• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 16 Junho 2024    •      Directora: Inês Vidal; Director-adjunto: João Carlos Lopes    •      Estatuto Editorial    •      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 22° / 15°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 23° / 16°
Períodos nublados com chuva moderada
Seg.
 27° / 15°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  26° / 13°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Todos os Nomes - josé ricardo costa

Opinião  »  2024-05-25  »  José Ricardo Costa

O tamanho importa? Bom, se nalguns campos as opiniões se dividem, outros há que são consensuais, como o tamanho dos nomes de pessoas. Importa, sim, desde logo na Roma Antiga: enquanto um homem podia ter três nomes, a mulher só tinha direito a um, ainda por cima variante do nome do pai (Hortênsia seria filha de Hortensius). Depois, como sinal de distinção social, embora com possíveis efeitos secundários como começar a ler o nome completo de um rei e adormecer antes de chegar ao fim.

Já estive numa escola cuja representante dos pais tinha dez nomes, uma espécie de versão onomástica dos oito metros de Economia Política na biblioteca do Jacinto de A Cidade e as Serras. Com nomes não dá para dizer que à dúzia é mais barato, pelo contrário, até os encarece bastante. Daí, ao iniciar um mail, o meu cumprimento variar consoante o comprimento do nome do destinatário. Se tiver quatro nomes (o mais comum em Portugal) digo “Olá Manuel”, se tiver cinco, já passa a “Caro Manuel”. Só mesmo a partir de cinco é que já me curvo ante um “Caríssimo Manuel”, inflacionando assim o cumprimento.

Quando se trata de escolher um “nome público”, o habitual é serem dois, ou vá, três. Daí a minha surpresa quando soube de um poeta chamado João Miguel Fernandes Jorge, nome que é quase do tamanho de um haikai. Imagine-se o que seria a literatura portuguesa cheia de nomes como Herberto Helder Bernardes de Oliveira ou Ruy de Moura Ribeiro Belo. Até José Saramago, que escreveu um livro chamado Todos os Nomes, dispensou um deles apesar de ter só três.

É verdade que há a Sophia de Mello Breyner Andresen, mas compreende-se aqui a irresistível tentação de não deitar fora o pedigree de dois apelidos estrangeiros mais um português com duplo L que combina na perfeição com um PH alcalino, excelente para remover quaisquer laivos de mediania social. Ou a Fiama Hasse Pais Brandão mas, neste caso, o nome só por si já é uma obra literária.

Eu por acaso até escolhi três nomes, mas só por “José Costa” ser o nome por que sou conhecido na Ryanair, nos mails de spam ou naqueles telefonemas que servem para impingir colchões, o que tem o seu quê de irritante. Fosse, em vez de Costa, Wallenstsein, e nem pensaria duas vezes! E o que não falta é gente importante só com um nome, embora gravado a ouro: Camões, Shakespeare, Cervantes, Baudelaire, Eusébio.

Daí o meu espanto ao descobrir, em Torres Novas, uma rua Joaquim Alberto Godinho Pereira da Rosa. Não por Joaquim Godinho ter nome de rua, mas por chamarem Joaquim Alberto Godinho Pereira da Rosa à rua de Joaquim Godinho. Terêncio, escritor romano, dizia que nada do que é humano lhe era estranho. Já eu, por mais que viva, não paro de me surpreender, neste caso em particular com a mente de onde brotou tal desvario toponímico.

Eu gostaria de não ter de fazer um desenho, mas também fica difícil não ter de lembrar que o nome Joaquim Alberto Godinho Pereira da Rosa só era necessário ao próprio para preencher documentos. Se há uma rua Alexandre Herculano em vez de Alexandre Herculano de Carvalho e Araújo, ou um largo General Baracho em vez de General Sebastião de Sousa Dantas Baracho, que mal terá feito Joaquim Godinho para a sua rua não se chamar Joaquim Godinho?

Poderia ser um pletórico excesso barroco em forma de nome, mas não passa de um artifício kitsch de alguém que talvez acredite que a homenagem será tanto maior quanto mais centímetros de nome apresentar, receando que uma rua Joaquim Godinho para homenagear Joaquim Godinho ficasse aquém do seu valor.

Ao contrário do que muitas vezes se pensa, kitsch não é sinónimo de piroso, apenas poderão coincidir. Há coisas pirosas que são kitsch e outras que não são kitsch, como há coisas kitsch que são pirosas e outras que não são. Neste caso, o kitsch neste nome de rua de um homem que não merecia a desfeita, não é bem piroso, nem pindérico, nem possidónio, três categorias estéticas distintas, embora ande perto das três. Sobretudo pela sua grandiosidade vazia, um ostensivo brilho de lantejoulas que anula o sóbrio respeito e consideração por alguém que mereceu ter nome de rua.

A arte pública em Portugal é, de um modo geral, uma catástrofe. Agora, pelos vistos, nem os nomes de ruas escapam. Para terminar, apenas expressar a minha solidariedade às pessoas que lá moram, condenadas a escrever todos aqueles nomes sempre que tiverem de preencher documentos.

 

 

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


Lições da História - acácio gouveia »  2024-06-13  »  Acácio Gouveia

“A História não se repete, mas rima por vezes”, Mark Twain

 Vinte e sete meses após o início da guerra na Ucrânia, temos generais e comentadores nos meios de comunicação social portugueses: (I) a justificar a legitimidade da invasão; (II) a profetizar a total e inelutável vitória de Putin; (III) e tentar convencer-nos que este assunto tem pouco ou nada a ver com Portugal e com os demais países europeus.
(ler mais...)


Do rescaldo da festa à realidade da Europa - antómio mário santos »  2024-06-11  »  António Mário Santos

Vivemos, na Europa, tempos difíceis. As eleições europeias, que se desenrolarão no próximo domingo, podem apontar para o fim da União Europeia como hoje a conhecemos. O avanço da extrema direita, racista e xenófoba, na maioria dos países europeus, veio ressuscitar o velho problema das nacionalidades e das suas fronteiras, dos impérios coloniais arrumados nos armários da história, da milenária contenda entre a ciência e a fé, da economia neoliberal assente no conceito do Estado-Nação e nos direitos fundamentais da cidadania democrática.
(ler mais...)


Nascente do Almonda: há outro caminho - jorge salgado simões »  2024-06-11  »  Jorge Salgado Simões

Tem sido difícil assistir a tudo o que se tem passado em torno da nascente do Almonda nos últimos anos, um conflito exacerbado por dois lados com interesses legítimos, mas incapazes de construir qualquer benefício para um património que todos dizem querer valorizar.
(ler mais...)


Teixeira de Queiroz e o mundo português - jorge carreira maia »  2024-06-11  »  Jorge Carreira Maia

Hoje desconhecido do grande público, Francisco Teixeira de Queiroz foi um dos grandes escritores portugueses dos finais do século XIX e inícios do século XX. A Imprensa Nacional começou, em 2020, a republicar as obras do escritor nascido em Arcos-de-Valdevez, que chegou a ser deputado e Ministro dos Negócios Estrangeiros na Primeira República.
(ler mais...)


Feiras sem estórias - carlos paiva »  2024-06-11  »  Carlos Paiva

Segundo pesquisa da TSF, em Portugal no ano de 2015, ocorreram 40 eventos no contexto de "feira medieval", ou similar relacionado com esta temática. Após uma pesquisa online breve, não sistematizada, para o ano de 2023, contei 86.
(ler mais...)


Agora, também às cegas - antónio gomes »  2024-06-11  »  António Gomes

A Assembleia Municipal de Torres Novas inaugurou um novo método de decisão. Até agora, acontecia de quando em vez, sem debate ou contraditório, apenas decidia porque as maiorias absolutas assim votavam, assumindo-se como travão ao debate e à transparência.
(ler mais...)


Gerações de traidores - acácio gouveia »  2024-05-25  »  Acácio Gouveia

“Antigamente, quando o vale do Kusun estava coberto de floresta, havia ali muitas martas-zibelinas. Agora é desértico.”

Vladimir Arseniev in ´Dersu Uzala

 As acções dos jovens activistas que protestam contra as alterações climatéricas estão na ordem do dia.
(ler mais...)


Renova, que queres tu? - antónio gomes »  2024-05-25  »  António Gomes

Mais um ‘Dia da Espiga’, mais um dia de convívio na nascente do rio Almonda, mais um dia de intimidação e prepotência perpetrados pela empresa Renova.

O Ministério Público acabou de arquivar os processos movidos contra 12 cidadãos que o ano passado tiveram a “desfaçatez” de ir assinalar o Dia da Espiga, exactamente no mesmo local onde gerações anteriores sempre o fizeram.
(ler mais...)


Reflexões sobre a posse da água - antónio mário santos »  2024-05-25  »  António Mário Santos

 

Passadas as comemorações do 50.º Aniversário do 25 de Abril, sobreveio a festa pagã da enunciação da Primavera, que a religião cristã transformou na 5ª feira da Ascensão de Cristo ao céu que é, nas cidades e vilas urbanas de significativo peso rural, feriado municipal.
(ler mais...)


O desafio à ordem liberal - jorge carreira maia »  2024-05-25  »  Jorge Carreira Maia

Assistimos, nos dias de hoje, ao maior desafio que, desde o fim da Segunda Guerra Mundial, foi colocado à cosmovisão liberal. Esta visão do mundo não diz respeito apenas à economia. Ela é, fundamentalmente, uma perspectiva assente nos direitos individuais e em regimes pluralistas.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2024-05-25  »  Acácio Gouveia Gerações de traidores - acácio gouveia
»  2024-05-25  »  José Ricardo Costa Todos os Nomes - josé ricardo costa
»  2024-05-25  »  Jorge Carreira Maia O desafio à ordem liberal - jorge carreira maia
»  2024-06-13  »  Acácio Gouveia Lições da História - acácio gouveia
»  2024-05-25  »  António Mário Santos Reflexões sobre a posse da água - antónio mário santos