• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 17 Janeiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 15° / 10°
Céu nublado com chuva moderada
Ter.
 14° / 2°
Céu muito nublado com chuva fraca
Seg.
 14° / 1°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  15° / 1°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Coltur… Quoltur… Coultur… Hábito - carlos paiva

Opinião  »  2021-01-10  »  Carlos Paiva

"A mesma matéria-prima e os mesmos processos resultam sempre no mesmo produto"

A arte pode dividir-se em dois grandes grupos. A arte comercial e a arte não comercial. A não comercial, por se reger pela criatividade, originalidade, inovação, profundidade, talento e virtuosismo, acaba por ser a produtora de matéria-prima para a arte comercial, regida essa pelas leis de mercado. Por vezes, o contrário também acontece. Um objecto artístico nascido na arte comercial pode eventualmente deixar a sua marca na arte não comercial por mérito próprio, ou seja, por se evidenciar obedecendo aos mesmos parâmetros. Mesmo que seja um flop de vendas (habitualmente, é). Não são universos estanques. A criação pura e livre, verdadeiramente independente, isenta de objectivos financeiros, também precisa de pôr pão na mesa, daí a necessidade de mecenato. Ou acontecem os diversos exemplos históricos de génios que morreram na miséria por ousarem criar como actividade exclusiva, sem qualquer apoio. Para junto de uma gravitam as mentes curiosas, irrequietas e muitas vezes irreverentes, para junto da outra o consumo descartável, superficial e frívolo. Mas ambas constituem cultura. E a cultura, por definição, tem de ser cultivada.

Um sistema fechado produz sempre os mesmos resultados. A mesma matéria-prima e os mesmos processos resultam sempre no mesmo produto. Para um resultado diferente, ou se altera a matéria-prima ou se alteram os processos. Uma sociedade ou civilização que não incorpora o novo, o diferente, não evolui e está condenada a perecer. Quanto mais não seja, de tédio. Apostar tudo na arte comercial, dar ao povo aquilo que o povo quer, em detrimento do novo, diferente, mesmo que estranho e desconfortável à primeira vista, é o mesmo paradigma. É fechar o sistema. No imediato é imensamente popular, é a zona de conforto da maioria, mas, no longo prazo conduz à asfixia intelectual generalizada. Tirando algumas raras e honrosas excepções que exibem um amor enorme à camisola e um sentido admirável de dever cívico, é aqui que a oferta cultural torrejana está. Os critérios de selecção são claramente simples. Resumem-se a escolher qualquer coisa que tenha aparecido num qualquer programa da manhã na TV, apresentando-o como conteúdo de elevado valor cultural à populaça que o engole sem ser preciso mastigar. Viva a festarola.

Na mesa ao lado, um grupo de fans de Stockhausen, após devorar uma sandes de porco no espeto e vários jarros de sangria, fica trinta minutos em silêncio com um sorriso nos lábios. No fim, batem palmas que nem loucos. Lá mais ao fundo noutra mesa, seis imperiais em copo de plástico e dois pães com chouriço quentinhos animam uma acalorada discussão acerca de Vertov e a influência do construtivismo soviético nas técnicas de montagem e edição actuais. No tabuleiro da praça, alguém já bastante alcoolizado tenta reproduzir um Basquiat com cálices de chocolate da ginginha de Óbidos. Ébrios da cultura que têm, desdenham a cultura que não têm, sem reflectir sobre a cultura que querem ter.

É frequente ouvir dizer que “em equipa que vence, não se mexe”. Pois… Mas o problema é que o campeonato onde esta equipa vence é o campeonato da aldeola. E Torres Novas já é cidade há uns anitos.

 

 

 Outras notícias - Opinião


O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes »  2021-01-12  »  João Carlos Lopes

Foi paradigmático o facto de, aquando da confirmação (pela enésima vez) da intenção do Governo em avançar com o TGV Lisboa/Porto, as únicas críticas, reparos ou protestos de autarcas da região terem tido por base a habitual choraminga do “também queremos o comboio ao pé da porta”.
(ler mais...)


Peixoto - rui anastácio »  2021-01-10  »  Rui Anastácio

Há uns meses, em circunstâncias que não vêm ao caso, tive o prazer de privar com José Luís Peixoto e a sua mulher, Patrícia Pinto. Foram dias muito agradáveis em que fiquei a conhecer um pouco da pessoa que está por trás do escritor.
(ler mais...)


A Pilhagem - josé ricardo costa »  2021-01-10  »  José Ricardo Costa

Podemos dizer que um jogo de futebol sem público ou vida sem música é como um jardim sem flores. Não que um jardim sem flores deixe de ser um jardim. Acontece que, como no jogo de futebol, fica melhor se as tiver. Já se for uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, a comparação com o jardim sem flores não funciona, pela singela razão de que uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, sendo ainda sopa, sopa de feijão com couves não é de certeza.
(ler mais...)


DAR VOZ AO TRABALHO - josé mota pereira »  2021-01-10  »  José Mota Pereira

Entrados na terceira década do século XXI, o Mundo dos humanos permanece o lugar povoado das injustiças, da desigualdade e do domínio de uns sobre os outros. Não é a mudança dos calendários que nos muda a vida.
(ler mais...)


Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia »  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia

A sondagem da Aximage, para o DN/JN/TSF, referente ao mês de Dezembro, dá ao CDS uns miseráveis 0,3%. Os partidos também morrem e o CDS está moribundo. Teve um importante papel na transição à democracia e, também, na vida democrática institucionalizada.
(ler mais...)


Resíduos urbanos - antónio gomes »  2021-01-10  »  António Gomes

O sector dos resíduos sólidos urbanos esteve recentemente na agenda mediática devido à revolta das populações que vivem perto dos aterros onde são depositados, pois assistem à constante degradação da sua qualidade de vida.
(ler mais...)


Como serás tu, 2021? - anabela santos »  2021-01-10  »  AnabelaSantos

 

O nosso maior desejo era fechar a porta a 2020 e abrir, com toda a esperança, a janela a 2021. E assim foi. Com música, alegria, festarola e fogo de artifício, tudo com peso e medida, pois havia regras a cumprir.
(ler mais...)


2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal »  2021-01-10  »  Inês Vidal

Finalmente 2021. Depois de um ano em que mais do que vivermos, fomos meros espectadores, fantoches num autêntico teatro de sombras, com passos e passeatas manipulados por entre margens e manobras de cordelinhos, chegámos a 2021. E chegámos, como em qualquer ano novo, com vontade de mudar, de fazer planos, resoluções que acabaremos por abandonar antes do Carnaval.
(ler mais...)


2020, um ano para esquecer? - jorge carreira maia »  2020-12-20  »  Jorge Carreira Maia

O ano de 2020 não foi fácil. A pandemia desestruturou os nossos hábitos e começou a desfazer a relação tradicional que tínhamos com a vida. Introduziu a incerteza nas decisões, o medo nos comportamentos, o afastamento entre pessoas.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-12-19  »  Inês Vidal Paul do Boquilobo - Inês Vidal
»  2021-01-12  »  João Carlos Lopes O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes
»  2020-12-20  »  Jorge Carreira Maia 2020, um ano para esquecer? - jorge carreira maia
»  2021-01-10  »  Inês Vidal 2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal
»  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia