• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 24 Janeiro 2022    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 17° / 6°
Céu limpo
Qua.
 16° / 6°
Céu limpo
Ter.
 16° / 5°
Céu limpo
Torres Novas
Hoje  15° / 4°
Céu limpo
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Astrazeneca: não me peçam a decisão - inês vidal

Opinião  »  2021-05-30  »  Inês Vidal

"“Sou apenas uma cidadã que, consciente de que todos os medicamentos têm riscos, quer ser vacinada, já que essa é a única forma de sairmos deste estado, mas que espera fazê-lo confiante de que não é um"

Somos, desde muito cedo, chamados à responsabilidade pelo tanto que fazemos. Se somos obesos é porque comemos de mais, se temos cancro de pulmão deve-se aos maus hábitos que promovemos, se somos presos, foi porque cometemos um crime. Simples como isso: há uma causa, há um efeito e somos chamados a responder por ele. Há até um ditado popular para isso: “Quem boa cama fizer, nela se há-de deitar”.

Somos formatados para isso. Treinamos durante anos, desde que nascemos, para ser a pessoa perfeita, com aquele livre arbítrio de que Jorge Maia tanto me falou enquanto meu professor de filosofia. As escolhas somos nós que as fazemos, aliadas à responsabilidade que nos é incutida e as respectivas consequências haveremos de as acarretar. Somos criados entre limites, que nos ditam as normas pelas quais deveremos ter de nos reger, na tentativa de atingir aquela normalidade que alguém decidiu que o é, seja lá o que isso for...

Mas esse livre arbítrio, essa relação causal justificada, só o poderá efectivamente ser quando plenamente conscientes do que fazemos, quando na posse de todos os dados, recheados de uma sabedoria que nos permita sustentar uma decisão, seja ela aquela que esperam de nós, ou a outra, a que realmente temos vontade de tomar. Nunca o princípio poderá ser decidir sem ter em conta peso e medida. Nunca, especialmente se esse pedido vier exactamente de quem mais espera que sejamos sempre perfeitos, correctos, exemplos...

 Sou mulher nascida, sou menor de 40 anos por acaso, sou jornalista de formação académica, directora de jornal por amor, técnica auxiliar de farmácia de profissão porque a vida (e minhas pensadas e consertadas decisões) aí me levaram. Foi ao abrigo deste meu último papel que fui uma das primeiras contempladas com uma vacina contra a Covid-19. Como não poderia deixar de ser, com a famosa vacina da Astrazeneca. E aqui estou eu: viva, bem de saúde, sem reacções de maior e desejando fervorosamente a segunda dose que, em primeira análise, me dotará de uma maior protecção contra esse vírus que nos veio fazer ver quão feio ou quão belo pode o mundo ser.

A sensivelmente duas semanas dessa eventual segunda dose, restam-me dúvidas sobre o que vai sobrar para mim (se me permitem a ironia desta frase). De acordo com estudos mais recentes (posteriores à minha primeira dose), esta vacina deverá ser idealmente atribuída apenas a pessoas com idade superior à minha, ficando eu à partida - caso se colocasse o estudo na prática - excluída dessa segunda fase.

Muito bem. A teoria é essa, mas o que acontece a seguir efectivamente? Terei de repetir todo o processo de vacinação? Ser-me-á dada uma vacina diferente? Ou, de acordo com zunzuns que correm para aí, serei eu, Maria Inês, mulher nascida, menos de 40 anos, jornalista de formação académica, directora de jornal por amor, técnica auxiliar de farmácia de profissão porque sim, chamada a decidir sobre o que é melhor para mim?

A mim, que como tantos outros na mesma situação, não sou especialista em vacinas, vai-me ser dito qualquer coisa como: “Se quiser a segunda dose é sua, sabendo à partida que poderá não ser indicada para a sua faixa etária. Se não quiser, espere até que percebamos o que vamos fazer consigo”.

Vamos lá ver se nos entendemos? Se eu fosse assim tão entendida em vacinas e saúde pública a ponto de decidir se deveria ou não dar continuidade à minha vacinação, marcava lugar nas reuniões de especialistas no Infarmed, o espaço mais indicado para explanar o meu ponto de vista. Mas todos sabemos que não é o caso. Sou apenas uma cidadã que, consciente de que todos os medicamentos têm riscos, quer ser vacinada, já que essa é a única forma de sairmos deste estado, mas que espera fazê-lo confiante de que não é um mero pontapé na sorte, mas sim de que os benefícios continuam a superar os riscos. E isso, não posso nunca ser eu a avaliar. Para isso existem comissões, task forces e direcções-geral de saúde.  

Quero o meu passaporte verde. Se quero... Quero as vacinas que me conferirão protecção contra esse vírus que, ao que parece, mata. Mas não me perguntem que vacina vou levar. Decida quem sabe, em plena consciência do que isso me poderá, ou não, fazer. A mesma consciência previamente informada que eu levarei ao esticar o braço, confiando plenamente em quem tomar essa decisão. Desde que a tome. E alguém que saiba do assunto. Não eu, jornalista de formação, directora de jornal por amor, técnica auxiliar de farmácia de profissão, porque a vida assim quis.

 

 

 

 

 

 

 Outras notícias - Opinião


(des)esperança e lição da professora Natureza - maria augusta torcato »  2022-01-13  »  Maria Augusta Torcato

Cada ano novo traz consigo esperança e intenções. É talvez isso que contribui para que nós o sintamos como novo. É uma perceção, uma representação que está tão imbuída em nós e que, mesmo nos mais céticos e desesperançosos, alimenta uma pequenina, ténue e fugaz luz no nosso interior.
(ler mais...)


Que orçamentos, que políticas municipais para as exigências de hoje? - antónio gomes »  2022-01-13  »  António Gomes

Bem o sabemos, os orçamentos materializam políticas e estas devem reflectir as exigências das pessoas e reflectir os desafios do futuro mais ou menos próximo.

Se os orçamentos e os planos a quatro anos não responderem ao grande desafio das alterações climáticas, onde se inclui naturalmente, a menor disponibilidade de água ou a saturação de CO2 na atmosfera…

Se não responderem à falta de habitação digna, em particular para os mais jovens, se não tentarem pelo menos responder ao decréscimo de população, contrariando a grave crise demográfica…

Se o foco continuar a ser o apoio ao grande comércio em detrimento de toda uma rede de pequenos comerciantes por onde passa a base da vivência nos centros das cidades ou, se em termos de apoio à economia e ao emprego, se continuar a olhar apenas para o nosso umbigo em detrimento de um plano muito mais vasto que integre os concelhos vizinhos e tenha capacidade de atracção de investimentos….
(ler mais...)


LINDO, LINDO, É IR AO CURRAL DAS FREIRAS - josé alves pereira »  2022-01-13  »  José Alves Pereira

Na segunda metade dos anos 70 do pretérito século, comecei a ir à Madeira com alguma regularidade. Maior rigor será dizer ao Funchal. Estava em construção o conjunto designado por Casino Park Hotel, obra emblemática com os esboços e o traço inicial do arq.
(ler mais...)


De sua graça - carlos paiva »  2022-01-13  »  Carlos Paiva

Destacado ou disfarçado, por mais de uma vez incluí nestas crónicas a noção de que a medição do sucesso pelo número de aderentes significa zero na balança das boas decisões. O discernimento com maior profundidade raramente acontece dentro das maiorias.
(ler mais...)


O equívoco dos homens fortes - jorge carreira maia »  2022-01-13  »  Jorge Carreira Maia

A sociedade portuguesa, pouca habituada a uma conduta disciplinada, embasbacou com o Vice-Almirante Gouveia e Melo. Até aqui não vem mal ao mundo. Contudo, algumas declarações do novo chefe da Armada abrindo a possibilidade de se candidatar à Presidência da República podem trazer consigo um equívoco.
(ler mais...)


O que aí vem - inês vidal »  2021-12-26  »  Inês Vidal

Passámos o ano, festejámos em família, vivemos mais uma vaga, fechámo-nos em casa, voltámos ao estudo em casa, às síncronas e assíncronas. Vacinámos Portugal. Com o bom tempo largámos as máscaras, acreditámos que o sol teria voltado a brilhar.
(ler mais...)


Regionalização, Espírito do Tempo e a bílis de Rui Rio - jorge carreira maia »  2021-12-26  »  Jorge Carreira Maia

 

Regionalização. A regionalização é uma excelente ideia. O problema, porém, é que estamos em Portugal – e no sul da Europa – o que pode transformar uma coisa boa, num grande problema.
(ler mais...)


A um melhor ano. Eventualmente. - carlos paiva »  2021-12-26  »  Carlos Paiva

Típico da época, os balanços, as listas, as contas feitas. E, contas feitas, é demasiado deprimente picar a checkbox da desilusão. Os problemas que havia, são os que há, somando os que surgiram entretanto.
(ler mais...)


Os donos disto - pedro ferreira »  2021-12-10  »  Pedro Ferreira

Começo esta crónica por lembrar que ninguém diz algo apenas porque sim ou porque calhou. O nosso tempo é limitado e a atenção dos outros também. Sempre que falamos sobre algo, fazemo-lo pela necessidade de dizer x em vez de y ou do silêncio.
(ler mais...)


O som do silêncio - carlos paiva »  2021-12-10  »  Carlos Paiva

Poucos de nós têm a perceção da importância que o som tem nas nossas vidas. Não me refiro só à música, mas também. Os ouvidos não têm pálpebras que bloqueiem o som mediante comando, não têm íris que ajuste a intensidade mediante conveniência, o som está presente de forma permanente, quer queiramos quer não.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-12-26  »  Inês Vidal O que aí vem - inês vidal
»  2021-12-26  »  Jorge Carreira Maia Regionalização, Espírito do Tempo e a bílis de Rui Rio - jorge carreira maia
»  2022-01-13  »  Jorge Carreira Maia O equívoco dos homens fortes - jorge carreira maia
»  2022-01-13  »  José Alves Pereira LINDO, LINDO, É IR AO CURRAL DAS FREIRAS - josé alves pereira
»  2022-01-13  »  Carlos Paiva De sua graça - carlos paiva