• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Quinta, 13 Agosto 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Dom.
 27° / 15°
Períodos nublados
Sáb.
 27° / 15°
Períodos nublados
Sex.
 28° / 15°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  30° / 15°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Carta aberta a bom entendedor - inês vidal

Opinião  »  2020-06-18  »  Inês Vidal

"Mas eu tenho mau feitio. Temos todos por aqui. Graças a Deus resta-nos uma alma boa"

Tenho mau feitio, quem me conhece sabe. Uma característica que nasceu comigo, mas que nitidamente vai piorando à medida que os anos passam, a vida corre, as experiências se sucedem...

Não deixa de ter graça que simultaneamente, mas num sentido inversamente proporcional, cresça a minha tolerância para com uma série de outras coisas que outrora me custava entender. Percebo os erros, as imperfeições, limites impostos ultrapassados, tudo o que fura os cânones da dita normalidade, que, vai-se a ver, nem sequer existe. Julgo cada vez menos, entendo o outro cada vez melhor, fruto de uma percepção de que a vida nos testa, põe-nos à prova e nos leva ao limite. Cada vida é uma e nós somos apenas humanos a tentar fazer o melhor que conseguimos com ela. Aprendi a ouvir os outros, a perceber que as minhas limitações são muitas vezes os pontos fortes do próximo, bem como as limitações de outrém são muitas vezes as minhas maiores fortalezas. Sinto-me, cada vez mais, uma pessoa melhor. Uma alma boa!

Mas se sou cada vez mais tolerante, sou, em simultâneo e ironicamente, cada vez mais intolerante àquilo que definitivamente não tolero. Respeito as pessoas que reconhecem os seus limites, admitem o erro ou a possibilidade de estar errados. Não tolero mentes flácidas, balofas, arrogantes, daquela arrogância própria de quem é de tal forma limitado que não concebe as suas próprias limitações. Haverá coisa mais triste?

Há pessoas que têm naturalmente essa tendência. Há situações que promovem isso ainda mais. As maiorias absolutas são um bom exemplo disso: tendem a intensificar este tipo de limitações. O complexo de ser Deus, que assola pessoas que não têm capacidade para perceber as suas fronteiras, de que não são ninguém para julgar os outros, de que é importante ser humilde a ponto de nos rodearmos de quem sabe, bem como de que é bom ouvir os outros, como forma de nos superarmos a uma só voz.
As maiorias absolutas são um bom exemplo disso, repito. O facto de legitimarem todas as suas merdas com os votos angariados nas urnas, sem ninguém que lhes consiga fazer frente, sobe à cabeça dos que não estão minimamente preparados para a coisa pública, para o bem comum, mas apenas interessados no que isso trará de vantajoso para o seu quintal.

Em Torres Novas, o edil, que atrai o agrado dos torrejanos pela sua educação, tem sofrido deste mal. Talvez não totalmente por culpa própria e ao mesmo tempo por sua inteira responsabilidade. Ou direi antes, irresponsabilidade. Aquela incapacidade de dar um murro na mesa ou de se rodear de gente que saiba, que lhe sussurre bons conselhos e lhe mostre o caminho que nem sempre consegue - nem tem de - ver sozinho. Escuteiro de alma, instalado num ninho de vespas envergonhadas, deu agora numa de se armar em Deus, gritando alto o que antes lhe sussurraram ao ouvido, decidindo sozinho, ou com os seus, quem tem alma boa ou má.

Entendeu, qual São Pedro às portas do céu, quais os jornais que por terem alma boa merecem o apoio da autarquia e quais os que, por se portarem mal - que é como quem diz os jornais que se atrevem a escrever textos destes - têm alma má e como que de castigo, ficam de fora dos horizontes do município.

Não é orgulho ferido este texto, entenda-se. Há muito que gritamos orgulhosos aos quatro ventos, que somos o único jornal do concelho que não mereceu a medalha de mérito municipal. Continuaremos a lutar por isso.

A nós que gostamos destas coisas da democracia e ainda mais da política local, do jornalismo e do verdadeiro jornalismo, dói-nos simplesmente a alma - boa ou má - quando o poder local não percebe que ninguém o elegeu para dar lições de moral de trazer por causa ou para tratar os munícipes torrejanos conforme os apetites. Há regras, regimentos e regulamentos a ser seguidos. Quem diz nos jornais, diz num conjunto de outros assuntos. Hoje toca-nos a nós, mas ontem tocou a outro e amanhã logo se vê...

Mas isso já não querem eles saber, porque não precisam. Por mais que esperneie a oposição, a decisão é da maioria. E a maioria decidiu que apoiar um jornal é vantajoso, pois garante a parcialidade, a propriedade, o comprometimento e deixa uma réstia de esperança de que seja possível calar quem fala.

Mas eu tenho mau feitio. Temos todos por aqui. Graças a Deus resta-nos uma alma boa. Do mesmo nem todos se podem orgulhar.

 

 

 Outras notícias - Opinião


As nossas vozes - josé mota pereira »  2020-07-27  »  José Mota Pereira

Muitas vezes, a comunicação social local é acusada de ser um instrumento ao serviço do caciquismo.

 Outras tantas vezes, também não é difícil de desmentir que a comunicação social local e regional (jornais e rádios) é apenas páginas de jornais ou horas de rádio vazias desprovidas de conteúdo ou interesse.
(ler mais...)


E se António Rodrigues? »  2020-07-18  »  Jorge Carreira Maia

Se António Rodrigues não se candidatar à presidência do Município, Pedro Ferreira será, sem dificuldade, reeleito. A entrada de António Rodrigues na corrida poderá, contudo, perturbar o passeio dos socialistas.
(ler mais...)


TORRES NOVAS EM 1985: parabéns, cidade! - josé mota pereira »  2020-07-18  »  José Mota Pereira

Em 1985, as pessoas da zona alta vinham à vila. E diziam-no quando vinham ao centro! Ainda hoje, passados 35anos, vem-se à vila. Eram bem diferentes os limites físicos. A vila terminava junto à capela de Santo António e todas as urbanizações circundantes à Av.
(ler mais...)


530 mil - rui anastácio »  2020-07-18  »  Rui Anastácio

É o número de jovens que abandonaram o país nos últimos 10 anos.

Perante este número, é impossível não concluir que somos um país falhado. Não somos só um país falhado.
(ler mais...)


Zona industrial em Riachos - antónio gomes »  2020-07-18  »  António Gomes

As zonas industriais são espaços de ordenamento do território. Só com a sua implementação se consegue evitar a construção de empresas em locais que se destinam a outros fins e que não estão minimamente preparados para receber determinado tipo de actividades.
(ler mais...)


Refugiados: cooperação e sentido de humanidade - mariana varela »  2020-07-18  »  Mariana Varela

No passado dia 7 de julho, chegaram a Portugal 25 jovens menores não acompanhados, oriundos de campos de refugiados da Grécia, onde viviam, naturalmente em condições de extrema precariedade. No meio do caos que tem sido a situação pandémica, o problema dos refugiados não deixa de existir, adquirindo mesmo maior relevância e dimensão, uma vez que grande parte dos países fecharam a suas fronteiras como medida de prevenção.
(ler mais...)


Por onde ir? - acácio gouveia »  2020-07-18  »  Acácio Gouveia

É gratificante apercebermo-nos de que há jovens que canalizam a sua irrequietude para o pensamento crítico e para opinar sobre política. O texto da jovem Mariana Varela é um bom ponto de partida para discussão sobre perspectivas de alternativas ao caminho actual do mundo.
(ler mais...)


Uma cidade à espera de si própria - joão carlos lopes »  2020-07-18  »  João Carlos Lopes

1. Ser cidade não vale um caracol, não acrescenta uma vírgula a nenhum campeonato. Em Portugal, “cidade” não é nenhuma categoria político-administrativa, tratando-se de um título meramente honorífico.
(ler mais...)


Os municípios e as respostas locais e excepcionais a uma situação de excepção »  2020-07-03  »  Ana Lúcia Cláudio

Lisboa e Porto são, naturalmente, as cidades portuguesas mais viradas para o turismo. Por isso mesmo, são também elas as mais penalizadas com os respectivos danos colaterais nas vidas de todos os que aí vivem e trabalham.
(ler mais...)


Tudo vale a pena se a alma não é pequena - anabela santos »  2020-07-03  »  AnabelaSantos

Tanto empenho, tanto sofrimento, tantos sacrifícios, tanta luta para alcançar objectivos e pergunta Fernando Pessoa se terá valido a pena, ao que o poeta responde: sim. Se a alma não é pequena, isto é, se é dotada de um espírito bravo, forte e sonhador, nada do que se faz é em vão.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-07-18  »  Jorge Carreira Maia E se António Rodrigues?
»  2020-07-18  »  José Mota Pereira TORRES NOVAS EM 1985: parabéns, cidade! - josé mota pereira
»  2020-07-18  »  João Carlos Lopes Uma cidade à espera de si própria - joão carlos lopes
»  2020-07-27  »  José Mota Pereira As nossas vozes - josé mota pereira
»  2020-07-18  »  Mariana Varela Refugiados: cooperação e sentido de humanidade - mariana varela