• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Terça, 04 Outubro 2022    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sex.
 32° / 19°
Períodos nublados
Qui.
 32° / 15°
Períodos nublados
Qua.
 31° / 17°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  32° / 16°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Não (h)à crise - carlos paiva

Opinião  »  2022-08-16  »  Carlos Paiva

"“Incrível como um heróico empresário português decalca na perfeição, à distância de 27 anos, um caralho voador num disco intitulado Rei Por Um Dia, Tolo Por uma Vida Inteira."

Conto com mais de meio século de existência e não conheço Portugal sem estar em crise. Este estado perpétuo instalou-se no subconsciente colectivo, sendo aceite como a normalidade. Curioso como regularmente o governo nos educa para novas normalidades.

Ali por meados de ’80, os restaurantes apresentavam no menu um prato com esse mesmo nome: crise. Era o mais barato da lista, consistindo numa omelete acompanhada de batatas fritas, com sorte, também uma porção de arroz.

O sentido de oportunidade, e de humor, não enchia a barriga, estando apenas uns furos acima do último recurso do teso esfomeado, a lata de atum. Pelo estômago cheio de crises, cozinhadas por governos frequentemente incompetentes e quase sempre corruptos, a desconfiança perante tudo o que fosse Estado também se instalou no subconsciente colectivo.

Assim se desenvolveu o tecido empresarial português, pautado pela fuga aos impostos e pelo usufruto pessoal de subsídios externos debilmente fiscalizados, como convinha. Qual remake da lenda da sopa da pedra, as pontuais fiscalizações invariavelmente esbarram na paupérrima miséria dos empresários com nada a seu nome. Apesar das empresas, ano após ano, apresentarem prejuízos, continuam em funcionamento como por magia. As mansões em nome dos gatos, os carros de luxo em nome dos cães, as contas bancárias no estrangeiro em nome dos periquitos. Se os empresários fazem uma vida espartana a mesma coisa já não se pode dizer dos seus animaizinhos de estimação.

Quem mais fugisse aos impostos, quem mais enganasse o Estado, era admirado, aplaudido e visto como pessoa muito inteligente, com visão, empresário de sucesso, um exemplo a seguir. Sendo o pagamento de impostos a contribuição social base da estrutura organizativa a que pertencemos, o povo aplaude e idolatra o nó corrediço cada vez mais apertado no seu pescoço. As dívidas à segurança social foram muitas vezes objecto de chantagem clara, à luz do dia: “Preferem que mande 200 trabalhadores para a rua, para serem sustentados pela segurança social, ou preferem que eu continue em funcionamento e vá pagando a dívida como e quando eu quiser?” E outros golpes de absoluta genialidade por gestores heroicos, preocupados com a sobrevivência e bem-estar dos seus trabalhadores, os tais que os idolatram.

Nascidos e criados num ecossistema com estas características, não é de admirar que o povo, mais uma vez, idolatre um milionário que esbanja uma pequena fortuna num capricho de pouco mais de dez minutos, elevando-o à categoria de herói. De tripulante num caralho voador, a estrela mediática, herói nacional. Por muito que me agrade ficar com os créditos da expressão, caralho voador (quem me conhece sabe que assenta que nem um preservativo justinho ao meu léxico), não posso.

Numa premonição incrivelmente acertada, os Faith No More anteciparam-se e, no seu álbum de 1995, King For a Day, Fool For a Lifetime, incluíram uma canção com esse título. Incrível como um heróico empresário português decalca na perfeição, à distância de 27 anos, um caralho voador num disco intitulado Rei Por Um Dia, Tolo Por uma Vida Inteira. Esta precisão não pode ser mera coincidência. Magia. Pura magia.

 

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


Vai e volta... »  2022-09-30  »  Hélder Dias

Referendo aos pinguins?... »  2022-09-29  »  Hélder Dias

Referendo?... »  2022-09-29  »  Hélder Dias

Estou apaixonado pelo meu carro - carlos paiva »  2022-09-23  »  Carlos Paiva

A Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo, em que Torres Novas participa, assinou dia 8 de Setembro um contrato de concessão com a Rodoviária do Tejo, com a validade de oito anos, para o serviço público de transporte de passageiros.
(ler mais...)


Testemunha dos tempos - maria augusta torcato »  2022-09-23  »  Maria Augusta Torcato

Um jornal testemunha. É um dos seus papéis. E espera-se um papel ativo na observação, na análise e na intervenção do que está à sua volta, próximo e distante.

O JT completa 29 anos com publicações ininterruptas ao longo deste tempo.
(ler mais...)


A aposta de António Costa - jorge carreira maia »  2022-09-23  »  Jorge Carreira Maia

António Costa voltou decididamente ao consenso liberal que gere a União Europeia, do qual em aparência se tinha afastado nos primeiros seis anos de governação. O problema da actualização dos vencimentos da função pública e das reformas e o da recusa de taxar os lucros extraordinários das grandes empresas provam que está completamente comprometido com a visão dominante na União Europeia.
(ler mais...)


A Ilha - josé ricardo costa »  2022-09-23  »  José Ricardo Costa

Não há volta a dar. Todos os anos, o fim das férias faz-nos regressar ao Gólgota depois de alguns dias de prazerosa ressurreição. Sendo o trabalho, como dizia Mark Twain, um mal necessário a ser evitado, as férias são a concretização desse desejo, sentindo o trabalhador o carinho do Tempo a embalá-lo numa sucessão de dias livres.
(ler mais...)


A gente vai continuar - inês vidal »  2022-09-23  »  Inês Vidal

É difícil sentirmo-nos parte de algo. Podemos passar uma vida inteira a passar ao lado de uma vida inteira, sermos sempre supérfluos, o outro, apenas mais um. Viver à superfície, cumprir por cumprir, encarar a coisa como apenas e só mais uma etapa.
(ler mais...)


Não há um adulto na sala? - joão carlos lopes »  2022-09-21  »  João Carlos Lopes

A cena da imagem é uma carrinha de pronto-socorro que queria ir para os lados de São Pedro. Não podendo (teria de voltar em direcção ao largo da Botica, Rotunda, rua do Nogueiral, largo do Caldeirão, fazer toda avenida, isto é, correr a cidade toda) – por isso, tentou pela rua da Trindade, mas teve de voltar para trás.
(ler mais...)


O longo funeral... »  2022-09-20  »  Hélder Dias
 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2022-09-21  »  João Carlos Lopes Não há um adulto na sala? - joão carlos lopes
»  2022-09-06  »  Hélder Dias Tony Costa...
»  2022-09-09  »  Pedro Ferreira O Almonda e o colapso - pedro ferreira
»  2022-09-12  »  Hélder Dias Amigo?...
»  2022-09-20  »  Hélder Dias O longo funeral...