• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 07 Junho 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 25° / 12°
Períodos nublados
Ter.
 26° / 13°
Céu limpo
Seg.
 25° / 12°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  23° / 14°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

O Nhonhinhas

Opinião  »  2019-03-22  »  Miguel Sentieiro

A nonhinhisse como fenómeno social surgiu para nos pôr à prova. Entrou nas nossas vidas sem se dar por isso, mas percebemos o efeito corrosivo que tem no nosso bem estar. Um indivíduo coloca-se na fila de uma repartição comercial. Tem a senha 47 na mão e vê no ecrã que vai na 43. “é rápido” pensa. Ao fim de uma hora é recebido pelo tipo que lhe pergunta: “Tem aí a senha? Mostre e Espete aqui no prego!”. Quando sentimos o alívio pela espera terminar, somos recebidos por um contundente “Espete aqui no prego...?...”. E é aqui que surge o fiel seguidor do movimento da nhonhisse: o nhonhinhas. Estaríamos prestes a resolver o nosso assunto de forma célere, apenas queríamos uma informação, mas o nhonhinhas trata logo de nos dizer que não será nada fácil. Só com o impresso 78, com assinatura reconhecida, com a aprovação do chefe que por acaso é um bocadinho exigente nessas coisas, ou seja, as possibilidades de esclarecimento da nossa dúvida, estão ao nível da resolução do conflito na Venezuela. O nhonhinhas não facilita; o nhonhinhas cria obstáculos. Percebemos que sem esse entrave do outro lado do balcão, teríamos sido recebidos meia hora antes. O nhonhinhas é portador de uma competência que visa aleijar... devagarinho. Há quem confunda o nhonhinhas com o chato. Mas o chato só chateia, o nhonhinhas escarafuncha de forma ardilosa até magoar. É disso que se alimenta o seu ego. Mas quem é de facto um potencial nhonhinhas? Percebe-se que teve uma difícil adolescência, onde imperou uma clara falta de reconhecimento social. O último a ser escolhido para as equipas de futebol, o primeiro a abrir a porta à professora de matemática. O nhonhinhas teve o mérito de não se deixar abater perante a incompreensão dos outros quando gritavam“Ó graxista!”, depois dele levar todos os dias a pasta da professora no final da aula e de lhe oferecer caixas de chocolates no Natal. Fez do estudo a sua melhor ferramenta. Ai é assim? Então já vão ver! O nhonhinhas agarrou-se aos livros, estudou para singrar e lhe permitir ter algum poder para escaranfunchar e magoar um bocadinho aqueles que não reconheceram as suas virtudes. No entanto o nhonhinhas não singrou bem o que queria; ficou ali a meio caminho. Um pouco como a bactéria da legionela que se desenvolve na humidade da canalização entre a caldeira e o chuveiro. O nhonhinhas situa-se entre a chefia a sério e os utilizadores dos seus serviços. A caldeira lança a água quentinha e a bactéria trata de se introduzir nela para cair em cima do couro cabeludo do utente e fazer-lhe a vida negra. O nhonhinhas convive bem com essa tarefa: lambe o traseiro da chefia; e usa o traseiro do utente para aplicar as suas bactérias. Sente-se ligeiramente subjugado e bastante subjugador. O nhonhinhas aspira a liderar a sério, mas falta-lhe carisma, humanismo, competência social. Mas lida bem com a sua quota parte do poder que se exterioriza na capacidade de conseguir ver a sua vítima a esbracejar e a ficar com vontade de lhe dar dois estalos. Mas o nhonhinhas sabe que não tem cara para levar 2 estalos; sente-se protegido. Usufrui de forma prazerosa do insucesso dos outros. No seu percurso de formação de personalidade, o nhonhinhas aglutina uma série de características bem vincadas, onde a cobiça assume um papel de relevo. Cresceu no meio do sucesso dos outros, facto que, na sua cabeça, aumentava a sua sensação de insucesso. Ainda não digeriu o facto da espampanante Jéssica, a sua paixão platónica com a qual nunca trocou uma palavra, ter sido apanhada enrolada com o Sandro atrás do campo da bola. Ai é assim ó Jessica?...
A proliferação de nhonhinhas está a ser feita em todos os sectores da sociedade, sejam funcionários de repartições, políticos, médicos, professores, juízes, polícias, enfermeiros, taxistas, empregados de restaurantes e até canalizadores (ai queres tubos em aço inoxidável?...então toma lá estes em pvc q’é p’ra aprenderes não te armares em Sandro!). Já existem casos de nhonhinhas que conseguiram subir pelas paredes da canalização até aos cargos do poder mais a sério e conseguiram espalhar de forma mais contundente a Nhonhisse. Podem ser nhonhões com todos os outros nhonhinhas que se encontram a meio caminho e destilar nhonhisse sem controlo, à grande.
Urge tomar medidas profilácticas no combate ao nhonhismo desde tenra idade. Como professor de Educação Física, sinto que tenho obrigações acrescidas nesse campo. Na última aula de Futebol, fui eu que fiz as equipas para evitar o embaraço de existir uma última escolha e com ela o nascimento de potenciais nhonhinhas. Quando distribuía coletes pelas equipas, ouvi um aluno dizer para o outro: Ó pá, tu vais para a baliza e é já!... Quando me virei para tentar resolver a questão, pareceu-me ouvir o guarda-redes forçado, vociferar entre dentes : Ai é assim?... Então já vais ver...

 

 

 Outras notícias - Opinião


Serviço público »  2020-05-27  »  Jorge Carreira Maia

Há acontecimentos que têm um efeito revelador da natureza de certas posições políticas. A actual pandemia é um desses casos. O que teria acontecido aos portugueses se o país tivesse seguido aquilo que certos grupos sociais e políticos advogam relativamente à privatização da saúde e da educação? Esta pergunta deveria assombrar, como se fora um fantasma, cada um de nós.
(ler mais...)


Uma oportunidade aos mercados locais - antónio gomes »  2020-05-26  »  António Gomes

A actual situação de pandemia veio alterar em muitos aspectos o nosso modo de vida, na escola, no trabalho, na ocupação do tempo, no relacionamento social, nas compras, etc.
Vamos esperar que o combate ao corona vírus tenha sucesso e que voltemos a uma certa normalidade.
(ler mais...)


Agora era a cores - joão carlos lopes »  2020-05-25  »  João Carlos Lopes

A tabacaria Central era uma grande casa, três andares com centenas de produtos: papeis, livros, canetas, brinquedos, jogos, carrinhos de miniatura, um nunca mais acabar de coisas que nos enchiam os olhos em tantas salas, escadarias e corredores forrados de novidades.
(ler mais...)


NÃO DEIXEMOS CONFINAR A LIBERDADE! - josé alves pereira »  2020-05-25  »  José Alves Pereira


Em política, os homens foram sempre e serão sempre ingenuamente enganados pelos outros e por si próprios, enquanto não aprenderem a discernir, por detrás das frases, das declarações e das promessas morais, religiosas, políticas e sociais, os interesses destas ou daquelas classes.
(ler mais...)


FOTO (QUASE COMO O CINEMA) PARAÍSO - josé mota pereira »  2020-05-25  »  José Mota Pereira

A notícia surgiu pelo facebook.
Cumprindo o ciclo da vida, noticiou-se o encerramento da Fotocor. Quem é de Torres Novas, sabe do que falo. Em Torres Novas, toda a gente conhece a Fotocor. Porque a Fotocor foi mais que um estabelecimento comercial.
(ler mais...)


Sinais de Fogo - rui anastácio »  2020-05-25  »  Rui Anastácio

Por vezes, penso que Portugal é uma obra-prima inacabada, tal como o romance “Sinais de Fogo”, de Jorge de Sena.
Portugal é um país maravilhoso com um povo também, razoavelmente maravilhoso. Um povo com uma enorme sabedoria, mas desconfiado e invejoso por natureza.
(ler mais...)


A Igreja e a pandemia em Portugal »  2020-05-09  »  Jorge Carreira Maia

Em todo o processo ligado à pandemia provocada pelo coronavírus, a Igreja Católica em geral, e a portuguesa em particular, teve uma atitude que merece louvor. A Igreja portuguesa, e é nela que centro este artigo, mostrou que não é apenas uma instituição guardiã da fé e tradição apostólicas, mas ainda um factor de razoabilidade dos comportamentos sociais, exercendo uma influência muito importante na atitude de muitos portugueses, o que ajudou a minimizar os efeitos da pandemia.
(ler mais...)


Pela janela, por Inês Vidal »  2020-05-09  »  Inês Vidal

Comprei um bilhete de avião para ir visitar o meu primo João, que está na Suécia, por alturas do casamento dele, em Abril. Crescemos juntos, apesar da diferença de idades. Queria dar-lhe um abraço, desejar-lhe que fosse feliz - comigo aqui relativamente perto, de preferência - ao mesmo tempo que nos perguntaria como é que era possível estarmos ali, se ainda no outro dia andei com ele ao colo.
(ler mais...)


2 beijos »  2020-05-09  »  Rui Anastácio

Peúgas escuras, peúgas brancas, peúgas escuras. Um beijo, 2 beijos, um beijo vs 2 beijos.
Tinha três anos no dia 25 de Abril de 1974.

Sou um amante da liberdade e um amante incondicional da liberdade de expressão.
(ler mais...)


25 de Abril Nunca Mais! »  2020-05-09  »  José Ricardo Costa

Sempre que o calendário faz regressar o 25 de Abril, é também o clássico “25 de Abril sempre!” que regressa. A frase é bonita e voluntariosa mas tem um problema: não dá que o 25 de Abril seja para sempre.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-05-09  »  Rui Anastácio 2 beijos
»  2020-05-25  »  João Carlos Lopes Agora era a cores - joão carlos lopes
»  2020-05-09  »  Inês Vidal Pela janela, por Inês Vidal
»  2020-05-09  »  Jorge Carreira Maia A Igreja e a pandemia em Portugal
»  2020-05-27  »  Jorge Carreira Maia Serviço público