• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quinta, 15 Abril 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sáb.
 22° / 10°
Céu limpo
Sex.
 23° / 12°
Períodos nublados com chuva fraca
Qui.
 22° / 14°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  21° / 12°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

O lugar do outro - ana lúcia cláudio

Opinião  »  2020-06-18  »  Ana Lúcia Cláudio

"O que está aqui em causa é mais genérico e grave que o “simples” racismo."

Numa das minhas primeiras saídas em lazer após o confinamento forçado, jantava numa esplanada de Lisboa. De olhos postos no rio Tejo, ouvia com atenção uma prima que, a propósito da picanha que nos preparávamos para degustar, se queixava dos olhares recriminatórios e dos comentários de reprovação de que é vítima, sempre que à questão «Quer a carne bem ou mal passada?», opta pela primeira hipótese. A começar pelos funcionários dos restaurantes que, desde logo, a avisam, nem sempre da forma mais delicada, que a carne mais bem passada poderá não ser tão tenra. Passando pelos amigos e companheiros de refeição que, diz ela, se saem quase sempre com o habitual comentário, em jeito de pergunta retórica e jocosa: «Gostas de “sola de sapato”?!» Reiterava-me ela que, se lhe dão essa oportunidade e até a questionam como prefere o dito alimento, tem todo o direito de comer a carne tenra, em sangue, rija ou “sola de sapato”, uma vez que até é ela que paga a conta no final. Assim como jamais se insurge, acrescenta, contra aqueles que têm a opção contrária e, nas suas palavras, “ainda comem a carne com a vaca viva”! «Uma espécie de bullying que sofremos os que gostamos da carne bem passada. Hás-de reparar.» Advertiu-me ela, uma vez que, também eu, prefiro a coisa mais rija.

Algo tão simples e banal como isto é um pequeno exemplo da intolerância que se vive nos dias de hoje perante opiniões e gostos distintos dos nossos. E da dificuldade em aceitar tudo o que é diferente, numa miopia que nos impede de olhar com clareza para além do nosso umbigo. Os ecos desta conversa soaram-me agora com mais força à luz dos últimos acontecimentos na sequência da inqualificável morte de um cidadão de raça negra às mãos (ou pernas, no caso) de um polícia branco norte-americano e do consequente extremar de ódios raciais de parte a parte, tendo culminado até com a igualmente inqualificável destruição de estátuas e monumentos que assinalam determinadas figuras e acontecimentos da história mundial.

Se alguns destes comportamentos não são de agora, pergunto-me se as sequelas do confinamento terão ajudado a exacerbar reacções deste tipo. Esta escalada de violência, além de não ter nada de positivo (como de resto a violência nunca tem), se não fosse trágica seria nalguns casos quase anedótica quando nos apercebemos que há muitos manifestantes que não sabem porque aderem aos “movimentos” e apenas se juntam à confusão, numa atitude típica de claques de futebol que, mais do que apreciar o jogo, apreciam a confusão que os aglomerados potenciam. E quando se destroem símbolos históricos, que até defendiam no passado a mesma causa que agora advogam, com um total desconhecimento sobre acontecimentos.

O que está aqui em causa é mais genérico e grave que o “simples” racismo. É mais uma vez a intolerância e a total falta de respeito pelo que é diferente de nós. Seja na raça, no género, nos costumes, na cultura, na religião, ou na política, tendemos sempre a medir os outros pela nossa bitola e a olhar com desfavor e sentimento de superioridade para tudo o que sai fora das fronteiras daquilo que nós acreditamos como certo, normal e razoável. Achamos estranhos os adereços que se usam em determinadas tribos africanas, questionamos as burcas a que estão “obrigadas” as mulheres de determinados países e até os jejuns “forçados” em nome de uma religião. Porquê? Simplesmente porque não crescemos assim, porque para nós o certo é o “ocidental”, aquilo que nos foi ensinado e que tomamos por único e normal com total desrespeito por todas as outras “normalidades” à nossa volta.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Empréstimo »  2021-04-13  »  Hélder Dias

Sombra suspeita »  2021-04-13  »  Hélder Dias

Os 2,36 euros extra…ordinários - miguel sentieiro »  2021-04-10  »  Miguel Sentieiro

Num momento em que o sentimento generalizado sobre os chineses é de alguma desconfiança, preparo-me aqui para contrapor e dar uma oportunidade aos tipos. Eu sei que nos foram mandando com a peste bubónica, a gripe asiática, a gripe das aves, o corona vírus.
(ler mais...)


#torresnovas@weshallover.com - josé ricardo costa »  2021-04-10  »  José Ricardo Costa

É muito bom viver em Torres Novas mas também se sente o peso de estar longe do que de verdadeiramente moderno se passa no mundo, enfim, nada de #Me Too, Je suis Charlie Hebdo, vetustas estátuas transformadas em anúncios da Benetton.
(ler mais...)


Rever a revisão, já! - josé mota pereira »  2021-04-10  »  José Mota Pereira

 

 Recuemos no tempo. Entremos numa máquina do tempo e cliquemos no botão que nos leve até ao ano de 2001. Recordemos vagamente que em 2001:

 - Caíram as Torres Gémeas em Nova Yorque em 11 setembro.
(ler mais...)


Na era do ad hominem - jorge carreira maia »  2021-04-10  »  Jorge Carreira Maia

Quando a internet surgiu e, posteriormente, com a emergência dos blogues e redes sociais pensou-se que a esfera pública tinha encontrado uma fonte de renovação. Mais pessoas poderiam trocar opiniões sobre os problemas que afectam a vida comum, sem estarem controladas pelos diversos poderes, contribuindo para uma crescente participação, racionalmente educada, nos assuntos públicos.
(ler mais...)


Equilíbrio - inês vidal »  2021-04-10 

É e sempre foi uma questão de equilíbrio. Tudo. E todos o sabemos. O difícil é chegar lá, encontrá-lo, ter a racionalidade e o bom senso suficientes para o ter e para o ser. E para saber que o equilíbrio de hoje não é obrigatoriamente o de amanhã, muito menos o que era ontem.
(ler mais...)


As árvores morrem de qualquer maneira e feitio - carlos paiva »  2021-04-10  »  Carlos Paiva

Comemorou-se a 21 de Março o dia da floresta. O Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) resolveu assinalar a data disponibilizando 50.000 árvores gratuitamente à população. Quem as quisesse plantar, teria de se identificar, inscrever, levantar a árvore (até um máximo de dez árvores por pessoa) e, num prazo de 48 horas, declarar o local onde plantou documentando com fotos.
(ler mais...)


Rejuvenescimento político - anabela santos »  2021-04-10  »  AnabelaSantos

Hoje, como acontece diariamente, no caminho de casa até à escola, lá se deu o habitual encontro matinal entre mim e o Ananias, o meu amigo ardina. Trocámos algumas palavras, comprei o jornal e seguimos por caminhos opostos que nos levam à nossa missão do dia, o trabalho.
(ler mais...)


O CRIT já não é de todos os torrejanos - joão carlos lopes »  2021-04-08  »  João Carlos Lopes

Durante décadas, todos os torrejanos ajudaram no que puderam o CRIT, uma obra social que granjeou a estima de todos os cidadãos e empresários, e foram muitos, que sempre disseram sim a todas e quaisquer formas de ajuda em prol da aventura iniciada em 1975.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-04-08  »  João Carlos Lopes O CRIT já não é de todos os torrejanos - joão carlos lopes
»  2021-03-23  »  João Carlos Lopes Peixes e pombos ou a civilização a andar para trás - joão carlos lopes
»  2021-03-20  »  José Ricardo Costa A Rosa do Nome - josé ricardo costa
»  2021-03-20  »  Jorge Carreira Maia A arte do possível - jorge carreira maia
»  2021-04-10  »  Miguel Sentieiro Os 2,36 euros extra…ordinários - miguel sentieiro