• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 12 Abril 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 22° / 13°
Céu nublado com chuva fraca
Qua.
 24° / 12°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 23° / 12°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  23° / 9°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Paul do Boquilobo - Inês Vidal

Opinião  »  2020-12-19  »  Inês Vidal

A globalização, um maior conhecimento do outro, que afinal é igual a nós e está ali ao lado, a uma distância reduzida no tempo pela democratização dos meios de transporte, tornou-nos verdadeiros aprendizes de viajantes. É cada vez mais fácil chegar a qualquer ponto do globo, percorrer milhas, cantos e recantos, provar aqui, esmiuçar ali. Entrar na vida alheia, culturas distantes, outras cores, novos cheiros, jeitos diferentes de sentir. Subir montanhas afamadas, mergulhar num qualquer oceano, comer animais que cá não fazem parte do cardápio. Todo um mundo novo ao nosso alcance. Em dez horas chegamos ao Brasil, em menos do que isso entramos no Dubai, Marrocos é ali tão perto e até a Austrália parece fácil, apesar de estar no outro lado do mundo. Há cada vez menos impossíveis. E há cada vez mais vontade de ver mundo. Há cada vez mais vontade de o mostrar.
Com pouco tempo para tanta volta ao globo, acontece inúmeras vezes acabarmos por nos esquecer do que está mais perto. Mas este ano fantástico que vivemos - fantástico, como quem diz do outro mundo - trouxe-nos, pelo menos, isso de bom. Limitados no espaço, sobrou-nos o tempo, e impedidos de ir mais longe, fomos obrigados a criar alternativas, dar oportunidade ao que antes desvalorizávamos, já que a galinha da vizinha é sempre melhor do que a minha, e muitas vezes dávamos por garantido. Descobrimos a nossa casa, o nosso quarteirão, o nosso concelho. Arranjámos novos destinos e demos vida ao verdadeiro “vá para fora cá dentro”.
Moro há 39 anos no concelho de Torres Novas. Contam-se pelos dedos das mãos as vezes que visitei a Reserva Natural do Paul do Boquilobo. Algumas delas graças à escola e aos escuteiros, enquanto miúda, outras pelo jornal. Duas delas, só no último mês.
Entre garças, zarros e marrequinhas, muita água e salgueiros, descobri o meu mundo “covid free”, onde mal nos cruzamos com pessoas e a natureza nos dá espaço para respirar sem mordaças. Um cenário onde a vida nunca parou, onde o confinamento se faz sob um gigante céu azul sobrevoado de garças esguias e elegantes e o tempo corre mais lento, a uma velocidade que nos permite sair do ritmo frenético em que nos deixámos enrolar ao aceitar esta vida, que nos querem fazer acreditar não poder ser outra. Na reserva natural do Paul do Boquilobo há um caminho que nos recebe sem medos, não se afasta ou sustém a respiração e há um silêncio que nos leva para longe deste ruído em que se tornaram os nossos dias.
Moro no concelho de Torres Novas há 39 anos. Os mesmos desde que a UNESCO considerou a nossa reserva como Reserva Mundial da Biosfera. Foi, à data, a primeira área protegida portuguesa a integrar a rede mundial de reservas da biosfera, dada a sua importância enquanto local de abrigo para um grande número de aves e seu local de reprodução, alimentação e repouso nas rotas de migração. 39 anos. E contam-se pelos dedos das mãos as vezes que me perdi nos seus braços.
Se a pandemia tem um lado bom, é este: dar valor ao que temos e fazê-lo a um ritmo só nosso, reaprendendo a respirar conscientemente e simplesmente fruir o que o mundo nos dá. Hoje é o nosso dia e nunca sabemos o que o amanhã nos trará.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Os 2,36 euros extra…ordinários - miguel sentieiro »  2021-04-10  »  Miguel Sentieiro

Num momento em que o sentimento generalizado sobre os chineses é de alguma desconfiança, preparo-me aqui para contrapor e dar uma oportunidade aos tipos. Eu sei que nos foram mandando com a peste bubónica, a gripe asiática, a gripe das aves, o corona vírus.
(ler mais...)


#torresnovas@weshallover.com - josé ricardo costa »  2021-04-10  »  José Ricardo Costa

É muito bom viver em Torres Novas mas também se sente o peso de estar longe do que de verdadeiramente moderno se passa no mundo, enfim, nada de #Me Too, Je suis Charlie Hebdo, vetustas estátuas transformadas em anúncios da Benetton.
(ler mais...)


Rever a revisão, já! - josé mota pereira »  2021-04-10  »  José Mota Pereira

 

 Recuemos no tempo. Entremos numa máquina do tempo e cliquemos no botão que nos leve até ao ano de 2001. Recordemos vagamente que em 2001:

 - Caíram as Torres Gémeas em Nova Yorque em 11 setembro.
(ler mais...)


Na era do ad hominem - jorge carreira maia »  2021-04-10  »  Jorge Carreira Maia

Quando a internet surgiu e, posteriormente, com a emergência dos blogues e redes sociais pensou-se que a esfera pública tinha encontrado uma fonte de renovação. Mais pessoas poderiam trocar opiniões sobre os problemas que afectam a vida comum, sem estarem controladas pelos diversos poderes, contribuindo para uma crescente participação, racionalmente educada, nos assuntos públicos.
(ler mais...)


Equilíbrio - inês vidal »  2021-04-10 

É e sempre foi uma questão de equilíbrio. Tudo. E todos o sabemos. O difícil é chegar lá, encontrá-lo, ter a racionalidade e o bom senso suficientes para o ter e para o ser. E para saber que o equilíbrio de hoje não é obrigatoriamente o de amanhã, muito menos o que era ontem.
(ler mais...)


As árvores morrem de qualquer maneira e feitio - carlos paiva »  2021-04-10  »  Carlos Paiva

Comemorou-se a 21 de Março o dia da floresta. O Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) resolveu assinalar a data disponibilizando 50.000 árvores gratuitamente à população. Quem as quisesse plantar, teria de se identificar, inscrever, levantar a árvore (até um máximo de dez árvores por pessoa) e, num prazo de 48 horas, declarar o local onde plantou documentando com fotos.
(ler mais...)


Rejuvenescimento político - anabela santos »  2021-04-10  »  AnabelaSantos

Hoje, como acontece diariamente, no caminho de casa até à escola, lá se deu o habitual encontro matinal entre mim e o Ananias, o meu amigo ardina. Trocámos algumas palavras, comprei o jornal e seguimos por caminhos opostos que nos levam à nossa missão do dia, o trabalho.
(ler mais...)


O CRIT já não é de todos os torrejanos - joão carlos lopes »  2021-04-08  »  João Carlos Lopes

Durante décadas, todos os torrejanos ajudaram no que puderam o CRIT, uma obra social que granjeou a estima de todos os cidadãos e empresários, e foram muitos, que sempre disseram sim a todas e quaisquer formas de ajuda em prol da aventura iniciada em 1975.
(ler mais...)


Peixes e pombos ou a civilização a andar para trás - joão carlos lopes »  2021-03-23  »  João Carlos Lopes

Dir-se-ia, de uma câmara socialista, esperar que se perseguissem os valores e ideais que aqui e ali, somados, vão concorrendo para um mundo melhor e para uma relação mais harmoniosa e avançada entre todos e tudo o que habita uma casa comum que é o território natural de um pequeno concelho.
(ler mais...)


Depois de casa roubada, trancas à porta - antónio gomes »  2021-03-20  »  António Gomes

Na política, ou se tem ideias, rasgo e capacidade de antecipação para marcar a diferença, ou andamos sempre no rengo-rengo.

As vítimas da pandemia estão aí, agora com maior visibilidade, mais desemprego, mais encerramentos de pequenas empresas, comércio, restauração, serviços, trabalhadores independentes sem rendimentos.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-04-08  »  João Carlos Lopes O CRIT já não é de todos os torrejanos - joão carlos lopes
»  2021-03-23  »  João Carlos Lopes Peixes e pombos ou a civilização a andar para trás - joão carlos lopes
»  2021-03-20  »  José Ricardo Costa A Rosa do Nome - josé ricardo costa
»  2021-03-20  »  Jorge Carreira Maia A arte do possível - jorge carreira maia
»  2021-03-20  »  Carlos Paiva São rosas, senhor - carlos paiva