• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quinta, 15 Abril 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Sáb.
 22° / 10°
Céu limpo
Sex.
 23° / 12°
Períodos nublados com chuva fraca
Qui.
 22° / 14°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  21° / 12°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

As cabras do reino - carlos paiva*

Opinião  »  2020-09-12  »  Carlos Paiva

"Porquê uma parábola monárquica? Porque numa república existe uma constituição, leis, regras, protocolos"

Era uma vez um reino. O rei tomou conhecimento que uma república aliada doava dinheiro a quem quisesse criar cabras com o intuito de limpeza do mato nas serras, de modo a diminuir o risco de incêndios. Uma solução barata, neste caso de borla, e acima de tudo não poluente, amiga do ambiente, tema muito em voga entre os gentios. Era isso mesmo que o rei precisava, ser popular entre os gentios. Se bem o pensou, melhor o fez. Vindo o financiamento a fundo perdido, o rei delegou a operacionalização num dos nobres da sua confiança. Passou um ano. Lá para o lado esquerdo do reino, estava uma Amazona descansadamente em casa a ver TV. Não havia zapping que a livrasse de ser bombardeada com a notícia de um incêndio numa serra distante que vitimou uma quantidade de animais. Serra + incêndio + animais… Acendeu-se uma lamparina cerca de quinze centímetros acima da sua cabeça. “Pois é. Que será feito das cabras? Após a pompa e circunstância da inauguração desse projecto, nunca mais ninguém ouviu falar delas”. Pôs-se a caminho e foi solicitar audiência na corte. Ia inteirar-se do ponto da situação. Os elementos da corte olharam uns para os outros, encolheram os ombros e responderam que não sabiam nada. De nada. Perante a ignorância e falta de resposta acerca de uma ideia sua, o rei, viu-se numa situação desconfortável. Rapidamente e em segredo, foi perguntar ao nobre a quem delegara a responsabilidade, o que se passava. O nobre, com a maior cara de pau que conseguiu afivelar, respondeu: “Excelentíssimo e iluminado rei, segui o seu exemplo. Tal como vós fizestes com a recolha de lixo e limpeza das ruas do reino, subcontratei o serviço. Infelizmente, o subcontratado foi de uma incompetência tal, que deixou morrer as cabras à fome e sede”. O rei percebeu que a as palavras do nobre nunca poderiam chegar à Amazona, muito menos à plebe. Decidiu ser ele a responder directamente à questão. Na sessão pública seguinte, perante a Amazona e os muitos gentios que se a acotovelavam ao fundo da sala para saber as novas, aflito pelo golpe que a notícia de tal incúria iria trazer à sua imagem, quis expulsar os jornalistas da sala… não espera, isso foi o outro. É o que dá ter reis consecutivos da mesma cor, um gajo baralha-se. Onde ia eu? Há! O rei, num golpe de genial improviso, aclarou a voz e disse: “Trago más notícias. As cabras andavam a pastar junto da nascente do rio, desequilibraram-se, caíram à água e… foram sugadas pela turbina da Renova.” Assim tudo encaixava, o assunto estava encerrado sem penalizações para ninguém, excepto as cabras. Acidentes acontecem. A Amazona, pouco convencida, regressou a casa, e à sua TV. Um canal estava a transmitir uma reposição da série Baywatch. Calções + biquínis + água… Acendeu-se uma lamparina cerca de quinze centímetros acima da sua cabeça. “Pois é. Que será feito das piscinas?”
Porquê uma parábola monárquica? Porque numa república existe uma constituição, leis, regras, protocolos. E penalizações por incumprimento.

*Anarquista obsessivo compulsivo

 

 

 Outras notícias - Opinião


Empréstimo »  2021-04-13  »  Hélder Dias

Sombra suspeita »  2021-04-13  »  Hélder Dias

Os 2,36 euros extra…ordinários - miguel sentieiro »  2021-04-10  »  Miguel Sentieiro

Num momento em que o sentimento generalizado sobre os chineses é de alguma desconfiança, preparo-me aqui para contrapor e dar uma oportunidade aos tipos. Eu sei que nos foram mandando com a peste bubónica, a gripe asiática, a gripe das aves, o corona vírus.
(ler mais...)


#torresnovas@weshallover.com - josé ricardo costa »  2021-04-10  »  José Ricardo Costa

É muito bom viver em Torres Novas mas também se sente o peso de estar longe do que de verdadeiramente moderno se passa no mundo, enfim, nada de #Me Too, Je suis Charlie Hebdo, vetustas estátuas transformadas em anúncios da Benetton.
(ler mais...)


Rever a revisão, já! - josé mota pereira »  2021-04-10  »  José Mota Pereira

 

 Recuemos no tempo. Entremos numa máquina do tempo e cliquemos no botão que nos leve até ao ano de 2001. Recordemos vagamente que em 2001:

 - Caíram as Torres Gémeas em Nova Yorque em 11 setembro.
(ler mais...)


Na era do ad hominem - jorge carreira maia »  2021-04-10  »  Jorge Carreira Maia

Quando a internet surgiu e, posteriormente, com a emergência dos blogues e redes sociais pensou-se que a esfera pública tinha encontrado uma fonte de renovação. Mais pessoas poderiam trocar opiniões sobre os problemas que afectam a vida comum, sem estarem controladas pelos diversos poderes, contribuindo para uma crescente participação, racionalmente educada, nos assuntos públicos.
(ler mais...)


Equilíbrio - inês vidal »  2021-04-10 

É e sempre foi uma questão de equilíbrio. Tudo. E todos o sabemos. O difícil é chegar lá, encontrá-lo, ter a racionalidade e o bom senso suficientes para o ter e para o ser. E para saber que o equilíbrio de hoje não é obrigatoriamente o de amanhã, muito menos o que era ontem.
(ler mais...)


As árvores morrem de qualquer maneira e feitio - carlos paiva »  2021-04-10  »  Carlos Paiva

Comemorou-se a 21 de Março o dia da floresta. O Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) resolveu assinalar a data disponibilizando 50.000 árvores gratuitamente à população. Quem as quisesse plantar, teria de se identificar, inscrever, levantar a árvore (até um máximo de dez árvores por pessoa) e, num prazo de 48 horas, declarar o local onde plantou documentando com fotos.
(ler mais...)


Rejuvenescimento político - anabela santos »  2021-04-10  »  AnabelaSantos

Hoje, como acontece diariamente, no caminho de casa até à escola, lá se deu o habitual encontro matinal entre mim e o Ananias, o meu amigo ardina. Trocámos algumas palavras, comprei o jornal e seguimos por caminhos opostos que nos levam à nossa missão do dia, o trabalho.
(ler mais...)


O CRIT já não é de todos os torrejanos - joão carlos lopes »  2021-04-08  »  João Carlos Lopes

Durante décadas, todos os torrejanos ajudaram no que puderam o CRIT, uma obra social que granjeou a estima de todos os cidadãos e empresários, e foram muitos, que sempre disseram sim a todas e quaisquer formas de ajuda em prol da aventura iniciada em 1975.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-04-08  »  João Carlos Lopes O CRIT já não é de todos os torrejanos - joão carlos lopes
»  2021-03-23  »  João Carlos Lopes Peixes e pombos ou a civilização a andar para trás - joão carlos lopes
»  2021-03-20  »  José Ricardo Costa A Rosa do Nome - josé ricardo costa
»  2021-03-20  »  Jorge Carreira Maia A arte do possível - jorge carreira maia
»  2021-04-10  »  Miguel Sentieiro Os 2,36 euros extra…ordinários - miguel sentieiro