• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 29 Novembro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 18° / 5°
Períodos nublados
Ter.
 19° / 9°
Céu limpo
Seg.
 17° / 9°
Períodos nublados com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  16° / 8°
Céu nublado com chuva fraca
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Ler os nossos escritores - jorge carreira maia

Opinião  »  2020-10-09  »  Jorge Carreira Maia

"É preciso que os cidadãos tomem nas suas mãos a memória da sua literatura."

É possível que a maioria esmagadora dos portugueses tenha ouvido o nome de Almeida Garrett, Alexandre Herculano, Camilo Castelo Branco, Júlio Dinis e Eça de Queiroz. São eles o fundamento a partir do qual se foi construindo a literatura de ficção nacional e que teve o seu grande momento de reconhecimento com a atribuição do Nobel a José Saramago. No entanto, a ficção portuguesa não vive apenas dos autores canónicos, um pequeno número que se distingue pela diferenciação das suas obras. Hoje ainda se ouve falar de Ferreira de Castro e Aquilino Ribeiro, Vergílio Ferreira e Agustina Bessa Luís, de Jorge de Sena e José Cardoso Pires. Há, todavia, um número muito significativo de autores de especial competência que começam a desaparecer da memória colectiva.

Rodrigues Miguéis, Augusto Abelaira, Urbano Tavares Rodrigues, Fernando Namora, Fernanda Botelho, Joaquim Paço d’Arcos, Maria Judite de Carvalho, Nuno Bragança, José Régio, Carlos de Oliveira, Rúben A, todos estes escritores ainda são conhecidos, terão leitores, mas a sombra do esquecimento cai já sobre eles. Desde o século XIX que Portugal produziu imensos romancistas, novelistas e contistas. Não serão todos excepcionais, mas a maioria tem obras interessantes e que nos dão a ver aquilo que somos. Merecem ser lidos por vários motivos. Em primeiro lugar, porque será possível encontrar na sua leitura prazer estético e tratamento depurado da língua portuguesa. Serão também um complemento ao conhecimento histórico do que temos sido. A História lida com a factualidade, com os acontecimentos, mas a ficção dá-nos a ver o que desejámos, o que nos fez sofrer e o que nos incitou a enfrentar obstáculos e a viver.

Um estudo recente mostra que os alunos do terceiro ciclo e do ensino secundário lêem cada vez menos. Temo que os jovens adultos e as gerações na casa dos quarenta e cinquenta anos sigam pelo mesmo caminho. O esquecimento dos nossos escritores e a desistência da leitura serão dois fenómenos que andam de mãos dadas e que deveriam merecer a maior das atenções da sociedade civil e dos cidadãos, mais até do que do Estado. É preciso que os cidadãos tomem nas suas mãos a memória da sua literatura. É preciso ler porque isso proporciona prazer e amplia a nossa capacidade de interpretar o mundo. É preciso ler os nossos escritores, os do cânone, mas também os outros, porque ali está a raiz da nossa imaginação, porque ali está um poder para, confrontando-nos com essas visões do mundo, termos capacidade para nos reinventar no presente e nos imaginar um futuro. A literatura também serve para isso.

 

 

 Outras notícias - Opinião


Onde pára o PS? - josé mota pereira »  2020-11-21  »  José Mota Pereira

Vivi algum tempo nos Açores, onde contactei com uma realidade social e política muito diversa daquela a que estava habituado por estas paragens. Nesse período, a transição do poder político passava de Carlos César para o seu sucessor, Vasco Cordeiro, de forma absolutamente tranquila, com o PS exercendo uma maioria eleitoral que a toda a gente parecia vir a ser eterna.
(ler mais...)


Gatos »  2020-11-21  »  Rui Anastácio

A “Rosa dos Gatos” foi uma das personagens que habitou a minha infância. Na verdade a minha infância foi habitada por uma miríade de personagens. Escolhi a Rosa não sei bem porquê.

A Rosa alimentava vinte gatos, tinha muito mau feitio para as crianças mas um imenso amor pelos gatos.
(ler mais...)


[Breve ensaio para uma carta ao futuro] - margarida trindade »  2020-11-21  »  Margarida Trindade

Aquele era o tempo do contágio. O tempo em que da ordem nasceu a desordem. O tempo da separação e da angústia. O tempo asséptico. O tempo final. O tempo do medo. O tempo da rebelião e de todos os perigos latentes.
(ler mais...)


Ser Torrejano - josé ricardo costa »  2020-11-21  »  José Ricardo Costa

Desço a rua dos Anjos quando o meu cérebro é de repente apoquentado por uma radical e inquietante questão. Não o pavor diante do silêncio e escuridão do espaço cósmico ou por não saber se quando esticar o pernil irei dar com a Audrey Hepburn a cantar o Moon River numa matiné de domingo no Virgínia ou com um cenário de Bosch.
(ler mais...)


Pandemia e a vantagem do meio termo - jorge carreira maia »  2020-11-21  »  Jorge Carreira Maia

Depois de uma pequena acalmia, a pandemia de COVID-19 escalou. Contágios, internamentos, utilização de cuidados intensivos e mortes, tudo isso apresenta números que são já assustadores. É fácil criticar os governos, difícil, porém, é ter, com os recursos existentes e com os conhecimentos disponíveis, respostas que agradem a todos ao mesmo tempo.
(ler mais...)


Generalizar, apontar, julgar - inês vidal »  2020-11-21  »  Inês Vidal

Digo isto com frequência. Quem melhor me conhece, já o ouviu dezenas de vezes. Ainda hoje, ao jantar, dizia à minha filha que não podemos viver no preconceito. A vida não é a preto e branco, tem antes milhares de nuances.
(ler mais...)


Mais rápido que a própria sombra - carlos paiva »  2020-11-21  »  Carlos Paiva

As árvores, além de produzirem oxigénio e servirem de lar para uma série de bicharada, têm num dos efeitos colaterais à sua existência, o arrefecimento do ar. Onde há árvores, fica mais fresquinho.
(ler mais...)


Água - antónio gomes »  2020-11-21  »  António Gomes

A água é um recurso escasso, não é infinito e não podemos viver sem ela. O acesso à água é um direito humano.
Muito se tem escrito e muito se vai continuar a escrever sobre a exploração e utilização da água, mas medidas concretas para rentabilizar a sua utilização são ainda são escassas e decisões políticas são a excepção.
(ler mais...)


Voltemos ao comércio local - antónio gomes »  2020-11-06  »  António Gomes

A situação de pandemia agrava-se aos olhos de toda a gente e as consequências desta situação são evidentes: no emprego/desemprego, na actividade económica, na transacção de mercadorias, em particular no comércio local.
(ler mais...)


FUI LÁ ATRÁS, VOLTO JÁ - josé mota pereira »  2020-11-06  »  José Mota Pereira

Passados três meses da sua aquisição, o smartphone decidiu entregar a alma ao criador, pelo que o cronista teve que o substituir temporariamente, aguardando a devida recuperação do paciente tecnológico. Sendo a doença temporária e recuperável no prazo razoável de três semanas, decidiu o cronista investir a modesta quantia de cerca de vinte moedas de euros na aquisição de um aparelho telefónico portátil, a que dantes chamávamos telemóvel, para permitir o seu contacto com os outros humanos do Mundo.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-11-21  »  José Mota Pereira Onde pára o PS? - josé mota pereira
»  2020-11-21  »  José Ricardo Costa Ser Torrejano - josé ricardo costa
»  2020-11-06  »  Jorge Carreira Maia Hiperpolitização - jorge carreira maia
»  2020-11-21  »  Carlos Paiva Mais rápido que a própria sombra - carlos paiva
»  2020-11-06  »  José Mota Pereira FUI LÁ ATRÁS, VOLTO JÁ - josé mota pereira