• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quinta, 13 Agosto 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Dom.
 27° / 15°
Períodos nublados
Sáb.
 27° / 15°
Períodos nublados
Sex.
 28° / 15°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  30° / 15°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Dois mitos do desenvolvimento em Torres Novas - josé mota pereira

Opinião  »  2020-06-18  »  José Mota Pereira

O mito do emprego da “porta norte”

Nos últimos anos, a partir do posicionamento entre a A1 e a A23 que a estratégia(?) de desenvolvimento da economia e do emprego tem sido quase em exclusivo a instalação de bases logísticas das cadeias de distribuição/hipermercados. De facto, hoje quase todas as principais cadeias têm aqui instaladas bases de distribuição logística rodoviária. Tal facto é celebrado de forma insistente como um sinal de dinamismo e desenvolvimento. Não seria grave se toda a estratégia de captação de emprego e de empresas não se baseasse nesta monocultura assente no que foi chamado a “porta norte” de Lisboa.

Fraca visão e fraco futuro para Torres Novas! Se ficarmos presos em 2020 a este modelo de progresso baseado em emprego de mão de obra pouco qualificada e em tecnologia de “empilhador-camião“ estaremos a cometer um grave erro.

A logística têm trazido emprego? Tem.

Mas quem pode acreditar que este modelo actual de distribuição vai durar mais dez ou até cinco anos?

A crescente procura de alternativas ambientalmente mais sustentáveis ao transporte rodoviário de mercadorias; a previsível crescente introdução da robótica nos armazéns diminuindo a mão de obra necessária; a introdução de novas tecnologias de gestão de stocks em rede on-line em que cada loja da cadeia reporta directamente ao fornecedor; a introdução de veículos auto-transportados; o desenvolvimento das tecnologias de impressão 3D e da Internet das Coisas; a valorização da produção local, cada vez mais pronta a dar respostas locais, diminuindo a necessidade de instalar grandes armazéns; constituem, entre outras, tendências sérias e consistentes na área da distribuição logística com reflexos nos seus níveis de empregabilidade, nas suas dimensões físicas e até na sua existência.

Acresce a tudo isto, o estado de pandemia em que vivemos, cujas consequências nas pequenas empresas que ainda por cá vão sobrevivendo poderão vir a ser devastadoras.
E que respostas municipais se vão vendo? Nada ou quase nada.

Apenas um optimismo mal amanhado com o pleno emprego que as bases de distribuição têm oferecido, sem que se vislumbre uma preocupação com a defesa das restantes empresas que existem, nem se vislumbrando qualquer estratégia na captação de novas empresas e de novos empregos que vá para além deste modelo em fase de esgotamento.
Se ficarmos agarrados a isto, desconfio que o concelho de Torres Novas ainda vai ficar entalado na tal “Porta Norte”.

O mito do ensino superior
Ouve-se e lê-se muitas vezes que em Torres Novas falta ensino superior (que até já cá esteve) e que essa lacuna tem comprometido o futuro do concelho.
Sucede que aqui, e reportando apenas ao nível da oferta pública, temos a menos de 30 km os Politécnicos de Santarém e de Tomar com os seus pólos de Abrantes e Rio Maior. Um pouco mais longe, mas ainda assim aqui tão perto, temos o Politécnico de Leiria. E, obviamente, temos todas as imensas e diversas ofertas universitárias que Lisboa e Coimbra oferecem a menos de uma hora daqui. Já para não falarmos de Évora, Setúbal, Castelo Branco e Aveiro, que completam uma espécie de segundo círculo.

Associar algum problema de desenvolvimento local à falta de ensino superior é ignorar esta realidade. Nem os jovens torrejanos têm falta de oferta formativa nem me parece que em Torres Novas se pudesse oferecer actualmente alternativas credíveis de ensino a estas instituições.
Para mais há que assumir: uma universidade não é uma paróquia.

Pessoalmente, acho até muito bem que os jovens torrejanos vão estudar para fora da sua rua e do seu bairro. Que partam e vão pelo país, pela Europa e pelo Mundo!
Que aproveitem as possibilidades que hoje existem de estudarem noutros países, conhecendo outras culturas e alargando horizontes.
A nossa tarefa é incentivá-los a irem.

A nossa exigência é criarmos condições para regressem e nos tragam o Mundo e partilhem connosco tudo quanto viveram na sua vida académica. Esse sim, é o nosso desafio. Não nos podemos continuar a dar ao luxo de ver partir os nossos jovens sem lhes oferecermos a oportunidade de regressarem e aqui construírem a sua vida com todos os benefícios para a comunidade.

Para isso, é preciso investir a sério em emprego, na sustentabilidade ambiental, na cultura (e não apenas numa política de realização eventos culturais), na habitação e no desenvolvimento integral do território, da cidade às freguesias rurais, promovendo o seu povoamento e a sua revitalização.
Enfim, dar as boas vindas aqueles que podem construir um outro futuro para a nossa terra.

 

 

 Outras notícias - Opinião


As nossas vozes - josé mota pereira »  2020-07-27  »  José Mota Pereira

Muitas vezes, a comunicação social local é acusada de ser um instrumento ao serviço do caciquismo.

 Outras tantas vezes, também não é difícil de desmentir que a comunicação social local e regional (jornais e rádios) é apenas páginas de jornais ou horas de rádio vazias desprovidas de conteúdo ou interesse.
(ler mais...)


E se António Rodrigues? »  2020-07-18  »  Jorge Carreira Maia

Se António Rodrigues não se candidatar à presidência do Município, Pedro Ferreira será, sem dificuldade, reeleito. A entrada de António Rodrigues na corrida poderá, contudo, perturbar o passeio dos socialistas.
(ler mais...)


TORRES NOVAS EM 1985: parabéns, cidade! - josé mota pereira »  2020-07-18  »  José Mota Pereira

Em 1985, as pessoas da zona alta vinham à vila. E diziam-no quando vinham ao centro! Ainda hoje, passados 35anos, vem-se à vila. Eram bem diferentes os limites físicos. A vila terminava junto à capela de Santo António e todas as urbanizações circundantes à Av.
(ler mais...)


530 mil - rui anastácio »  2020-07-18  »  Rui Anastácio

É o número de jovens que abandonaram o país nos últimos 10 anos.

Perante este número, é impossível não concluir que somos um país falhado. Não somos só um país falhado.
(ler mais...)


Zona industrial em Riachos - antónio gomes »  2020-07-18  »  António Gomes

As zonas industriais são espaços de ordenamento do território. Só com a sua implementação se consegue evitar a construção de empresas em locais que se destinam a outros fins e que não estão minimamente preparados para receber determinado tipo de actividades.
(ler mais...)


Refugiados: cooperação e sentido de humanidade - mariana varela »  2020-07-18  »  Mariana Varela

No passado dia 7 de julho, chegaram a Portugal 25 jovens menores não acompanhados, oriundos de campos de refugiados da Grécia, onde viviam, naturalmente em condições de extrema precariedade. No meio do caos que tem sido a situação pandémica, o problema dos refugiados não deixa de existir, adquirindo mesmo maior relevância e dimensão, uma vez que grande parte dos países fecharam a suas fronteiras como medida de prevenção.
(ler mais...)


Por onde ir? - acácio gouveia »  2020-07-18  »  Acácio Gouveia

É gratificante apercebermo-nos de que há jovens que canalizam a sua irrequietude para o pensamento crítico e para opinar sobre política. O texto da jovem Mariana Varela é um bom ponto de partida para discussão sobre perspectivas de alternativas ao caminho actual do mundo.
(ler mais...)


Uma cidade à espera de si própria - joão carlos lopes »  2020-07-18  »  João Carlos Lopes

1. Ser cidade não vale um caracol, não acrescenta uma vírgula a nenhum campeonato. Em Portugal, “cidade” não é nenhuma categoria político-administrativa, tratando-se de um título meramente honorífico.
(ler mais...)


Os municípios e as respostas locais e excepcionais a uma situação de excepção »  2020-07-03  »  Ana Lúcia Cláudio

Lisboa e Porto são, naturalmente, as cidades portuguesas mais viradas para o turismo. Por isso mesmo, são também elas as mais penalizadas com os respectivos danos colaterais nas vidas de todos os que aí vivem e trabalham.
(ler mais...)


Tudo vale a pena se a alma não é pequena - anabela santos »  2020-07-03  »  AnabelaSantos

Tanto empenho, tanto sofrimento, tantos sacrifícios, tanta luta para alcançar objectivos e pergunta Fernando Pessoa se terá valido a pena, ao que o poeta responde: sim. Se a alma não é pequena, isto é, se é dotada de um espírito bravo, forte e sonhador, nada do que se faz é em vão.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-07-18  »  Jorge Carreira Maia E se António Rodrigues?
»  2020-07-18  »  José Mota Pereira TORRES NOVAS EM 1985: parabéns, cidade! - josé mota pereira
»  2020-07-18  »  João Carlos Lopes Uma cidade à espera de si própria - joão carlos lopes
»  2020-07-27  »  José Mota Pereira As nossas vozes - josé mota pereira
»  2020-07-18  »  Mariana Varela Refugiados: cooperação e sentido de humanidade - mariana varela