• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 17 Janeiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 15° / 10°
Céu nublado com chuva moderada
Ter.
 14° / 2°
Céu muito nublado com chuva fraca
Seg.
 14° / 1°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  15° / 1°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

O ESPELHO - josé mota pereira

Opinião  »  2020-09-28  »  José Mota Pereira

"Olhemos para o espelho, de luz bem acesa e confrontemo-nos com o rosto do mundo que temos"

Em 1992, ainda a RTP era a televisão única. Todas as quartas-feiras à noite o serão é dedicado a entrevistas protagonizadas por Carlos Cruz a uma série de personalidades. O espaço chama-se precisamente “Carlos Cruz - Quarta Feira” e numa noite a entrevista resultou numa conversa amena e franca. Porque entrevistador e entrevistado se entregaram um ao outro deixando para arquivo uma entrevista de invulgar qualidade. Ao fim de hora e meia, é chegado o momento de terminar.

De um lado Carlos Cruz. Do outro o octogenário escritor alentejano Manuel da Fonseca.

O primeiro, estende a mão para o cumprimento final interpelando o escritor:

- É um homem feliz?

Manuel da Fonseca, sorrindo como só ele sabia, de olhos grandes e brilhantes, responde de forma desconcertante:

- Não sou não, nunca! Sabe, os felizes são os indivíduos que, ou são estúpidos ou nunca repararam em nada.

Sorrindo ambos, percebendo a grandeza do momento, terminaram ali a entrevista.

Este pequeno pedaço de sabedoria tão simples, deste vulto maior da literatura portuguesa, tantas vezes esquecido, é uma sublime reflexão sobre a nossa felicidade humana e o nosso olhar sobre o outro.

Manuel da Fonseca serenamente, talvez antevendo estes dias, desafiava-nos para a urgência útil e necessária de olharmos para o outro. Ainda antes até de Saramago nos ter contado da nossa cegueira comum. De formas diferentes, ambos sabiam do que falavam.

Não pode haver felicidade quando todos os dias vamos assistindo à vitória da barbárie sobre a civilização. Silenciosamente, sem darmos conta, vamos permitindo que o relógio da História nos vá fazendo recuar no tempo, como se a sua engrenagem, as suas rodas dentadas, estivessem por inexplicável avaria, recuando os seus ponteiros, numa transformação do tempo em que o amanhã afinal possa ser o anteontem.

Confrontemo-nos.

Olhemos para o espelho, de luz bem acesa e confrontemo-nos com o rosto do mundo que temos. Não nos neguemos. Gostamos do que vemos?

É por aqui que que vamos?

Um mundo desigual e injusto, que aceita que os refugiados fugindo da fome e da miséria, fiquem detidos em Lesbos na porta da civilizada Europa? Um mundo que continua a aceitar a exploração capitalista e global do trabalho, daqueles que tudo produzem, dos “damnés de la terre”, de todas as terras, subjugados aos jogos dos consórcios financeiros transnacionais? Um mundo que continua a aceitar a guerra e os seus jogos, as ameaças à paz e à autodeterminação dos povos promovidas pelas potências de sempre, desde logo pelos EUA e pela Nato, semeando por todo o planeta repetidas manobras de ataque e chantagem militaristas de sempre? Um Mundo onde os ataques à liberdade, à democracia e aos direitos humanos permanecem em constante violação? Um mundo onde se continua a permitir a sobre-exploração dos recursos naturais, destruindo os equilíbrios ecológicos e a vida na nossa casa comum?

Neste canto, entalados entre a serra de Aire e o rio Almonda, no recato da nossa terra, tudo isto nos parece distante.

Vivemos aqui, quase tranquilamente aguardando agora que o Outono se anuncie nos ouriços dos castanheiros semeados pelo passeio da avenida. Sabemos que em breve provaremos os primeiros vinhos, do mosto que já ferve em muitas adegas particulares das aldeias do nosso concelho. Nesta serenidade outonal, a seguir virá a apanha da azeitona, o azeite novo regará os requentados e amassará, entre a erva doce e a canela, as merendeiras dos Santos.

Diríamos, face ao mundo, que somos felizes aqui.

Como talvez Cardílio tenha sido feliz com a sua Avita, tão longe que estava das conspirações que se teciam em Roma, capital do Império.

Mas olhemo-nos ao espelho, também aqui, em Torres Novas.

Ao nosso lado, na nossa rua, no nosso bairro, na nossa terra, há quem precise e muito, que não nos esqueçamos de como é ilusória esta aparente felicidade local. Não vê quem não quer que o mundo também dói deste lado da serra.

No momento em que celebra mais um aniversário, é tempo de escrever com justiça que o Jornal Torrejano tem sido um dos espelhos fundamentais para o confronto devido e necessário com a realidade do mundo da nossa terra. Que assim continue: agitando mansos confortos, que continue sendo um espelho límpido, desembaciado, recto e sem curvas convexas nem côncavas. Nós, leitores ou colunistas de ocasião, agradecemos a permanência e a coerência. Para que os outros não façam de nós, como diria o bom Manuel da Fonseca, cega ou estupidamente felizes.

 


Nota: é possível visualizar a entrevista completa de Carlos Cruz a Manuel da Fonseca no site da RTP Arquivos, nos seguintes links:

Parte 1: https://arquivos.rtp.pt/conteudos/manuel-da-fonseca-parte-i/

Parte2: https://arquivos.rtp.pt/conteudos/manuel-da-fonseca-parte-ii/

Parte 3: https://arquivos.rtp.pt/conteudos/manuel-da-fonseca-parte-iii/

 

 

 

 

 

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes »  2021-01-12  »  João Carlos Lopes

Foi paradigmático o facto de, aquando da confirmação (pela enésima vez) da intenção do Governo em avançar com o TGV Lisboa/Porto, as únicas críticas, reparos ou protestos de autarcas da região terem tido por base a habitual choraminga do “também queremos o comboio ao pé da porta”.
(ler mais...)


Peixoto - rui anastácio »  2021-01-10  »  Rui Anastácio

Há uns meses, em circunstâncias que não vêm ao caso, tive o prazer de privar com José Luís Peixoto e a sua mulher, Patrícia Pinto. Foram dias muito agradáveis em que fiquei a conhecer um pouco da pessoa que está por trás do escritor.
(ler mais...)


A Pilhagem - josé ricardo costa »  2021-01-10  »  José Ricardo Costa

Podemos dizer que um jogo de futebol sem público ou vida sem música é como um jardim sem flores. Não que um jardim sem flores deixe de ser um jardim. Acontece que, como no jogo de futebol, fica melhor se as tiver. Já se for uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, a comparação com o jardim sem flores não funciona, pela singela razão de que uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, sendo ainda sopa, sopa de feijão com couves não é de certeza.
(ler mais...)


DAR VOZ AO TRABALHO - josé mota pereira »  2021-01-10  »  José Mota Pereira

Entrados na terceira década do século XXI, o Mundo dos humanos permanece o lugar povoado das injustiças, da desigualdade e do domínio de uns sobre os outros. Não é a mudança dos calendários que nos muda a vida.
(ler mais...)


Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia »  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia

A sondagem da Aximage, para o DN/JN/TSF, referente ao mês de Dezembro, dá ao CDS uns miseráveis 0,3%. Os partidos também morrem e o CDS está moribundo. Teve um importante papel na transição à democracia e, também, na vida democrática institucionalizada.
(ler mais...)


Coltur… Quoltur… Coultur… Hábito - carlos paiva »  2021-01-10  »  Carlos Paiva

A arte pode dividir-se em dois grandes grupos. A arte comercial e a arte não comercial. A não comercial, por se reger pela criatividade, originalidade, inovação, profundidade, talento e virtuosismo, acaba por ser a produtora de matéria-prima para a arte comercial, regida essa pelas leis de mercado.
(ler mais...)


Resíduos urbanos - antónio gomes »  2021-01-10  »  António Gomes

O sector dos resíduos sólidos urbanos esteve recentemente na agenda mediática devido à revolta das populações que vivem perto dos aterros onde são depositados, pois assistem à constante degradação da sua qualidade de vida.
(ler mais...)


Como serás tu, 2021? - anabela santos »  2021-01-10  »  AnabelaSantos

 

O nosso maior desejo era fechar a porta a 2020 e abrir, com toda a esperança, a janela a 2021. E assim foi. Com música, alegria, festarola e fogo de artifício, tudo com peso e medida, pois havia regras a cumprir.
(ler mais...)


2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal »  2021-01-10  »  Inês Vidal

Finalmente 2021. Depois de um ano em que mais do que vivermos, fomos meros espectadores, fantoches num autêntico teatro de sombras, com passos e passeatas manipulados por entre margens e manobras de cordelinhos, chegámos a 2021. E chegámos, como em qualquer ano novo, com vontade de mudar, de fazer planos, resoluções que acabaremos por abandonar antes do Carnaval.
(ler mais...)


2020, um ano para esquecer? - jorge carreira maia »  2020-12-20  »  Jorge Carreira Maia

O ano de 2020 não foi fácil. A pandemia desestruturou os nossos hábitos e começou a desfazer a relação tradicional que tínhamos com a vida. Introduziu a incerteza nas decisões, o medo nos comportamentos, o afastamento entre pessoas.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-12-19  »  Inês Vidal Paul do Boquilobo - Inês Vidal
»  2021-01-12  »  João Carlos Lopes O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes
»  2020-12-20  »  Jorge Carreira Maia 2020, um ano para esquecer? - jorge carreira maia
»  2021-01-10  »  Inês Vidal 2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal
»  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia