• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quinta, 04 Março 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Dom.
 19° / 7°
Períodos nublados
Sáb.
 20° / 7°
Céu limpo
Sex.
 17° / 10°
Céu muito nublado com chuva moderada
Torres Novas
Hoje  17° / 9°
Céu nublado com chuva moderada
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Na mouche - josé ricardo costa

Opinião  »  2021-02-22  »  José Ricardo Costa

"“Torres Novas com a sua mediana clareza não engana ninguém, pois se nunca chegamos bem a perceber o que é suficientemente grande ou pequeno."

Quando saí de Torres Novas para ir estudar em Lisboa já sabia que iria depois sair de Lisboa para vir trabalhar em Torres Novas. A primeira razão para voltar foi de natureza umbilical: eu ser de Torres Novas como outros são de Mangualde ou Famalicão. Ora, sendo uma razão importante, não é, todavia, razão suficiente. A outra razão que serve para explicar o meu desejo de regressar será a que também explica o facto de a maioria dos jovens não o desejar.

Já me passaram pelas mãos muitos alunos. Quantos regressam depois de sair? Bem, um jovem que sai para estudar engenharia aeronáutica não terá um auspicioso futuro em Torres Novas. Mas nem é preciso ir tão longe, basta pensar não termos dimensão social e económica para absorver centenas de economistas, médicos, engenheiros, psicólogos, farmacêuticos, arquitectos, agrónomos ou relações públicas. Os jovens fazem-se à vida mas a vida nem sempre passa por aqui. Seja como for, podiam não voltar mas, ainda assim, desejarem voltar e fazerem-no se pudessem. O facto de não poder ver o Benfica campeão europeu não me tira o desejo de o ver. Porém, não é esse o caso pois não voltam nem é coisa que lhes apeteça.

A outra razão que me fez voltar foi, digamos, idiossincrática: acreditar que viveria melhor numa terra cuja mediania tanto evita a cansativa grandeza de uma cidade como a aborrecida pequenez de uma aldeia. Mas também podemos ver o argumento ao contrário: uma terra a cuja mediania falta, para alguns, a excitante grandeza de uma cidade, enquanto para outros faltará a idílica e bucólica pequenez de uma aldeia. A habitual história do copo meio cheio ou meio vazio, conforme as expectativas.

Acontece que o peso da mediania torrejana é mais claro do que o peso relativo da grandeza da cidade ou da pequenez da aldeia. É mais excitante viver em Braga ou Coimbra do que em Torres Novas? Sem dúvida. Mas não serão demasiado pequenas quando comparadas com o Porto? E um lisboeta, habituado que está à grandeza da capital, não verá o Porto demasiado provinciano para o seu gosto? Mas também é preciso ver a distância a que está a urbana excitação de Lisboa da movida madrilena. Mas pobre Madrid face ao cosmopolitismo de Londres ou Berlim, as quais ficarão sempre a perder ao medirem forças com a cidade que nunca dorme no outro lado do Atlântico. E se então pensarmos em Las Vegas… E fico cansado, uf, só de pensar nesta arrebatadora escalada de selvática excitação urbana.

Acontece o mesmo, mas ao contrário, com quem procura a paz campestre. Uma vila como Riachos será uma boa alternativa para quem deseje mais sossego do que em Torres Novas. Não suficiente, todavia, para quem procura uma pacatez que pode ser encontrada em Assentiz ou Vale da Serra. Mas por poucos habitantes que lá se encontrem, serão ainda demasiados para quem precise de mais recato. Talvez então uma quinta. Mas viver numa quinta implica ter que por vezes se deslocar ao mundo fora dela. Neste caso, o melhor seria mesmo um mosteiro mas haverá ainda quem não se dê por satisfeito e só aceite um mosteiro onde se faça voto de silêncio ou então construir uma cabana algures perdida numa ilha da Papua-Nova Guiné ou no sopé dos Himalaias. E quase adormeço só de pensar nesta nirvânica escalada de tranquilidade zen.

Torres Novas, neste sentido, é o que é sem tirar nem pôr. Ou melhor, o que Torres Novas é, é sobretudo marcado pelo que não é. É como um adolescente com a sua dupla negativa: já não ser criança mas também não ser ainda adulto. No caso da nossa terra, é já não ser aldeia mas sem ser ainda cidade. A diferença é que enquanto a dupla negativa torna o adolescente meio indefinido, Torres Novas com a sua mediana clareza não engana ninguém, pois se nunca chegamos bem a perceber o que é suficientemente grande ou pequeno, sabemos bem o que é suficientemente suficiente, neste caso, o que queremos para não sermos uma aldeia mas também o que não queremos para não sermos uma cidade. Se eu disser que todos os cisnes são brancos porque só vejo cisnes brancos, continuar a vê-los brancos jamais me confirmará de que todos o são pois haverá sempre a possibilidade de existir algum que ainda não tivesse visto. Mas basta ver um cisne que não seja branco para saber, com toda a certeza, ser falso que todos os cisnes sejam brancos. Pois, é esta negação que dá a Torres Novas, a certeza da sua identidade.

Em tempos, certamente numa manhã terrível após uma noite de bebedeira, alguém se lembrou de epitetar Torres Novas como cidade no centro do progresso. Não: o que marca Torres Novas, com a sua dourada mediania, é progredir eternamente para o centro, uma espécie de espiral que avança mas voltando sempre ao seu centro do qual teima em não se afastar.

 

“Torres Novas com a sua mediana clareza não engana ninguém, pois se nunca chegamos bem a perceber o que é suficientemente grande ou pequeno.

 

 

 

 

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


Nicolau III - rui anastácio »  2021-02-22  »  Rui Anastácio

Dizia-se do último czar da Rússia, Nicolau II, que a sua opinião era a opinião da última pessoa com quem tinha falado. Cem anos depois, Nicolau II reencarnou em alguma daquela rapaziada que tomou conta dos principais partidos da nossa democracia.
(ler mais...)


A pandemia, o Estado e os portugueses - jorge carreira maia »  2021-02-22  »  Jorge Carreira Maia

Se se observar o comportamento dos portugueses perante a pandemia, talvez seja possível ter um vislumbre daquilo que somos e de como gostamos de ser governados. Obviamente que não nos comportamos todas da mesma forma e não gostamos todos de ser governados da mesma maneira.
(ler mais...)


Altruísmo heróico e outras fábulas - carlos paiva »  2021-02-22  »  Carlos Paiva

O herói nacional, melhor jogador de futebol do mundo de sempre, segundo dizem, foi protagonista numa daquelas histórias que são matéria-prima para solidificar lendas. Nessa história, sublinhando as origens humildes, o estratosférico conquista mais um laço com o Zé comum.
(ler mais...)


A oportunidade da sobra - antónio gomes »  2021-02-22  »  António Gomes

Apesar da limitação de vacinas nesta fase, o país tem vindo a ser confrontado com variados episódios de vacinação fora do que está priorizado. Há sempre alguém que se julga acima das normas ou que faz as suas próprias normas e ultrapassa assim os que estão na fila, ou então por via de terceiros chegam primeiro à seringa.
(ler mais...)


São sobras, Senhor! São sobras! - ana lúcia cláudio »  2021-02-22  »  Ana Lúcia Cláudio

Na falta de acções presenciais, multiplicaram-se, nos últimos meses, as iniciativas on-line sobre os mais diversos assuntos. Num destes eventos em que participei, sensibilizou-me, particularmente, o testemunho de um ex-ministro social-democrata que, quando questionado sobre um eventual regresso à vida política mais activa, reconheceu que não pretende fazê-lo porque, e nas suas palavras, os quatro anos em que foi ministro mudaram-no, levando amigos e familiares mais próximos a dizerem-lhe que, nessa altura, ele não era “o mesmo Nuno”.
(ler mais...)


PSD: a morte há muito anunciada - inês vidal »  2021-02-20  »  Inês Vidal

 1. O PSD de Torres Novas é uma anedota. Ao mesmo tempo que digo isto, ouço já ao fundo vozes a erguerem-se contra esta forma crua e dura de arrancar com este texto. Imagino até as conclusões de quem tem facilidade de falar sem saber: é do Bloco, dizem uns, comunista desde sempre, atiram outros, indo ainda mais longe, lembrando que dirige aquele pasquim comunista, conforme aprenderam com o ex-presidente socialista.
(ler mais...)


Vacina »  2021-02-18  »  Hélder Dias

Développé - rui anastácio »  2021-02-07  »  Rui Anastácio

Passo de ballet, movimento em que a bailarina estica graciosamente a perna, tem diferentes níveis de dificuldade consoante a direcção da perna e a altura a que chega o pé, requer um grande equilíbrio e um elevado nível de concentração.
(ler mais...)


Não sabemos morrer - inês vidal »  2021-02-05  »  Inês Vidal

Ouço os sinais ao longe. Um pranto gritado bem alto, do alto dos sinos da igreja, por alguém que partiu. É já raro ouvir-se. Por norma, pelo menos na nossa cidade, ecoam apenas pelos que muito deram de si à causa religiosa.
(ler mais...)


 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-02-05  »  Carlos Paiva Hill Street Blues - carlos paiva
»  2021-02-20  »  Inês Vidal PSD: a morte há muito anunciada - inês vidal
»  2021-02-05  »  Jorge Carreira Maia O estranho caso das vacinas - jorge carreira maia
»  2021-02-18  »  Hélder Dias Vacina
»  2021-02-22  »  José Ricardo Costa Na mouche - josé ricardo costa