• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sábado, 19 Setembro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Ter.
 26° / 16°
Céu nublado com chuva fraca
Seg.
 26° / 14°
Períodos nublados
Dom.
 25° / 17°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  24° / 16°
Períodos nublados com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

TORRES NOVAS EM 1985: parabéns, cidade! - josé mota pereira

Opinião  »  2020-07-18  »  José Mota Pereira

Em 1985, as pessoas da zona alta vinham à vila. E diziam-no quando vinham ao centro! Ainda hoje, passados 35anos, vem-se à vila. Eram bem diferentes os limites físicos. A vila terminava junto à capela de Santo António e todas as urbanizações circundantes à Av. Sá Carneiro eram inexistentes. O Colégio Andrade Corvo era considerado fora da vila e a Serrada Grande era um lugarejo distante.

Do outro lado, a Cidade estendera-se timidamente para lá da Escola Secundária, com a criação da Av. Manuel Figueiredo que ligava ao Estádio Municipal e ao novo “Ciclo Preparatório” por meio de um olival. A Urbanização da Silvã era apenas uma miragem.

Aliás, só havia uma escola secundária, havia a escola preparatória novinha em folha e o ensino primário dividia-se nas escolas velhinhas junto à secundária e a primária na zona alta (descendente da chamada “escola vassalo” criada pelo impulso das populações no pós Abril) e inaugurada no ano lectivo 1980 -1981.

Na saúde, havia o Hospital Distrital de Torres Novas e a Casa de Saúde Santa Isabel. Faziam-se análises na dra Teresa Parente e radiografias no Dr. Fagulha. Os medicamentos compravam-se nas 4 farmácias: Higiene, Lima, Central e Nicolau.

Na justiça, havia comarca aqui sedeada e no edifício também novo do Tribunal, funcionavam igualmente os serviços de registos e notário. A biblioteca ficava no Salvador e o museu ficava logo ali junto. E claro, no verão, era obrigatório passar pelas piscinas abertas e ao ar livre.

Havia a Feira de Março e não existiam hipermercados. O grande supermercado da moda era o Solmira com duas lojas – uma na av. 25 de Abril e a recém inaugurado na Rua de Santo António! De resto, eram os mini-mercados que dominavam a venda a retalho.

Dentro do perímetro da cidade existiam actividades industriais. Entre outras, havia tipografias (Fonseca e Conde Marques), metalúrgicas (como a Nery, os Lourenços, Joaquim Vieira, Nicolau de Freitas, etc etc), carpintarias (como a Madeiarte), a Central Elétrica, com a Empresa Industrial de Electricidade do Almonda em processo de transferência para a EDP e, claro, obviamente, a Fiação com as suas duas fábricas. O CEP 04 da Rodoviária Nacional tinha aqui a sua sede, mais as suas oficinas. Os telefones e as telecomunicações, também tinham aqui um dos mais importantes centros do país. Claro, e muitos serviços associados a tudo isto.

Do comércio artesanal, havia quase tudo mas também é verdade que começava a ser moda as classes médias começarem a procurar noutras bandas, como no Entroncamento, novas formas de comércio mais atractivas.
O mercado municipal, à terça-feira, tinha uma importância vital. Aos frescos das verduras, no Almonda Parque, juntava-se o bacalhau, a charcutaria, bugigangas diversas, roupa e muitas cassetes piratas. Nesse tempo, a vila ainda era invadida por carroças. O mercado diário que funcionava na Praça do Peixe, era ainda muito frequentado com verduras, legumes, talhos e peixe. Quem entrasse pelo lado do túnel ouvia de imediato a velha Pechincha peixeira apregoando a sardinha linda.

Pastelarias eram praticamente inexistentes, a Pastelaria Vítor Pinto já encerrara, a Abidis definhava e a Vicente e Madruga estava a dar os primeiros passos. Para se beber café, na zona alta dominavam o Pérola e o Planalto. Cá em baixo, as classes médias frequentavam o Império, mas o grande café da vila era o Café Portugal. Frequentado democraticamente por pessoas de todas as classes, era ponto de encontro obrigatório. Antes do 25 de Abril, tinha sido ponto de encontro de uma certa intelectualidade e em 1985 mantinha uma aura respeitável. As mesa de mármore, os azulejos na parede, o balcão, a velha máquina registadora, os empregados (o sr José, lembram-se ?) impecáveis na função de bata azul, eram uma marca distintiva. Como sinal dos tempos, o Café Portugal deu lugar a um banco. Por esses tempos também era hábito parar na “Esplanada do Mourão” nos passeios que se davam ao Domingo na Avenida. Quem não dava a volta à Avenida?

O Café Viela era também um dos lugares de culto frequentado por uma clientela nova e que, diríamos hoje, de gostos alternativos ao mainstream.

A poluição do rio parecia um mal crónico. Talvez por isso, nascida recentemente, a Associação do Património lutava afincadamente pelo ambiente em Torres Novas. As suas jornadas do Ambiente nunca deveriam ter terminado. Aliás, o movimento associativo nesse tempo era altamente influente. O MIC (movimento Inter colectividades) renascera em 1984. O Cine Clube preparava as bodas de prata. Toda a gente participava no mundo associativo. Clubes desportivos, bandas, coral e outras diferenciavam Torres Novas no plano regional pelo seu raro e pujante movimento associativo. Até o elitista e burguês “Club Torrejano” mantinha a sua actividade na Praça 5 de Outubro, mas só por convite lá se entrava.

Também nesse tempo havia colectividades que hoje nos parecem curiosidades, como o Núcleo Local da Associação Portugal-RDA, ou a Associação Portugal-URSS, mas que tinham bastantes actividades nomeadamente torneios de xadrez e traziam frequentemente até Torres Novas grupos folclóricos do Leste Europeu, esgotando sempre o Cine Teatro Virgínia.

O Cine Teatro ainda não previa a crise do cinema. Aos fins-de-semana, sem concorrência na região, exibia os grandes filmes de Hollywood enchendo as cadeiras de madeira da plateia, 1.º balcão e do piolho. Às sextas à meia- noite, proporcionava noites de prazeres proíbidos e semi-clandestinos, com sessões de cinema Hard-Core, que ajudavam a manter a rentabilidade financeira da casa.

Lia-se o Almonda, mas descobria-se o prazer de ouvir Rádio. Na altura, em 102,5 MHZ, funcionando clandestinamente, nascia a Rádio Local de Torres Novas. Na casa de Fernando Diniz Alves, a mão e a voz do Padre Amílcar provocavam uma pequena revolução. O Padre Amílcar Fialho, que era comandante dos bombeiros voluntários que nas vésperas da elevação a cidade viram inaugurado o seu novo quartel. Foi também pela mão de Amílcar Fialho que nesse ano nasceu a Feira Nacional dos Frutos Secos em Outubro.

A vida nocturna era quase inexistente. Havia a curiosidade da casa de alterne “A Chaminé” num tempo em que não havia imigração de brasileiras e ucranianas. Já tinha existido a discoteca Bob`s e pouco mais. A grande atracção da nocturna região já era o FAME CLUB, criado por Fausto Monteiro, com o jovem DJ Jorge Branco. Um pequeno clube nocturno, que era nesses anos a única Discoteca da região.
Torres Novas abria-se ao mundo…E ainda nem havia auto-estrada!

 

 

 Outras notícias - Opinião


A mesa - rui anastácio »  2020-09-12  »  Rui Anastácio

Tenho um certo fascínio por mesas. Ao longo da minha vida já mandei fazer algumas. Quase sempre mesas grandes e robustas. Onde se possam sentar muitas pessoas. Onde se possa beber um bom vinho, comer muito, conversar muito, discutir muito, praguejar, gritar, lutar por ideias e ideais.
(ler mais...)


Aventurazinha no Comboio Fantasma - miguel sentieiro »  2020-09-12  »  Miguel Sentieiro

Hoje apetece-me escrever uma história baseada em factos verídicos com algumas notas ficcionadas para se conseguir tornar a narrativa menos densa e nauseabunda. Um indivíduo com 80 anos entra na urgência do Hospital de Torres Novas com fortes dores abdominais.
(ler mais...)


Democracia e representatividade - mariana varela »  2020-09-12  »  Mariana Varela

A democracia é, essencialmente, um sistema político que assenta na soberania popular, isto é, um regime em que a legitimidade do poder político emana do povo. Definir ou explicar a noção de democracia não é difícil.
(ler mais...)


A ruptura do discurso - jorge carreira maia »  2020-09-12  »  Jorge Carreira Maia

Nos últimos tempos três assuntos têm concentrado os interesses das redes sociais que dão atenção ao fenómeno político. O racismo, a festa do Avante e a disciplina de Cidadania e Desenvolvimento no ensino não superior.
(ler mais...)


As cabras do reino - carlos paiva* »  2020-09-12  »  Carlos Paiva

Era uma vez um reino. O rei tomou conhecimento que uma república aliada doava dinheiro a quem quisesse criar cabras com o intuito de limpeza do mato nas serras, de modo a diminuir o risco de incêndios. Uma solução barata, neste caso de borla, e acima de tudo não poluente, amiga do ambiente, tema muito em voga entre os gentios.
(ler mais...)


Fabrióleo: ir até ao fim - antónio gomes »  2020-09-12  »  António Gomes

O encerramento da Fabrióleo é um facto. O sofrimento das pessoas e o atentado ao ambiente estão agora mais próximos do fim. Quem não luta, não alcança.
Durante muitos anos, a poluição dos solos e das linhas de água foram a marca daqueles poluidores, nunca se importando com as consequências dos seus actos.
(ler mais...)


Agricultores - rui anastácio »  2020-09-01  »  Rui Anastácio

Falámos em Inglês. Não sei de onde vinham, vinham de bicicleta de bem longe, pela sua tez seriam originários do centro da Europa. Uma das bicicletas estava furada, com o pneu destroçado. Ofereci-lhes o meu spray antifuro.
(ler mais...)


O debate e a ditadura de pensamento - mariana varela »  2020-09-01  »  Mariana Varela

Nós, seres humanos, habitamos e partilhamos este mesmo Mundo, algo que nos une enquanto Humanidade. Ainda que todos façamos parte de uma realidade universal, possuímos uma identidade baseada nas nossas próprias experiências pessoais e características únicas.
(ler mais...)


O outro somos nós - margarida trindade »  2020-09-01  »  Margarida Trindade

Numa muito recente viagem de família, a dada altura e já próximos do destino, a fim de sabermos qual o caminho a tomar, parámos numa bomba de gasolina e baixados os vidros das janelas, lançámos às três pessoas sentadas na mesa da esplanada a demanda pela estrada a seguir.
(ler mais...)


O rio do fururo - josé mota pereira »  2020-09-01  »  José Mota Pereira

Nos diferentes modelos de desenvolvimento para o concelho, há que reconhecê-lo, os poderes municipais estão muitas vezes limitados nos seus poderes de decisão. Mas, as suas decisões – ou não decisões – e aquilo que consideram estratégico, tem reflexos e consequências para o futuro dos concelhos.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-09-01  »  José Mota Pereira O rio do fururo - josé mota pereira
»  2020-09-01  »  Rui Anastácio Agricultores - rui anastácio
»  2020-09-01  »  Mariana Varela O debate e a ditadura de pensamento - mariana varela
»  2020-09-12  »  Mariana Varela Democracia e representatividade - mariana varela
»  2020-09-01  »  Jorge Carreira Maia Saudades da ditadura - jorge carreira maia