• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quarta, 27 Outubro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sáb.
 21° / 16°
Céu muito nublado com chuva moderada
Sex.
 18° / 16°
Céu muito nublado com chuva moderada
Qui.
 25° / 10°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  26° / 12°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Maria de Lourdes - inês vidal

Opinião  »  2021-07-17  »  Inês Vidal

"O vinho é, agora, glamour, gera clãs, clubs, confrarias. É mote que move seguidores, apreciadores que o coleccionam, é tema de conversas de horas dentro, o centro de tantas reuniões."

Há uns anos, quando passeava pela vila de Riachos visitando aquelas ruas engalanadas a propósito da festa Bênção do Gado, deparei-me com uma realidade que na altura me levou, inclusive, a escrever um texto nestas páginas. A forma como, ao recuperar quadros da realidade diária camponesa ribatejana, se denotava uma certa normalidade ao pintar a figura do “bêbedo”... Aquela aceitação da bebedeira nos homens inquietou-me. Não vejo beleza na bebedeira levada ao limite e essa era uma constante naquelas representações.

Nos dias que correm, a figura do bêbedo continua a existir, mas acabou por perder essa aceitação social, por ser posto de parte, ostracizado até.

Mudam as mentalidades, mas o vinho continua a existir, cada vez mais e melhor. O que se alterou foi apenas a forma de o olhar. O vinho tem vindo a generalizar-se, a tornar-se universal, a chegar a muitos mais, não apenas como uma bebida meramente alcoólica, mas como uma forma de estar na vida, algo que antes cabia apenas a uma franja de privilegiados. O vinho é, agora, glamour, gera clãs, clubs, confrarias. É mote que move seguidores, apreciadores que o coleccionam, é tema de conversas de horas dentro, o centro de tantas reuniões. À volta de um copo de vinho contam-se histórias e fazem-se amigos.

Eu, pessoalmente, não sou conhecedora ou entendedora de vinho. Não pego no copo com ar entendido, não o cheiro ou giro, não o observo tentando analisar texturas, cores, ou seja lá o que for que pretendem observar quando o agitam no ar. Não. Não o faço porque não o sei fazer, mas admito ter um fraquinho por garrafas bonitas, rótulos que nos fazem querer comprar e provar e acabo a coleccioná-lo, de modesta forma, por uma questão meramente estética ou emocional. Especialmente emocional.

Há dias, cruzei-me com um vinho chamado Maria de Lourdes. Para quem não sabe, Maria de Lourdes - assim escrito com “o u”, tal e qual - era o nome de uma das minhas avós, que morreu há pouco mais de um ano. Além de ter um nome fantástico, a garrafa tinha uma sobriedade digna desse mesmo nome. Por não o encontrar à venda em nenhuma das lojas locais, encetei conversação com o responsável da loja online Carm - Casa Agrícola Roboredo Madeira, proprietária do vinho. Eu tinha de ter pelo menos uma garrafa daquelas na minha parca colecção e, como se não bastasse, ainda queria uma caixa de madeira com o nome Maria de Lourdes inscrito, uma vez que já tinha uma com o nome do vinho Maria Izabel, graça da minha avó paterna, com quem dizem que me pareço muito. Não ia desistir até conseguir ter as duas placas, com os nomes de duas das mulheres que me fizeram mulher, na parede da minha cozinha.

Entre os vários e-mails trocados com esse rosto que nunca vi, mas a quem ficarei eternamente grata, acabei por contar a razão do meu tamanho interesse. Maria de Lourdes, minha avó, foi a matriarca daquele meu lado da família, à volta da qual, de uma forma ou de outra, todos crescemos e nos movemos. Mal eu sabia que a história de uns é, muitas vezes, a história de outros. Maria de Lourdes, a tal que deu o nome ao vinho, foi também ela matriarca da família Roboredo Madeira, mulher de Celso Madeira, o homem grande da Carm. O vinho mais não foi do que uma fantástica homenagem a uma matriarca. Uma matriarca com o mesmo nome da matriarca que tive a sorte de ter tido como minha.

Provavelmente por isso, o meu pedido foi tão bem recebido e a minha encomenda recheada de surpresas, com uma simpatia a que já não estamos habituados e que chegamos mesmo a estranhar. Perante tamanho gesto, achei que o deveria retribuir e um destes dias, a propósito de percorrer de lés a lés a “Nacional” 222, qual não foi o meu espanto quando me apercebo de que o último quilómetro da minha rota era ali mesmo, na porta da Carm. Literalmente. Sem tirar nem pôr, sem qualquer exagero a puxar para o literário. Entrei, visitei, comprei e quando me cruzei com Celso Madeira, marido da sua Maria de Lourdes, faltou-me a coragem de lhe contar a história que ali me levou. Que Maria de Lourdes há duas, uma, a dele, e uma nossa, qualquer uma delas dignas de um vinho fresco e elegante, com notas de frutos silvestres bem definidos, um aroma complexado pelas discretas notas de madeira...

Talvez por isso lhe escrevo hoje este texto, para que saiba, sentado no seu escritório em Almendra, que alguém comprou uma garrafa de Maria de Lourdes, da sua Maria de Lourdes, sabendo exactamente qual o sabor que aquele vinho tinha.

“O vinho é, agora, glamour, gera clãs, clubs, confrarias. É mote que move seguidores, apreciadores que o coleccionam, é tema de conversas de horas dentro, o centro de tantas reuniões.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Fundamentalismo eleitoral (III) - pedro ferreira »  2021-10-21  »  Pedro Ferreira

 Nesta terceira e última parte, vou falar sobre assembleias de cidadãos no contexto do nosso concelho. Há que notar que estas não devem nunca ser vistas como um fim em si mesmas, mas antes como uma ferramenta que pode ajudar todo o tipo de colectivos a tomar decisões que através de outras estruturas não seriam tomadas.
(ler mais...)


Um olhar sobre as eleições concelhias - jorge carreira maia »  2021-10-17  »  Jorge Carreira Maia

Há dias, um médico prescreveu-me um conjunto de exames e, como se pretendesse explicar-me a razão, disse que não praticava uma medicina intuitiva (a que é feita de diagnósticos baseados nas aparências sintomáticas), mas que lidava com resultados empíricos, uma medicina científica.
(ler mais...)


Não adianta lamentarem-se - antónio gomes »  2021-10-17  »  António Gomes

O PS continua com maioria absoluta, contrariando todos os prognósticos, até os dos próprios. O BE sofre uma derrota, contrariando todos os prognósticos, até os dos adversários. Este é o resultado das recentes eleições autárquicas no concelho de Torres Novas: menos democracia, menos escrutínio, menos alternativa política.
(ler mais...)


Ressaca - carlos paiva »  2021-10-17 

Após as eleições autárquicas e conhecidos os seus resultados, li on-line algumas tentativas de pseudojornalismo, outras tantas opiniões de pretensos analistas políticos e, também, algumas declarações de vencedores e vencidos.
(ler mais...)


A Faixa - josé ricardo costa »  2021-10-17  »  José Ricardo Costa

A percepção visual tem as suas leis, que interferem, sem darmos conta, no modo como diante de uma imagem, separamos a figura e o fundo, a visão central e a periférica, o seu motivo e o contexto. E muito antes da ciência estudar essas leis já os artistas do Renascimento as exploravam para criar os efeitos visuais desejados.
(ler mais...)


Juventude centriste… »  2021-10-15  »  Hélder Dias

Um olhar sobre as eleições concelhias - jorge carreira maia »  2021-10-13  »  Jorge Carreira Maia

Há dias, um médico prescreveu-me um conjunto de exames e, como se pretendesse explicar-me a razão, disse que não praticava uma medicina intuitiva (a que é feita de diagnósticos baseados nas aparências sintomáticas), mas que lidava com resultados empíricos, uma medicina científica.
(ler mais...)


O vinho de Almeirim e os “políticos de Lisboa” - joão carlos lopes »  2021-09-20  »  João Carlos Lopes

Arreliado com a legislação que exige alguma contenção aos autarcas em funções, no que diz respeito à difusão de informação relacionada com obras, inaugurações e outras iniciativas durante o período eleitoral, o presidente da Câmara de Almeirim disse que a culpa é dos “políticos de Lisboa”, que fazem leis que só lançam confusão.
(ler mais...)


Apedeuta, insipiente, mentecapto, néscio - carlos paiva »  2021-09-16  »  Carlos Paiva

Por altura do lançamento do programa “Novas Oportunidades” (em 2007), recordo-me de ver uma entrevista na televisão em que a jornalista na rua perguntava a um cidadão jovem se ele achava importante estudar. Respondeu qualquer coisa como: “Sim, é bastante importante.
(ler mais...)


O fundamentalismo eleitoral (II) - pedro ferreira »  2021-09-16  »  Pedro Ferreira

 

Na primeira parte desta crónica, tentei criar no leitor uma postura crítica sobre aquele que acho ser o maior dogma da nossa sociedade, de forma a ficar mais receptivo a alternativas. Se no fim de a leres não ganhaste uma aversão ao uso de eleições para atribuir cargos públicos e nem te questionaste sobre alternativas a este método, ficaste pelo menos a saber qual era a minha intenção.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-10-21  »  Pedro Ferreira Fundamentalismo eleitoral (III) - pedro ferreira
»  2021-10-15  »  Hélder Dias Juventude centriste…
»  2021-10-17  »  José Ricardo Costa A Faixa - josé ricardo costa
»  2021-10-13  »  Jorge Carreira Maia Um olhar sobre as eleições concelhias - jorge carreira maia
»  2021-10-17  Ressaca - carlos paiva