• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sexta, 19 Abril 2024    •      Directora: Inês Vidal; Director-adjunto: João Carlos Lopes    •      Estatuto Editorial    •      História do JT
   Pesquisar...
Seg.
 26° / 11°
Céu limpo
Dom.
 26° / 12°
Períodos nublados com chuva fraca
Sáb.
 24° / 13°
Céu nublado com aguaceiros e trovoadas
Torres Novas
Hoje  26° / 13°
Períodos nublados com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

DERROTAR (DE NOVO) HYNKEL - josé mota pereira

Opinião  »  2024-01-09  »  José Mota Pereira

Em 1977 o dia de Natal ficou marcado pelo desaparecimento físico de Charles Chaplin, actor e realizador, que no cinema criou o inesquecível Charlot.

A História regista que alguns anos antes, no final de 1973 (fez agora 50 anos) o Cineclube de Torres Novas realizou uma exposição sobre a vida e a obra do cineasta, merecendo realce o postal que o próprio Charles Chaplin enviou para o torrejano José Ribeiro Sineiro. Dessa exposição fica para a história o registo das imagens da RTP que a estação disponibiliza no seu arquivo on line. 1

Hoje, pouco se fala de Charles Chaplin. Estranhamente (ou talvez por isso), porque filmes como “Tempos Modernos”, “Luzes da Ribalta” ou “O Grande Ditador” são hinos intemporais da humanidade e as questões abordadas estão muito longe, de se confinar aos longínquos anos da vida de Charles Chaplin. Infelizmente na segunda década do século XXI os filmes de Charles Chaplin estão “convenientemente” guardados nas prateleiras esquecidas do fundo dos arquivos. Ainda mal.

Para quem conhece a obra de Chaplin, por pouco que seja, é quase impossível que em reflexo com a atualidade não se transporte para a história de “O Grande Ditador”. O filme conta a história de um pobre barbeiro judeu que após ser preso e perseguido, toma o lugar do paranoico ditador Adenoid Hynkel (uma sátira notável a Hitler) para proferir no final do filme, um manifesto pela paz e pela liberdade. O filme “O Grande Ditador” é de 1940, foi filmado em segredo, quando a Europa e o Mundo viviam sob o manto de uma Guerra Mundial promovida pelo Nazismo e pelo Fascismo.

Lembramos “O Grande Ditador” porque a memória viva é uma das estacas da liberdade. Aqueles que a destroem sabem-no. As ameaças de hoje à paz e à liberdade não são manifestamente exageradas. São tantos os sinais dessa nuvem que está a engrossar, que um dia ela há-de mesmo desfazer-se sobre nós numa grande tempestade.


Se fosse possível fazer em 2023/2024 um remake de “O Grande Ditador”, por certo que Adenoid Hynkel não teria um bigode ridículo nem traria farda militar. O moderno Hynkel vestiria fatos de corte elegante e os discursos empolgantes na rádio seriam substituídos por “lives” no youtube, prometendo aos jovens o regresso da ordem como nos bons velhos tempos que nunca existiram. Percebe-se que, como no filme de Chaplin em 1940, seria difícil distinguir a realidade da ficção.

Os tempos sombrios de agora não estão para experiências e aventuras. A todos se exige compromisso. A desumanidade organizada pode, deve e tem que ser derrotada. Nem que seja sorrindo, aquele sorriso único, que Chaplin nos deu na crítica ao capitalismo e no combate ao fascismo e ao nazismo. As forças da desumanidade não suportam, nunca suportaram, sorrisos.

 

 

 

1 https://arquivos.rtp.pt/conteudos/exposicao-sobre-charles-chaplin/

 

 

 Outras notícias - Opinião


As eleições e o triunfo do pensamento mágico - jorge carreira maia »  2024-04-10  »  Jorge Carreira Maia

Existe, em Portugal, uma franja pequena do eleitorado que quer, deliberadamente, destruir a democracia, não suporta os regimes liberais, sonha com o retorno ao autoritarismo. Ao votar Chega, fá-lo racionalmente. Contudo, a explosão do eleitorado do partido de André Ventura não se explica por esse tipo de eleitores.
(ler mais...)


Eleições "livres"... »  2024-03-18  »  Hélder Dias

Este é o meu único mundo! - antónio mário santos »  2024-03-08  »  António Mário Santos

Comentava João Carlos Lopes , no último Jornal Torrejano, de 16 de Fevereiro, sob o título Este Mundo e o Outro, partindo, quer do pessimismo nostálgico do Jorge Carreira Maia (Este não é o meu mundo), quer da importância da memória, em Maria Augusta Torcato, para resistir «à névoa que provoca o esquecimento e cegueira», quer «na militância política e cívica sempre empenhada», da minha autoria, num país do salve-se quem puder e do deixa andar, sempre à espera dum messias que resolva, por qualquer gesto milagreiro, a sua raiva abafada de nunca ser outra coisa que a imagem crónica de pobreza.
(ler mais...)


Plantação intensiva: do corte à escovinha e tudo em fila aos horizontes metalificados - maria augusta torcato »  2024-03-08  »  Maria Augusta Torcato

Não sei se por causa das minhas origens ou simplesmente da minha natureza, há em mim algo, muito forte, que me liga a árvores, a plantas, a flores, a animais, a espaços verdes ou amarelos e amplos ou exíguos, a serras mais ou menos elevadas, de onde as neblinas se descolam e evolam pelos céus, a pedras, pequenas ou pedregulhos, espalhadas ou juntinhas e a regatos e fontes que jorram espontaneamente.
(ler mais...)


A crise das democracias liberais - jorge carreira maia »  2024-03-08  »  Jorge Carreira Maia

A crise das democracias liberais, que tanto e a tantos atormenta, pode residir num conflito entre a natureza humana e o regime democrático-liberal. Num livro de 2008, Democratic Authority – a philosophical framework, o filósofo David.
(ler mais...)


A carne e os ossos - pedro borges ferreira »  2024-03-08  »  Pedro Ferreira

Existe um paternalismo naqueles que desenvolvem uma compreensão do mundo extensiva que muitas vezes não lhes permite ver os outros, quiçá a si próprios, como realmente são. A opinião pública tem sido marcada por reflexões sobre a falta de memória histórica como justificação do novo mundo intolerante que está para vir, adivinho eu, devido à intenção de voto que se espera no CHEGA.
(ler mais...)


O Flautista de Hamelin... »  2024-02-28  »  Hélder Dias

Este mundo e o outro - joão carlos lopes »  2024-02-22 

Escreve Jorge Carreira Maia, nesta edição, ter a certeza de que este mundo já não é o seu e que o mundo a que chamou seu acabou. “Não sei bem qual foi a hora em que as coisas mudaram, em que a megera da História me deixou para trás”, vai ele dizendo na suas palavras sempre lúcidas e brilhantes, concluindo que “vivemos já num mundo tenebroso, onde os clowns ainda não estão no poder, mas este já espera por eles, para que a História satisfaça a sua insaciável sede de sangue e miséria”.
(ler mais...)


2032: a redenção do Planeta - jorge cordeiro simões »  2024-02-22  »  Jorge Cordeiro Simões

 

 


O dia 5 de Fevereiro de 2032, em que o Francisco Falcão fez 82 anos - aos quais nunca julgara ir chegar -, nasceu ainda mais frio do que os anteriores e este Inverno parecia ser nisso ainda pior que os que o antecederam, o que contribuiu para que cada vez com mais frequência ele se fosse deixando ficar na cama até mais tarde e neste dia festivo só de lá iria sair depois do meio-dia.
(ler mais...)


Avivar a memória - antónio gomes »  2024-02-22  »  António Gomes

Há dias atrás, no âmbito da pré-campanha eleitoral, visitei o lugar onde passei a maior parte da minha vida (47 anos), as oficinas da CP no Entroncamento.

Não que tivesse saudades, mas o espaço, o cheiro e acima de tudo a oportunidade de rever alguns companheiros que ainda por lá se encontram, que ainda lá continuam a vender a sua força de trabalho, foi uma boa recompensa.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2024-04-10  »  Jorge Carreira Maia As eleições e o triunfo do pensamento mágico - jorge carreira maia