• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 29 Novembro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 18° / 5°
Períodos nublados
Ter.
 19° / 9°
Céu limpo
Seg.
 17° / 9°
Períodos nublados com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  16° / 8°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Sem política, armas e religião… - maria augusta torcato

Opinião  »  2020-10-23  »  Maria Augusta Torcato

"Em nome da política e da religião, o recurso às armas se tornou vulgar e banal "

“Eu só quero ir para um lugar sem política, armas e religião…”, dizia uma mãe ainda jovem, em lágrimas, quando um jornalista a interpelava nos momentos que se seguiram à tragédia no porto de Beirute, que é do conhecimento de todos nós, mas, quicá, por estar distante dos olhos talvez passe a estar igualmente distante do coração. Diga-se, em abono da verdade, que há tantos problemas também por aqui, para quê estarmos a pensar nos outros e nos distantes?

Já passaram dias, muitos dias. Porém, para quem vive (os) problemas, os dias parecem intermináveis. Para algumas pessoas, talvez muitas pessoas, os dias custam a passar, porque são difíceis. Muito difíceis. E, se bem que esta crónica retome um desabafo proferido por uma mulher numa situação dramática, que em momento algum se pretende subvalorizar, por se procurar alguma analogia com outras realidades que nos são mais ou menos próximas, a mensagem que veicula deve fazer-nos refletir a todos, porque espelha o mundo e o nosso mundinho.

Não é uma situação nova. É, aliás, cada vez mais recorrente, sucede um pouco por todo o mundo e já nos deveria ter preocupado há muito tempo, porque seria sinal de que estávamos atentos e não permitiríamos que algumas coisas acontecessem e contribuíssem para o estado degradante, a todos os níveis, do nosso mundo. Só uma situação desesperante, uma descrença total, uma revolta e uma mágoa imensas podem levar à dupla associação negativa de três conceitos: “política” – “armas” – “religião”. Além da preocupação, a vergonha também nos deveria conduzir à reflexão e à mudança.

Irmanar política, armas e religião é algo doloso, mas verificamos, de facto, que em nome da política e da religião, o recurso às armas se tornou vulgar e banal e continua a ser um meio destruidor da humanidade. E a palavra “armas” enforma-se de vários instrumentos e meios e de sentidos denotativo e conotativo. Igualmente pérfido é que, ao invés de servirem e procurarem o bem-estar das pessoas, a política e a religião servem e provocam, na maioria das vezes, precisamente o oposto, a ponto de genericamente negarem e recusarem os princípios e os valores nobres que, paradoxalmente, as sustentam e justificam.

Não se pretende escrutinar as palavras e os diferentes sentidos e sua evolução ao longo dos tempos. Nem alimentar reminiscências gregas, se bem que, para Aristóteles, a política era o meio de obter a felicidade dos cidadãos. Não deixa de ser bonito. Pena que nem todas as pessoas eram consideradas cidadãos (creio que ainda hoje é assim). Porém, para esta breve reflexão, basta evocar alguns princípios, que são os que nos interessam e se prendem com o servir o bem público, o bem comum, o interesse das pessoas e não apenas de algumas pessoas, procurar construir o seu bem-estar, o seu desenvolvimento, a sua harmonia, garantir as suas liberdades e trabalhar afincadamente para uma vivência democrática, a partir da qual se operará o que é expectável, substantivado em comportamentos éticos e morais.

Porém, aquilo que se verifica hoje, e a culpa será de todos nós, que talvez não exerçamos a nossa cidadania, é que a “política” transporta uma conotação tão negativa, remetida às ruas da amargura, atolada em lama, que até já há quem defenda que não devia “haver política” e a “política devia acabar”. O problema é que é política tudo o que fazemos ou desejamos fazer na comunidade em que nos inserimos e ninguém é sozinho e só somos na relação com os outros. Não é na “política” que está o mal. O mal está, primeiramente, em quem exerce a política seja sob a forma de representação ou outra e sob uma capa democrática alimente atitudes e comportamentos que, no fundo, não têm em vista o bem de todos, mas sim e apenas de alguns e com determinados critérios, muitas vezes pessoais, que confundem claramente o público com o privado/pessoal.

Quem se disponibiliza para servir os seus concidadãos não pode ter confusões quanto aos seus papéis e aos seus estatutos, que são recíprocos. Não pode lamentar-se, queixar-se, vitimizar-se, porque escolheu, voluntária e civicamente, servir, fazer o seu melhor face a expectativas e necessidades identificadas.

Assiste-se, já, a diferentes movimentações para os próximos atos políticos relacionados com eleições, também elas diferentes. Era talvez tempo de todos, mas em particular quem se oferece e disponibiliza para uma participação direta e interventiva, pensar e contribuir, de vez, para a reconstrução de sentidos e significados do que é, hoje, a política e o que são políticos. Já se percebeu que o trabalho é árduo, logo, só quem tem mesmo capacidades, vontade, força, coragem, resiliência e valores sólidos deveria ter a hombridade de disputar e ocupar esses lugares. Até se compreende que quem tem estas características esteja desiludido, magoado, cansado e não queira ou não consiga, por honestidade consigo e com os outros, fazer parte desses processos, mas o mundo precisa do resgate do que é a verdadeira política e de políticos dignos de a executarem. Volto a lembrar o desabafo inicial e inspirador desta crónica, e que é o reflexo do que tantas outras mães pensam e sentem: “Só quero ir para um lugar sem política, armas e religião”.

Que vergonha para todos os que contribuíram para este retrato. E vergonha para todos nós, os restantes, que temos deixado que esta negra pintura se sobreponha à verdadeira arte que é a política e a religião (de forma independente, claro!) servirem as pessoas e contribuírem para um mundo melhor! Para quando uma entrega da política e da religião ao serviço de conceitos elevados da dignidade de todas as pessoas, com efeitos práticos na sua existência? Para quando?

 

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


Onde pára o PS? - josé mota pereira »  2020-11-21  »  José Mota Pereira

Vivi algum tempo nos Açores, onde contactei com uma realidade social e política muito diversa daquela a que estava habituado por estas paragens. Nesse período, a transição do poder político passava de Carlos César para o seu sucessor, Vasco Cordeiro, de forma absolutamente tranquila, com o PS exercendo uma maioria eleitoral que a toda a gente parecia vir a ser eterna.
(ler mais...)


Gatos »  2020-11-21  »  Rui Anastácio

A “Rosa dos Gatos” foi uma das personagens que habitou a minha infância. Na verdade a minha infância foi habitada por uma miríade de personagens. Escolhi a Rosa não sei bem porquê.

A Rosa alimentava vinte gatos, tinha muito mau feitio para as crianças mas um imenso amor pelos gatos.
(ler mais...)


[Breve ensaio para uma carta ao futuro] - margarida trindade »  2020-11-21  »  Margarida Trindade

Aquele era o tempo do contágio. O tempo em que da ordem nasceu a desordem. O tempo da separação e da angústia. O tempo asséptico. O tempo final. O tempo do medo. O tempo da rebelião e de todos os perigos latentes.
(ler mais...)


Ser Torrejano - josé ricardo costa »  2020-11-21  »  José Ricardo Costa

Desço a rua dos Anjos quando o meu cérebro é de repente apoquentado por uma radical e inquietante questão. Não o pavor diante do silêncio e escuridão do espaço cósmico ou por não saber se quando esticar o pernil irei dar com a Audrey Hepburn a cantar o Moon River numa matiné de domingo no Virgínia ou com um cenário de Bosch.
(ler mais...)


Pandemia e a vantagem do meio termo - jorge carreira maia »  2020-11-21  »  Jorge Carreira Maia

Depois de uma pequena acalmia, a pandemia de COVID-19 escalou. Contágios, internamentos, utilização de cuidados intensivos e mortes, tudo isso apresenta números que são já assustadores. É fácil criticar os governos, difícil, porém, é ter, com os recursos existentes e com os conhecimentos disponíveis, respostas que agradem a todos ao mesmo tempo.
(ler mais...)


Generalizar, apontar, julgar - inês vidal »  2020-11-21  »  Inês Vidal

Digo isto com frequência. Quem melhor me conhece, já o ouviu dezenas de vezes. Ainda hoje, ao jantar, dizia à minha filha que não podemos viver no preconceito. A vida não é a preto e branco, tem antes milhares de nuances.
(ler mais...)


Mais rápido que a própria sombra - carlos paiva »  2020-11-21  »  Carlos Paiva

As árvores, além de produzirem oxigénio e servirem de lar para uma série de bicharada, têm num dos efeitos colaterais à sua existência, o arrefecimento do ar. Onde há árvores, fica mais fresquinho.
(ler mais...)


Água - antónio gomes »  2020-11-21  »  António Gomes

A água é um recurso escasso, não é infinito e não podemos viver sem ela. O acesso à água é um direito humano.
Muito se tem escrito e muito se vai continuar a escrever sobre a exploração e utilização da água, mas medidas concretas para rentabilizar a sua utilização são ainda são escassas e decisões políticas são a excepção.
(ler mais...)


Voltemos ao comércio local - antónio gomes »  2020-11-06  »  António Gomes

A situação de pandemia agrava-se aos olhos de toda a gente e as consequências desta situação são evidentes: no emprego/desemprego, na actividade económica, na transacção de mercadorias, em particular no comércio local.
(ler mais...)


FUI LÁ ATRÁS, VOLTO JÁ - josé mota pereira »  2020-11-06  »  José Mota Pereira

Passados três meses da sua aquisição, o smartphone decidiu entregar a alma ao criador, pelo que o cronista teve que o substituir temporariamente, aguardando a devida recuperação do paciente tecnológico. Sendo a doença temporária e recuperável no prazo razoável de três semanas, decidiu o cronista investir a modesta quantia de cerca de vinte moedas de euros na aquisição de um aparelho telefónico portátil, a que dantes chamávamos telemóvel, para permitir o seu contacto com os outros humanos do Mundo.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-11-21  »  José Mota Pereira Onde pára o PS? - josé mota pereira
»  2020-11-21  »  José Ricardo Costa Ser Torrejano - josé ricardo costa
»  2020-11-06  »  Jorge Carreira Maia Hiperpolitização - jorge carreira maia
»  2020-11-21  »  Carlos Paiva Mais rápido que a própria sombra - carlos paiva
»  2020-11-06  »  José Mota Pereira FUI LÁ ATRÁS, VOLTO JÁ - josé mota pereira