• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 24 Janeiro 2022    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 17° / 6°
Céu limpo
Qua.
 16° / 6°
Céu limpo
Ter.
 16° / 5°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  15° / 4°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

O rio Alnova e a nascente do Remonda - carlos paiva

Opinião  »  2021-06-04  »  Carlos Paiva

" Posto de maneira simples: estamos de costas voltadas para o rio Almonda. E não é de agora. Ignoramos completamente o nosso rio, não sabemos nada sobre ele."

Os últimos dias destacaram-se por uma movimentação agitada de coisas irrelevantes a acontecer. Apenas duas, elegíveis ao patamar de interessante. Ambas, de iniciativa individual e no campo dos áudio-visuais. O que, só por acontecer em Torres Novas e/ou pela mão de torrejanos, conjecturo a prova de obstáculos que deve ter sido todo o processo. João Canuto meteu o seu filme a rodar no circuito dos festivais e está a obter resultados bastante animadores. Malta que arregaça as mangas e, com meios mais ou menos inventados, faz coisas, é malta de fibra. Enalteço a força motriz desejando os melhores sucessos.

O outro filme, produzido por alguém cujo nome desconheço, faz um resumo emotivo acerca do tema quente da nascente do Almonda versus Renova. Está no Youtube e já passou das três mil visualizações. Porque falo nele? Bom, além de conseguir sintetizar uma visão macro do tema, explica-nos, a nós torrejanos, por que é que devemos ficar envergonhados acerca disso. Posto de maneira simples: estamos de costas voltadas para o rio Almonda. E não é de agora. Ignoramos completamente o nosso rio, não sabemos nada sobre ele.

Sabendo alguma coisa, poderíamos elaborar uma estratégia, traçar planos, gerir melhor. Se os torrejanos soubessem o pH da água, o nível de oxigenação, a composição microbiológica, os químicos poluentes. Estes dados, obtidos ao longo do tempo, abrangendo as variações de caudal, abrangendo a poluição sazonal, produzem informação. Informação que ajuda a gerir o caudal, ajuda a identificar os diferentes agentes poluidores ao longo do curso, ajuda a decidir que florestação seria mais favorável ao rio. Há árvores que são verdadeiros aspiradores de metais pesados, outras com propriedades antibacterianas, algas que oxigenam a água... Construir a partir daí o restante ecossistema, de forma sustentável. Conhecendo a realidade, passava a ser possível (re)agir de acordo, com uma estratégia adequada ao problema.

Mas os torrejanos desconhecendo tudo isto, deixam-se ficar pelas obras de cosmética. Também porque isso do ambiente é coisa de esquerdalha e em terra conservadora e puritana, não se desce tão baixo. Ficamos pela consensualidade calmante das flores e dos patos. Agora uma pergunta de algibeira, daquelas da escola primária: sabem quem é que tem esses dados? Com um histórico de monitorização de décadas? Isso mesmo, a Renova. Esta realidade envergonha-nos. Os torrejanos foram incapazes de produzir uma cooperação bidirecional viável com a Renova, num contexto de protecção ambiental e gestão de recursos hídricos, em 80 anos, para não ir mais atrás. A vedação que está mal, é um bode expiatório para esta vergonha. Um gajo revolta-se contra uma vedação e automaticamente a árvore genealógica passa a apresentar indivíduos conhecedores do rio, que em puto iam lá ao banho, até para aí cinco ou seis níveis para trás. Já passámos o ponto da sensibilização. Não é necessário mais sensibilização.

Quem por esta altura não está sensibilizado para o tema do ambiente e gestão da água, ou é estúpido ou está em coma. É altura de fazer. Depois de sensibilizar, tem de se avaliar o que se pode efetivamente concretizar. Atribuir uma responsabilidade moral a uma empresa privada, é argumento ténue. Estamos a lidar com o departamento de marketing que tornou limpar o cú uma coisa fashionable, como já alguém disse. Tivesse a Câmara Municipal um departamento para monitorização do rio, com autonomia para a recolha e tratamento deste género de dados, provavelmente não estaríamos reduzidos a argumentos morais. Nem se bajulava abertamente uma pro-atividade ambiental inexistente além portões. Gerir um rio com percurso tão diversificado como o Almonda, não se resume a dar graças por não ir azul ou cor de laranja, cheirar a podre ou alfazema do campo e atirar para lá uns patos que podem estar ou não a ser envenenados pelo seu meio ambiente. Não se premeia quem cumpre. Cumprir é o mínimo. Premeia-se quem passa para além da obrigação. Fora de moda, educação à antiga, eu sei. Era outra têmpera, não tínhamos quatro folhas, picotado, pluma extra fofo, com aroma a alfazema do campo.

 

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


(des)esperança e lição da professora Natureza - maria augusta torcato »  2022-01-13  »  Maria Augusta Torcato

Cada ano novo traz consigo esperança e intenções. É talvez isso que contribui para que nós o sintamos como novo. É uma perceção, uma representação que está tão imbuída em nós e que, mesmo nos mais céticos e desesperançosos, alimenta uma pequenina, ténue e fugaz luz no nosso interior.
(ler mais...)


Que orçamentos, que políticas municipais para as exigências de hoje? - antónio gomes »  2022-01-13  »  António Gomes

Bem o sabemos, os orçamentos materializam políticas e estas devem reflectir as exigências das pessoas e reflectir os desafios do futuro mais ou menos próximo.

Se os orçamentos e os planos a quatro anos não responderem ao grande desafio das alterações climáticas, onde se inclui naturalmente, a menor disponibilidade de água ou a saturação de CO2 na atmosfera…

Se não responderem à falta de habitação digna, em particular para os mais jovens, se não tentarem pelo menos responder ao decréscimo de população, contrariando a grave crise demográfica…

Se o foco continuar a ser o apoio ao grande comércio em detrimento de toda uma rede de pequenos comerciantes por onde passa a base da vivência nos centros das cidades ou, se em termos de apoio à economia e ao emprego, se continuar a olhar apenas para o nosso umbigo em detrimento de um plano muito mais vasto que integre os concelhos vizinhos e tenha capacidade de atracção de investimentos….
(ler mais...)


LINDO, LINDO, É IR AO CURRAL DAS FREIRAS - josé alves pereira »  2022-01-13  »  José Alves Pereira

Na segunda metade dos anos 70 do pretérito século, comecei a ir à Madeira com alguma regularidade. Maior rigor será dizer ao Funchal. Estava em construção o conjunto designado por Casino Park Hotel, obra emblemática com os esboços e o traço inicial do arq.
(ler mais...)


De sua graça - carlos paiva »  2022-01-13  »  Carlos Paiva

Destacado ou disfarçado, por mais de uma vez incluí nestas crónicas a noção de que a medição do sucesso pelo número de aderentes significa zero na balança das boas decisões. O discernimento com maior profundidade raramente acontece dentro das maiorias.
(ler mais...)


O equívoco dos homens fortes - jorge carreira maia »  2022-01-13  »  Jorge Carreira Maia

A sociedade portuguesa, pouca habituada a uma conduta disciplinada, embasbacou com o Vice-Almirante Gouveia e Melo. Até aqui não vem mal ao mundo. Contudo, algumas declarações do novo chefe da Armada abrindo a possibilidade de se candidatar à Presidência da República podem trazer consigo um equívoco.
(ler mais...)


O que aí vem - inês vidal »  2021-12-26  »  Inês Vidal

Passámos o ano, festejámos em família, vivemos mais uma vaga, fechámo-nos em casa, voltámos ao estudo em casa, às síncronas e assíncronas. Vacinámos Portugal. Com o bom tempo largámos as máscaras, acreditámos que o sol teria voltado a brilhar.
(ler mais...)


Regionalização, Espírito do Tempo e a bílis de Rui Rio - jorge carreira maia »  2021-12-26  »  Jorge Carreira Maia

 

Regionalização. A regionalização é uma excelente ideia. O problema, porém, é que estamos em Portugal – e no sul da Europa – o que pode transformar uma coisa boa, num grande problema.
(ler mais...)


A um melhor ano. Eventualmente. - carlos paiva »  2021-12-26  »  Carlos Paiva

Típico da época, os balanços, as listas, as contas feitas. E, contas feitas, é demasiado deprimente picar a checkbox da desilusão. Os problemas que havia, são os que há, somando os que surgiram entretanto.
(ler mais...)


Os donos disto - pedro ferreira »  2021-12-10  »  Pedro Ferreira

Começo esta crónica por lembrar que ninguém diz algo apenas porque sim ou porque calhou. O nosso tempo é limitado e a atenção dos outros também. Sempre que falamos sobre algo, fazemo-lo pela necessidade de dizer x em vez de y ou do silêncio.
(ler mais...)


O som do silêncio - carlos paiva »  2021-12-10  »  Carlos Paiva

Poucos de nós têm a perceção da importância que o som tem nas nossas vidas. Não me refiro só à música, mas também. Os ouvidos não têm pálpebras que bloqueiem o som mediante comando, não têm íris que ajuste a intensidade mediante conveniência, o som está presente de forma permanente, quer queiramos quer não.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-12-26  »  Inês Vidal O que aí vem - inês vidal
»  2021-12-26  »  Jorge Carreira Maia Regionalização, Espírito do Tempo e a bílis de Rui Rio - jorge carreira maia
»  2022-01-13  »  Jorge Carreira Maia O equívoco dos homens fortes - jorge carreira maia
»  2022-01-13  »  José Alves Pereira LINDO, LINDO, É IR AO CURRAL DAS FREIRAS - josé alves pereira
»  2022-01-13  »  Carlos Paiva De sua graça - carlos paiva