• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sábado, 19 Setembro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Ter.
 26° / 16°
Céu nublado com chuva fraca
Seg.
 26° / 14°
Períodos nublados
Dom.
 25° / 17°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  24° / 16°
Períodos nublados com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Uma cidade à espera de si própria - joão carlos lopes

Opinião  »  2020-07-18  »  João Carlos Lopes

1. Ser cidade não vale um caracol, não acrescenta uma vírgula a nenhum campeonato. Em Portugal, “cidade” não é nenhuma categoria político-administrativa, tratando-se de um título meramente honorífico. Honorífico, mas pouco, pois se a distinção pudesse conter em si alguma virtualidade, logo em 1982 os autarcas e os políticos portugueses trataram de abandalhar e mandar às urtigas a legislação que eles próprios criaram. Concluindo, não há nenhuma diferença de grau nem de substância entre uma vila de razoáveis dimensões e uma cidade pequena ou média. Pelo contrário, há vilas que são mais “cidades” que muitas das localidades que ostentam o título.

Por partes: até ao 25 de Abril de 1974 existiam em Portugal apenas cerca de 40 cidades: as antigas sedes de diocese da Idade Média (Lisboa, Porto, Braga, Coimbra, Viseu, Lamego, Évora, Silves e pouco mais) e outras que, pela sua importância histórica, foram um dia galardoadas com a “honra” de cidade. Eram essas as cidades aprendidas no mapa da escola por quem tem mais de 40 anos.

Até à nova lei que permitiu a criação de novas cidades, o regime democrático atribuiu o título a apenas duas vilas: Torres Vedras e Amadora, em 1979. Com a Lei n.º 11/82, de 2 de Junho, os deputados tinham finalmente à mão um instrumento para criar cidades a granel, empurrados por autarcas industriosos ou apenas com o objectivo de arregimentar simpatias eleitorais. É certo que a lei exigia que uma nova cidade tivesse um contínuo urbano de 8000 eleitores (cerca de 10 mil habitantes), para além de um conjunto de requisitos mais ou menos torneáveis. E com um artigo abre-latas, que dizia que à falta dos critérios definidos, podia-se evocar a importância histórica da terreola em questão. Ora, quem é que não gosta de ter importância histórica? Estava o baile armado.

Logo na década de 80, foram criadas cerca de 40 cidades de uma penada. No dia 8 de Julho de 1985, por exemplo, quando Torres Novas ascendeu a cidade, cerca de uma dezena de outras vilas atingiram o karma. Na década de 90, loucura-loucura, foram mais umas cinco dezenas e assim tem sido, sem parança, até meados do milénio quando a coisa, por escandalosa, arrefeceu para tomar fôlego um dia destes.

2. É um mito recorrente dizer-se ou pensar-se que alguém lutou arduamente para que uma vila passasse a cidade. Tudo se passou na sombra dos gabinetes e nas conexões entre autarcas, estruturas partidárias e grupos parlamentares, que, à compita, queriam chegar primeiro. Quando se verificou que os critérios legais, apesar de fraquitos, deixariam de fora muitas expectativas, PS e PSD estabeleceram entre si uma espécie de pacto de mercearia para viabilizar o tão almejado título às suas queridas vilas.

No caso de Torres Novas, até foi o PCP a tomar a dianteira: em 22 de Junho de 1983, o grupo parlamentar comunista fez dar entrada na Assembleia da República o projecto de lei n.º 127-III de elevação de Torres Novas a cidade, referindo a antiguidade histórica da vila e o foral 1190, o “triângulo de desenvolvimento com Tomar e Abrantes”, a sua zona de influência directa, alargada aos concelhos de Alcanena, Golegã e Entroncamento, “a excelente localização de Torres Novas”, “ponto de convergência entre o Sul, as Beiras e o norte do Ribatejo”, não esquecendo a indústria então instalada e a “importante rede comercial da vila”.

O PSD não quis ficar nas covas, afinal era poder em Torres Novas e o seu deputado Fernando Condesso também apresentou na AR, em 27 de Novembro de 1984, projecto de lei n.º 402-III, aludindo ao desenvolvimento económico e social de Torres Novas, à sua localização, “às indústrias de relevo na economia nacional”, com destaque para a indústria do papel, e sonhando já a passagem da futura auto-estrada Lisboa/Porto no concelho.

E foi, como se sabe, na reunião plenária de 8 de Julho de 1985, na sua 2.ª sessão legislativa da III legislatura (1983/1987) que a Assembleia da República aprovou a lei de elevação de Torres Novas a cidade, com promulgação do Presidente da República, António Ramalho Eanes, e de Mário Soares, primeiro-ministro, que referendou. Os dois projectos, o do PCP e o PSD, votados em simultâneo, tiveram um voto contra: o historiador César Oliveira, então deputado da UEDS, votou contra ou absteve-se nos muitos projectos votados nesse dia, certamente agastado com o modo como se tinha furado a lei para acomodar todos os casos em apreço. Votaram a favor o Partido Socialista (PS), Partido Social Democrata (PSD), Partido Comunista Português (PCP), Centro Democrático Social (CDS), Associação Social Democrata Independente (ASDI), e contra o deputado César Oliveira, da União de Esquerda Democrática e Socialista. No mesmo dia em que a lei Lei n.º 38/85, com um único artigo, ditava a elevação da vila de Torres Novas a cidade, recebiam igual galardão Rio Maior, Vila Nova de Famalicão, Santo Tirso, Santa Maria da Feira, Ponte de Sôr, Peso da Régua, Olhão, Montijo, Amarante e Águeda.

3. No distrito de Santarém, Tomar foi a primeira vila a ascender a cidade, em 1844, na sequência da promessa da rainha D.Maria II, que visitara a vila nesse ano. Depois foi Santarém (1868), que tinha mantido o título de vila mesmo sendo uma das mais importantes terras do reino durante séculos. Finalmente Abrantes, em 1916, e eram estas as três cidades que constavam no mapa de Portugal no que toca ao Ribatejo, até 1985.

Na década de 90, também as vilas ribatejanas de Alverca, Entroncamento, Almeirim, Cartaxo e Póvoa de Santa Iria e ainda Fátima e Ourém, do distrito de Santarém mas da antiga província da Beira Litoral, ascenderam à categoria de cidade, e Samora Correia teve essa “sorte” na década de 2000.

Hoje existem cerca de 160 cidades em Portugal, terras que têm, algumas, menos de 2000 habitantes, casos de Meda, ou Foz Coa, menos de 3000, enquanto há vilas com 50 mil. Sintra, Cascais e Oeiras, que são verdadeiras cidades, nem querem ouvir falar em deixar de ser vilas. Há casos de municípios com mais que uma cidade e em que a sede de concelho continua a ser uma vila, por não querer ser cidade (Sintra) e outro com mais que uma cidade com a sede de concelho na mais pequena. Nas regiões autónomas, descentralizou-se nos governos regionais a competência para a atribuição da categoria de cidade. Como aconteceria no continente com a regionalização (porque havia de ser diferente das regiões autónomas?), nas ilhas “subiram” a cidade terras mais pequenas que a Meia Via, Pernes ou a Azinhaga.

4. Seja como for, há sempre um conjunto de valores estéticos (urbanismo, paisagem urbana), sócio-culturais e sociológicos (dinâmicas sociais, energias, massa crítica) ou a diversidade de equipamentos e serviços, entre outros, que atribuímos a uma certa ideia de cidade, e uma certa ideia de cidade surge como confirmação vivencial, interior, quando estamos em Caldas da Rainha, Santarém ou mesmo em Tomar, e isto para falarmos em pequenas cidades. Torres Novas ascendeu a esse patamar, nestes 35 anos em que deixou de ser vila? De modo nenhum. Perdeu alguma coisa por ter deixado de ser vila? Ganhou alguma coisa por ser cidade? Também não. Ser cidade ou vila deixou de ter qualquer relevância e a reconstrução de uma terra em que dê gosto viver passa por outros paradigmas. E isso é muito difícil, com se tem visto.

NA FOTO, Banda Operária Torrejana e fanfarra dos bombeiros, no último dia de Torres Novas como vila, 7 de Julho de 1985, a caminho da inauguração do actual quartel dos BVT

 

 

 Outras notícias - Opinião


A mesa - rui anastácio »  2020-09-12  »  Rui Anastácio

Tenho um certo fascínio por mesas. Ao longo da minha vida já mandei fazer algumas. Quase sempre mesas grandes e robustas. Onde se possam sentar muitas pessoas. Onde se possa beber um bom vinho, comer muito, conversar muito, discutir muito, praguejar, gritar, lutar por ideias e ideais.
(ler mais...)


Aventurazinha no Comboio Fantasma - miguel sentieiro »  2020-09-12  »  Miguel Sentieiro

Hoje apetece-me escrever uma história baseada em factos verídicos com algumas notas ficcionadas para se conseguir tornar a narrativa menos densa e nauseabunda. Um indivíduo com 80 anos entra na urgência do Hospital de Torres Novas com fortes dores abdominais.
(ler mais...)


Democracia e representatividade - mariana varela »  2020-09-12  »  Mariana Varela

A democracia é, essencialmente, um sistema político que assenta na soberania popular, isto é, um regime em que a legitimidade do poder político emana do povo. Definir ou explicar a noção de democracia não é difícil.
(ler mais...)


A ruptura do discurso - jorge carreira maia »  2020-09-12  »  Jorge Carreira Maia

Nos últimos tempos três assuntos têm concentrado os interesses das redes sociais que dão atenção ao fenómeno político. O racismo, a festa do Avante e a disciplina de Cidadania e Desenvolvimento no ensino não superior.
(ler mais...)


As cabras do reino - carlos paiva* »  2020-09-12  »  Carlos Paiva

Era uma vez um reino. O rei tomou conhecimento que uma república aliada doava dinheiro a quem quisesse criar cabras com o intuito de limpeza do mato nas serras, de modo a diminuir o risco de incêndios. Uma solução barata, neste caso de borla, e acima de tudo não poluente, amiga do ambiente, tema muito em voga entre os gentios.
(ler mais...)


Fabrióleo: ir até ao fim - antónio gomes »  2020-09-12  »  António Gomes

O encerramento da Fabrióleo é um facto. O sofrimento das pessoas e o atentado ao ambiente estão agora mais próximos do fim. Quem não luta, não alcança.
Durante muitos anos, a poluição dos solos e das linhas de água foram a marca daqueles poluidores, nunca se importando com as consequências dos seus actos.
(ler mais...)


Agricultores - rui anastácio »  2020-09-01  »  Rui Anastácio

Falámos em Inglês. Não sei de onde vinham, vinham de bicicleta de bem longe, pela sua tez seriam originários do centro da Europa. Uma das bicicletas estava furada, com o pneu destroçado. Ofereci-lhes o meu spray antifuro.
(ler mais...)


O debate e a ditadura de pensamento - mariana varela »  2020-09-01  »  Mariana Varela

Nós, seres humanos, habitamos e partilhamos este mesmo Mundo, algo que nos une enquanto Humanidade. Ainda que todos façamos parte de uma realidade universal, possuímos uma identidade baseada nas nossas próprias experiências pessoais e características únicas.
(ler mais...)


O outro somos nós - margarida trindade »  2020-09-01  »  Margarida Trindade

Numa muito recente viagem de família, a dada altura e já próximos do destino, a fim de sabermos qual o caminho a tomar, parámos numa bomba de gasolina e baixados os vidros das janelas, lançámos às três pessoas sentadas na mesa da esplanada a demanda pela estrada a seguir.
(ler mais...)


O rio do fururo - josé mota pereira »  2020-09-01  »  José Mota Pereira

Nos diferentes modelos de desenvolvimento para o concelho, há que reconhecê-lo, os poderes municipais estão muitas vezes limitados nos seus poderes de decisão. Mas, as suas decisões – ou não decisões – e aquilo que consideram estratégico, tem reflexos e consequências para o futuro dos concelhos.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-09-01  »  José Mota Pereira O rio do fururo - josé mota pereira
»  2020-09-01  »  Rui Anastácio Agricultores - rui anastácio
»  2020-09-01  »  Mariana Varela O debate e a ditadura de pensamento - mariana varela
»  2020-09-12  »  Mariana Varela Democracia e representatividade - mariana varela
»  2020-09-01  »  Jorge Carreira Maia Saudades da ditadura - jorge carreira maia