• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sexta, 28 Fevereiro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Seg.
 16° / 9°
Céu nublado com chuva moderada
Dom.
 17° / 10°
Céu nublado com chuva fraca
Sáb.
 17° / 9°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  21° / 5°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Empresa non grata

Opinião  »  2016-08-24  »  António Gomes

Não se pode continuar a empurrar com a barriga. Exige-se uma decisão rápida para o problema “fabrióleo”.
A decisão tem de ser equilibrada e justa.

Qual a decisão que respeita o equilíbrio e a justiça? Na minha opinião é a decisão pelo encerramento desta empresa.
Em primeiro lugar, devem os torrejanos, os meiavienses, os riachences, todas aquelas pessoas, que vivem ou se deslocam no sul do concelho, todos e todas aqueles e aquelas que nos visitam e são muitos milhares todos os dias, continuar a serem incomodadas com o resultado da atividade daquela fábrica, mesmo que algumas promessas de melhorias, venham a ser feitas? A decisão equilibrada é que não, não passa pela cabeça de ninguém que tudo vai ficar na mesma, já são muitos anos de sofrimento.

Devem os restaurantes, o comércio, os estabelecimentos de diversão, as empresas agrícolas, as escolas, que têm atividade nas imediações da Ribeira da Boa Água, ou do rio Almonda, continuar a ser vítimas da atividade de uma qualquer empresa que põe em causa toda uma economia? A decisão equilibrada é que não.

Deve a saúde pública, continuar a ser ameaçada pela atividade de uma qualquer empresa? A decisão equilibrada é que não, com a saúde não se brinca.
Deve o meio ambiente, o Paúl do Boquilobo - reserva da Biosfera, o rio Tejo que recebe tudo o que o Almonda lhe envia, continuarem a ser vítimas de uma qualquer empresa sem escrúpulos? A decisão equilibrada é que não.

Deve uma empresa continuar a fugir às normas e às leis deste País, desrespeitando tudo e todos? A decisão justa é que não, ninguém está acima da lei.
Pode uma empresa atuar fora da comunidade, criando um clima de ameaça e de medo? A decisão justa é não, ninguém pode agir à margem da justiça.
Pode alguém, ou alguma empresa impedir o desenvolvimento e o bem-estar de todo um concelho ou região? A decisão equilibrada e justa é não.
Uma decisão equilibrada e com justiça é o que esperam os torrejanos, neste final de Agosto.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Pau de dois bicos »  2020-02-22  »  Anabela Santos

Como sabemos, um pau de dois bicos tem dois lados, o positivo e o negativo. É normalíssimo que, ao longo da vida, se encontrem várias situações que consideramos trazerem, ao mesmo tempo, vantagens e desvantagens por variadas razões.
(ler mais...)


Ulmeiros »  2020-02-22  »  Rui Anastácio

O nosso Ulmeiro (Ulmus minor) encontra-se distribuído por quase toda a Península Ibérica, aceitando-se hoje o seu carácter autóctone nesta região. No país vizinho diz-se: “Não peças pêras aos Ulmeiros”.
(ler mais...)


O CINECLUBE QUE CONHECI »  2020-02-22  »  José Alves Pereira

«Muitas referências se fizeram já acerca do papel do CineClube na vida torrejana. Eu, que vivi algum desse tempo, aqui deixo, em registo de memória pessoal, alguns apontamentos. Dada a perspectiva cultural que ali se abria num país tão obscuro e falho de liberdades, em 1965, pelos meus 16 anos fiz-me sócio.
(ler mais...)


A besta mostrou-se em Guimarães »  2020-02-22  »  António Gomes

Não posso fugir a esta temática, não tenho direito a ignorar o que se passou no jogo de Guimarães, é demasiado grave fingir que nada se passou, ou que não aconteceu, ou reduzir a coisa a uns malucos que se lembraram de gritar para o Marega que tinha acabado de marcar o golo.
(ler mais...)


Teremos de voltar ao básico? »  2020-02-21  »  Jorge Carreira Maia

Portugal é uma democracia liberal alicerçada num Estado de direito, isto é, num Estado em que todos estão submetidos à lei. Todos somos iguais perante essa mesma lei. Todos somos cidadãos, isto é, indivíduos que têm um conjunto de direitos e deveres especificados na lei.
(ler mais...)


Entre o redil e o prado »  2020-02-08  »  Jorge Carreira Maia

Num dos artigos anteriores falou-se aqui do discurso do rancor que se desenvolve em Portugal. Esse discurso não é específico do nosso país, atinge os países ocidentais, nos quais, por um motivo ou outro, lavra uma cólera não disfarçada, um desejo de confronto cada vez maior, onde a normal divergência política ameaçar radicalizar-se, dividindo os campos entre amigos e inimigos.
(ler mais...)


ORA VIVA, SENHOR RADETZKY! »  2020-02-07  »  José Alves Pereira

A celebração de um concerto musical pelo Ano Novo é um ritual que, iniciado em Viena (1939), se estende hoje por muitas salas e cidades. O espectáculo da Filarmónica Vienense, na sala do Musikverein, com transmissão televisiva para milhões de pessoas, riqueza ambiente, bailados e uma lento vaguear pela sala, nos seus dourados, candelabros e frisas, exibe-se também na assistência, revivendo um certo um passado nostálgico do fausto aristocrático.
(ler mais...)


“Xuxu” »  2020-02-07  »  Rui Anastácio

“Não há pior ameaça à paz do que os que foram cobardes em tempo de guerra: eles têm contas a ajustar consigo mesmos e os outros é que as pagam”.

A frase é do Miguel Sousa Tavares, com quem não concordo muitas vezes, mas que leio religiosamente todas as semanas, a ele e à Clara Ferreira Alves.
(ler mais...)


Mobilidade e descarbonização »  2020-02-07  »  António Gomes

Este é o grande desafio que está colocado à humanidade e em particular aos decisores políticos: garantir transportes em qualidade e quantidade e não poluentes.
Também assim é na cidade de Torres Novas.
(ler mais...)


O (de) mérito de Chicão »  2020-02-07  »  Ana Lúcia Cláudio


A questão da paridade e da (pouca) intervenção das mulheres na política voltou à ordem do dia, na sequência da eleição do novo presidente do CDS. O jovem Chicão, que, curiosamente, veio ocupar o lugar deixado vago pela primeira mulher-presidente na história do partido – Assunção Cristas –, encabeça uma Comissão Política em que nos 59 nomes que a integram existem apenas seis mulheres.
(ler mais...)


 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-01-30  »  Rui Anastácio O João
»  2020-01-30  »  António Gomes O IVA e o desenvolvimento
»  2020-01-30  »  Inês Vidal Hipocrisia colectiva, por Inês Vidal
»  2020-02-07  »  Rui Anastácio “Xuxu”
»  2020-02-08  »  Jorge Carreira Maia Entre o redil e o prado