• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quarta, 14 Abril 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sáb.
 22° / 10°
Céu limpo
Sex.
 23° / 12°
Períodos nublados com chuva fraca
Qui.
 22° / 14°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  21° / 12°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

ACORDAR - margarida trindade

Opinião  »  2021-02-05  »  Margarida Trindade

"Este presente onde se misturam os ingredientes necessários à construção da desgraça colectiva não deixa grande margem para grandes esperanças"

Dou com um texto antigo, que é este; releio Amos Oz muitas vezes e dou também por mim a concluir que chegou ao fim o lampejo que iluminou fugazmente a Europa depois do fim da II Guerra e depois do fim da guerra fria.

Esse tempo, em que saídos das ditaduras, e alargando-se a quase todos a possibilidade de saber ler, escrever, participar e de trazer filhos a um mundo em paz, soubemos aproveitar e avançar na luta, a nossa e a dos nossos — as liberdades e garantias, pessoais e colectivas. 
Soubemos pedir esclarecimentos, exigir direitos, soubemos procurar explicações, soubemos romper com fanatismos, soubemos viver com a parcimónia: da democracia, do diálogo, do bem-comum, do estado social e do serviço público; mas também da iniciativa privada, da criação de empregos, da aposta na escola pública, na ciência e na tecnologia, na ideia de desenvolvimento e de progresso. Mas depressa veio a distância e com ela o esquecimento. 

Longe do conhecimento e da consciência do que éramos nos anos 30, 40, 50, 60 do século XX, longe — nunca tanto — das guerras, apoucamo-nos e diminuímo-nos agora perante o erguer de figuras como Trump e o retorno próximo da desumanidade. Achamos que temos realmente voz e que nos ouvem, quando e se gritarmos. Porém, quão enganados andamos. Nas redes, o ruído é tanto que ninguém, de facto, nos ouve. E a competição pela intensidade dos decibéis derrota-nos à partida. Não ganhamos com gritos mudos onde a desumanidade medra. Não se compete com a desumanidade, combate-se a desumanidade. Com a demonstração histórica junto dos mais novos, com livros, com filmes, com conhecimento, com acesso garantido e gratuito à informação e ao conhecimento validados; com a garantia da saúde gratuita universal; com a promoção de mais debates, com a pressão para a intervenção social imediata apostada nas comunidades onde a pobreza grassa, convergindo apoios e dinheiro para essas causas de forma mais explícita (pois que a explícita e mediática tem sido a de salvar bancos e banqueiros e offshores). Toda a gente sabe como, não é necessário estar aqui com mais detalhes, nada disto é novidade para ninguém. Por que razão não exigimos mais? Porque ainda não nos toca, à maioria de nós, pelo menos. Mas lá chegaremos.

Deslumbram-nos as frases assertivas de políticos que descem do palanque, que exaltados abraçam e beijam e que parecem ser tão humanos quanto nós, suprindo essa necessidade infantil e primária de termos governantes afectuosos e omnipresentes, como mães ou pais — imprescindíveis faróis que nos guiam, alicerces no quotidiano, na protecção e na sobrevivência do dia-a-dia. Como se não tivesse sido exactamente por aí que o mundo de milhões tenha desabado e agora já ninguém se lembre.

É como se já tivéssemos sido algures no tempo (há bem pouco, afinal) verdadeiros adultos, crescidos e autónomos, e que agora tenhamos regredido outra vez à condição infantil e dependente que vai acabar por nos destruir a todos. Outra vez.

Até que as dores de crescimento se instalem e se inscrevam de vez no interior dos homens e que, infelizmente e de novo, pela fome, pela amputação do livre pensamento, pelo medo e pela guerra, sejamos obrigados a crescer mais e a ser definitivamente uns homenzinhos e umas mulherzinhas que ganhem finalmente juízo para tomar conta do futuro dos seus.

Talvez não aconteça. Mas este presente onde agora se misturam todos os ingredientes necessários à construção da desgraça colectiva não deixa grande margem para grandes esperanças. Está à vista de todos o potencial que acarreta.

Porém, há um ano e tal, quando escrevi parte do texto que aqui deixo, e que hoje acrescentei, estávamos ainda muito longe do dia de ontem. Oxalá acordemos todos antes do amanhã.

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


Empréstimo »  2021-04-13  »  Hélder Dias

Sombra suspeita »  2021-04-13  »  Hélder Dias

Os 2,36 euros extra…ordinários - miguel sentieiro »  2021-04-10  »  Miguel Sentieiro

Num momento em que o sentimento generalizado sobre os chineses é de alguma desconfiança, preparo-me aqui para contrapor e dar uma oportunidade aos tipos. Eu sei que nos foram mandando com a peste bubónica, a gripe asiática, a gripe das aves, o corona vírus.
(ler mais...)


#torresnovas@weshallover.com - josé ricardo costa »  2021-04-10  »  José Ricardo Costa

É muito bom viver em Torres Novas mas também se sente o peso de estar longe do que de verdadeiramente moderno se passa no mundo, enfim, nada de #Me Too, Je suis Charlie Hebdo, vetustas estátuas transformadas em anúncios da Benetton.
(ler mais...)


Rever a revisão, já! - josé mota pereira »  2021-04-10  »  José Mota Pereira

 

 Recuemos no tempo. Entremos numa máquina do tempo e cliquemos no botão que nos leve até ao ano de 2001. Recordemos vagamente que em 2001:

 - Caíram as Torres Gémeas em Nova Yorque em 11 setembro.
(ler mais...)


Na era do ad hominem - jorge carreira maia »  2021-04-10  »  Jorge Carreira Maia

Quando a internet surgiu e, posteriormente, com a emergência dos blogues e redes sociais pensou-se que a esfera pública tinha encontrado uma fonte de renovação. Mais pessoas poderiam trocar opiniões sobre os problemas que afectam a vida comum, sem estarem controladas pelos diversos poderes, contribuindo para uma crescente participação, racionalmente educada, nos assuntos públicos.
(ler mais...)


Equilíbrio - inês vidal »  2021-04-10 

É e sempre foi uma questão de equilíbrio. Tudo. E todos o sabemos. O difícil é chegar lá, encontrá-lo, ter a racionalidade e o bom senso suficientes para o ter e para o ser. E para saber que o equilíbrio de hoje não é obrigatoriamente o de amanhã, muito menos o que era ontem.
(ler mais...)


As árvores morrem de qualquer maneira e feitio - carlos paiva »  2021-04-10  »  Carlos Paiva

Comemorou-se a 21 de Março o dia da floresta. O Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) resolveu assinalar a data disponibilizando 50.000 árvores gratuitamente à população. Quem as quisesse plantar, teria de se identificar, inscrever, levantar a árvore (até um máximo de dez árvores por pessoa) e, num prazo de 48 horas, declarar o local onde plantou documentando com fotos.
(ler mais...)


Rejuvenescimento político - anabela santos »  2021-04-10  »  AnabelaSantos

Hoje, como acontece diariamente, no caminho de casa até à escola, lá se deu o habitual encontro matinal entre mim e o Ananias, o meu amigo ardina. Trocámos algumas palavras, comprei o jornal e seguimos por caminhos opostos que nos levam à nossa missão do dia, o trabalho.
(ler mais...)


O CRIT já não é de todos os torrejanos - joão carlos lopes »  2021-04-08  »  João Carlos Lopes

Durante décadas, todos os torrejanos ajudaram no que puderam o CRIT, uma obra social que granjeou a estima de todos os cidadãos e empresários, e foram muitos, que sempre disseram sim a todas e quaisquer formas de ajuda em prol da aventura iniciada em 1975.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-04-08  »  João Carlos Lopes O CRIT já não é de todos os torrejanos - joão carlos lopes
»  2021-03-23  »  João Carlos Lopes Peixes e pombos ou a civilização a andar para trás - joão carlos lopes
»  2021-03-20  »  José Ricardo Costa A Rosa do Nome - josé ricardo costa
»  2021-03-20  »  Jorge Carreira Maia A arte do possível - jorge carreira maia
»  2021-04-10  »  Miguel Sentieiro Os 2,36 euros extra…ordinários - miguel sentieiro