• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Sábado, 19 Setembro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Ter.
 26° / 16°
Céu nublado com chuva fraca
Seg.
 26° / 14°
Períodos nublados
Dom.
 25° / 17°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  24° / 16°
Períodos nublados com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Refugiados: cooperação e sentido de humanidade - mariana varela

Opinião  »  2020-07-18  »  Mariana Varela

"Como nos sentiríamos se fôssemos obrigados a abandonar o lugar onde nascemos e crescemos?"

No passado dia 7 de julho, chegaram a Portugal 25 jovens menores não acompanhados, oriundos de campos de refugiados da Grécia, onde viviam, naturalmente em condições de extrema precariedade. No meio do caos que tem sido a situação pandémica, o problema dos refugiados não deixa de existir, adquirindo mesmo maior relevância e dimensão, uma vez que grande parte dos países fecharam a suas fronteiras como medida de prevenção. Mas, a realidade miserável em que estas pessoas vivem permanece, aumentando, assim, as necessidades de fuga e de acolhimento por parte de países estrangeiros.

Não podemos confundir o refugiado e o imigrante, pois a sua situação legal é bem diferente, tal como aquilo que o leva a sair do seu país de origem, deixando para trás tudo o que construiu, o seu lar, a sua família e amigos, sem garantia de retorno. A insegurança e perigo a que estas pessoas estão condenadas, por força de guerras civis e conflitos antigos, discriminação e perseguição em função da raça, orientação sexual ou nacionalidade, coloca-as num beco sem saída, não tendo outra escolha senão continuar a correr riscos (tais como as viagens para os países de acolhimento, sem quaisquer condições, em que muitos ficam para trás), em prol da dignidade e segurança de que qualquer ser humano carece.

Para além de segurança física e meios de sobrevivência, aqueles que se refugiam procuram bem-estar, saúde e educação, para si e para os seus. No entanto, como se já não bastasse o panorama terrífico a que estão sujeitos, também a resposta a nível global não é a melhor. Os refugiados, ainda que acolhidos por uma grande quantidade de países, concentram-se essencialmente em territórios que enfrentam situações de pobreza, como a África, o sul da Ásia, a Jordânia, o Paquistão, entre outros, assistindo-se a um enorme desequilíbrio na sua distribuição pelo mundo, sobrecarregando comunidades em situações já frágeis e obrigando muitas pessoas a viver em campos de refugiados por longos períodos de tempo.

A crença nas implicações económicas que o acolhimento de refugiados pode ter, a discriminação de que a comunidade muçulmana é alvo, interferem na abertura e receptividade global, no acolhimento atencioso e cuidado, no proporcionar de iguais oportunidades e igual tratamento e na integração destas pessoas. Ainda que as leis internacionais de proteção consagrem direitos fundamentais aos refugiados (como o direito à segurança, que se traduz na proibição de enviar novamente refugiados para o país de origem, caso isso coloque em causa a sua segurança) e que organizações mundiais colaborem para melhorar esta situação, ainda há um longo caminho a percorrer no sentido da melhoria de qualidade de vida dos refugiados e do seu estatuto, bem como da transformação de mentalidades para que se atinja uma consciência global destas problemáticas e uma verdadeira cooperação e sentido de humanidade.

Para isso, nada melhor do que calçar os sapatos dos outros. Como é viver como um refugiado? Quais as consequências, a curto e longo prazo? Como nos sentiríamos se fôssemos obrigados a abandonar o lugar onde nascemos e crescemos, sem qualquer promessa de um dia voltar? Mais do que acolher, é importante acolher bem, oferecer a ajuda psicológica necessária, favorecer a integração, respeitar a sua cultura e entender que estamos perante seres humanos, entre eles crianças indefesas. Até quando iremos ver um mundo dividido e limitado por fronteiras, discriminar o que é diferente e maltratar os nossos semelhantes?

 

 

 Outras notícias - Opinião


A mesa - rui anastácio »  2020-09-12  »  Rui Anastácio

Tenho um certo fascínio por mesas. Ao longo da minha vida já mandei fazer algumas. Quase sempre mesas grandes e robustas. Onde se possam sentar muitas pessoas. Onde se possa beber um bom vinho, comer muito, conversar muito, discutir muito, praguejar, gritar, lutar por ideias e ideais.
(ler mais...)


Aventurazinha no Comboio Fantasma - miguel sentieiro »  2020-09-12  »  Miguel Sentieiro

Hoje apetece-me escrever uma história baseada em factos verídicos com algumas notas ficcionadas para se conseguir tornar a narrativa menos densa e nauseabunda. Um indivíduo com 80 anos entra na urgência do Hospital de Torres Novas com fortes dores abdominais.
(ler mais...)


Democracia e representatividade - mariana varela »  2020-09-12  »  Mariana Varela

A democracia é, essencialmente, um sistema político que assenta na soberania popular, isto é, um regime em que a legitimidade do poder político emana do povo. Definir ou explicar a noção de democracia não é difícil.
(ler mais...)


A ruptura do discurso - jorge carreira maia »  2020-09-12  »  Jorge Carreira Maia

Nos últimos tempos três assuntos têm concentrado os interesses das redes sociais que dão atenção ao fenómeno político. O racismo, a festa do Avante e a disciplina de Cidadania e Desenvolvimento no ensino não superior.
(ler mais...)


As cabras do reino - carlos paiva* »  2020-09-12  »  Carlos Paiva

Era uma vez um reino. O rei tomou conhecimento que uma república aliada doava dinheiro a quem quisesse criar cabras com o intuito de limpeza do mato nas serras, de modo a diminuir o risco de incêndios. Uma solução barata, neste caso de borla, e acima de tudo não poluente, amiga do ambiente, tema muito em voga entre os gentios.
(ler mais...)


Fabrióleo: ir até ao fim - antónio gomes »  2020-09-12  »  António Gomes

O encerramento da Fabrióleo é um facto. O sofrimento das pessoas e o atentado ao ambiente estão agora mais próximos do fim. Quem não luta, não alcança.
Durante muitos anos, a poluição dos solos e das linhas de água foram a marca daqueles poluidores, nunca se importando com as consequências dos seus actos.
(ler mais...)


Agricultores - rui anastácio »  2020-09-01  »  Rui Anastácio

Falámos em Inglês. Não sei de onde vinham, vinham de bicicleta de bem longe, pela sua tez seriam originários do centro da Europa. Uma das bicicletas estava furada, com o pneu destroçado. Ofereci-lhes o meu spray antifuro.
(ler mais...)


O debate e a ditadura de pensamento - mariana varela »  2020-09-01  »  Mariana Varela

Nós, seres humanos, habitamos e partilhamos este mesmo Mundo, algo que nos une enquanto Humanidade. Ainda que todos façamos parte de uma realidade universal, possuímos uma identidade baseada nas nossas próprias experiências pessoais e características únicas.
(ler mais...)


O outro somos nós - margarida trindade »  2020-09-01  »  Margarida Trindade

Numa muito recente viagem de família, a dada altura e já próximos do destino, a fim de sabermos qual o caminho a tomar, parámos numa bomba de gasolina e baixados os vidros das janelas, lançámos às três pessoas sentadas na mesa da esplanada a demanda pela estrada a seguir.
(ler mais...)


O rio do fururo - josé mota pereira »  2020-09-01  »  José Mota Pereira

Nos diferentes modelos de desenvolvimento para o concelho, há que reconhecê-lo, os poderes municipais estão muitas vezes limitados nos seus poderes de decisão. Mas, as suas decisões – ou não decisões – e aquilo que consideram estratégico, tem reflexos e consequências para o futuro dos concelhos.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-09-01  »  José Mota Pereira O rio do fururo - josé mota pereira
»  2020-09-01  »  Rui Anastácio Agricultores - rui anastácio
»  2020-09-01  »  Mariana Varela O debate e a ditadura de pensamento - mariana varela
»  2020-09-12  »  Mariana Varela Democracia e representatividade - mariana varela
»  2020-09-01  »  Jorge Carreira Maia Saudades da ditadura - jorge carreira maia