• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 06 Dezembro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 16° / 9°
Céu nublado com chuva fraca
Qua.
 14° / 9°
Céu nublado
Ter.
 18° / 11°
Céu nublado com chuva moderada
Torres Novas
Hoje  18° / 9°
Céu nublado
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

O vinho de Almeirim e os “políticos de Lisboa” - joão carlos lopes

Opinião  »  2021-09-20  »  João Carlos Lopes

"O que mais custa é ver o Partido Socialista reduzido a esta cultura política"

Arreliado com a legislação que exige alguma contenção aos autarcas em funções, no que diz respeito à difusão de informação relacionada com obras, inaugurações e outras iniciativas durante o período eleitoral, o presidente da Câmara de Almeirim disse que a culpa é dos “políticos de Lisboa”, que fazem leis que só lançam confusão.

Vejamos o que quererá dizer o autarca com “políticos de Lisboa”. Suponhamos que se refere aos deputados de Lisboa, seja isso o que for, porque são os deputados que aprovam as leis. Os deputados são eleitos por distritos. O distrito de Lisboa, obedecendo à proporção dos eleitores do país, elege 47 deputados, 20% dos deputados do parlamento. Mas esses deputados, obedecendo também a uma lógica de distribuição geográfica da população, são oriundos de vários concelhos do distrito de Lisboa, de Vila Franca a Torres Vedras, de Alenquer à Amadora, gente com tanta legitimidade para “ter” deputados das suas terras, já agora, como Alpiarça ou Tomar, Barquinha ou Ourém. De Lisboa, deputados de Lisboa, portanto “políticos de Lisboa”, se for isto que ele quer dizer, serão quantos? Vinte, quinze? Dez por cento dos deputados, quinze por cento dos deputados eleitos no parlamento? E essa minoria de deputados, uma vintena, consegue fazer valer a sua vontade sobre 200 ou 210? Esses mais de 200 deputados são todos estúpidos, néscios e atrasados, aprovando contra a sua vontade leis que só lançam confusão?

Imaginemos que, não estando a falar dos deputados quando fala dos “políticos de Lisboa”, fala afinal do governo, que também aprova decretos-lei e outros normativos. O governo, acha Pedro Ribeiro, são os “políticos de Lisboa”? Não pode estar a referir-se a isso, certamente. O governo saiu de um parlamento decorrente de umas eleições nacionais em que o partido de Pedro Ribeiro foi o mais votado e por isso formou governo. Os governantes, na sua maioria, de ministros a secretários de estado, são maioritariamente do concelho de Lisboa, portanto “políticos de Lisboa”? Não são, obviamente, nunca o foram, nem sequer os primeiros-ministros do país, de Cavaco a Sócrates, de Passos Coelho a Sá Carneiro, de Pintasilgo a Mota Pinto…

Pedro Ribeiro refere-se a quê, afinal, quando culpa os “políticos de Lisboa”? A nada. Está simplesmente a sacudir a água do capote. Mas podia fazê-lo de modo decente? Podia, mas não o faz. Em vez disso, chama-nos estúpidos e faz uso do populismo rasca anti-Lisboa inaugurado pelo saudoso Jardim e secundado por Ventura e por todos os autarcas demagogos que alimentam este mito chamado “Lisboa”, “Terreiro do Paço” e agora “políticos de Lisboa” para desviar conversas e atirar areia para os olhos dos parvos, que somos todos nós, acham eles.

O que mais custa é ver o Partido Socialista reduzido a esta cultura política, que faz escola entre “militantes regionalistas”, autarcas à procura de tacho, dinheiro ou protagonismo, servindo-se de “Lisboa” para alimentar os seus devaneios e as suas alucinações.

Perante isto, só falta agora o presidente da Câmara de Almeirim vir dizer que não disse nada disto, nunca na vida falou nos “políticos de Lisboa” e que tudo não passou de manipulação das suas palavras por parte dos jornais.

À nossa saúde, bebamos um copo de vinho de Almeirim, que sempre é uma coisa que dá bom nome à terra.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Resiliências, Rui Rio/PSD, BE e Futebol »  2021-12-03  »  Jorge Carreira Maia

Resiliências. Ser ministra da Saúde em Portugal não é tarefa fácil. Ser ministra da Saúde em Portugal e em tempos de pandemia é tarefa hercúlea. O sector é atravessado por múltiplos, poderosos e discordantes interesses, que têm tanto ou mais poder que qualquer ministro.
(ler mais...)


Pedinchice - inês vidal »  2021-11-25  »  Inês Vidal

Habituámo-nos à pedinchice. Já não a estranhamos nem questionamos, antes a integrámos na nossa rotina, no nosso dicionário mental, assumindo-a como parte integrante e inerente à solidariedade de que somos tão adeptos.
(ler mais...)


Violência na família - mariana varela »  2021-11-25  »  Mariana Varela

A evolução do estado de coisas, a nível sócio-cultural, é quase sempre gradual e lenta, repleta de avanços e recuos constantes. Se é certo que em vários domínios da vida em comunidade alcançámos, sim, objectivos muito valiosos, outras situações continuam a destoar profundamente do ideal que possamos ter de uma sociedade mais justa.
(ler mais...)


Desesperança 1, ou o Novembro do nosso descontentamento - maria augusta torcato »  2021-11-25  »  Maria Augusta Torcato

Às vezes, lembro-me das personagens de Sancho Pança e D. Quixote, evocadas no capítulo III de “Viagens na minha terra”, de Garrett.

Não sei, todavia, se a lembrança dessas personagens, neste contexto, vem por boas razões.
(ler mais...)


Dos fracos não reza a história - carlos paiva »  2021-11-25 

 

É uma realidade: dos fracos não reza a história. A prerrogativa fica do lado dos fortes, dos vitoriosos que, nessa condição, escrevem a história. A versão dos factos para a posteridade é invariavelmente simpática para os vencedores e vincadamente penalizadora para os vencidos.
(ler mais...)


SEMPRE É UMA COMPANHIA - josé alves pereira »  2021-11-25  »  José Alves Pereira

Num destes dias, ocorreu-me passar os olhos pelo Fogo e as Cinzas, livro de contos do Manuel da Fonseca. Acabei relendo o que me serve para título desta crónica e pretexto para uma incursão por algumas recordações ligadas ao aparelho de rádio que um dia, pelos anos 50, entrou lá em casa.
(ler mais...)


Vírus, clima, PSD e futebol - jorge carreira maia »  2021-11-25  »  Jorge Carreira Maia

1. O vírus resiste. Depois de uns meses de acalmia, volta o espectro do confinamento. Isto apesar da vacinação em Portugal ter corrido muito bem. O problema é que a vacinação, embora sendo uma condição necessária para combate à COVID-19, não é suficiente.
(ler mais...)


Sem pinga… »  2021-11-18  »  Hélder Dias

Perigo! PS e Presidente da República em manobras - josé alves pereira »  2021-11-09  »  José Alves Pereira

A rejeição do O.E. e o seu desmedido empolamento, arrastaram na ventania da pressão mediática gente, mesmo de esquerda, que perdeu o bom senso e a serenidade. Importa, pois, voltar a 2015, relembrando factos. Para fazer face ao retrocesso da governação PSD/CDS de ir além da troika na retirada de direitos e rendimentos, formou-se um governo minoritário do PS.
(ler mais...)


Quem paga a conta do chumbo do orçamento? - jorge carreira maia »  2021-11-09  »  Jorge Carreira Maia

Julgo que os eleitores tanto do BE como do PCP não compreendem as razões que levaram ao chumbo do Orçamento de Estado. Quando falo em eleitores desses partidos não me estou a referir aos militantes e simpatizantes partidários que rodeiam esses militantes, mas às pessoas que votam nesses partidos não por fé ideológica, mas porque acham que eles são instrumentos para a defesa dos seus interesses e do bem comum.
(ler mais...)


 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-11-25  »  Inês Vidal Pedinchice - inês vidal
»  2021-11-18  »  Hélder Dias Sem pinga…
»  2021-11-09  »  Carlos Paiva Bizarro - carlos paiva
»  2021-11-09  »  Jorge Carreira Maia Quem paga a conta do chumbo do orçamento? - jorge carreira maia
»  2021-11-25  »  Jorge Carreira Maia Vírus, clima, PSD e futebol - jorge carreira maia