• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quarta, 14 Abril 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sáb.
 22° / 10°
Céu limpo
Sex.
 23° / 12°
Períodos nublados com chuva fraca
Qui.
 22° / 14°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  21° / 12°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Houston, we have a problem - carlos paiva

Opinião  »  2020-12-06  »  Carlos Paiva

"Conduzir de forma competente e eficaz esta ambulância não é de facto para totós"

Há mais de 50 anos, esta civilização, a nossa civilização, foi e veio à lua sem problemas de maior, num foguete cujo sistema de navegação assistido por “computador” tinha pouco mais de 72Kb de memória. Depois dessa, houve mais cinco viagens tripuladas e várias não tripuladas. Já somam tantas que se pode dizer que é “normal” os americanos irem à lua. Dizem os entendidos que o diferencial de desenvolvimento entre Portugal e EUA oscila entre 20 e 50 anos. A ser verdadeiro, por esta altura deveríamos estar em condições, tecnológicas pelo menos, de igualar a façanha de 1969. Mas não. Em 2020 e ciente da minha escala, não exijo ir à lua. Mas há mínimos, que raio.

Por uma impossibilidade qualquer que me escapa, o nosso nível tecnológico deslumbra com circulação em autoestradas com via verde, instituições paper free, células fotovoltaicas revolucionárias, transplante de órgãos, mas continuamos perfeitamente incapazes de nivelar tampas de esgoto com o pavimento. É um mistério. Olhando a coisa pela positiva, aparentemente somos mesmo bons a criar obstáculos. Uma habilidade nata que vem apimentar a vida quotidiana, porque isso do “normal” é para totós.
Se acham que estou a brincar, pensem um bocadinho e, por favor, indiquem-me o caminho mais curto entre a cidade e o hospital que a serve, sem lombas transversais. De um ponto aleatório na cidade, tipo… a escola Maria Lamas, por exemplo. Imaginem que um fulano se aleija e precisa de ser levado ao hospital. Imaginem que é um problema na coluna vertebral. Imaginem ainda, com grande esforço, que o hospital tem serviço de urgências. Conduzir de forma competente e eficaz esta ambulância não é de facto para totós. Em tempos fui transportado de casa para o hospital com uma cólica renal e não desejo a experiência a ninguém. Excepto ao idiota que cercou uma unidade hospitalar com lombas transversais. Não duvido que trouxe benefícios a alguém, à população, não.

Constata-se que o conceito de “normal” varia muito e, a maior parte das vezes, é difuso. Depende. Por exemplo, ter a judite a vasculhar a nossa casa, é normal. É tão normal que nem vale a pena mencionar o facto aos restantes familiares. A esposa vai casualmente à cozinha fazer um cafezinho e depara-se com… “Bom dia senhor inspector, como está a esposa? O Manelito sempre entrou para a universidade? Não? Isto é tudo padrinhos e cunhas, coitado do puto. Por acaso não mandou fazer umas lombas transversais na rua do reitor? Não? Ora aí está. Filhos da mãe corruptos. Essa gente merecia ser levada para a serra, fechá-los num curral e mandar a chave às urtigas”.

Numa terapia para aquisição de responsabilidade, é normal, atribuir inicialmente ao paciente responsabilidades simples, básicas, como cuidar de um ovo durante um período estipulado de tempo. O paciente deve andar rigorosamente sempre com ele e regressar na sessão seguinte com o ovo intacto. Mesmo com o pavimento com buracos, tampas de esgoto desniveladas e lombas transversais. Ao ter todos os cuidados para não o quebrar durante uns dias, o paciente aprende ser responsável por algo, preocupar-se com alguma coisa além de si próprio. Caso seja bem-sucedido, o passo seguinte é algo vivo. Cuidar de uma planta, não a deixar morrer. Nessa fase da terapia, cuidar de plantas, ficou sobejamente claro o empenho e desempenho do paciente. Regressem ao ovo.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Empréstimo »  2021-04-13  »  Hélder Dias

Sombra suspeita »  2021-04-13  »  Hélder Dias

Os 2,36 euros extra…ordinários - miguel sentieiro »  2021-04-10  »  Miguel Sentieiro

Num momento em que o sentimento generalizado sobre os chineses é de alguma desconfiança, preparo-me aqui para contrapor e dar uma oportunidade aos tipos. Eu sei que nos foram mandando com a peste bubónica, a gripe asiática, a gripe das aves, o corona vírus.
(ler mais...)


#torresnovas@weshallover.com - josé ricardo costa »  2021-04-10  »  José Ricardo Costa

É muito bom viver em Torres Novas mas também se sente o peso de estar longe do que de verdadeiramente moderno se passa no mundo, enfim, nada de #Me Too, Je suis Charlie Hebdo, vetustas estátuas transformadas em anúncios da Benetton.
(ler mais...)


Rever a revisão, já! - josé mota pereira »  2021-04-10  »  José Mota Pereira

 

 Recuemos no tempo. Entremos numa máquina do tempo e cliquemos no botão que nos leve até ao ano de 2001. Recordemos vagamente que em 2001:

 - Caíram as Torres Gémeas em Nova Yorque em 11 setembro.
(ler mais...)


Na era do ad hominem - jorge carreira maia »  2021-04-10  »  Jorge Carreira Maia

Quando a internet surgiu e, posteriormente, com a emergência dos blogues e redes sociais pensou-se que a esfera pública tinha encontrado uma fonte de renovação. Mais pessoas poderiam trocar opiniões sobre os problemas que afectam a vida comum, sem estarem controladas pelos diversos poderes, contribuindo para uma crescente participação, racionalmente educada, nos assuntos públicos.
(ler mais...)


Equilíbrio - inês vidal »  2021-04-10 

É e sempre foi uma questão de equilíbrio. Tudo. E todos o sabemos. O difícil é chegar lá, encontrá-lo, ter a racionalidade e o bom senso suficientes para o ter e para o ser. E para saber que o equilíbrio de hoje não é obrigatoriamente o de amanhã, muito menos o que era ontem.
(ler mais...)


As árvores morrem de qualquer maneira e feitio - carlos paiva »  2021-04-10  »  Carlos Paiva

Comemorou-se a 21 de Março o dia da floresta. O Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) resolveu assinalar a data disponibilizando 50.000 árvores gratuitamente à população. Quem as quisesse plantar, teria de se identificar, inscrever, levantar a árvore (até um máximo de dez árvores por pessoa) e, num prazo de 48 horas, declarar o local onde plantou documentando com fotos.
(ler mais...)


Rejuvenescimento político - anabela santos »  2021-04-10  »  AnabelaSantos

Hoje, como acontece diariamente, no caminho de casa até à escola, lá se deu o habitual encontro matinal entre mim e o Ananias, o meu amigo ardina. Trocámos algumas palavras, comprei o jornal e seguimos por caminhos opostos que nos levam à nossa missão do dia, o trabalho.
(ler mais...)


O CRIT já não é de todos os torrejanos - joão carlos lopes »  2021-04-08  »  João Carlos Lopes

Durante décadas, todos os torrejanos ajudaram no que puderam o CRIT, uma obra social que granjeou a estima de todos os cidadãos e empresários, e foram muitos, que sempre disseram sim a todas e quaisquer formas de ajuda em prol da aventura iniciada em 1975.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-04-08  »  João Carlos Lopes O CRIT já não é de todos os torrejanos - joão carlos lopes
»  2021-03-23  »  João Carlos Lopes Peixes e pombos ou a civilização a andar para trás - joão carlos lopes
»  2021-03-20  »  José Ricardo Costa A Rosa do Nome - josé ricardo costa
»  2021-03-20  »  Jorge Carreira Maia A arte do possível - jorge carreira maia
»  2021-04-10  »  Miguel Sentieiro Os 2,36 euros extra…ordinários - miguel sentieiro