• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quinta, 15 Abril 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sáb.
 22° / 10°
Céu limpo
Sex.
 23° / 12°
Períodos nublados com chuva fraca
Qui.
 22° / 14°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  21° / 12°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

No Jornal Torrejano, uma torrejana “dos quatro costados”

Opinião  »  2019-12-05  »  Ana Lúcia Cláudio

"Acredito que a minha participação pode fazer a diferença"

Quase dez da noite da última sexta-feira de Novembro, no aeroporto da Portela. Está quente para quem acaba de chegar de um país mais frio. Apanho um táxi para o centro de Lisboa, uma distância suficientemente curta para não ser do agrado dos taxistas. Eu sei-o e confesso-o ao taxista que me “apanhou” com um sorriso cúmplice para tentar ganhar a sua simpatia. Quase a chegar ao meu primeiro destino, confidencio-lhe que vou buscar o meu carro porque seguirei, ainda nessa mesma noite, para Torres Novas. “Torres Novas, também ia…” Toquei num ponto fraco. Um taxista torrejano, mais concretamente de Alcorochel. Trocámos galhardetes sobre as nossas localidades, entre a nostalgia típica de quem, como ele, vive longe da sua terra. Fala de como Torres Novas está diferente, das coisas boas que tem para oferecer e do muito que ainda falta fazer.
Ao contrário deste taxista, eu não fui “nada nem criada” em Torres Novas.

Nasci em Lisboa há 43 anos no seio de uma família de quatro avós, todos eles nascidos e criados neste concelho ribatejano. Sou, portanto, uma torrejana “dos quatro costados”. Gosto desta expressão. Dizem os especialistas que quando alguém é considerado “de quatro costados”, significa que o é “por parte dos avós paternos e maternos”. Ao que consta, este termo generalizou-se na língua portuguesa e passou a aplicar-se com um sentido próximo dos adjectivos “ferrenho” e “arreigado”. Parece-me bem.

Vivi sempre entre Lisboa e a Zibreira, a primeira aldeia do concelho para quem vem da capital. A terra que viu nascer o Rio Almonda. E aquela que guarda as melhores memórias da minha infância: as férias, o Natal os três meses de verão, o “dolce fare niente”… Na altura, Lisboa era sinónimo de escola e obrigações, Zibreira e Torres Novas significavam lazer e descanso.

Com o tempo, a ligação à Zibreira e a Torres Novas continuou intermitente com a vida na capital. Mas, actualmente, com mais obrigações e menos lazer. Foi, por isso, este concelho ribatejano que eu escolhi e que me escolheu para intervir civicamente e contribuir, à minha escala, para uma região melhor. E faço-o, também, como uma homenagem às três pessoas mais importantes da minha vida. Uma homenagem a quem que me trouxe até cá: a minha avó materna, que me acompanhou 40 anos da minha vida e que me tornou na pessoa que sou hoje. E àqueles que, à data de hoje, me mantêm aqui: os meus dois filhos que sempre viveram e estudaram no concelho. Que usufruem do que Torres Novas tem para lhes dar. E que merecem que o concelho lhes dê o melhor.

E, porque acredito que a minha participação pode fazer a diferença, não só nos órgãos públicos a que pertenço, mas também nos meios de comunicação social com os quais colaboro (esse eterno quarto poder que luta sem se render contra as redes sociais, um rival muitas vezes traiçoeiro com mais desinformação que utilidade)… assim chega, a partir de hoje, ao Jornal Torrejano, uma torrejana “dos quatro costados”.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Empréstimo »  2021-04-13  »  Hélder Dias

Sombra suspeita »  2021-04-13  »  Hélder Dias

Os 2,36 euros extra…ordinários - miguel sentieiro »  2021-04-10  »  Miguel Sentieiro

Num momento em que o sentimento generalizado sobre os chineses é de alguma desconfiança, preparo-me aqui para contrapor e dar uma oportunidade aos tipos. Eu sei que nos foram mandando com a peste bubónica, a gripe asiática, a gripe das aves, o corona vírus.
(ler mais...)


#torresnovas@weshallover.com - josé ricardo costa »  2021-04-10  »  José Ricardo Costa

É muito bom viver em Torres Novas mas também se sente o peso de estar longe do que de verdadeiramente moderno se passa no mundo, enfim, nada de #Me Too, Je suis Charlie Hebdo, vetustas estátuas transformadas em anúncios da Benetton.
(ler mais...)


Rever a revisão, já! - josé mota pereira »  2021-04-10  »  José Mota Pereira

 

 Recuemos no tempo. Entremos numa máquina do tempo e cliquemos no botão que nos leve até ao ano de 2001. Recordemos vagamente que em 2001:

 - Caíram as Torres Gémeas em Nova Yorque em 11 setembro.
(ler mais...)


Na era do ad hominem - jorge carreira maia »  2021-04-10  »  Jorge Carreira Maia

Quando a internet surgiu e, posteriormente, com a emergência dos blogues e redes sociais pensou-se que a esfera pública tinha encontrado uma fonte de renovação. Mais pessoas poderiam trocar opiniões sobre os problemas que afectam a vida comum, sem estarem controladas pelos diversos poderes, contribuindo para uma crescente participação, racionalmente educada, nos assuntos públicos.
(ler mais...)


Equilíbrio - inês vidal »  2021-04-10 

É e sempre foi uma questão de equilíbrio. Tudo. E todos o sabemos. O difícil é chegar lá, encontrá-lo, ter a racionalidade e o bom senso suficientes para o ter e para o ser. E para saber que o equilíbrio de hoje não é obrigatoriamente o de amanhã, muito menos o que era ontem.
(ler mais...)


As árvores morrem de qualquer maneira e feitio - carlos paiva »  2021-04-10  »  Carlos Paiva

Comemorou-se a 21 de Março o dia da floresta. O Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) resolveu assinalar a data disponibilizando 50.000 árvores gratuitamente à população. Quem as quisesse plantar, teria de se identificar, inscrever, levantar a árvore (até um máximo de dez árvores por pessoa) e, num prazo de 48 horas, declarar o local onde plantou documentando com fotos.
(ler mais...)


Rejuvenescimento político - anabela santos »  2021-04-10  »  AnabelaSantos

Hoje, como acontece diariamente, no caminho de casa até à escola, lá se deu o habitual encontro matinal entre mim e o Ananias, o meu amigo ardina. Trocámos algumas palavras, comprei o jornal e seguimos por caminhos opostos que nos levam à nossa missão do dia, o trabalho.
(ler mais...)


O CRIT já não é de todos os torrejanos - joão carlos lopes »  2021-04-08  »  João Carlos Lopes

Durante décadas, todos os torrejanos ajudaram no que puderam o CRIT, uma obra social que granjeou a estima de todos os cidadãos e empresários, e foram muitos, que sempre disseram sim a todas e quaisquer formas de ajuda em prol da aventura iniciada em 1975.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-04-08  »  João Carlos Lopes O CRIT já não é de todos os torrejanos - joão carlos lopes
»  2021-03-23  »  João Carlos Lopes Peixes e pombos ou a civilização a andar para trás - joão carlos lopes
»  2021-03-20  »  José Ricardo Costa A Rosa do Nome - josé ricardo costa
»  2021-03-20  »  Jorge Carreira Maia A arte do possível - jorge carreira maia
»  2021-04-10  »  Miguel Sentieiro Os 2,36 euros extra…ordinários - miguel sentieiro