• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Terça, 04 Outubro 2022    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sex.
 32° / 19°
Períodos nublados
Qui.
 32° / 15°
Períodos nublados
Qua.
 31° / 17°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  32° / 16°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Três notas sobre o mês de Agosto - josé mota pereira

Opinião  »  2022-08-16  »  José Mota Pereira

"“No cais de pesca, nunca faltava peixe a ninguém. Em tempos de todas as esperanças que se cumpriam, os pescadores repartiam entre si, e pelo povo que ali se dirigia, os frutos da faina. "

1.

“Primeiro dia de inverno”, assim ouvia ao avô de verão, mestre Zé Viola, velho  pescador de Peniche, onde na sua pequena casa  passávamos as férias de verão nos anos iniciais da existência.      

Talvez ainda o escute hoje, gargalhada aberta e quase tão grande como o seu porte. Talvez ainda veja a D. Deolinda num canto da sala, de volta dos bilros, daquela dezena de pequenos pedaços de madeira cruzando-lhe velozes entre os dedos, com rumo certo, como se soubessem por algum mecanismo mágico o caminho onde as linhas se soltavam entre o molde e as centenas de alfinetes presos na almofada de bordar.

Eram longos os dias nesses agostos, junto à praia da torradeira (que hoje tem nome mais fino), escorregando pelas dunas (os medões) onde se construíam traineiras, que eram mais que traineiras, eram barcos dos pescadores, seus mesmo, organizados em cooperativas sem patrão,  que os foram  baptizando com os nomes das vitórias: era o " Rumo a Liberdade", era o " Rumo ao Socialismo", era o " Rumo à Vitória".

À noite, no cais de pesca, nunca faltava peixe a ninguém. Longe dos anos da fome, em tempos de todas as esperanças que se cumpriam, os pescadores repartiam entre si e pelo povo que ali se dirigia os frutos da faina nocturna.

O mestre Zé Viola, que de dia ainda ia às rochas caçar polvos para ajudar ao sustento da família, que  incluía inúmeros netos, lá repetia ao meu pai os seus avisos: " senhor Manel, no mar nunca volte as costas ao mar".

Nesses dias de Agosto, às vezes recebíamos visitas de Torres Novas: os tios, os primos e outros amigos que recordo em particular como a Fernanda e o Arlindo Tavares. Então, no pátio da pequena casa da família Viola, assavam-se sardinhas sem contar. 

Se o mar se encrespava, quando vinham as marés vivas de 15 de Agosto, a vaca (o alarme sonoro do farol) tocava e íamos em caminhada familiar, com alguns dos netos Viola da nossa idade (o Zé Manel da Isabel e o Nuno da Luísa e do Zeca) da papoa ao cabo Carvoeiro, provando as camarinhas, com regresso marcado pelo vila, até voltarmos a Peniche de cima.

Um de Agosto, primeiro dia de inverno? Como poderia ser, se a Primavera  da vida nos despontava em felicidade?

 2.

In

 

 

 Outras notícias - Opinião


Vai e volta... »  2022-09-30  »  Hélder Dias

Referendo aos pinguins?... »  2022-09-29  »  Hélder Dias

Referendo?... »  2022-09-29  »  Hélder Dias

Estou apaixonado pelo meu carro - carlos paiva »  2022-09-23  »  Carlos Paiva

A Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo, em que Torres Novas participa, assinou dia 8 de Setembro um contrato de concessão com a Rodoviária do Tejo, com a validade de oito anos, para o serviço público de transporte de passageiros.
(ler mais...)


Testemunha dos tempos - maria augusta torcato »  2022-09-23  »  Maria Augusta Torcato

Um jornal testemunha. É um dos seus papéis. E espera-se um papel ativo na observação, na análise e na intervenção do que está à sua volta, próximo e distante.

O JT completa 29 anos com publicações ininterruptas ao longo deste tempo.
(ler mais...)


A aposta de António Costa - jorge carreira maia »  2022-09-23  »  Jorge Carreira Maia

António Costa voltou decididamente ao consenso liberal que gere a União Europeia, do qual em aparência se tinha afastado nos primeiros seis anos de governação. O problema da actualização dos vencimentos da função pública e das reformas e o da recusa de taxar os lucros extraordinários das grandes empresas provam que está completamente comprometido com a visão dominante na União Europeia.
(ler mais...)


A Ilha - josé ricardo costa »  2022-09-23  »  José Ricardo Costa

Não há volta a dar. Todos os anos, o fim das férias faz-nos regressar ao Gólgota depois de alguns dias de prazerosa ressurreição. Sendo o trabalho, como dizia Mark Twain, um mal necessário a ser evitado, as férias são a concretização desse desejo, sentindo o trabalhador o carinho do Tempo a embalá-lo numa sucessão de dias livres.
(ler mais...)


A gente vai continuar - inês vidal »  2022-09-23  »  Inês Vidal

É difícil sentirmo-nos parte de algo. Podemos passar uma vida inteira a passar ao lado de uma vida inteira, sermos sempre supérfluos, o outro, apenas mais um. Viver à superfície, cumprir por cumprir, encarar a coisa como apenas e só mais uma etapa.
(ler mais...)


Não há um adulto na sala? - joão carlos lopes »  2022-09-21  »  João Carlos Lopes

A cena da imagem é uma carrinha de pronto-socorro que queria ir para os lados de São Pedro. Não podendo (teria de voltar em direcção ao largo da Botica, Rotunda, rua do Nogueiral, largo do Caldeirão, fazer toda avenida, isto é, correr a cidade toda) – por isso, tentou pela rua da Trindade, mas teve de voltar para trás.
(ler mais...)


O longo funeral... »  2022-09-20  »  Hélder Dias
 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2022-09-21  »  João Carlos Lopes Não há um adulto na sala? - joão carlos lopes
»  2022-09-06  »  Hélder Dias Tony Costa...
»  2022-09-09  »  Pedro Ferreira O Almonda e o colapso - pedro ferreira
»  2022-09-12  »  Hélder Dias Amigo?...
»  2022-09-20  »  Hélder Dias O longo funeral...