• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Segunda, 06 Dezembro 2021    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qui.
 16° / 10°
Céu nublado com chuva fraca
Qua.
 14° / 9°
Céu nublado
Ter.
 17° / 11°
Céu nublado com chuva fraca
Torres Novas
Hoje  17° / 8°
Céu nublado
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

Ressaca - carlos paiva

Opinião  »  2021-10-17 

"Também ficámos a saber que 2880 torrejanos ainda devem favores ao monarca anterior. O tal que ia ganhar isto. Só que não"

Após as eleições autárquicas e conhecidos os seus resultados, li on-line algumas tentativas de pseudojornalismo, outras tantas opiniões de pretensos analistas políticos e, também, algumas declarações de vencedores e vencidos. Ah! Espera. Não houve vencidos. Ganhou a democracia, segundo dizem.

Quando quase metade dos eleitores se esteve borrifando para exercer o seu direito, eu diria que há vencidos sim, e não foram poucos. Preocupa-me que este facto não seja um problema, uma prioridade para os vencedores. Nem para os pseudojornalistas e pretensos analistas políticos. Neste cenário, dificilmente descortino a democracia como vitoriosa.

Para o que escrevo a seguir, apesar de ter feito as contas numa folha de cálculo (com dados obtidos on-line) para o efeito desta crónica, arredondei bastante e os números apresentados são uma mera aproximação. É mais prático. Vejamos: a abstenção a nível nacional passou os 46%. Num universo de eleitores de cerca de 9,4 milhões, são 4 milhões de abstencionistas. As audiências nos canais de televisão para a cobertura das eleições, andou à volta de 5 milhões de espectadores. Partindo do pressuposto de que quem vota tem interesse em saber quem ganha, bate certo. Por exclusão de partes, há 4 milhões de eleitores desinteressados, sem votar.

Não há recenseamento nem sondagem a desmentir ou confirmar o preconceito que o abstencionismo tem origem na indiferença ou na iliteracia política. A abstenção é também ela uma manifestação política. Sustentada por eleitores que não consideram válida a totalidade da oferta no painel, ou das regras do jogo sequer. Sem dados, só podemos conjeturar. É uma leitura possível, pelo menos.

A abstenção em Torres Novas foi um pouco abaixo da nacional, 43%. Para um universo de 30 mil eleitores onde apenas 17 mil são votantes (dados de 2017), significa 13 mil abstenções. Quem ganhou, maioria absoluta com menos de 8 mil votos, na sombra de 13 mil abstenções, teve como bandeira, entre outras qualidades anunciadas, a proximidade. Ser próximo de metade da metade, é como aquele fulano que estava morto. Mas era só um bocadinho. Não fazia mal. Quase nem se notava.

Senhores vencedores, deixem-se estar quietinhos. Já é tradição, por isso não se vai notar rigorosamente nada. Quase metade não vos vai exigir responsabilidades nem pedir por contas. Conhecem o futuro, já sabem no que vai dar, limitam-se a ir planeando a fuga, se não o fizeram já. A outra metade vota. Metade dessa metade, vota precisamente em vós. Identificam-se claramente os benefícios de, e para, a democracia. Instalou-se a ditadura da maioria de 8 mil sobre 30 mil. Para acontecer e se perpetuar, é do interesse dos poderes vigentes que o abstencionismo se mantenha, cresça até. É como pescar num barril, não tem como errar.

Embora o próprio INE aponte a emigração para justificar a diferença entre eleitores e votantes (850 mil a nível nacional), festeja-se. Embora se ouçam avisos sonoros e luzinhas vermelhas a piscar a alertar para o perigo dos absolutismos, festeja-se. Pela democracia, afirmais vós, enquanto o número de peixes no barril continua a diminuir. Estou tentado a sugerir outra opção que não o ficar quietinho: servir todos. A definição de cargo público: servir a comunidade, toda a comunidade. Conceito ousado, não é? Implica trabalho. É melhor não. Os ilustres senhores não estão habituados, vai dar asneira. Como já deu antes.

Ter mão nos subordinados, filtrar o que proferem em público, escrutinar detalhadamente os projectos e sua utilidade, o enquadramento dos equipamentos na comunidade, supervisionar as obras que propõem e executam, tem-se vindo a revelar uma dificuldade. Agora, uma impossibilidade. Sublinho o ponto negativo que o resultado destas eleições trouxe: o silenciar das vozes discordantes que punham em causa, questionavam, e bem. Ficámos mais pobres. Por outro lado, também ficámos a saber que 2880 torrejanos ainda devem favores ao monarca anterior. O tal que ia ganhar isto. Só que não.

 Também ficámos a saber que 2880 torrejanos ainda devem favores ao monarca anterior. O tal que ia ganhar isto. Só que não.

 


Fontes de dados: Pordata, INE, RTP, SIC, TVI, Expresso, Público

 

 

 Outras notícias - Opinião


Resiliências, Rui Rio/PSD, BE e Futebol »  2021-12-03  »  Jorge Carreira Maia

Resiliências. Ser ministra da Saúde em Portugal não é tarefa fácil. Ser ministra da Saúde em Portugal e em tempos de pandemia é tarefa hercúlea. O sector é atravessado por múltiplos, poderosos e discordantes interesses, que têm tanto ou mais poder que qualquer ministro.
(ler mais...)


Pedinchice - inês vidal »  2021-11-25  »  Inês Vidal

Habituámo-nos à pedinchice. Já não a estranhamos nem questionamos, antes a integrámos na nossa rotina, no nosso dicionário mental, assumindo-a como parte integrante e inerente à solidariedade de que somos tão adeptos.
(ler mais...)


Violência na família - mariana varela »  2021-11-25  »  Mariana Varela

A evolução do estado de coisas, a nível sócio-cultural, é quase sempre gradual e lenta, repleta de avanços e recuos constantes. Se é certo que em vários domínios da vida em comunidade alcançámos, sim, objectivos muito valiosos, outras situações continuam a destoar profundamente do ideal que possamos ter de uma sociedade mais justa.
(ler mais...)


Desesperança 1, ou o Novembro do nosso descontentamento - maria augusta torcato »  2021-11-25  »  Maria Augusta Torcato

Às vezes, lembro-me das personagens de Sancho Pança e D. Quixote, evocadas no capítulo III de “Viagens na minha terra”, de Garrett.

Não sei, todavia, se a lembrança dessas personagens, neste contexto, vem por boas razões.
(ler mais...)


Dos fracos não reza a história - carlos paiva »  2021-11-25 

 

É uma realidade: dos fracos não reza a história. A prerrogativa fica do lado dos fortes, dos vitoriosos que, nessa condição, escrevem a história. A versão dos factos para a posteridade é invariavelmente simpática para os vencedores e vincadamente penalizadora para os vencidos.
(ler mais...)


SEMPRE É UMA COMPANHIA - josé alves pereira »  2021-11-25  »  José Alves Pereira

Num destes dias, ocorreu-me passar os olhos pelo Fogo e as Cinzas, livro de contos do Manuel da Fonseca. Acabei relendo o que me serve para título desta crónica e pretexto para uma incursão por algumas recordações ligadas ao aparelho de rádio que um dia, pelos anos 50, entrou lá em casa.
(ler mais...)


Vírus, clima, PSD e futebol - jorge carreira maia »  2021-11-25  »  Jorge Carreira Maia

1. O vírus resiste. Depois de uns meses de acalmia, volta o espectro do confinamento. Isto apesar da vacinação em Portugal ter corrido muito bem. O problema é que a vacinação, embora sendo uma condição necessária para combate à COVID-19, não é suficiente.
(ler mais...)


Sem pinga… »  2021-11-18  »  Hélder Dias

Perigo! PS e Presidente da República em manobras - josé alves pereira »  2021-11-09  »  José Alves Pereira

A rejeição do O.E. e o seu desmedido empolamento, arrastaram na ventania da pressão mediática gente, mesmo de esquerda, que perdeu o bom senso e a serenidade. Importa, pois, voltar a 2015, relembrando factos. Para fazer face ao retrocesso da governação PSD/CDS de ir além da troika na retirada de direitos e rendimentos, formou-se um governo minoritário do PS.
(ler mais...)


Quem paga a conta do chumbo do orçamento? - jorge carreira maia »  2021-11-09  »  Jorge Carreira Maia

Julgo que os eleitores tanto do BE como do PCP não compreendem as razões que levaram ao chumbo do Orçamento de Estado. Quando falo em eleitores desses partidos não me estou a referir aos militantes e simpatizantes partidários que rodeiam esses militantes, mas às pessoas que votam nesses partidos não por fé ideológica, mas porque acham que eles são instrumentos para a defesa dos seus interesses e do bem comum.
(ler mais...)


 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2021-11-25  »  Inês Vidal Pedinchice - inês vidal
»  2021-11-18  »  Hélder Dias Sem pinga…
»  2021-11-09  »  Carlos Paiva Bizarro - carlos paiva
»  2021-11-09  »  Jorge Carreira Maia Quem paga a conta do chumbo do orçamento? - jorge carreira maia
»  2021-11-25  »  Jorge Carreira Maia Vírus, clima, PSD e futebol - jorge carreira maia