• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quinta, 15 Abril 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sáb.
 22° / 10°
Céu limpo
Sex.
 23° / 12°
Períodos nublados com chuva fraca
Qui.
 22° / 14°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  21° / 12°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Para quem é, bacalhau basta - carlos paiva

Opinião  »  2020-11-06  »  Carlos Paiva

"Em tempos, decidiu-se que num raio de X metros à volta de uma escola não poderiam existir salões de jogos"

Quando vou a um restaurante e peço um bife, a minha expectativa é que a próxima pergunta do empregado de mesa seja: “Quer da vazia, lombo ou alcatra?” Sei que estou no sítio errado quando as expectativas são defraudadas pela pergunta: “Quer bem ou mal passado?” Sem me poder considerar mundano, sou suficientemente rodado para perceber a diferença, tanto de qualidade como de preço, entre as duas perguntas.

Apesar de cair pontualmente na tentação da mixórdia de gordura e farinha, com um picle, a que chamam eufemisticamente fast food, não considero tais sucursais de consumo restaurantes. Porque, por todos os parâmetros, não o são. Muito me admira a existência de quem os considere como tal. Pior, quem os considere de nível. A ponto de levarem a família ou os amigos a comer lá por ocasião de celebrações festivas. Datas especiais que ficam marcadas por fezes quase líquidas, não é propriamente compatível com o apreço que tenho pelos meus e os que me são próximos. Prefiro assinalar esses momentos de forma mais sólida e consistente.

O facto de tais estabelecimentos serem percebidos por alguns, muitos, como restaurantes de alto gabarito e qualidade, diz muito, senão tudo, sobre o patamar social de determinada região. Referi “social” excluindo propositadamente o “económico” porque, de facto, não tem nada que ver com poder económico, dinheiro. E tudo que ver com informação, educação e cultura.

Perfeitamente capazes de ir passar férias com a família a um paraíso tropical e comer sistematicamente a tal mixórdia de gordura e farinha, com um picle, porque são férias. Já basta as limitações a que se sujeitaram o ano inteiro para conseguir uma semanita de liberdade, vamos lá gozar isto à grande. Lanchar um par de maçãs e visitar o museu Carlos Reis, passear pela avenida e ler um livro na biblioteca Gustavo Pinto Lopes, é para quem gere os recursos mediante outras prioridades. É uma realidade social e não económica.
Por esta perspetiva, entendo ser de grande responsabilidade governativa um ordenamento urbano que coloque macieiras à volta das escolas (impraticável porque a política camarária é adversa às árvores) e os hidrocarbonetos saturados fora do alcance fácil de quem, sujeito às pressões de integração social e afirmação de personalidade próprias da juventude, ainda não sabe escolher bem.

Em tempos, decidiu-se que num raio de X metros à volta de uma escola não poderiam existir salões de jogos. Serviram todas as justificações baseadas na saúde (nessa altura podia-se beber álcool e fumar em todo o lado), assim como a vulnerabilidade infantil e juvenil na exposição ao jogo e outros vícios. Apesar de nenhum jogo de snooker causar diabetes nem uma jogatana de flippers causar obesidade mórbida, concordei com o princípio. Como consequência, houve investimentos sem retorno, postos de trabalho perdidos, áreas de negócio inviabilizadas. Assumiu-se este custo por um bem comum, superior. Para muita pena minha, estes valores não são reflectidos na gestão autárquica actual. Perderam-se. Ou melhor, venderam-se. A troco de meia dúzia de postos de trabalho precário, a troco do que é popular, a troco do que é nefasto. Não duvido que haja retorno em votos. Retorno líquido, certamente.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Empréstimo »  2021-04-13  »  Hélder Dias

Sombra suspeita »  2021-04-13  »  Hélder Dias

Os 2,36 euros extra…ordinários - miguel sentieiro »  2021-04-10  »  Miguel Sentieiro

Num momento em que o sentimento generalizado sobre os chineses é de alguma desconfiança, preparo-me aqui para contrapor e dar uma oportunidade aos tipos. Eu sei que nos foram mandando com a peste bubónica, a gripe asiática, a gripe das aves, o corona vírus.
(ler mais...)


#torresnovas@weshallover.com - josé ricardo costa »  2021-04-10  »  José Ricardo Costa

É muito bom viver em Torres Novas mas também se sente o peso de estar longe do que de verdadeiramente moderno se passa no mundo, enfim, nada de #Me Too, Je suis Charlie Hebdo, vetustas estátuas transformadas em anúncios da Benetton.
(ler mais...)


Rever a revisão, já! - josé mota pereira »  2021-04-10  »  José Mota Pereira

 

 Recuemos no tempo. Entremos numa máquina do tempo e cliquemos no botão que nos leve até ao ano de 2001. Recordemos vagamente que em 2001:

 - Caíram as Torres Gémeas em Nova Yorque em 11 setembro.
(ler mais...)


Na era do ad hominem - jorge carreira maia »  2021-04-10  »  Jorge Carreira Maia

Quando a internet surgiu e, posteriormente, com a emergência dos blogues e redes sociais pensou-se que a esfera pública tinha encontrado uma fonte de renovação. Mais pessoas poderiam trocar opiniões sobre os problemas que afectam a vida comum, sem estarem controladas pelos diversos poderes, contribuindo para uma crescente participação, racionalmente educada, nos assuntos públicos.
(ler mais...)


Equilíbrio - inês vidal »  2021-04-10 

É e sempre foi uma questão de equilíbrio. Tudo. E todos o sabemos. O difícil é chegar lá, encontrá-lo, ter a racionalidade e o bom senso suficientes para o ter e para o ser. E para saber que o equilíbrio de hoje não é obrigatoriamente o de amanhã, muito menos o que era ontem.
(ler mais...)


As árvores morrem de qualquer maneira e feitio - carlos paiva »  2021-04-10  »  Carlos Paiva

Comemorou-se a 21 de Março o dia da floresta. O Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) resolveu assinalar a data disponibilizando 50.000 árvores gratuitamente à população. Quem as quisesse plantar, teria de se identificar, inscrever, levantar a árvore (até um máximo de dez árvores por pessoa) e, num prazo de 48 horas, declarar o local onde plantou documentando com fotos.
(ler mais...)


Rejuvenescimento político - anabela santos »  2021-04-10  »  AnabelaSantos

Hoje, como acontece diariamente, no caminho de casa até à escola, lá se deu o habitual encontro matinal entre mim e o Ananias, o meu amigo ardina. Trocámos algumas palavras, comprei o jornal e seguimos por caminhos opostos que nos levam à nossa missão do dia, o trabalho.
(ler mais...)


O CRIT já não é de todos os torrejanos - joão carlos lopes »  2021-04-08  »  João Carlos Lopes

Durante décadas, todos os torrejanos ajudaram no que puderam o CRIT, uma obra social que granjeou a estima de todos os cidadãos e empresários, e foram muitos, que sempre disseram sim a todas e quaisquer formas de ajuda em prol da aventura iniciada em 1975.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-04-08  »  João Carlos Lopes O CRIT já não é de todos os torrejanos - joão carlos lopes
»  2021-03-23  »  João Carlos Lopes Peixes e pombos ou a civilização a andar para trás - joão carlos lopes
»  2021-03-20  »  José Ricardo Costa A Rosa do Nome - josé ricardo costa
»  2021-03-20  »  Jorge Carreira Maia A arte do possível - jorge carreira maia
»  2021-04-10  »  Miguel Sentieiro Os 2,36 euros extra…ordinários - miguel sentieiro