• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 12 Abril 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 22° / 13°
Céu nublado com chuva fraca
Qua.
 24° / 12°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 23° / 12°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  23° / 9°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

DAR VOZ AO TRABALHO - josé mota pereira

Opinião  »  2021-01-10  »  José Mota Pereira

Entrados na terceira década do século XXI, o Mundo dos humanos permanece o lugar povoado das injustiças, da desigualdade e do domínio de uns sobre os outros. Não é a mudança dos calendários que nos muda a vida. Afinal é simples, não nos basta mudar o calendário.

O ano de 2021 apresentou-se-nos envergonhado com os povos recolhidos pela biologia de uma pandemia e a pagarem os efeitos desta economia do medo que nos rege onde os fortes são cada vez mais fortes e os fracos cada vez mais fracos. Estamos longe, bem longe, da terra do leite e do mel.

A desigualdade apresenta-se, nestes dias de Janeiro de 2021, em todas as suas dimensões e espalha-se globalmente pelo planeta. A pobreza mais miserável (onde tudo falta) do mundo dito subdesenvolvido junta-se à nossa sociedade dita desenvolvida onde se permitem as desigualdades assentes no género, na “raça, nas etnias, religiosas e nas opções da sexualidade. Na base de todas elas assentam, ainda e sempre, as desigualdades sociais determinadas pelas relações de trabalho do modo de produção capitalista. Assentam, não por hierarquia, mas por sustentação estrutural.

O desemprego é o gerador natural do exército crescente de mão de obra global quase escravizada, disponível para trabalhar mais por menos. Também não se podem ignorar questões essenciais como a valorização, educação e qualificação profissional; as questões decorrentes da evolução tecnológica e da  automatização; as questões da produtividade e do valor económico do trabalho; as questões da política de rendimentos e distribuição da riqueza; as questões da precariedade, organização, métodos  e  segurança laborais. Nem ignorar a importância dos tempos de lazer e descanso. Todas estas questões são geralmente alvo de desvalorização no debate público, fogem muitas vezes aos holofotes mediáticos e são encaradas como coisas do passado, bafientas e próprias de um mundo que já não existe.

Na semântica, os termos são alterados e os conceitos de trabalhador e empregador são substituídos pelas expressões actualizadas de colaborador e empreendedor – note-se, no entanto, que na substância o upgrade nada altera, ao ponto de muitas vezes o próprio empreendedor não passar, em muitos casos, de um trabalhador sujeito às mesmas regras de dependência económica e subordinação jurídica perante outrém definidoras da relação de trabalho. Todas estas questões são basilares e são determinantes na existência de todas as outras desigualdades sociais. Será possível analisar, por exemplo, o fenómeno do racismo e da discriminação racial ignorando as causas socio-económicas derivadas das relações de trabalho que estão na sua origem?

 

Neste contexto, as novas relações de trabalho tendem a ser cada vez mais individualizadas, fragilizando a força reivindicativa dos trabalhadores, e todas as formas colectivas de organização dos trabalhadores são mal-vistas, combatidas e encaradas como coisas arcaicas, desincentivando-se publicamente e sem qualquer pudor, a sua  participação e necessária renovação pelos trabalhadores aos novos tempos.

 

Mais do que nunca, valorizar o trabalho e os trabalhadores constitui um imperativo social e político de quem pugna contra as desigualdades e por um mundo alternativo ao capitalismo. A exploração dos seres humanos e da natureza não é uma inevitabilidade histórica. Garantirmos a defesa das causas comuns da Esquerda  como a liberdade, a democracia, a paz , a habitação, a saúde e a educação universais, sem discriminações, exige que coloquemos a defesa do mundo do Trabalho como uma questão central do nosso tempo.

 

No final deste mês de Janeiro, em Portugal, votaremos para a Presidência da República. Não são eleições menores, pelo contrário. Enquanto o PS se demitiu das suas responsabilidades, a direita portuguesa está a aproveitar estas eleições para se reorganizar em torno do seu candidato apoiado pelo PSD e pelo CDS. Uma reorganização que visa, além de reconquistar o poder executivo,  retomar o programa neo-liberal de destruição do Estado Social e a quem nunca faltará, na hora certa, o apoio e o suporte da venturosa organização filofascista.

 

Temos, do outro lado do espectro, várias opções e todas elas trazem boas razões e oportunidades de manifestar uma posição alternativa de esquerda para o futuro de Portugal. Não faltemos à sua chamada, porque em democracia não há vencedores antecipados. O momento é sério, tomemos disso consciência.

 

Pelas razões que expus atrás, vou pela esquerda, apoiando e votando no candidato que de forma mais viva, clara e incisiva, traz para a Presidência da República a valorização do trabalho e dos trabalhadores portugueses, em nome de todos os valores de Abril, defendendo na prática os valores progressistas consagrados na Constituição da República Portuguesa.

 

        

 

 

 Outras notícias - Opinião


Os 2,36 euros extra…ordinários - miguel sentieiro »  2021-04-10  »  Miguel Sentieiro

Num momento em que o sentimento generalizado sobre os chineses é de alguma desconfiança, preparo-me aqui para contrapor e dar uma oportunidade aos tipos. Eu sei que nos foram mandando com a peste bubónica, a gripe asiática, a gripe das aves, o corona vírus.
(ler mais...)


#torresnovas@weshallover.com - josé ricardo costa »  2021-04-10  »  José Ricardo Costa

É muito bom viver em Torres Novas mas também se sente o peso de estar longe do que de verdadeiramente moderno se passa no mundo, enfim, nada de #Me Too, Je suis Charlie Hebdo, vetustas estátuas transformadas em anúncios da Benetton.
(ler mais...)


Rever a revisão, já! - josé mota pereira »  2021-04-10  »  José Mota Pereira

 

 Recuemos no tempo. Entremos numa máquina do tempo e cliquemos no botão que nos leve até ao ano de 2001. Recordemos vagamente que em 2001:

 - Caíram as Torres Gémeas em Nova Yorque em 11 setembro.
(ler mais...)


Na era do ad hominem - jorge carreira maia »  2021-04-10  »  Jorge Carreira Maia

Quando a internet surgiu e, posteriormente, com a emergência dos blogues e redes sociais pensou-se que a esfera pública tinha encontrado uma fonte de renovação. Mais pessoas poderiam trocar opiniões sobre os problemas que afectam a vida comum, sem estarem controladas pelos diversos poderes, contribuindo para uma crescente participação, racionalmente educada, nos assuntos públicos.
(ler mais...)


Equilíbrio - inês vidal »  2021-04-10 

É e sempre foi uma questão de equilíbrio. Tudo. E todos o sabemos. O difícil é chegar lá, encontrá-lo, ter a racionalidade e o bom senso suficientes para o ter e para o ser. E para saber que o equilíbrio de hoje não é obrigatoriamente o de amanhã, muito menos o que era ontem.
(ler mais...)


As árvores morrem de qualquer maneira e feitio - carlos paiva »  2021-04-10  »  Carlos Paiva

Comemorou-se a 21 de Março o dia da floresta. O Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) resolveu assinalar a data disponibilizando 50.000 árvores gratuitamente à população. Quem as quisesse plantar, teria de se identificar, inscrever, levantar a árvore (até um máximo de dez árvores por pessoa) e, num prazo de 48 horas, declarar o local onde plantou documentando com fotos.
(ler mais...)


Rejuvenescimento político - anabela santos »  2021-04-10  »  AnabelaSantos

Hoje, como acontece diariamente, no caminho de casa até à escola, lá se deu o habitual encontro matinal entre mim e o Ananias, o meu amigo ardina. Trocámos algumas palavras, comprei o jornal e seguimos por caminhos opostos que nos levam à nossa missão do dia, o trabalho.
(ler mais...)


O CRIT já não é de todos os torrejanos - joão carlos lopes »  2021-04-08  »  João Carlos Lopes

Durante décadas, todos os torrejanos ajudaram no que puderam o CRIT, uma obra social que granjeou a estima de todos os cidadãos e empresários, e foram muitos, que sempre disseram sim a todas e quaisquer formas de ajuda em prol da aventura iniciada em 1975.
(ler mais...)


Peixes e pombos ou a civilização a andar para trás - joão carlos lopes »  2021-03-23  »  João Carlos Lopes

Dir-se-ia, de uma câmara socialista, esperar que se perseguissem os valores e ideais que aqui e ali, somados, vão concorrendo para um mundo melhor e para uma relação mais harmoniosa e avançada entre todos e tudo o que habita uma casa comum que é o território natural de um pequeno concelho.
(ler mais...)


Depois de casa roubada, trancas à porta - antónio gomes »  2021-03-20  »  António Gomes

Na política, ou se tem ideias, rasgo e capacidade de antecipação para marcar a diferença, ou andamos sempre no rengo-rengo.

As vítimas da pandemia estão aí, agora com maior visibilidade, mais desemprego, mais encerramentos de pequenas empresas, comércio, restauração, serviços, trabalhadores independentes sem rendimentos.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-04-08  »  João Carlos Lopes O CRIT já não é de todos os torrejanos - joão carlos lopes
»  2021-03-23  »  João Carlos Lopes Peixes e pombos ou a civilização a andar para trás - joão carlos lopes
»  2021-03-20  »  José Ricardo Costa A Rosa do Nome - josé ricardo costa
»  2021-03-20  »  Jorge Carreira Maia A arte do possível - jorge carreira maia
»  2021-03-20  »  Carlos Paiva São rosas, senhor - carlos paiva