• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quarta, 15 Julho 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sáb.
 41° / 24°
Céu limpo
Sex.
 42° / 25°
Céu limpo
Qui.
 41° / 25°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  39° / 19°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Pela janela, por Inês Vidal

Opinião  »  2020-05-09  »  Inês Vidal

"Temos sido uns privilegiados. Muitos há, por esse mundo fora, a quem um qualquer Covid pouco tira, por já pouco haver a tirar"

Comprei um bilhete de avião para ir visitar o meu primo João, que está na Suécia, por alturas do casamento dele, em Abril. Crescemos juntos, apesar da diferença de idades. Queria dar-lhe um abraço, desejar-lhe que fosse feliz - comigo aqui relativamente perto, de preferência - ao mesmo tempo que nos perguntaria como é que era possível estarmos ali, se ainda no outro dia andei com ele ao colo.

Em Dezembro, comprei um bilhete para ir ver Lloyd Cole ao Estoril, e comprei outros tantos para levar a família toda a ouvir Adriana Calcanhoto, nesta sua segunda tentativa de vir a Torres Novas. Pelo caminho, fiz planos de ir ao Norte e tirei dias de férias para rumar a sul. Tudo para acontecer no espaço destes dois últimos meses. Nunca me acanhei de planear passeatas por temer que algo as impedisse, embora há muito tivesse aprendido, e da pior forma, que não vale a pena fazer grandes planos. Ou, pelo menos, que convém ter sempre consciência de que podem ser alterados a qualquer momento. Mandamos pouco perante uma natureza tão estrondosa.

A verdade é que nem vi o João e a Daniela dizer o sim, nem o Lloyd Cole ou a Adriana Calcanhoto a trautear aqueles temas que tanto ficam no ouvido. Norte e sul continuam nos planos, mas para já sem datas marcadas.

É, talvez, a única lição produtiva que tiramos desta história. Somos especialistas a dar as coisas como garantidas. As pessoas, as relações, o acordar, o emprego, a vida em geral. Nunca imaginámos sermos impedidos de ir trabalhar, abraçar um filho, dar um beijo à nossa mãe no dia que lhe cabe, dar dois dedos de conversa numa esplanada, ir ver o mar ou enterrar a nossa avó de 98 anos com as despedidas que lhe eram devidas. Tudo coisas à partida simples, banais, sem questões, que sempre conhecemos e que nunca imaginámos alguém querer ou poder tirar-nos.

Temos sido uns privilegiados. Muitos há, por esse mundo fora, a quem um qualquer Covid pouco tira, por já pouco haver a tirar. Já a nós, ocidentais ingratos, donos do mundo, que nos esquecemos de valorizar cada dia que nos é concedido de bandeja, o Covid-19 tirou-nos tudo. Pelo menos, tudo o que conhecíamos como sendo nada. Fez-nos colocar os pés na terra. Pensar no valor das coisas, agradecer o tanto que temos. De certeza que de hoje em diante, pelo menos enquanto nos lembrarmos do que nos fechou em casa, responderemos com mais vontade quando alguém nos perguntar como estamos, saborearemos de outra forma aquele café na esplanada e brindaremos à vida com outra convicção e conhecimento de causa no próximo jantar de amigos, à volta daquela mesa cheia que deixa qualquer um de nós a morrer de saudades.

O Covid-19 não me tirou a vida. Pelo menos ainda. Estou certa de que o pior seria isso. Mas tirou-me a presença da família, dos amigos, a liberdade de os poder escolher e de os ter comigo, na alegria e na tristeza, na saúde e na doença. E isso, já ninguém me devolve.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Os municípios e as respostas locais e excepcionais a uma situação de excepção »  2020-07-03  »  Ana Lúcia Cláudio

Lisboa e Porto são, naturalmente, as cidades portuguesas mais viradas para o turismo. Por isso mesmo, são também elas as mais penalizadas com os respectivos danos colaterais nas vidas de todos os que aí vivem e trabalham.
(ler mais...)


Tudo vale a pena se a alma não é pequena - anabela santos »  2020-07-03  »  AnabelaSantos

Tanto empenho, tanto sofrimento, tantos sacrifícios, tanta luta para alcançar objectivos e pergunta Fernando Pessoa se terá valido a pena, ao que o poeta responde: sim. Se a alma não é pequena, isto é, se é dotada de um espírito bravo, forte e sonhador, nada do que se faz é em vão.
(ler mais...)


Cada um escolhe os seus amigos - antónio gomes »  2020-07-03  »  António Gomes

A proposta do Bloco para apoio ao comércio local foi rejeitada. O PS mostrou insensibilidade e ignorância com este sector da economia local. O PS não quer saber das dificuldades de quem teve de encerrar os negócios durante três meses e por isso não conseguiu realizar dinheiro, apesar de manter os compromissos regulares como as rendas, entre outros.
(ler mais...)


A justa distância - jorge carreira maia »  2020-07-03  »  Jorge Carreira Maia

Começamos a descobrir que eram exorbitantes as expectativas de que a pandemia fosse um pesadelo que passaria na manhã seguinte. Quando se confinou, a esperança era que tudo voltasse ao habitual passadas duas semanas, talvez quatro.
(ler mais...)


SEQUESTRADOS - josé mota pereira »  2020-07-03  »  José Mota Pereira

Parece inevitável que no próximo ano, ano e meio, possamos desconfinar mais do que estamos. A surgirem alterações, será sempre no sentido do aumento do confinamento e não o seu contrário. Sem prazo à vista para que nos libertemos disto.
(ler mais...)


É lidar »  2020-07-03  »  Margarida Trindade

Sou constantemente assaltada pela dúvida. Sofro deste desconforto constante. Bem sei que mais felizes são os que nunca têm dúvidas e os que raramente se enganam e que dizer isto pode parecer uma banalidade, mas é a mais pura das verdades.
(ler mais...)


Capitalismo e saúde mental - mariana varela »  2020-07-03  »  Mariana Varela

Num mundo onde os problemas mentais se alastram, em que domina a ansiedade diária, o stress, a depressão, em que a prescrição de medicação como os ansiolíticos e antidepressivos tem vindo a aumentar, urge detetar as raízes desta verdadeira crise de saúde mental, ao invés de nos restringirmos ao tratamento de sintomas.
(ler mais...)


São Pedro, o Ferreira, pesando as almas - joão carlos lopes »  2020-06-19  »  João Carlos Lopes

Na reunião camarária do passado dia 2 de Junho, a respeito de mais uma trapalhada relacionada com o apoio unilateral da maioria socialista ao jornal “O Almonda”, uma vereadora dizia que se sentia enganada e mais disse que o PS, que tinha votado a favor, também devia sentir-se enganado.
(ler mais...)


Carta aberta a bom entendedor - inês vidal »  2020-06-18  »  Inês Vidal

Tenho mau feitio, quem me conhece sabe. Uma característica que nasceu comigo, mas que nitidamente vai piorando à medida que os anos passam, a vida corre, as experiências se sucedem...

Não deixa de ter graça que simultaneamente, mas num sentido inversamente proporcional, cresça a minha tolerância para com uma série de outras coisas que outrora me custava entender.
(ler mais...)


Radicais e moderados - jorge carreira maia »  2020-06-18  »  Jorge Carreira Maia

Na segunda-feira passada, o Presidente da República fez uma intervenção na televisão sobre a vandalização da estátua do Padre António Vieira. Chamou a atenção para que nenhum dos verdadeiros problemas da pobreza, da discriminação e do racismo se resolve com estas acções.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-06-18  »  Inês Vidal Carta aberta a bom entendedor - inês vidal
»  2020-06-19  »  João Carlos Lopes São Pedro, o Ferreira, pesando as almas - joão carlos lopes
»  2020-06-18  »  José Mota Pereira Dois mitos do desenvolvimento em Torres Novas - josé mota pereira
»  2020-06-18  »  Jorge Carreira Maia Radicais e moderados - jorge carreira maia
»  2020-06-18  »  Miguel Sentieiro Panificação em tempo de pandemia - miguel sentieiro