• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 12 Abril 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 22° / 13°
Céu nublado com chuva fraca
Qua.
 24° / 12°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 23° / 12°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  23° / 9°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal

Opinião  »  2021-01-10  »  Inês Vidal

"Não gostei de ver morrer ou de temer que me morressem, mas gostei de não me ter deixado morrer nele"

Finalmente 2021. Depois de um ano em que mais do que vivermos, fomos meros espectadores, fantoches num autêntico teatro de sombras, com passos e passeatas manipulados por entre margens e manobras de cordelinhos, chegámos a 2021. E chegámos, como em qualquer ano novo, com vontade de mudar, de fazer planos, resoluções que acabaremos por abandonar antes do Carnaval. Chegámos com vontade de viver mais e mais, uma vontade desta vez acicatada pela prisão em que nos encontramos há meses.

2020 foi um ano de aprendizagens, constatações e assunções da nossa frágil essência, da nossa leveza, efemeridade, impotência, do quão ocos somos... Foi um ano de reconstrução, de reaprender o mundo, de reescrever o modo de o viver.

Admito que gosto um bocadinho das pessoas em que nos tornámos ao longo de 2020. Aprendemos, à força, a dar valor ao que já tínhamos, demos mais tempo aos nossos, sentimos falta de todos aqueles de quem fomos privados, lembrámos como o gesto e o momento mais simples são, no final de tudo, a única coisa que realmente importa. Reinventámos formas de estar e comunicar, encurtámos distâncias, aproximámo-nos quando todos nos pediram para ficar longe.

Gostei, assumo, da aprendizagem maior que este ano nos deu: não somos nada. Há muito que tinha aprendido que não controlo a minha vida e que, como tal, não posso fazer planos. Há horas na nossa vida que nos ensinam isso, mas todos sabemos que a teoria é sempre difícil de colocar na prática. Somos de instintos e é intuitivo pensar o dia de amanhã, sonhar, escrevinhar listas, traçar caminhos. É preciso a dose certa - uma dose bem alta - de sobriedade para não o fazer. Quando todos achávamos ter o mundo na mão e controlar a pena que nos escreve os dias, 2020 obrigou-nos a perceber que temos tão pouco a dizer sobre isso.

Enfim, eu gostei do ano de 2020. Não gostei de ver morrer ou de temer que me morressem, mas gostei de não me ter deixado morrer nele. Dei mais valor a cada pormenor da vida, como se cada momento bom que eu vivesse fosse um fazer frente, um cara a cara, um braço de ferro com esse vilão que nos afronta. Comi o melhor peixe e os melhores bifes, bebi o melhor vinho, li o melhor livro, ouvi a melhor música, fiz as melhores férias, dei os melhores passeios, fiz os melhores piqueniques, ri o mais alto que pude... Vivi, mas vivi mesmo, convicta de que o último dia, a ser, teria de ser memorável, sentido à flor da pele, vivido. Sempre com precaução, com respeito pela presente ameaça - que levo muito a sério - mas sempre com aquela sensação de que apenas a vida faz frente a uma morte anunciada.

Entretanto, no JT

2020 foi um ano inesquecível, com isso todos concordarão. Um ano apenas possível de suportar graças a tudo o que nos ligou à vida. Da nossa casa, assistimos a mais concertos ou espectáculos do que quando tínhamos de sair dela para o fazer, acompanhámos palestras sobre aqueles temas que sempre nos interessaram, mas sobre os quais nunca tivemos tempo para nos debruçar, corremos exposições nos maiores museus que há muito sonhávamos visitar, fizemos da sala uma escola, percorremos o mundo através de um pequeno ecrã, vimos passar a vida através da comunicação social, que nunca confinou. Tudo isto, a partir do nosso sofá. Foi a vida de todos eles, daqueles que não se resignaram ou pararam, que nos manteve à tona da nossa.

É aí, se me permitem, que entramos nós, Jornal Torrejano. Nós, que é o mesmo que dizer, todos aqueles que nos escrevem. Quando nos fechámos em casa, levámos connosco tudo o que nos poderia dar um pequeno pulsar do mundo lá fora. E ninguém melhor do que os jornais para nos dar esse batimento dos dias que correm. E os jornais mais não são do que as pessoas que os compõem. Pessoas que gostam destas coisas da escrita, de brincar com as palavras, de partilhar com o outro, através da tinta, o que vêem ou sentem.

O Jornal Torrejano sempre teve a sorte, ou o saber, de se rodear de pessoas que gostam destas coisas dos jornais e que a isso aliaram um grande sentido de responsabilidade, de entendimento da importância do papel que lhes coube em mãos e do compromisso que criaram com quem os lê. Talvez por isso seja justo dizer que o JT tem uma equipa de cronistas de meter inveja a muitos “grandes” e que edição após edição, mantém elevada a fasquia de fazer latejar esse cordão que liga as pessoas à vida.

Por isso as minhas primeiras palavras de 2021, aquele ano que esperamos de viragem, são para eles. Quando o mundo parou, quando a notícia era uma só, quando faltou assunto para ler e contar, foram eles que através da sua voz, mantiveram a linha aberta entre nós e os nossos leitores. Pensaram o mundo connosco e muitas vezes por nós, partilharam ansiedades, pontos de vista, tiraram conclusões e deixaram sugestões. Acalmaram-nos e, acima de tudo, mostraram-nos, com o exemplo de não parar também, que ainda há uma esperança. Que apesar de a vida em suspenso, o mundo continua a girar lá fora e nós a girar com ele.

O Jornal Torrejano tem a melhor “opinião” de sempre. É a opinião deles, que diferente ou igual à dos outros, se torna também um bocadinho nossa. Não seriámos metade sem os nossos cronistas e é por isso que não poderia, neste ano em que precisamos ainda mais de mudanças, de fazer planos, de algo que nos mantenha o sangue a pulsar nas veias, deixar de lhes agradecer por nos continuarem a fazer grandes. Não poderia deixar de lhes agradecer e dizer que continuamos - e cada vez mais - a contar com eles em 2021, nesta bonita tarefa de levar aos nossos leitores um bocadinho da vida que lhes foi roubada e de todo aquele mundo lá fora. Obrigada.

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


Os 2,36 euros extra…ordinários - miguel sentieiro »  2021-04-10  »  Miguel Sentieiro

Num momento em que o sentimento generalizado sobre os chineses é de alguma desconfiança, preparo-me aqui para contrapor e dar uma oportunidade aos tipos. Eu sei que nos foram mandando com a peste bubónica, a gripe asiática, a gripe das aves, o corona vírus.
(ler mais...)


#torresnovas@weshallover.com - josé ricardo costa »  2021-04-10  »  José Ricardo Costa

É muito bom viver em Torres Novas mas também se sente o peso de estar longe do que de verdadeiramente moderno se passa no mundo, enfim, nada de #Me Too, Je suis Charlie Hebdo, vetustas estátuas transformadas em anúncios da Benetton.
(ler mais...)


Rever a revisão, já! - josé mota pereira »  2021-04-10  »  José Mota Pereira

 

 Recuemos no tempo. Entremos numa máquina do tempo e cliquemos no botão que nos leve até ao ano de 2001. Recordemos vagamente que em 2001:

 - Caíram as Torres Gémeas em Nova Yorque em 11 setembro.
(ler mais...)


Na era do ad hominem - jorge carreira maia »  2021-04-10  »  Jorge Carreira Maia

Quando a internet surgiu e, posteriormente, com a emergência dos blogues e redes sociais pensou-se que a esfera pública tinha encontrado uma fonte de renovação. Mais pessoas poderiam trocar opiniões sobre os problemas que afectam a vida comum, sem estarem controladas pelos diversos poderes, contribuindo para uma crescente participação, racionalmente educada, nos assuntos públicos.
(ler mais...)


Equilíbrio - inês vidal »  2021-04-10 

É e sempre foi uma questão de equilíbrio. Tudo. E todos o sabemos. O difícil é chegar lá, encontrá-lo, ter a racionalidade e o bom senso suficientes para o ter e para o ser. E para saber que o equilíbrio de hoje não é obrigatoriamente o de amanhã, muito menos o que era ontem.
(ler mais...)


As árvores morrem de qualquer maneira e feitio - carlos paiva »  2021-04-10  »  Carlos Paiva

Comemorou-se a 21 de Março o dia da floresta. O Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) resolveu assinalar a data disponibilizando 50.000 árvores gratuitamente à população. Quem as quisesse plantar, teria de se identificar, inscrever, levantar a árvore (até um máximo de dez árvores por pessoa) e, num prazo de 48 horas, declarar o local onde plantou documentando com fotos.
(ler mais...)


Rejuvenescimento político - anabela santos »  2021-04-10  »  AnabelaSantos

Hoje, como acontece diariamente, no caminho de casa até à escola, lá se deu o habitual encontro matinal entre mim e o Ananias, o meu amigo ardina. Trocámos algumas palavras, comprei o jornal e seguimos por caminhos opostos que nos levam à nossa missão do dia, o trabalho.
(ler mais...)


O CRIT já não é de todos os torrejanos - joão carlos lopes »  2021-04-08  »  João Carlos Lopes

Durante décadas, todos os torrejanos ajudaram no que puderam o CRIT, uma obra social que granjeou a estima de todos os cidadãos e empresários, e foram muitos, que sempre disseram sim a todas e quaisquer formas de ajuda em prol da aventura iniciada em 1975.
(ler mais...)


Peixes e pombos ou a civilização a andar para trás - joão carlos lopes »  2021-03-23  »  João Carlos Lopes

Dir-se-ia, de uma câmara socialista, esperar que se perseguissem os valores e ideais que aqui e ali, somados, vão concorrendo para um mundo melhor e para uma relação mais harmoniosa e avançada entre todos e tudo o que habita uma casa comum que é o território natural de um pequeno concelho.
(ler mais...)


Depois de casa roubada, trancas à porta - antónio gomes »  2021-03-20  »  António Gomes

Na política, ou se tem ideias, rasgo e capacidade de antecipação para marcar a diferença, ou andamos sempre no rengo-rengo.

As vítimas da pandemia estão aí, agora com maior visibilidade, mais desemprego, mais encerramentos de pequenas empresas, comércio, restauração, serviços, trabalhadores independentes sem rendimentos.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-04-08  »  João Carlos Lopes O CRIT já não é de todos os torrejanos - joão carlos lopes
»  2021-03-23  »  João Carlos Lopes Peixes e pombos ou a civilização a andar para trás - joão carlos lopes
»  2021-03-20  »  José Ricardo Costa A Rosa do Nome - josé ricardo costa
»  2021-03-20  »  Jorge Carreira Maia A arte do possível - jorge carreira maia
»  2021-03-20  »  Carlos Paiva São rosas, senhor - carlos paiva