• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 25 Outubro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 19° / 13°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 19° / 9°
Céu nublado com chuva fraca
Seg.
 17° / 9°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  19° / 12°
Céu nublado com chuva moderada
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Torres Novas: um centro sem luz - inês vidal

Opinião  »  2020-08-19  »  Inês Vidal

"Quando se avança pela cidade, para além dos limites da calçada portuguesa que tão bem nos recebe, a visão pode ser bem mais dura"

Torres Novas tinha tudo para ser um bonito postal ilustrado. Do castelo altaneiro, que olha de cima a praça pintada de roxo dos jacarandás, ao rio que o circunda, ao jardim que envolve o centro histórico... Quem vem pela primeira vez, se tiver a sorte de dormitar toda a viagem e abrir os olhos apenas quando curva o topo da rua de Nun’Álvares, cruzando-se em primeiro lugar com a Praça 5 de Outubro, fica, sem dúvida, bem impressionado. Imagina-se, assim, num daqueles bem cuidados centros espanhóis, numa terra com orgulho pelas suas curvas, pelas suas calçadas, pela sua história.

Quando a sua incursão avança pela cidade, para além dos limites da calçada portuguesa que tão bem o recebe, a visão pode ser bem mais dura. E aquela Torres Novas romântica que o castelo, lá no alto, nos oferece, perde o lirismo dos filmes italianos e leva-nos ao coração do cenário de um filme sérvio.

Como qualquer centro que se sente ao abandono, sem gente, sem oferta que atraia, este vai deixando entrar quem não é bem-vindo noutros mundos, quem se move nas sombras, quem não se sente intimidado pelos escombros, antes se funde neles, tornando-se difícil descodificar onde começa um e termina os outros, distinguir quem se contaminou a quem.

Quando miúda, lembro-me de um centro assim, com vielas e ruelas propícias a acolher quem não queria ser visto. A palavra espalhava-se rápido e atrás de uns vinham outros, caras novas, já velhas do trato. Todos sabiam, todos viam, ninguém combatia. Uma geração marcada e magoada. Uma cidade à medida para todos eles, com as respostas que achavam procurar.

Pelo caminho, a cidade ganhou mais céu, mais luz e as ruas e becos do centro ficaram mais amplos, mais visíveis, com menos recantos escondidos. Fruto de uma atenção maior à cidade ou de uma geração que se seguiu, mais desperta para os perigos e sem ilusões de vidas melhores oferecidas numa viagem, a verdade é que vieram dias mais luminosos em Torres Novas.

Mas desengane-se quem pensa que esses dias dormem no passado. O centro da nossa cidade voltou a ser palco atractivo para quem não quer atrair atenções. É um novo ciclo, a repetição de um outro. Uma outra geração, novas caras, vindas não se sabe de onde. As mesmas marcas, os mesmos desejos, os mesmos fantasmas, à procura do que todos sabemos bem.

De novo, todo um centro que se adapta. Ou desiste. Novos medos, novos cuidados. Não bastava já um centro em ruínas, feio em seu redor, que só por si repelia quem até gostaria de entrar. Junta-se agora uma população que assusta quem não conhece, que faz temer, afugenta.

Não sei de onde parte a solução. Se de uma nova mudança de mentalidades, que achávamos já capaz de resistir a uma intempérie destas, se de políticas autárquicas que tragam de novo luz ao centro da cidade. Uma luz sem sombras, daquela que nos pinta a esperança nos mesmos tons de roxo dos jacarandás.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Tudo pequenas coisas - antónio gomes »  2020-10-23  »  António Gomes

Em cima da antiga lixeira foram plantadas, em Dezembro passado, uma quantidade de árvores a que deram o nome de “Mata Municipal Cardillium. Esta iniciativa parecia ter futuro: uma boa ideia plantar árvores até porque meteu a participação de crianças de uma escola e boas fotos.
(ler mais...)


Sem política, armas e religião… - maria augusta torcato »  2020-10-23  »  Maria Augusta Torcato

“Eu só quero ir para um lugar sem política, armas e religião…”, dizia uma mãe ainda jovem, em lágrimas, quando um jornalista a interpelava nos momentos que se seguiram à tragédia no porto de Beirute, que é do conhecimento de todos nós, mas, quicá, por estar distante dos olhos talvez passe a estar igualmente distante do coração.
(ler mais...)


É um pássaro!? É um avião!? Não! É o supermercado! - carlos paiva »  2020-10-23  »  Carlos Paiva

Corria o distante ano de 1987 quando foi inaugurado o segundo hipermercado em território nacional, na Amadora. O primeiro foi em Matosinhos, em 1985, mas por causa da pronúncia do norte, foi mal interpretado e a malta não ligou.
(ler mais...)


Contentes e resilientes - jorge salgado simões »  2020-10-23  »  Jorge Salgado Simões

O Governo apresentou na semana passada, em Bruxelas, os planos de Portugal para os fundos da União Europeia no combate à crise provocada pela pandemia, a famosa bazuca de 13 mil milhões de euros a fundo perdido, transformada em Plano de Recuperação e Resiliência.
(ler mais...)


A decapitação - jorge carreira maia »  2020-10-23  »  Jorge Carreira Maia

O ataque terrorista perpetrado há dias em França por radicais islâmicos está sobrecarregado de simbolismo. Não se trata de um mero homicídio, como aqueles que resultam da deflagração de bombas, ataques com armas de fogo ou atropelamentos com viaturas.
(ler mais...)


Nos ecos da festa do Avante! - josé alves pereira »  2020-10-09  »  José Alves Pereira

Falemos da festa do Avante!, agora que a poeira assentou e o aranzel antidemocrático cessou, transferindo-se para outros acontecimentos. Não é tanto do evento em si mesmo, mas do contexto em que ele este ano se construiu e realizou.
(ler mais...)


O pau da República - josé mota pereira »  2020-10-09  »  José Mota Pereira

Na manhã outonal do 5 de Outubro de 2020, erguia-se majestoso no topo da praça o vigoroso mastro aguardando a bandeira republicana que deveria ter vindo. Vão longe os tempos da praça, que ainda antes ser deste dia de Outubro tinha o nome do último Bragança e recebia a visita do jovem rei dom Manuel, entre os aplausos da multidão que acenando ao ilustre lhe atirava "viva o rei dom manelinho que é tão bom e bonitinho" – pelo menos assim contou aos seus descendentes, mais palavra, menos palavra, uma antepassada minha que não conheci.
(ler mais...)


A bicicleta - rui anastácio »  2020-10-09  »  Rui Anastácio

No meu concelho há uma terra onde tenho alguns bons amigos. Essa terra chama-se Vila Moreira. Foi lá que encontrei o meu primeiro trabalho. Tinha então 15 anos e uma bicicleta amarela que me levava a quase todos os sítios onde queria ir.
(ler mais...)


Ler os nossos escritores - jorge carreira maia »  2020-10-09  »  Jorge Carreira Maia

É possível que a maioria esmagadora dos portugueses tenha ouvido o nome de Almeida Garrett, Alexandre Herculano, Camilo Castelo Branco, Júlio Dinis e Eça de Queiroz. São eles o fundamento a partir do qual se foi construindo a literatura de ficção nacional e que teve o seu grande momento de reconhecimento com a atribuição do Nobel a José Saramago.
(ler mais...)


Está tudo mal. Tudo. - carlos paiva »  2020-10-09  »  Carlos Paiva

Em amena cavaqueira entre amigos, a discutir o desempenho autárquico, ou a falta dele, surgiu a frase: “…criticar a Câmara Municipal é fácil…”. Concordei de imediato. Aliás, reforcei que é O MAIS fácil.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-09-28  »  Maria Augusta Torcato Ironia do destino ou lei do retorno? - maria augusta torcato
»  2020-10-09  »  Carlos Paiva Está tudo mal. Tudo. - carlos paiva
»  2020-10-09  »  António Gomes IMI 2021: pensam que enganam quem? - antónio gomes
»  2020-10-09  »  Jorge Carreira Maia Ler os nossos escritores - jorge carreira maia
»  2020-10-09  »  Rui Anastácio A bicicleta - rui anastácio