• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 25 Outubro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 19° / 13°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 19° / 9°
Céu nublado com chuva fraca
Seg.
 17° / 9°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  19° / 12°
Céu nublado com chuva moderada
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Agosto, o mar, os livros - margarida trindade

Opinião  »  2020-08-19  »  Margarida Trindade

" Nunca me arrependerei de ter nos livros aquele porto de abrigo que me acolhe na dúvida"

Antes de dar voz ao calor das palavras, ou abandonar-me, infantil, no colo de um certo e esperado Agosto, prova de vida anual, um desabafo.

Dei-me a luxos de leitura no sossego da sombra de uma varanda. A vista é para uma paisagem que se espraia até ao mar. Nunca me arrependerei de ter nos livros aquele porto de abrigo que me acolhe na dúvida, sabendo, é certo, que a única certeza que dali sairá é a honestidade para com a minha própria consciência e a convicção de que não há urgência que nos resolva as inquietações. Neles, nos livros, acerto o meu mapa individual, posiciono-me perante mim própria e o meu colectivo. A exactidão desse lugar de destino aponta para onde a dúvida me leva. Uma rota legítima pelas páginas de um, ou dois volumes (abalanço-me a três se o sono não me der por vencida), lidos de supetão ou mastigados teimosamente para não os deixar a meio. Não gosto, mas fico a conhecer.

Meti-me com autobiografias. Trazia grande satisfação da última incursão numa leitura do género, mas fiquei com amargos de boca com a opção do presente ano. É assim, nada a fazer. Ou é o ego deslumbrado, essa fraqueza que acomete certos autores que, achando-se tão distintos, entregam-se à confissão íntima de surtos psicanalíticos freudianos. Uma seca, digo eu. Ou, à falta de criatividade (e de vazios nunca superados), põem-se a discorrer sobre falhanços amorosos e académicos. Enfim, um mergulho escusado em traumas, com laivos de auto-piedade. Fossem ficcionados e quem sabe outro galo cantaria.

Valeu-me nisto um conhecido e respeitado alter-ego, a bem de umas necessárias verdades que lhe salvaram, ao autobiografado, a honra do convento. E que a mim me devolveram prazer da literatura e também me resgataram de mim mesma, que é o que se deve pedir a um livro em Agosto.

Houve tempos em que fazia dos meus verões de praia uma produção quase diária de fotografias de sardinhas assadas, iguaria sem igual que, havendo possibilidade de uns dias no Algarve, não dispenso. Mas a pandemia fez de mim austera. Quiçá frugal. Nem sardinhas, nem redes sociais. Não deverei ser a única. O pouco luxo a que me dei neste ano foram, para além de uns banhos de mar, o que já não é pouco, uma ou duas refeições em família, circunscritas à varanda, em finais de dias quentes.

Todavia, o pináculo de alguma felicidade foi ter-me dado conta de que consegui, numa inadvertência feliz, alhear-me do factor perigo durante uns minutos de um passeio matinal à beira mar.

Contentando-me assim com este pouco, que já me sabe a tanto, percebo com algum alívio, por ter sido capaz de semelhante fuga à realidade, da importância suprema de, tomados os devidos cuidados, levarmos a vida com uma certa normalidade. A bem da saúde mental e de todas as silly seasons que Agosto ainda nos há-de trazer.

 

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


Tudo pequenas coisas - antónio gomes »  2020-10-23  »  António Gomes

Em cima da antiga lixeira foram plantadas, em Dezembro passado, uma quantidade de árvores a que deram o nome de “Mata Municipal Cardillium. Esta iniciativa parecia ter futuro: uma boa ideia plantar árvores até porque meteu a participação de crianças de uma escola e boas fotos.
(ler mais...)


Sem política, armas e religião… - maria augusta torcato »  2020-10-23  »  Maria Augusta Torcato

“Eu só quero ir para um lugar sem política, armas e religião…”, dizia uma mãe ainda jovem, em lágrimas, quando um jornalista a interpelava nos momentos que se seguiram à tragédia no porto de Beirute, que é do conhecimento de todos nós, mas, quicá, por estar distante dos olhos talvez passe a estar igualmente distante do coração.
(ler mais...)


É um pássaro!? É um avião!? Não! É o supermercado! - carlos paiva »  2020-10-23  »  Carlos Paiva

Corria o distante ano de 1987 quando foi inaugurado o segundo hipermercado em território nacional, na Amadora. O primeiro foi em Matosinhos, em 1985, mas por causa da pronúncia do norte, foi mal interpretado e a malta não ligou.
(ler mais...)


Contentes e resilientes - jorge salgado simões »  2020-10-23  »  Jorge Salgado Simões

O Governo apresentou na semana passada, em Bruxelas, os planos de Portugal para os fundos da União Europeia no combate à crise provocada pela pandemia, a famosa bazuca de 13 mil milhões de euros a fundo perdido, transformada em Plano de Recuperação e Resiliência.
(ler mais...)


A decapitação - jorge carreira maia »  2020-10-23  »  Jorge Carreira Maia

O ataque terrorista perpetrado há dias em França por radicais islâmicos está sobrecarregado de simbolismo. Não se trata de um mero homicídio, como aqueles que resultam da deflagração de bombas, ataques com armas de fogo ou atropelamentos com viaturas.
(ler mais...)


Nos ecos da festa do Avante! - josé alves pereira »  2020-10-09  »  José Alves Pereira

Falemos da festa do Avante!, agora que a poeira assentou e o aranzel antidemocrático cessou, transferindo-se para outros acontecimentos. Não é tanto do evento em si mesmo, mas do contexto em que ele este ano se construiu e realizou.
(ler mais...)


O pau da República - josé mota pereira »  2020-10-09  »  José Mota Pereira

Na manhã outonal do 5 de Outubro de 2020, erguia-se majestoso no topo da praça o vigoroso mastro aguardando a bandeira republicana que deveria ter vindo. Vão longe os tempos da praça, que ainda antes ser deste dia de Outubro tinha o nome do último Bragança e recebia a visita do jovem rei dom Manuel, entre os aplausos da multidão que acenando ao ilustre lhe atirava "viva o rei dom manelinho que é tão bom e bonitinho" – pelo menos assim contou aos seus descendentes, mais palavra, menos palavra, uma antepassada minha que não conheci.
(ler mais...)


A bicicleta - rui anastácio »  2020-10-09  »  Rui Anastácio

No meu concelho há uma terra onde tenho alguns bons amigos. Essa terra chama-se Vila Moreira. Foi lá que encontrei o meu primeiro trabalho. Tinha então 15 anos e uma bicicleta amarela que me levava a quase todos os sítios onde queria ir.
(ler mais...)


Ler os nossos escritores - jorge carreira maia »  2020-10-09  »  Jorge Carreira Maia

É possível que a maioria esmagadora dos portugueses tenha ouvido o nome de Almeida Garrett, Alexandre Herculano, Camilo Castelo Branco, Júlio Dinis e Eça de Queiroz. São eles o fundamento a partir do qual se foi construindo a literatura de ficção nacional e que teve o seu grande momento de reconhecimento com a atribuição do Nobel a José Saramago.
(ler mais...)


Está tudo mal. Tudo. - carlos paiva »  2020-10-09  »  Carlos Paiva

Em amena cavaqueira entre amigos, a discutir o desempenho autárquico, ou a falta dele, surgiu a frase: “…criticar a Câmara Municipal é fácil…”. Concordei de imediato. Aliás, reforcei que é O MAIS fácil.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-09-28  »  Maria Augusta Torcato Ironia do destino ou lei do retorno? - maria augusta torcato
»  2020-10-09  »  Carlos Paiva Está tudo mal. Tudo. - carlos paiva
»  2020-10-09  »  António Gomes IMI 2021: pensam que enganam quem? - antónio gomes
»  2020-10-09  »  Jorge Carreira Maia Ler os nossos escritores - jorge carreira maia
»  2020-10-09  »  Rui Anastácio A bicicleta - rui anastácio