• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Terça, 28 Maio 2024    •      Directora: Inês Vidal; Director-adjunto: João Carlos Lopes    •      Estatuto Editorial    •      História do JT
   Pesquisar...
Sex.
 37° / 18°
Céu limpo
Qui.
 34° / 15°
Céu limpo
Qua.
 31° / 14°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  31° / 13°
Períodos nublados
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Goodbye Marx - josé ricardo costa

Opinião  »  2023-11-21  »  José Ricardo Costa

"CRÓNICA DE VIAGENS"

Apesar da sua grande importância durante o Império Romano, do qual há muitos vestígios, ou a Idade Média, Trier é hoje apenas uma simpática cidade da Renânia-Palatinado, bem encostadinha ao Luxemburgo. Banhada pelo rio Mosel, que segue o seu caminho até se juntar ao Reno, ali perto, em Coblenz, rodeada por altaneiros castelos, vendo-se ainda aconchegada por vinhedos dispostos em socalcos quase verticais – a lembrar o Douro - que nos oferecem excelentes Riesling que contribuem para a nossa felicidade em quentes noites de Verão.

O centro da cidade é muito Mitteleuropa. Deambula-se por ali como por Cracóvia, Poznan, Viena ou Bratislava, ruas limpas e bem ordenadas, casas antigas coloridas e tão bem conservadas como se acabadas de construir, não faltando edifícios de grande relevância histórica, sendo a romana Porta Nigra o mais imponente. E é próximo desta que vou dar com uma imponente estátua, cinco metros de Karl Marx diante dos meus olhos, motivo suficiente para beliscar o braço para lembrar que não se está em Tirana, Bucareste ou Karl Marx Stadt durante os anos 80 do século passado.

Sabia há muito que foi nesta cidade alemã que o autor de O Manifesto Comunista abriu os olhos pela primeira vez, ainda muito antes de contribuir para, sem querer, fechá-los a muita gente. Mas daí a apanhar com aquele colosso pela frente vai um grande passo. Soube então que fora inaugurada meses antes, uma oferta da República Popular da China para comemorar os 200 anos da abertura daquele par de olhos que assistiram a um século de grandes convulsões sociais e políticas.

Foi estranha a sensação de ver aquela enorme estátua em vez de uma simples placa evocativa, ou um busto como o que está no belíssimo cemitério de Highgate, no bucólico norte de Londres, onde Marx repousa junto de alguns familiares, habituados que estávamos a ver este tipo de estátua em países ditatoriais, de partido único, com temíveis polícias políticas, como era o caso da RDA, ali bem perto.

Mas se primeiro se estranha, depois entranha-se. E foi Nietzsche, com as suas célebres metamorfoses do espírito, que me ajudou a entranhar. Primeiro o camelo, atravessando o deserto com o seu pesado fardo, metáfora do espírito submisso e obediente. Foi o que aconteceu aos povos sob os regimes comunistas. Depois vem o leão que se revolta, substituindo o "Tu deves" por um "Eu quero". O que aconteceu quando o derrubaram. Por fim, a criança que na sua inocência e inconsciência já está para lá de tudo isso, transformando o peso em leveza. Percebe-se, pois, a naturalidade com que uma democracia liberal aceita aquela majestática estátua em Trier. Tal acontece porque não se trata de uma Alemanha traumatizada a precisar de matar um pai como aconteceu noutros países, tendo antes o nazismo como mancha histórica que precisou de renegar. Olha-se para aqueles cinco metros e em vez de um pai, de um ídolo, de uma ideia, de um farol, de um deus como aconteceria também com Lenine ou Estaline, o que hoje se vê é apenas uma marca histórica como a Porta Nigra, a Catedral, a Igreja de Nossa Senhora ou as Termas Romanas.

Marca que ainda me permitiu ver, no Museu da Cidade uma excelentemente montada exposição sobre o filósofo e economista, como se fosse sobre Thomas More em Londres, Maquiavel em Florença ou Richelieu em Paris. Tudo gente importante, pelas ideias ou acções mas apenas isso, gente que foi importante pelas ideias ou acções.

E gosto da ideia de poder olhar para a história através do que já não são mais do que indolores cicatrizes do que foram terríveis feridas. Tem o dr. Reich razão quando diz que não devemos erguer estátuas que não possam ser derrubadas. Mas não me parece mal erguer estátuas de alguém que apenas pensou e escreveu, e cujas ideias já não são invocadas para oprimir povos. Não gosto da estátua, mas apenas por razões estéticas. E é nessas águas que gosto de navegar, sobretudo quando protegidas de ideologias.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Gerações de traidores - acácio gouveia »  2024-05-25  »  Acácio Gouveia

“Antigamente, quando o vale do Kusun estava coberto de floresta, havia ali muitas martas-zibelinas. Agora é desértico.”

Vladimir Arseniev in ´Dersu Uzala

 As acções dos jovens activistas que protestam contra as alterações climatéricas estão na ordem do dia.
(ler mais...)


Renova, que queres tu? - antónio gomes »  2024-05-25  »  António Gomes

Mais um ‘Dia da Espiga’, mais um dia de convívio na nascente do rio Almonda, mais um dia de intimidação e prepotência perpetrados pela empresa Renova.

O Ministério Público acabou de arquivar os processos movidos contra 12 cidadãos que o ano passado tiveram a “desfaçatez” de ir assinalar o Dia da Espiga, exactamente no mesmo local onde gerações anteriores sempre o fizeram.
(ler mais...)


Reflexões sobre a posse da água - antónio mário santos »  2024-05-25  »  António Mário Santos

 

Passadas as comemorações do 50.º Aniversário do 25 de Abril, sobreveio a festa pagã da enunciação da Primavera, que a religião cristã transformou na 5ª feira da Ascensão de Cristo ao céu que é, nas cidades e vilas urbanas de significativo peso rural, feriado municipal.
(ler mais...)


O desafio à ordem liberal - jorge carreira maia »  2024-05-25  »  Jorge Carreira Maia

Assistimos, nos dias de hoje, ao maior desafio que, desde o fim da Segunda Guerra Mundial, foi colocado à cosmovisão liberal. Esta visão do mundo não diz respeito apenas à economia. Ela é, fundamentalmente, uma perspectiva assente nos direitos individuais e em regimes pluralistas.
(ler mais...)


Todos os Nomes - josé ricardo costa »  2024-05-25  »  José Ricardo Costa

O tamanho importa? Bom, se nalguns campos as opiniões se dividem, outros há que são consensuais, como o tamanho dos nomes de pessoas. Importa, sim, desde logo na Roma Antiga: enquanto um homem podia ter três nomes, a mulher só tinha direito a um, ainda por cima variante do nome do pai (Hortênsia seria filha de Hortensius).
(ler mais...)


Insana Casa… »  2024-05-06  »  Hélder Dias

25 de Abril e 25 de Novembro - jorge carreira maia »  2024-05-05  »  Jorge Carreira Maia

Por que razão a França só comemora o 14 de Julho, o início da Revolução Francesa, e não o 27 ou 28 de Julho? O que aconteceu a 27 ou 28 de Julho de tão importante? A 27 de Julho de 1794, Maximilien Robespierre foi preso e a 28, sem julgamento, foi executado.
(ler mais...)


O miúdo vai à frente »  2024-04-25  »  Hélder Dias

Família tradicional e luta do bem contra o mal - jorge carreira maia »  2024-04-24  »  Jorge Carreira Maia

A publicação do livro Identidade e Família – Entre a Consistência da Tradição e os Desafios da Modernidade, apresentado por Passos Coelho, gerou uma inusitada efervescência, o que foi uma vitória para os organizadores desta obra colectiva.
(ler mais...)


Caminho de Abril - maria augusta torcato »  2024-04-22  »  Maria Augusta Torcato

Olho para o meu caminho e fico contente. Acho mesmo que fiz o caminho de Abril. O caminho que Abril representa. No entanto, a realidade atual e os desafios diários levam-me a desejar muito que este caminho não seja esquecido, não por querer que ele se repita, mas para não nos darmos conta, quase sem tempo de manteiga nos dentes, que estamos, outra vez, lá muito atrás e há que fazer de novo o caminho com tudo o que isso implica e que hoje seria incompreensível e inaceitável.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2024-05-06  »  Hélder Dias Insana Casa…
»  2024-05-05  »  Jorge Carreira Maia 25 de Abril e 25 de Novembro - jorge carreira maia
»  2024-05-25  »  José Ricardo Costa Todos os Nomes - josé ricardo costa
»  2024-05-25  »  Acácio Gouveia Gerações de traidores - acácio gouveia
»  2024-05-25  »  Jorge Carreira Maia O desafio à ordem liberal - jorge carreira maia