• SOCIEDADE-  • CULTURA  • DESPORTO  • OPINIÃO
  Domingo, 25 Outubro 2020    |      Directora: Inês Vidal    |      Estatuto Editorial    |      História do JT
   Pesquisar...
Qua.
 19° / 13°
Céu nublado com chuva fraca
Ter.
 19° / 9°
Céu nublado com chuva fraca
Seg.
 17° / 9°
Períodos nublados
Torres Novas
Hoje  19° / 12°
Céu nublado com chuva moderada
       #Alcanena    #Entroncamento    #Golega    #Barquinha    #Constancia 

CAMÕES, AMÁLIA E A MERCEARIA DO SENHOR SOARES - josé alves pereira

Opinião  »  2020-08-19  »  José Alves Pereira

"A casa dos meus tios era um 2º andar, no Beco dos Birbantes, a que se acedia por uma escada íngreme e estreita"

Por vicissitudes da vida familiar, em Abril de 1953, pouco depois de fazer 5 anos, fui viver para Lisboa com uns tios que moravam numa ruela paredes meias à Calçada de Santana. Ela, Elisa Moreira, nascera no Outeiro Grande (Torres Novas) e indo servir para Lisboa ali conheceu José Bernardo com quem “casou”. Ele, natural de Trancoso, exercia a profissão de guarda-fios, daqueles que subiam aos postes para reparar as ligações telefónicas. A empresa era a APT (The Anglo-Portuguese Telephone, Company) que em 1968 passaria a TLP. Por vezes trazia uns equipamentos que eu admirava: uns grampos que se amarravam às botas, com o feitio de uma meia lua, feitos de ferro e com uns bicos interiores que se cravavam nos postes de madeira ao trepar. Esteve em França, na frente da 1ª Guerra Mundial, integrando o CEP (Corpo Expedicionário Português). Penso que dos dias amargos, e dos resquícios republicanos, lhe sobreveio o vezo anticlerical, referindo-se aos padres como a seita negra jesuítica. A minha tia pelo contrário era bem religiosa embora não muito assídua à igreja. Rezava, e eu acompanhava, ao levantar e ao deitar, antes e depois das refeições. Pelo Natal ia à Igreja da Pena, ouvia a liturgia e colocado na fila, beijava os pézinhos do menino Jesus. Mais do que devoção era medo que ali sentia. Tudo tão lúgubre ! De quando em vez, num circuito que corria a paróquia, um singelo Oratório com a Sagrada Família, alumiado por velas, pousava em cima de um móvel da sala. Nada parecido com a grandeza ostentatória que Eça de Queirós, na Relíquia, colocou em casa da titi de Teodorico Raposo, pouco acima no nº 47 do Campo de Santana. Fiquei vacinado ! Não mais voltei a qualquer frequência religiosa.

A casa dos meus tios era um 2º andar, no Beco dos Birbantes, a que se acedia por uma escada íngreme e estreita, com degraus em madeira que rangiam. Das traseiras via-se a Estação do Rossio e ouviam-se os comboios. Na porta da rua pendia um cordel que subia até à cozinha, onde uma sineta tocava. Assumava-se à janela para verificar o chegante e abria-se a porta puxando um cordel ligado ao trinco da fechadura. Era o que acontecia quando o correio, o marçano do sr. Soares, o ardina dos jornais, o galego da carvoaria ou o pregão da peixeira Beatriz se anunciavam. Descia então um cesto pendurado numa corda para recolher as compras.

As saídas de casa mais longínquas eram quando ia de eléctrico até à Cruz Quebrada e depois a pé, atravessando uma mata, até chegar ao Forte de Caxias, onde estavam o meu pai e um tio. Mais frequentes eram as idas à venda do sr. Soares, que fazendo esquina com a Calçada de Santana, de um lado tinha a taberna e do outro a mercearia. Naquele tempo em que os cereais, o café, acúcar ou especiarias e demais produtos se acolhiam em sacos e embalagens abertas, com avios ao momento, emanava de tudo aquilo uns cheiros doces e agradáveis. O marçano, rapazito vindo da província, acabada a primária, enroupando uma bata acinzentada lá ia acorrendo aos pedidos. Eu, pequenito nos meus 5 anos, sentado no balcão, desafiado, ia exibindo os dotes cantantes, retribuídos com umas línguas de gato ou uns beijinhos de preta (pequenos biscoitos encimados com um creme seco colorido). Ficando por aqui seria apenas uma recordação comezinha de uma ruela e de uma mercearia num bairro popular lisboeta se a ela não associasse uma referência, que só conheci mais tarde, numa casual visita recordatória.

Na fachada do 1º andar, numa placa, podia ler-se “ NÉSTA CASA, SEGUNDO A TRADIÇÃO DOCUMENTAL, FALLECEU EM 10 DE JUNHO DE 1580 LUIZ DE CAMÔES. O ACTUAL PROPRIETÁRIO MANOEL JOSÉ CORREIA MANDOU PÔR ÉSTA LAPIDE EM 1867”. Tivesse eu o dom de recuar no tempo e na história e ao ouvir o ressoar dos passos do nosso Luís no andar de cima, subiria a escada e perguntar-lhe-ia coisas da sua vida aventurosa : a refrega em África em que perdeu um olho, se ainda ia ao Bairro Alto almoçar com os nobres na taberna do Mal-cozinhado, como eram os dias na prisão do Tronco, ali em baixo nas Portas de Santo Antão, etc. Responder-me-ia talvez com um dos seus sonetos:

Vivo em lembranças, morro de esquecido,

De quem sempre devera ser lembrado,

Se lhe lembrara estado tão contente

Esperásse ele uns anos, antes de se juntar às suas ninfas no céu etéreo, e num século vindouro ouviria cantar os seus versos não esquecidos:

Descalça vai para a fonte

Lianor pela verdura;

Vai fermosa, e não segura.

É que uns passos abaixo da casa onde ele vivera e se finara, no nº 86 da Rua Martim Vaz nascia em 23 de Julho 1920, fazendo agora cem anos, aquela que primeiro os cantaria (1963) e deles faria parte relevante do seu reportório: Amália Rodrigues.

Eis como a mercearia do senhor Soares, ali à Calçada de Santana, serviu de pretexto para lembrar um romance do Eça ao cimo da rua, o passamento de Camões subindo a escada e portas abaixo o nascimento da dona Amália. Tudo tão perto e afinal tão ligado .

 

 

 Outras notícias - Opinião


Tudo pequenas coisas - antónio gomes »  2020-10-23  »  António Gomes

Em cima da antiga lixeira foram plantadas, em Dezembro passado, uma quantidade de árvores a que deram o nome de “Mata Municipal Cardillium. Esta iniciativa parecia ter futuro: uma boa ideia plantar árvores até porque meteu a participação de crianças de uma escola e boas fotos.
(ler mais...)


Sem política, armas e religião… - maria augusta torcato »  2020-10-23  »  Maria Augusta Torcato

“Eu só quero ir para um lugar sem política, armas e religião…”, dizia uma mãe ainda jovem, em lágrimas, quando um jornalista a interpelava nos momentos que se seguiram à tragédia no porto de Beirute, que é do conhecimento de todos nós, mas, quicá, por estar distante dos olhos talvez passe a estar igualmente distante do coração.
(ler mais...)


É um pássaro!? É um avião!? Não! É o supermercado! - carlos paiva »  2020-10-23  »  Carlos Paiva

Corria o distante ano de 1987 quando foi inaugurado o segundo hipermercado em território nacional, na Amadora. O primeiro foi em Matosinhos, em 1985, mas por causa da pronúncia do norte, foi mal interpretado e a malta não ligou.
(ler mais...)


Contentes e resilientes - jorge salgado simões »  2020-10-23  »  Jorge Salgado Simões

O Governo apresentou na semana passada, em Bruxelas, os planos de Portugal para os fundos da União Europeia no combate à crise provocada pela pandemia, a famosa bazuca de 13 mil milhões de euros a fundo perdido, transformada em Plano de Recuperação e Resiliência.
(ler mais...)


A decapitação - jorge carreira maia »  2020-10-23  »  Jorge Carreira Maia

O ataque terrorista perpetrado há dias em França por radicais islâmicos está sobrecarregado de simbolismo. Não se trata de um mero homicídio, como aqueles que resultam da deflagração de bombas, ataques com armas de fogo ou atropelamentos com viaturas.
(ler mais...)


Nos ecos da festa do Avante! - josé alves pereira »  2020-10-09  »  José Alves Pereira

Falemos da festa do Avante!, agora que a poeira assentou e o aranzel antidemocrático cessou, transferindo-se para outros acontecimentos. Não é tanto do evento em si mesmo, mas do contexto em que ele este ano se construiu e realizou.
(ler mais...)


O pau da República - josé mota pereira »  2020-10-09  »  José Mota Pereira

Na manhã outonal do 5 de Outubro de 2020, erguia-se majestoso no topo da praça o vigoroso mastro aguardando a bandeira republicana que deveria ter vindo. Vão longe os tempos da praça, que ainda antes ser deste dia de Outubro tinha o nome do último Bragança e recebia a visita do jovem rei dom Manuel, entre os aplausos da multidão que acenando ao ilustre lhe atirava "viva o rei dom manelinho que é tão bom e bonitinho" – pelo menos assim contou aos seus descendentes, mais palavra, menos palavra, uma antepassada minha que não conheci.
(ler mais...)


A bicicleta - rui anastácio »  2020-10-09  »  Rui Anastácio

No meu concelho há uma terra onde tenho alguns bons amigos. Essa terra chama-se Vila Moreira. Foi lá que encontrei o meu primeiro trabalho. Tinha então 15 anos e uma bicicleta amarela que me levava a quase todos os sítios onde queria ir.
(ler mais...)


Ler os nossos escritores - jorge carreira maia »  2020-10-09  »  Jorge Carreira Maia

É possível que a maioria esmagadora dos portugueses tenha ouvido o nome de Almeida Garrett, Alexandre Herculano, Camilo Castelo Branco, Júlio Dinis e Eça de Queiroz. São eles o fundamento a partir do qual se foi construindo a literatura de ficção nacional e que teve o seu grande momento de reconhecimento com a atribuição do Nobel a José Saramago.
(ler mais...)


Está tudo mal. Tudo. - carlos paiva »  2020-10-09  »  Carlos Paiva

Em amena cavaqueira entre amigos, a discutir o desempenho autárquico, ou a falta dele, surgiu a frase: “…criticar a Câmara Municipal é fácil…”. Concordei de imediato. Aliás, reforcei que é O MAIS fácil.
(ler mais...)

 Mais lidas - Opinião (últimos 30 dias)
»  2020-09-28  »  Maria Augusta Torcato Ironia do destino ou lei do retorno? - maria augusta torcato
»  2020-10-09  »  Carlos Paiva Está tudo mal. Tudo. - carlos paiva
»  2020-10-09  »  António Gomes IMI 2021: pensam que enganam quem? - antónio gomes
»  2020-10-09  »  Jorge Carreira Maia Ler os nossos escritores - jorge carreira maia
»  2020-10-09  »  Rui Anastácio A bicicleta - rui anastácio