• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 17 Janeiro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 15° / 10°
Céu nublado com chuva moderada
Ter.
 14° / 2°
Céu muito nublado com chuva fraca
Seg.
 14° / 1°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  15° / 1°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal

Opinião  »  2021-01-10  »  Inês Vidal

"Não gostei de ver morrer ou de temer que me morressem, mas gostei de não me ter deixado morrer nele"

Finalmente 2021. Depois de um ano em que mais do que vivermos, fomos meros espectadores, fantoches num autêntico teatro de sombras, com passos e passeatas manipulados por entre margens e manobras de cordelinhos, chegámos a 2021. E chegámos, como em qualquer ano novo, com vontade de mudar, de fazer planos, resoluções que acabaremos por abandonar antes do Carnaval. Chegámos com vontade de viver mais e mais, uma vontade desta vez acicatada pela prisão em que nos encontramos há meses.

2020 foi um ano de aprendizagens, constatações e assunções da nossa frágil essência, da nossa leveza, efemeridade, impotência, do quão ocos somos... Foi um ano de reconstrução, de reaprender o mundo, de reescrever o modo de o viver.

Admito que gosto um bocadinho das pessoas em que nos tornámos ao longo de 2020. Aprendemos, à força, a dar valor ao que já tínhamos, demos mais tempo aos nossos, sentimos falta de todos aqueles de quem fomos privados, lembrámos como o gesto e o momento mais simples são, no final de tudo, a única coisa que realmente importa. Reinventámos formas de estar e comunicar, encurtámos distâncias, aproximámo-nos quando todos nos pediram para ficar longe.

Gostei, assumo, da aprendizagem maior que este ano nos deu: não somos nada. Há muito que tinha aprendido que não controlo a minha vida e que, como tal, não posso fazer planos. Há horas na nossa vida que nos ensinam isso, mas todos sabemos que a teoria é sempre difícil de colocar na prática. Somos de instintos e é intuitivo pensar o dia de amanhã, sonhar, escrevinhar listas, traçar caminhos. É preciso a dose certa - uma dose bem alta - de sobriedade para não o fazer. Quando todos achávamos ter o mundo na mão e controlar a pena que nos escreve os dias, 2020 obrigou-nos a perceber que temos tão pouco a dizer sobre isso.

Enfim, eu gostei do ano de 2020. Não gostei de ver morrer ou de temer que me morressem, mas gostei de não me ter deixado morrer nele. Dei mais valor a cada pormenor da vida, como se cada momento bom que eu vivesse fosse um fazer frente, um cara a cara, um braço de ferro com esse vilão que nos afronta. Comi o melhor peixe e os melhores bifes, bebi o melhor vinho, li o melhor livro, ouvi a melhor música, fiz as melhores férias, dei os melhores passeios, fiz os melhores piqueniques, ri o mais alto que pude... Vivi, mas vivi mesmo, convicta de que o último dia, a ser, teria de ser memorável, sentido à flor da pele, vivido. Sempre com precaução, com respeito pela presente ameaça - que levo muito a sério - mas sempre com aquela sensação de que apenas a vida faz frente a uma morte anunciada.

Entretanto, no JT

2020 foi um ano inesquecível, com isso todos concordarão. Um ano apenas possível de suportar graças a tudo o que nos ligou à vida. Da nossa casa, assistimos a mais concertos ou espectáculos do que quando tínhamos de sair dela para o fazer, acompanhámos palestras sobre aqueles temas que sempre nos interessaram, mas sobre os quais nunca tivemos tempo para nos debruçar, corremos exposições nos maiores museus que há muito sonhávamos visitar, fizemos da sala uma escola, percorremos o mundo através de um pequeno ecrã, vimos passar a vida através da comunicação social, que nunca confinou. Tudo isto, a partir do nosso sofá. Foi a vida de todos eles, daqueles que não se resignaram ou pararam, que nos manteve à tona da nossa.

É aí, se me permitem, que entramos nós, Jornal Torrejano. Nós, que é o mesmo que dizer, todos aqueles que nos escrevem. Quando nos fechámos em casa, levámos connosco tudo o que nos poderia dar um pequeno pulsar do mundo lá fora. E ninguém melhor do que os jornais para nos dar esse batimento dos dias que correm. E os jornais mais não são do que as pessoas que os compõem. Pessoas que gostam destas coisas da escrita, de brincar com as palavras, de partilhar com o outro, através da tinta, o que vêem ou sentem.

O Jornal Torrejano sempre teve a sorte, ou o saber, de se rodear de pessoas que gostam destas coisas dos jornais e que a isso aliaram um grande sentido de responsabilidade, de entendimento da importância do papel que lhes coube em mãos e do compromisso que criaram com quem os lê. Talvez por isso seja justo dizer que o JT tem uma equipa de cronistas de meter inveja a muitos “grandes” e que edição após edição, mantém elevada a fasquia de fazer latejar esse cordão que liga as pessoas à vida.

Por isso as minhas primeiras palavras de 2021, aquele ano que esperamos de viragem, são para eles. Quando o mundo parou, quando a notícia era uma só, quando faltou assunto para ler e contar, foram eles que através da sua voz, mantiveram a linha aberta entre nós e os nossos leitores. Pensaram o mundo connosco e muitas vezes por nós, partilharam ansiedades, pontos de vista, tiraram conclusões e deixaram sugestões. Acalmaram-nos e, acima de tudo, mostraram-nos, com o exemplo de não parar também, que ainda há uma esperança. Que apesar de a vida em suspenso, o mundo continua a girar lá fora e nós a girar com ele.

O Jornal Torrejano tem a melhor “opinião” de sempre. É a opinião deles, que diferente ou igual à dos outros, se torna também um bocadinho nossa. Não seriámos metade sem os nossos cronistas e é por isso que não poderia, neste ano em que precisamos ainda mais de mudanças, de fazer planos, de algo que nos mantenha o sangue a pulsar nas veias, deixar de lhes agradecer por nos continuarem a fazer grandes. Não poderia deixar de lhes agradecer e dizer que continuamos - e cada vez mais - a contar com eles em 2021, nesta bonita tarefa de levar aos nossos leitores um bocadinho da vida que lhes foi roubada e de todo aquele mundo lá fora. Obrigada.

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes »  2021-01-12  »  João Carlos Lopes

Foi paradigmático o facto de, aquando da confirmação (pela enésima vez) da intenção do Governo em avançar com o TGV Lisboa/Porto, as únicas críticas, reparos ou protestos de autarcas da região terem tido por base a habitual choraminga do “também queremos o comboio ao pé da porta”.
(ler mais...)


Peixoto - rui anastácio »  2021-01-10  »  Rui Anastácio

Há uns meses, em circunstâncias que não vêm ao caso, tive o prazer de privar com José Luís Peixoto e a sua mulher, Patrícia Pinto. Foram dias muito agradáveis em que fiquei a conhecer um pouco da pessoa que está por trás do escritor.
(ler mais...)


A Pilhagem - josé ricardo costa »  2021-01-10  »  José Ricardo Costa

Podemos dizer que um jogo de futebol sem público ou vida sem música é como um jardim sem flores. Não que um jardim sem flores deixe de ser um jardim. Acontece que, como no jogo de futebol, fica melhor se as tiver. Já se for uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, a comparação com o jardim sem flores não funciona, pela singela razão de que uma sopa de feijão com couves que não tenha couves, sendo ainda sopa, sopa de feijão com couves não é de certeza.
(ler mais...)


DAR VOZ AO TRABALHO - josé mota pereira »  2021-01-10  »  José Mota Pereira

Entrados na terceira década do século XXI, o Mundo dos humanos permanece o lugar povoado das injustiças, da desigualdade e do domínio de uns sobre os outros. Não é a mudança dos calendários que nos muda a vida.
(ler mais...)


Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia »  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia

A sondagem da Aximage, para o DN/JN/TSF, referente ao mês de Dezembro, dá ao CDS uns miseráveis 0,3%. Os partidos também morrem e o CDS está moribundo. Teve um importante papel na transição à democracia e, também, na vida democrática institucionalizada.
(ler mais...)


Coltur… Quoltur… Coultur… Hábito - carlos paiva »  2021-01-10  »  Carlos Paiva

A arte pode dividir-se em dois grandes grupos. A arte comercial e a arte não comercial. A não comercial, por se reger pela criatividade, originalidade, inovação, profundidade, talento e virtuosismo, acaba por ser a produtora de matéria-prima para a arte comercial, regida essa pelas leis de mercado.
(ler mais...)


Resíduos urbanos - antónio gomes »  2021-01-10  »  António Gomes

O sector dos resíduos sólidos urbanos esteve recentemente na agenda mediática devido à revolta das populações que vivem perto dos aterros onde são depositados, pois assistem à constante degradação da sua qualidade de vida.
(ler mais...)


Como serás tu, 2021? - anabela santos »  2021-01-10  »  AnabelaSantos

 

O nosso maior desejo era fechar a porta a 2020 e abrir, com toda a esperança, a janela a 2021. E assim foi. Com música, alegria, festarola e fogo de artifício, tudo com peso e medida, pois havia regras a cumprir.
(ler mais...)


2020, um ano para esquecer? - jorge carreira maia »  2020-12-20  »  Jorge Carreira Maia

O ano de 2020 não foi fácil. A pandemia desestruturou os nossos hábitos e começou a desfazer a relação tradicional que tínhamos com a vida. Introduziu a incerteza nas decisões, o medo nos comportamentos, o afastamento entre pessoas.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-12-19  »  Inês Vidal Paul do Boquilobo - Inês Vidal
»  2021-01-12  »  João Carlos Lopes O TGV, o Ribatejo e o futuro das regiões - joão carlos lopes
»  2020-12-20  »  Jorge Carreira Maia 2020, um ano para esquecer? - jorge carreira maia
»  2021-01-10  »  Inês Vidal 2021: uma vida que afaste a morte - inês vidal
»  2021-01-10  »  Jorge Carreira Maia Uma visita à direita nacional - jorge carreira maia