muitas vezes a sociedade egoísta em que vivemos já os votava.

Dificuldade acrescida e estado de alerta para quem (con)vive com agressores e agora neste momento de tensão confinado 24h sobre 24h, com o seu carrasco se encontra ainda mais à mercê da sua (má sorte). O receio de que o número de casos de violência doméstica aumente de uma forma exponencial é, assim, grande, uma vez que todo este stresse psicológico que se sente nesta altura é um rastilho para as agressões no seio familiar.

Mas estes tempos são difíceis também para quem vive no seio de uma família (aparentemente) “normal”. Dizem as estatísticas que é em Setembro, depois de um período de férias e de convivência mais intensa, que se verifica o maior número de divórcios. Na agitação do dia-a-dia os casais mal se cruzam e portam-se quase como desconhecidos, mas, quando confrontados com a presença permanente do outro, descobrem que afinal aquele outro não lhe faz sentido. Neste momento, estão enjaulados, o que ainda agrava mais a situação.

Também para os que já se encontram divorciados e que têm filhos em comum esta situação não é fácil. Não obstante o decreto do Governo, que regulamenta o estado de emergência, prever a circulação de pais que estejam em regime de guarda partilhada, por uma questão de saúde pública, a Associação Portuguesa para a Igualdade Parental recomenda que as crianças transitem entre residências o menor número de vezes possível, o que será, naturalmente, quer causa de sobrecarga para um dos progenitores, quer gerador de conflitos, se não imperar o bom senso.

E, por último, difícil para todos os que encerrados sozinhos ou com a sua família nuclear sofrem pela distância dos respetivos progenitores ou outros familiares mais velhos, grupo de altíssimo risco nesta doença, tendo inclusive muitos deles colocado os descendentes com os nervos em franja com a resistência que ofereciam em ficarem a casa, quando à solta anda um vírus que ameaça a sua saúde.

Estamos, pois, perante uma alteração brutal nas nossas vidas que se torna tanto mais assustadora quanto maior é a incerteza de quando é que isto tudo irá passar. Confinados a quatro paredes, tentemos ultrapassar com distinção este verdadeiro teste à nossa paciência e à nossa resistência emocional.

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


Empréstimo »  2021-04-13  »  Hélder Dias

Sombra suspeita »  2021-04-13  »  Hélder Dias

Os 2,36 euros extra…ordinários - miguel sentieiro »  2021-04-10  »  Miguel Sentieiro

Num momento em que o sentimento generalizado sobre os chineses é de alguma desconfiança, preparo-me aqui para contrapor e dar uma oportunidade aos tipos. Eu sei que nos foram mandando com a peste bubónica, a gripe asiática, a gripe das aves, o corona vírus.
(ler mais...)


#torresnovas@weshallover.com - josé ricardo costa »  2021-04-10  »  José Ricardo Costa

É muito bom viver em Torres Novas mas também se sente o peso de estar longe do que de verdadeiramente moderno se passa no mundo, enfim, nada de #Me Too, Je suis Charlie Hebdo, vetustas estátuas transformadas em anúncios da Benetton.
(ler mais...)


Rever a revisão, já! - josé mota pereira »  2021-04-10  »  José Mota Pereira

 

 Recuemos no tempo. Entremos numa máquina do tempo e cliquemos no botão que nos leve até ao ano de 2001. Recordemos vagamente que em 2001:

 - Caíram as Torres Gémeas em Nova Yorque em 11 setembro.
(ler mais...)


Na era do ad hominem - jorge carreira maia »  2021-04-10  »  Jorge Carreira Maia

Quando a internet surgiu e, posteriormente, com a emergência dos blogues e redes sociais pensou-se que a esfera pública tinha encontrado uma fonte de renovação. Mais pessoas poderiam trocar opiniões sobre os problemas que afectam a vida comum, sem estarem controladas pelos diversos poderes, contribuindo para uma crescente participação, racionalmente educada, nos assuntos públicos.
(ler mais...)


Equilíbrio - inês vidal »  2021-04-10 

É e sempre foi uma questão de equilíbrio. Tudo. E todos o sabemos. O difícil é chegar lá, encontrá-lo, ter a racionalidade e o bom senso suficientes para o ter e para o ser. E para saber que o equilíbrio de hoje não é obrigatoriamente o de amanhã, muito menos o que era ontem.
(ler mais...)


As árvores morrem de qualquer maneira e feitio - carlos paiva »  2021-04-10  »  Carlos Paiva

Comemorou-se a 21 de Março o dia da floresta. O Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) resolveu assinalar a data disponibilizando 50.000 árvores gratuitamente à população. Quem as quisesse plantar, teria de se identificar, inscrever, levantar a árvore (até um máximo de dez árvores por pessoa) e, num prazo de 48 horas, declarar o local onde plantou documentando com fotos.
(ler mais...)


Rejuvenescimento político - anabela santos »  2021-04-10  »  AnabelaSantos

Hoje, como acontece diariamente, no caminho de casa até à escola, lá se deu o habitual encontro matinal entre mim e o Ananias, o meu amigo ardina. Trocámos algumas palavras, comprei o jornal e seguimos por caminhos opostos que nos levam à nossa missão do dia, o trabalho.
(ler mais...)


O CRIT já não é de todos os torrejanos - joão carlos lopes »  2021-04-08  »  João Carlos Lopes

Durante décadas, todos os torrejanos ajudaram no que puderam o CRIT, uma obra social que granjeou a estima de todos os cidadãos e empresários, e foram muitos, que sempre disseram sim a todas e quaisquer formas de ajuda em prol da aventura iniciada em 1975.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-04-08  »  João Carlos Lopes O CRIT já não é de todos os torrejanos - joão carlos lopes
»  2021-03-23  »  João Carlos Lopes Peixes e pombos ou a civilização a andar para trás - joão carlos lopes
»  2021-03-20  »  José Ricardo Costa A Rosa do Nome - josé ricardo costa
»  2021-03-20  »  Jorge Carreira Maia A arte do possível - jorge carreira maia
»  2021-04-10  »  Miguel Sentieiro Os 2,36 euros extra…ordinários - miguel sentieiro