• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quinta, 15 Abril 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sáb.
 22° / 10°
Céu limpo
Sex.
 23° / 12°
Períodos nublados com chuva fraca
Qui.
 22° / 14°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  21° / 12°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Um conto breve para o natal possível*

Opinião  »  2020-12-19  »  José Mota Pereira

Parti naquela noite de Primavera em que os mais velhos organizaram quase em segredo as festas de Santa Iria. No largo da igreja de Tagarra, saíram canções antigas do acordeão do Abel Trancas e dançou-se clandestinamente valsas quase esquecidas.
Em todos os lugares do Mundo, aplica-se há cinquenta anos a Lei Suprema da Civilização. Em defesa da higiene social vital para a Sociedade Organizada, foram proibidos todos os contactos afectivos. Os beijos e abraços são severamente punidos e as crianças passaram a ser concebidas nos Laboratórios Nacionais, apenas por inseminação artificial e de acordo com a programação e planificação racional dos Institutos Demográficos Nacionais.
Foi contra este mundo em que nasci que decidi lutar. Ansiava juntar-me à Resistência. Naquela noite, dezassete anos feitos, meti-me ao caminho. Só o velho João do Poço, o mais velho dos velhos da aldeia, sabia da minha decisão. Foi ele, quase centenário, quem me falou pela primeira vez sobre beijos e abraços livres. E contava tantas histórias de amor entre seres humanos.
Tantas vezes o procurei para ouvir as suas histórias de um outro tempo! Foi ele quem me falou da Resistência: Homens e Mulheres, clandestinos, lutando nas montanhas pela abolição dessa Lei Suprema que nos roubava a humanidade. Por isso nessa noite parti da aldeia. Caminhei mais de três dias em que apenas comi do queijo seco do leite das cabras da aldeia. Encontrei-os no acampamento, nas montanhas, como o velho João do Poço me orientou.
Apresentei-me. Sou Ana, de Tagarra.
Receberam-me. Matei a fome e a sede. Pedi armas, mas não havia armas. Foi aí que aprendi como é diferente esta guerra. Faz-se das danças, músicas e poemas que não deixamos morrer.
Aqui falamos de amor, ternura e abraços. Espalhamos pelos povoados papéis com palavras a gritar vida.
Não sei se vamos vencer, mas hoje acordei feliz. Ontem jantei e fui passear com o Rafael até à beira rio. Pedi-lhe um beijo (nunca tinha beijado assim). Soube bem. Deitámos os corpos junto à margem e ficámos unidos noite fora.
Fomos livres como as palavras dos poetas nos tais papéis que costumamos espalhar.
Pela manhã demos um abraço. Um abraço subversivo. Disse-me a lua cheia, antes da manhã chegar, vou ser a primeira mãe no acampamento. Nascerá lá para Dezembro e será o filho do amor de gente.

* Conto inédito escrito em 2015 adaptado em Dezembro de 2020

 

 

 Outras notícias - Opinião


Empréstimo »  2021-04-13  »  Hélder Dias

Sombra suspeita »  2021-04-13  »  Hélder Dias

Os 2,36 euros extra…ordinários - miguel sentieiro »  2021-04-10  »  Miguel Sentieiro

Num momento em que o sentimento generalizado sobre os chineses é de alguma desconfiança, preparo-me aqui para contrapor e dar uma oportunidade aos tipos. Eu sei que nos foram mandando com a peste bubónica, a gripe asiática, a gripe das aves, o corona vírus.
(ler mais...)


#torresnovas@weshallover.com - josé ricardo costa »  2021-04-10  »  José Ricardo Costa

É muito bom viver em Torres Novas mas também se sente o peso de estar longe do que de verdadeiramente moderno se passa no mundo, enfim, nada de #Me Too, Je suis Charlie Hebdo, vetustas estátuas transformadas em anúncios da Benetton.
(ler mais...)


Rever a revisão, já! - josé mota pereira »  2021-04-10  »  José Mota Pereira

 

 Recuemos no tempo. Entremos numa máquina do tempo e cliquemos no botão que nos leve até ao ano de 2001. Recordemos vagamente que em 2001:

 - Caíram as Torres Gémeas em Nova Yorque em 11 setembro.
(ler mais...)


Na era do ad hominem - jorge carreira maia »  2021-04-10  »  Jorge Carreira Maia

Quando a internet surgiu e, posteriormente, com a emergência dos blogues e redes sociais pensou-se que a esfera pública tinha encontrado uma fonte de renovação. Mais pessoas poderiam trocar opiniões sobre os problemas que afectam a vida comum, sem estarem controladas pelos diversos poderes, contribuindo para uma crescente participação, racionalmente educada, nos assuntos públicos.
(ler mais...)


Equilíbrio - inês vidal »  2021-04-10 

É e sempre foi uma questão de equilíbrio. Tudo. E todos o sabemos. O difícil é chegar lá, encontrá-lo, ter a racionalidade e o bom senso suficientes para o ter e para o ser. E para saber que o equilíbrio de hoje não é obrigatoriamente o de amanhã, muito menos o que era ontem.
(ler mais...)


As árvores morrem de qualquer maneira e feitio - carlos paiva »  2021-04-10  »  Carlos Paiva

Comemorou-se a 21 de Março o dia da floresta. O Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) resolveu assinalar a data disponibilizando 50.000 árvores gratuitamente à população. Quem as quisesse plantar, teria de se identificar, inscrever, levantar a árvore (até um máximo de dez árvores por pessoa) e, num prazo de 48 horas, declarar o local onde plantou documentando com fotos.
(ler mais...)


Rejuvenescimento político - anabela santos »  2021-04-10  »  AnabelaSantos

Hoje, como acontece diariamente, no caminho de casa até à escola, lá se deu o habitual encontro matinal entre mim e o Ananias, o meu amigo ardina. Trocámos algumas palavras, comprei o jornal e seguimos por caminhos opostos que nos levam à nossa missão do dia, o trabalho.
(ler mais...)


O CRIT já não é de todos os torrejanos - joão carlos lopes »  2021-04-08  »  João Carlos Lopes

Durante décadas, todos os torrejanos ajudaram no que puderam o CRIT, uma obra social que granjeou a estima de todos os cidadãos e empresários, e foram muitos, que sempre disseram sim a todas e quaisquer formas de ajuda em prol da aventura iniciada em 1975.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-04-08  »  João Carlos Lopes O CRIT já não é de todos os torrejanos - joão carlos lopes
»  2021-03-23  »  João Carlos Lopes Peixes e pombos ou a civilização a andar para trás - joão carlos lopes
»  2021-03-20  »  José Ricardo Costa A Rosa do Nome - josé ricardo costa
»  2021-03-20  »  Jorge Carreira Maia A arte do possível - jorge carreira maia
»  2021-04-10  »  Miguel Sentieiro Os 2,36 euros extra…ordinários - miguel sentieiro