• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 17 Janeiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 15° / 10°
Céu nublado com chuva moderada
Ter.
 14° / 2°
Céu muito nublado com chuva fraca
Seg.
 14° / 1°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  15° / 1°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

FUI LÁ ATRÁS, VOLTO JÁ - josé mota pereira

Opinião  »  2020-11-06  »  José Mota Pereira

"A experiência destas semanas sem smartphone revelou-me, enfim, o que já suspeitava"

Passados três meses da sua aquisição, o smartphone decidiu entregar a alma ao criador, pelo que o cronista teve que o substituir temporariamente, aguardando a devida recuperação do paciente tecnológico. Sendo a doença temporária e recuperável no prazo razoável de três semanas, decidiu o cronista investir a modesta quantia de cerca de vinte moedas de euros na aquisição de um aparelho telefónico portátil, a que dantes chamávamos telemóvel, para permitir o seu contacto com os outros humanos do Mundo. Surpreendentemente, tal aquisição, que poderia ser motivo de grandes desgostos, numa viagem do tempo ao ano 2000, tem revelado algumas coisas inesperadas que aqui e agora partilho.

O primeiro ah! de espanto foi dado ao abrir a caixa onde o telemóvel novinho em folha se encontrava embalado. Um ahhhh! exclamado ao verificar que o telemóvel era made in Europa, mais precisamente em... Aveiro, Portugal! Convencido que no rectângulo luso já pouco se produzia, desconhecia que em Portugal, em pleno ano de 2020, há quem se disponha a investir em conhecimento e tecnologia nacional num mundo altamente global, como o das tecnologias. Um telemóvel português? Sim, existe! Ok, sejamos sinceros, o modelo é muito básico, coisa simples e os nórdicos já fabricavam aparelhos parecidos há 20 anos. Mas, a verdade é que o meu novo telemóvel revelou que há em Portugal conhecimento, investidores e capacidade industrial de entrar nestes mercados tecnológicos. No combate entre Samsungs, Huaweys, Apples e afins, Portugal entra na competição global com a sua Inforlândia – sim, é este o patusco nome da fábrica aveirense.

Lido assim, é como se estivéssemos a entrar numa guerra mundial onde uns entram com mísseis atómicos e esta nação valente e imortal se apresentasse com bisnagas de água do Carnaval de Ovar. Mas não nos iludamos com aparências: o aparelho funciona bem, é eficaz, cumpre a sua função e o salto tecnológico a dar já tem o requisito principal. O aparelho reproduz capacidade técnica que coloca, pelo menos no mesmo patamar de conhecimento, um qualquer engenheiro William Grant (eu sabia que um dia ia usar uma marca de whisky numa crónica) da Apple com um engenheiro Fábio Ruben formado nas universidades portuguesas. Afirmar isto com orgulho não é patriotismo bacoco de fazer cantar o hino! É acreditar que a soberania num mundo globalizado também se defende na valorização do conhecimento e da produção nacional. Outros fatores (capital financeiro?) faltarão... mas serão fatalmente insuperáveis?

Outra grande vantagem do telemóvel que me tem acompanhado é de âmbito ecológico. Ao contrário do smartphone, que vê a bateria de lítio descarregar em grande velocidade, sujeitando-se a um desgaste permanente, este telemóvel tem uma bateria que é um verdadeiro descanso. A sua carga dura vários dias e quando precisa carrega muito rapidamente, com ganhos evidentes de poupança de energia elétrica, da própria bateria e em consequência dos minerais presentes na sua composição. Resultado: telemóvel 2 - smartphone, zero.

Finalmente e para concluir, a ausência do smartphone, fazendo-me recuar no tempo (no mínimo dez anos) tirou-me da palma das mãos o acesso permanente e constante às notificações recebidas por e-mail, às notificações das redes sociais, das aplicações de diversos jornais, das redes de contacto pessoal como o messenger ou o whatsapp. O acesso a quase todas estas “maravilhas” continuou a ser feito, mas a um ritmo mais lento, obrigando-me a deslocar para junto do computador (que mesmo sendo portátil, não cabe no bolso nem na palma da mão), cumprindo o ritual de abrir a caixa de e-mail apenas duas ou três vezes por dia, passei a ver muito menos notícias, obrigando-me a fazer escolhas e a selecionar apenas o que tenho interesse, mantendo-me razoavelmente informado sobre tudo o que se passa no Mundo.

Não defendo um regresso ao passado, recuso sempre o conservadorismo do “back to basics” e muito menos canto hinos aos bons velhos tempos ao jeito do saudoso Archie Bunker da mítica série televisiva “Uma família às direitas”. Mas, esta experiência destas semanas releva como é ilusório o frenesim tecnológico em que vivemos, dando-nos falsas aparências de sabermos mais, de estarmos mais informados e mais perto uns dos outros. A experiência destas semanas sem smartphone revelou-me, enfim, o que já suspeitava:

1. Andamos a trabalhar, produzir e a fazer muito mais pelo mesmo dinheiro.

2. O trabalho e as suas preocupações entram-nos a toda a hora pela casa dentro, sem limite de físico nem de horário, através do e-mail que se recebe, da mensagem que chega e para a qual estamos sempre disponíveis para responder com o aparelho sempre ligado na palma da mão;

3. Vivemos afogados em tralha informativa que não selecionamos, que nos cai em catadupa sem critério, deixando-nos sujeitos a todo o tipo de tropelias, meias verdades e mentiras que nos impingem, diminuindo o critério e o espírito crítico, geradores de uma acentuada acefalia social.

Entretanto, com tantas reflexões, ando inexplicavelmente “deserto” para voltar a ter o smartphone reparado na palma minha da mão. Na verdade, estranhamente ou não, o cronista, mesmo depois de tudo o que aqui escreveu, cede como qualquer mortal à tentação consumista, deixando as suas pulsões emocionais sobreporem-se às suas reflexões racionais. Afinal, nenhum de nós está imune às pulsões emocionais nas nossas decisões enquanto consumidores e a sociedade de mercado sabe e alimenta-se disso. Razão pela qual, talvez, a construção de um qualquer sistema social e económico alternativo ao capitalismo não possa ignorar (por mais que as suas análises teóricas estejam racionalmente corretas) as questões emocionais na determinação das opções individuais e colectivas do ser humano. Mas, essa é uma reflexão a que o cronista não se sente habilitado a desenvolver. Estou, por enquanto, mais preparado para mandar meros bitaites pelo Facebook e afins, quando um dia destes arrumar na sua caixinha o telemóvel fabricado em Aveiro e regressar de novo, com o smartphone na mão, ao agitado e pandemónico ano de 2020.

        

 

 

 Outras notícias - Opinião


O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes »  2021-01-12  »  João Carlos Lopes

Foi paradigmático o facto de, aquando da confirmação (pela enésima vez) da intenção do Governo em avançar com o TGV Lisboa/Porto, as únicas críticas, reparos ou protestos de autarcas da região terem tido por base a habitual choraminga do “também queremos o comboio ao pé da porta”.
(ler mais...)


Peixoto - rui anastácio »  2021-01-10  »  Rui Anastácio

Há uns meses, em circunstâncias que não vêm ao caso, tive o prazer de privar com José Luís Peixoto e a sua mulher, Patrícia Pinto. Foram dias muito agradáveis em que fiquei a conhecer um pouco da pessoa que está por trás do escritor.
(ler mais...)


A Pilhagem - josé ricardo costa »  2021-01-10  »  José Ricardo Costa

Podemos dizer que um jogo de futebol sem público ou vida sem música é como um jardim sem flores. Não que um jardim sem flores deixe de ser um jardim. Acontece que, como no jogo de futebol, fica melhor se as tiver. Já se for uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, a comparação com o jardim sem flores não funciona, pela singela razão de que uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, sendo ainda sopa, sopa de feijão com couves não é de certeza.
(ler mais...)


DAR VOZ AO TRABALHO - josé mota pereira »  2021-01-10  »  José Mota Pereira

Entrados na terceira década do século XXI, o Mundo dos humanos permanece o lugar povoado das injustiças, da desigualdade e do domínio de uns sobre os outros. Não é a mudança dos calendários que nos muda a vida.
(ler mais...)


Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia »  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia

A sondagem da Aximage, para o DN/JN/TSF, referente ao mês de Dezembro, dá ao CDS uns miseráveis 0,3%. Os partidos também morrem e o CDS está moribundo. Teve um importante papel na transição à democracia e, também, na vida democrática institucionalizada.
(ler mais...)


Coltur… Quoltur… Coultur… Hábito - carlos paiva »  2021-01-10  »  Carlos Paiva

A arte pode dividir-se em dois grandes grupos. A arte comercial e a arte não comercial. A não comercial, por se reger pela criatividade, originalidade, inovação, profundidade, talento e virtuosismo, acaba por ser a produtora de matéria-prima para a arte comercial, regida essa pelas leis de mercado.
(ler mais...)


Resíduos urbanos - antónio gomes »  2021-01-10  »  António Gomes

O sector dos resíduos sólidos urbanos esteve recentemente na agenda mediática devido à revolta das populações que vivem perto dos aterros onde são depositados, pois assistem à constante degradação da sua qualidade de vida.
(ler mais...)


Como serás tu, 2021? - anabela santos »  2021-01-10  »  AnabelaSantos

 

O nosso maior desejo era fechar a porta a 2020 e abrir, com toda a esperança, a janela a 2021. E assim foi. Com música, alegria, festarola e fogo de artifício, tudo com peso e medida, pois havia regras a cumprir.
(ler mais...)


2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal »  2021-01-10  »  Inês Vidal

Finalmente 2021. Depois de um ano em que mais do que vivermos, fomos meros espectadores, fantoches num autêntico teatro de sombras, com passos e passeatas manipulados por entre margens e manobras de cordelinhos, chegámos a 2021. E chegámos, como em qualquer ano novo, com vontade de mudar, de fazer planos, resoluções que acabaremos por abandonar antes do Carnaval.
(ler mais...)


2020, um ano para esquecer? - jorge carreira maia »  2020-12-20  »  Jorge Carreira Maia

O ano de 2020 não foi fácil. A pandemia desestruturou os nossos hábitos e começou a desfazer a relação tradicional que tínhamos com a vida. Introduziu a incerteza nas decisões, o medo nos comportamentos, o afastamento entre pessoas.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-12-19  »  Inês Vidal Paul do Boquilobo - Inês Vidal
»  2021-01-12  »  João Carlos Lopes O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes
»  2020-12-20  »  Jorge Carreira Maia 2020, um ano para esquecer? - jorge carreira maia
»  2021-01-10  »  Inês Vidal 2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal
»  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia